Saúde ativa mais 20 novos leitos de UTI Covid em Ponta Grossa

O Governo do Estado ativou neste final de semana 20 novos leitos de UTI para atendimento exclusivo à Covid-19 no Hospital Universitário de Ponta Grossa (Campos Gerais). Com esta ampliação, a ala Covid do hospital conta agora com 60 leitos de UTI e 64 clínicos.

“O Governo do Estado realiza um grande esforço para atender todas as regiões neste momento considerado o mais crítico da pandemia. Nos próximos dias planejamos abrir 200 leitos exclusivos para Covid-19. Além da ativação no Hospital Regional de Ponta Grossa, ativamos também nesta sexta-feira (19) mais 20 leitos no Hospital Regional do Litoral, sendo 5 de UTI e 15 de enfermaria. Dentro deste planejamento está a abertura de outros 20 leitos no Hospital Universitário de Cascavel”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

“Contamos com a orientação e todo o apoio do governador Ratinho Junior para a viabilização destes novos leitos clínicos e de terapia intensiva para os paranaenses. Nosso objetivo é reforçar ainda mais a rede de atendimento à Covid-19, que hoje conta com mais 4 mil leitos ativados”, afirmou o secretário.

 Segundo Beto Preto, neste mês já foram abertos 357 leitos de UTI e 890 de enfermaria. 

O Paraná tem atualmente 1.671 leitos de UTI e 2.787 leitos clínicos para adultos e, somados os pediátricos, são mais de 4 mil espaços exclusivos para atendimento da Covid-19.

PONTA GROSSA – Dos 20 leitos de UTI ativados no Hospital Universitário de Ponta Grossa, 14 eram leitos de observação do Pronto Atendimento e foram convertidos em UTI e outros 6 foram criados a partir da chegada de novos equipamentos.

Parte da equipe profissional foi remanejada de outras áreas do hospital e também redirecionada de outras unidades de saúde do Estado. A instituição ainda contratou técnicos de enfermagem para o atendimento nos novos leitos.

O secretário Beto Preto ressaltou que este trabalho de ativação de leitos, diante de uma estrutura hospitalar já chegando ao seu limite, depende do esforço conjunto de todas as esferas administrativas e dos poderes federal, estadual e municipal.

“Estamos fazendo tudo o que é possível ser feito em termos de estrutura hospitalar, medicamentos, vacinas, recursos humanos; todos os paranaenses infectados estão recebendo algum tipo de assistência graças a esta união de esforços de gestores. O momento é de união para alcançarmos o objetivo de salvar vidas e reduzir a transmissão da Covid-19”, ressaltou Beto Preto.

Informações AEN PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira dez dicas da Saúde de Curitiba para evitar acidentes com a aranha-marrom

Confira dez dicas da Saúde de Curitiba para evitar acidentes com a aranha-marrom

Dias quentes e úmidos? É hora de sair do esconderijo e caçar. Essa é a natureza da aranha-marrom nos meses mais quentes do ano, como no verão. Para evitar contato e acidentes com o aracnídeo, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) ensina dez dicas essenciais.

Os acidentes com a aranha-marrom aumentam nessa época do ano, mas podem ser facilmente evitados, com medidas de limpeza e prevenção, confira as principais delas:

1- Limpeza é a regra de ouro, com uso de pano e aspirador de pó atrás de móveis e quadros das paredes.

2 – A maioria das picadas ocorrem à noite, quando as aranhas saem de seus “esconderijos” em busca de alimento (insetos). Elas atacam os humanos ao se defenderem de algum contato acidental quando estavam escondidas entre roupas, nos calçados, roupas de cama. Por isso, é importante sacudir roupas e calçados antes de usa-los.

3 – Mantenha a residência bem arejada e evite o acúmulo de qualquer material nos quintais de casa.

4 – No ambiente externo, a localização mais frequente é em meio a telhas, materiais de construção e restos de madeira.

5 – Bloqueie o acesso da aranha ao interior da casa, colocando lâminas de borracha na parte inferior das portas.

6 – Não utilize venenos.

7 – As presenças de lagartixas são bem-vindas nas residências: são predadoras naturais das aranhas e não fazem mal aos seres humanos.

8 –  Examinar bem as roupas antes de vestir e calçados antes de calçar, principalmente aqueles que estavam guardados a bastante tempo.

9 – Se for abrir cômodos ou armários há muito tempo fechados, faça uma boa inspeção antes de tocar nos objetos, se possível use luvas de borracha e calçados fechados.

10  – Tampe todos os buracos vazios das paredes e forros, bem como rodapés e cantoneiras.

Em caso de acidentes

Em caso de não conseguir evitar o contato com a aranha-marron a orientação da saúde é buscar atendimento a um serviço de saúde o mais rápido possível.

Em Curitiba as 108 unidade de saúde estão preparadas para fazer o atendimento dessas situações e que o quanto antes a pessoa procure tratamento em caso de suspeita de ter sido picada, melhor.

“É um acidente dolorido, a pessoa que sofre a picada da aranha-marrom depois sente um desconforto no corpo e um mal-estar. Cerca de 85% dos acidentes são leves e tratados com medicamentos. Em poucas situações, as mais graves, será necessário o soro antiaracnídio”, explica o diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde, Alcides de Oliveira.

Cerca de 3% a 5% dos acidentes evoluem para casos graves, em que a lesão na pele evolui para a necrose (morte do tecido que forma a pele). Independentemente da gravidade, os sintomas iniciais são sempre os mesmos.

Como identificar a picada e o que fazer

– A picada da aranha é caracterizada por um ponto na pele e causa uma sensação de ardor leve. O local pode ficar vermelho, cerca de meia hora após a picada. Entre 8 e 10 horas depois, as dores no local aumentam, como se fossem queimaduras, assim como o inchaço. Ao longo dos dias, pode haver febre, mal-estar, coceira.

– Em caso de suspeita de picada, procure imediatamente um serviço de saúde. Caso consiga capturar o animal, leve-o em um recipiente. Isso facilita a identificação da espécie e a conduzir o tratamento.

– O tratamento é feito conforme o quadro do paciente e envolve desde limpeza no local, medicamentos como antialérgicos, corticoides e remédios para dor. Apenas nos casos mais graves recomenda-se o soro antiaracnídio.

Como identificar a aranha-marrom

– A aranha-marrom mede de 3 a 4 cm, tem pernas longas e finas, e seu abdome parece uma azeitona.

– Ela habita locais escuros, quentes e secos. Pode ser facilmente encontrada em residências, principalmente em armários, atrás de quadros e em objetos que têm pouco manuseio na casa.

Acidentes

Em Curitiba, os casos confirmados de acidentes com aranha-marrom têm diminuído ao longo dos anos, com o aumento da atenção dos moradores na prevenção e da capacitação dos profissionais de saúde no atendimento.

Enquanto nas primeiras décadas dos anos 2000 a média de acidentes foi de 3,1 mil casos registrados por ano na cidade, em 2021, foram 591. Em 2022, dados preliminares apontam 708 acidentes com o aracnídeo. Esse número, porém, ainda está em fase de confirmação e alguns casos ainda podem ser descartados.

Em 2020 com a pandemia da covid-19 e maior tempo de permanência das pessoas em casa, Curitiba registrou o menor número de acidentes com aranha-marrom da série histórica, foram 472 casos.

Para segurança nas férias, Saúde orienta vacinar contra febre amarela

Capacitações qualificam abordagem ao paciente da saúde mental em Curitiba

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

Saúde abre consultas públicas para incorporação de tecnologias ao SUS

O Ministério da Saúde recebe até a próxima segunda-feira (9) manifestações sobre a incorporação de tecnologias ao Sistema Único de Saúde (SUS). Uma das consultas propõe a ampliação do uso da vacina pneumocócica conjugada 13-valente para imunizar crianças de até 5 anos contra pneumonia.

Também está em consulta pública a incorporação da empagliflozina para o tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca. A indicação do medicamento já recebeu parecer favorável da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec).

Para participar das consultas é preciso acessar a página Consultas públicas. No mesmo endereço, estão disponíveis o relatório técnico e o documento para a sociedade em geral, com informações que auxiliam no entendimento sobre as tecnologias em processo de avaliação.

Fonte: Veja a matéria no site da Agência Brasil

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com