Saúde abastece regionais e hospitais com cloroquina

A Secretaria de Estado da Saúde já distribuiu 17 mil comprimidos do medicamento cloroquina para todas as Regionais e 28 hospitais de referência. A quantidade é suficiente para 850 tratamentos. Nos próximos dias devem chegar do Ministério da Saúde mais 27 mil comprimidos.

Segundo orientações do Ministério, a cloroquina pode ser usada em pacientes hospitalizados com infecções graves da Covid-19, como coadjuvante no tratamento clínico, desde que devidamente receitada e acompanhada por profissional médico.

“Como ainda não temos tratamento específico e eficaz até o momento, o Ministério da Saúde considerou a utilização da cloroquina em caráter temporário, de acordo com critério da equipe médica dos hospitais”, disse o secretário da Saúde, Beto Preto.

Ele disse que a Secretaria acompanha várias pesquisas e testes sobre a utilização de outras substâncias. “Logo a ciência mundial vai achar o caminho. Enquanto isso não devemos utilizar medicamentos para a Covid-19 sem o protocolo clínico”, afirmou. Ele lembrou que medicamento é uma coisa muito séria e é um risco de saúde pública.

Segundo Beto Preto, a diferença do veneno e do remédio é a dose, e por isso às vezes existem medicamentos que têm um certo significado, uma indicação, mas também com os efeitos adversos. “A cloroquina e a hidroxicloroquina têm esse caráter. Podem provocar alguma alteração no ritmo cardíaco e daí a necessidade da prescrição médica e do acompanhamento”, afirmou.

OUTROS MEDICAMENTOS – São vários medicamentos em teste no mundo e no Brasil para o tratamento da infecção por coronavírus. “Vários antirretrovirais da família dos medicamentos usados para o tratamento de equilíbrio do coquetel anti-HIV estão sendo pesquisados. Foi assim com a gripe H1N1, que resultou na indicação do Tamiflu”, destacou Beto Preto.

“No caso do coronavírus, vai existir um tratamento mais pacificado e aceito por todos. Até lá, reitero aqui as medidas que temos falado nos últimos meses, que é de isolamento domiciliar, distanciamento social, etiqueta respiratória e higienização das mãos”, ressaltou.

Segundo ele, a Secretaria está ampliando o número de leitos de UTIs e de enfermaria em todo o Estado, fazendo o trabalho em toda rede. “Para que isso possa continuar seguindo com resultados positivos precisamos contar com a colaboração da população. Quero insistir na importância do isolamento, sempre com muito respeito e carinho por todos os paranaenses”, acrescentou o secretário.

Via: AEN

Proteção de dados é o novo código de defesa do consumidor

A proteção de dados pessoais, especialmente na internet, recebeu mais um reforço através do projeto de lei apresentado pelo deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB) é o que destaca a entrevista da TV da Assembleia Legislativa com especialista na área. O deputado propôs a criação do Dia Estadual da Proteção de Dados, a ser celebrado em 28 de janeiro.

Romanelli avalia a importância da preservação dos dados pessoais como uma necessidade fundamental em mantê-los sob sigilo. A proposta do deputado visa conscientizar a população sobre a privacidade nos ambientes físico e virtual, além de incentivar a promoção, de condições e com recursos informativos, educacionais, técnicos e científicos.

“Precisamos aumentar a conscientização da população sobre a importância da proteção dos dados pessoais, promover a divulgação de métodos, meios e boas práticas relacionadas aos temas da privacidade, seja nos ambientes físicos ou virtuais”, esclarece Romanelli.

Relevância –
 A Lei Geral de Proteção de Dados foi pauta no programa Assembleia Entrevista na sexta-feira, 11. Na entrevista, a professora Alessandra Matos explicou como a lei reflete nas relações comerciais e destacou a relevância da proposta do deputado Romanelli.

A lei de proteção de dados já é comparada ao Código de Defesa do Consumidor que completou 30 anos nesta sexta-feira, 11. “É muito louvável esse movimento da Assembleia, porque demonstra a preocupação de quem produz as leis. Ter um dia específico, fará com que as pessoas se lembrem da importância de proteger os seus dados. Além de fazer o cidadão ter consciência da importância de ter sua privacidade protegida”.

A professora acredita que, assim como o código de defesa, a lei geral vai mudar o comportamento do consumidor em relação ao cuidado com seus dados pessoais.

Prazo – A lei geral de proteção de dados, sancionada há dois anos, deveria entrar em vigor em agosto deste ano, o que não aconteceu por conta da pandemia do coronavírus. “Esse prazo foi necessário para que as empresas pudessem se adequar, tamanha a importância desta lei, que no Paraná, terá o dia 28 de janeiro para conscientizar a todos sobre a necessidade e os cuidados de preservar os dados pessoais nas relações virtuais, comerciais ou sociais”, esclarece Romanelli.

O deputado lembra que a legislação brasileira é baseada em uma lei da União Europeia, que promoveu a mudança cultural na população e está muito mais avançada. “É uma legislação que atende ao novo conceito de mercado, onde os dados do usuário são uma forte e valorosa moeda de troca”, aponta.

Desde os dados pessoais cadastrados ao baixar um aplicativo, programa ou arquivo protegido. Além de informações como religião e orientação sexual, há uma série de dados pessoais aos quais o usuário permite, ao concordar com os termos de uso da empresa, sem ao menos ler as condições. Com esses dados em mãos, a empresa passa a obter informações que, no mercado, têm um valor exponencial.

Pela proposta de Romanelli, no dia de proteção aos dados, o governo deverá promover ações que orientem o consumidor sobre a importância de não fornecer informações pessoais na rede. Com a lei de proteção de dados, segundo Romanelli, no campo judicial, daqui para frente, o consumidor lesado poderá ingressar com ações na justiça. “As empresas deverão cuidar de todo o seu sistema de informação para evitar esse tipo de conflito”, disse.

Paraná ainda precisa de sete mil mesários para eleições municipais de 2020 e TRE faz apelo

Prazo para a nomeação dos eleitores para o pleito termina hoje, mas mesmo com a chegada da data limite ainda será possível realizar as inscrições

O Paraná ainda precisa de sete mil voluntários para chegar ao total de 85 mil necessários para a realização das eleições municipais de 2020. A informação foi confirmada à Banda B, na manhã desta quarta-feira (16), pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), o desembargador Tito Campos de Paula. O prazo para a nomeação dos eleitores para o pleito termina hoje, mas mesmo com a chegada da data limite ainda será possível realizar as inscrições.

Caso o número de eleitores voluntários não chegue a 100%, acontecerá a convocação de eleitores. Cidades como Chopinzinho, São João, Pato Branco, Pitanga, Campo Mourão, Guaraqueçaba e Loanda apresentaram baixa procura por voluntários. De acordo com o presidente do TRE-PR, haverá toda segurança sanitária durante o pleito, marcado para 15 de novembro.

“Foi feito todo um planejamento e estudo neste sentido. Materiais de segurança estão chegando, com álcool em gel individual, máscara e face shild para todos os mesários. Para se inscrever, basta acessar o mesário voluntário no site do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná e realizar o cadastro”, descreveu à Banda B.

Os mesários que trabalham nas eleições têm benefícios como: dispensa do serviço pelo dobro de dias trabalhados como mesário; auxílio-alimentação no valor de R$ 35 por dia de trabalho; crédito em disciplinas de cursos em instituições de ensino superior conveniadas; vantagem de desempate em concursos públicos, se houver previsão em edital e isenção de taxa de inscrição em concursos públicos estaduais.

Além do site do TRE-PRo mesário voluntário pode se cadastrar pelo aplicative-título.

Informações Banda B.