Saúde estuda liberar plano-piloto de retorno às aulas a partir do próximo dia 19 no Paraná

Há uma sinalização para possível retorno em três regiões do Paraná: Irati, Guarapuava e União da Vitória

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) estuda liberar o retorno às aulas presenciais a partir do próximo dia 19 de outubro. Inicialmente, como prevê o plano-piloto da Secretaria Estadual da Educação (Seed), o retorno ocorreria apenas em regiões com menor incidência de casos e de mortes. Há uma sinalização para possível retorno em três regiões do Paraná: Irati, Guarapuava e União da Vitória.

“Isso vamos fechar nos próximos dias com a possibilidade de retorno no dia 19 de outubro nessas áreas, nestes colégios estaduais. Claro que com o rodízio de alunos, respeitando tudo aquilo que está escrito na resolução SESA 632, que implica em distanciamento social, medidas de cautela e lavagem das mãos, tudo aquilo que a gente vem falando nos últimos sete, oito meses. Devemos bater o martelo nos próximos dias, com a anuência do governador Ratinho Júnior, começando por plano-piloto de 15 dias nas áreas que temos menos incidência de novos casos e óbitos”, disse o secretário Beto Preto.

O possível retorno ocorreu durante audiência de prestação de contas na Assembleia Legislativa do Paraná.

Além do Governo do Estado, há um expressivo número de entidades que participa da elaboração do protocolo, que seria válido para as redes estadual e privada. Entre os pontos discutidos, está a liberdade para pais que optem por não enviar os filhos às aulas, garantindo assim o ensino remoto até pelo menos dezembro. Para os que optarem por ir às aulas, o objetivo é garantir ensino híbrido e permitir o distanciamento social nas escolas.

Beto Preto ainda não informou em quais regiões o retorno ocorreria, mas um ponto importante apontado é a taxa de infecção inferior a 0,8.

Outro ponto destacado pelo secretário Beto Preto é que o retorno aconteça simultaneamente nas redes pública e privada. “Isso é democrático e nivela o conhecimento” afirmou.

As aulas estão suspensas no Paraná desde o mês de março.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolas de Curitiba desenvolvem ações para conscientizar estudantes sobre o Bullying

Escolas de Curitiba desenvolvem ações para conscientizar estudantes sobre o Bullying

As escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) de Curitiba desenvolvem diversas ações de conscientização para evitar o bullying e promover o respeito entre crianças e estudantes. Para marcar este 20 de outubro, dia mundial de combate ao bullying, a rede municipal de ensino realiza, nesta quinta-feira (20/10), o Seminário do Programa Curitibinhas na Inclusão, Bullying Não!, com palestras sobre o tema e apresentações de boas práticas nas unidades educacionais.

A abertura o seminário, na Universidade Livre do Professor (CIC), contou com a presença do prefeito em exercício, Eduardo Pimentel, e da secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila.

“Temos que reconhecer a importância de prevenir essa prática, por isso as escolas tem mediadores preparados para reconhecer o orientar casos assim”, destacou Pimentel.

O programa Curitibinhas na Inclusão, Bullying Não!, lançado em outubro de 2019, reúne material próprio e busca sensibilizar os estudantes da rede por meio da reflexão e da execução de medidas educativas. Também desperta nos estudantes e profissionais da Educação um olhar mais sensível para identificar traços de possíveis agressões, contribuindo para a prevenção.

A secretária da Educação afirmou que é necessário refletir sobreas motivações e consequências do bullying.

“Todos os dias devemos pensar em como podemos melhorar como pessoas. Às vezes uma criança age com agressividade porque está imitando um adulto, então precisamos oferecer um repertório positivo, experiências positivas”, comentou Maria Sílvia.

O evento contou ainda com uma palestra do professor Cloves Amorim, da PUC-PR, padrinho do projeto. O professor explicou que a prevenção ao bullying precisa ser uma prática coletiva e institucional, e não apenas ações pontuais. “Tem que ser um compromisso de todos”, disse.

Boas práticas

A mascote do programa é a gralha azul, que recebeu o nome de Sementinha, sugerido por meio de um concurso entre escolas e CMEIs.

“Ela vem semeando valores importantes ao convívio social como respeito, equidade, bondade, empatia, tolerância, esperança, amizade, acolhimento entre outras virtudes importantes”, explicou a diretora do Departamento de Inclusão e Atendimento Educacional Especializado, Gislaine Coimbra Budel.

Na ULP estão expostos os trabalhos de dezenas de unidades escolares com as ações relativas ao tema. Na escola Leonel Moro (Pinheirinho), por exemplo, as turmas do pré trabalharam com os com os sentimentos: alegria, mágoa, tristeza, desejos, para saber identifica-los e lidar com eles. No CMEI Solitude (Cajuru), as crianças abordaram ações de gentileza, como pedir licença, ter paciência, sorrir, agradecer.

O programa conta com materiais informativos como panfletos orientadores, e-book com sugestões de jogos e músicas, que de forma lúdica tratam condutas contra o bullying na dinâmica escolar.

Presenças

Participam do seminário a superintendente de Gestão Educacional, Andressa Pereira, o superintendente Executivo, Oséias Santos de Oliveira, chefes dos dez Núcleos Regionais da Educação, gestores de unidades e professores.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

Rua da Cidadania Matriz oferta aulas de violino e marchetaria

Rua da Cidadania Matriz oferta aulas de violino e marchetaria

Marchetaria e violino são os novos cursos oferecidos ao público por meio das parcerias autossustentáveis estabelecidas com o Núcleo da Fundação Cultural (FCC) na Administração Regional Matriz e ainda têm vagas. Cada modalidade custa R$ 60 mensais, pagos diretamente aos professores.

As aulas começaram neste mês. O curso de marchetaria – a técnica de decoração de superfícies de madeira com a aplicação de materiais – é voltado para interessados a partir de 15 anos que possuam os instrumentos básicos para a prática. As aulas são dadas em grupo e acontecem uma vez por semana, todas as segundas-feiras, das 9h às 11h, na Rua da Cidadania da Matriz.

Já o curso de violino permite a participação de crianças a partir de 4 anos. Os inscritos podem usar o instrumento emprestado do curso nas primeiras aulas mas na sequência, a fim de estudar em casa, é necessário ter o próprio violino. As aulas também são semanais, com 1 hora de duração, e acontecem às sextas-feiras em duas turmas: pela manhã (às 9h) e à tarde (às 17h), também na Rua da Cidadania da Matriz.

Mais informações sobre estas ou outras modalidades de cursos oferecidos pelo Núcleo da FCC na Administração Regional da Matriz podem ser obtidas por meio do telefone: 3313-5817 ou do e-mail arteeculturamatriz@curitiba.pr.gov.br.

Serviço:

Marchetaria e violino na Regional Matriz

Cursos novos oferecidos na Rua da Cidadania

(Praça Rui Barbosa, 101)

Aulas semanais

R$ 60 mensais

Informações: 3313-5817 e arteeculturamatriz@curitiba.pr.gov.br.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com