Rede municipal de ensino começará ano letivo de 2021 com ensino presencial e videoaulas

Publicidade
Publicidade

As 140 mil crianças e estudantes da rede municipal de ensino de Curitiba iniciarão o ano letivo de 2021, no dia 18 de fevereiro, em um modelo híbrido, no qual parte deles irá presencialmente para a unidade e os demais acompanharão os conteúdos por meio de videoaulas, como tem ocorrido desde abril devido à pandemia do novo coronavírus.

A escolha do modelo caberá as famílias. Quem optar pelas aulas presenciais levará o filho para unidade, ou o estudante terá acesso ao mesmo conteúdo, conforme seu ano escolar, por meio das videoaulas da TV Escola Curitiba.

As normas e orientações para o retorno presencial estão no Protocolo de Retorno das Atividades Presenciais, apresentado nesta sexta-feira (18/12), durante videoconferência, na Prefeitura de Curitiba, pelo prefeito Rafael Greca e pela secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila.

“Curitiba foi mais forte que as dificuldades”, comentou o prefeito. “Em 2021, eles estão voltando”, acrescentou, referindo-se às crianças e estudantes.

A secretária explicou que os chefes dos Núcleos Regionais da Educação, os diretores e profissionais das unidades, além das empresas terceirizadas de limpeza, já estão sendo orientados em relação ao protocolo para as unidades.

“O protocolo tem dez palavras-chave que todos na rede já estão preparados para praticar”, disse a secretária.

A superintendente de Gestão Educacional, Andressa Pereira, frisou que o protocolo foi construído a partir dos estudos e planejamento de um comitê composto por 28 membros de diversos segmentos, instituído pelo Decreto 998 e validado pelo Comitê de Técnica e Ética Médica da Secretaria Municipal de Saúde.

Nova rotina

Com o retorno das aulas presenciais na rede municipal de ensino, as crianças e estudantes terão uma nova rotina, com os cuidados necessários por causa da pandemia.

Para quem frequentar as unidades, o protocolo prevê as medidas necessárias, como uso obrigatório de máscara, distanciamento entre as carteiras de 1,5 metro, horários alternados de intervalo, uso de álcool gel, tapetes sanitizantes, interdição de bebedouros coletivos, aferição de temperatura, entre outros.

Os equipamentos – como tapetes sanitizantes, totens de álcool gel, face shields – já foram adquiridos pela Secretaria da Educação e distribuídos às unidades.

Confira os principais cuidados:

– uso obrigatório de máscara para profissionais e estudantes

– totens e frascos de álcool gel disponíveis

– horários de entrada, saída, refeições e intervalos escalonados para evitar aglomerações

– interdição de bebedouros coletivos

– distanciamento social de 1,5 metro

– desinfecção de mobiliário e materiais em geral com álcool 70%

Saiba mais sobre o coronavírus: https://coronavirus.curitiba.pr.gov.br/

As dez palavras-chave da nova rotina nas escolas:

1. Acolhimento

2. Uso de máscara

3. Uso de álcool gel

4. Distanciamento

5. Organização dos espaços, limpeza e distanciamento

6. Transporte escolar com monitoramento, limpeza e distanciamento

7. Comitê local de monitoramento

8. Termo de consentimento

9. Kits individuais

10. Ensino híbrido

Dúvidas?

Procure a unidade onde seu filho está matriculado ou os Núcleos Regionais da Educação. https://educacao.curitiba.pr.gov.br/unidade/educacao/18401

Economia doméstica

Também foi lançado, durante o evento, o projeto “Mãos na Massa: economia doméstica para os estudantes da rede municipal de ensino”, que será iniciado em fevereiro de 2021 para os estudantes do 6º ao 9º ano das escolas municipais.

O projeto será expandido para as unidades integrais e em seguida para toda rede.

“Quero nossas meninas e piás sabendo comprar, preparar seus alimentos e cuidar dos resíduos. É dever da escola iluminar o aluno com a luz da autossuficiência”, destacou o prefeito.

A secretária explicou que essa iniciativa é resultado do intercâmbio que os profissionais da rede fizeram na Finlândia, ano passado. “Nas escolas finlandesas eles têm cozinhas e ateliês de costura equipados, faz parte do dia a dia deles. A partir de 2021, nas nossas escolas, toda semana teremos uma professora para esse trabalho curricular”, adiantou Maria Sílvia.

Serão criados espaços maker (faça você mesmo) com propostas de vivências do cotidiano e atividades manuais, com o objetivo de desenvolver a autonomia dos estudantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Centenas de fiéis se reuniram nesta quinta-feira em um megaculto no Boqueirão

Publicidade
Publicidade

Centenas de fiéis se reuniram  na noite desta quinta-feira (25), em um megaculto da na Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no bairro Boqueirão, em Curitiba. A cerimônia, chamada de  “Culto da Vitória” , foi comandada pela filha do pastor Silas Malafaia, a cantora Rachel Malafaia. A notícia foi divulgada pela revista Época, com repercussão nacional.

Um dia antes (24), no bairro Batel, a Polícia Militar havia fechado um culto ainda maior, na Igreja Mundial do Poder de Deus, por desrespeitar regras contra a pandemia.

Já no culto da família Malafaia, testemunhas informaram que a PM chegou a ir até o local, mas nada foi feito e o culto continuou normalmente. A Banda B espera a confirmação da assessoria da PM sobre a informação.

Enquanto isso, Curitiba sofre com a falta de leitos e está na bandeira laranja. Nesta quinta-feira, ambulâncias ficaram na porta de hospitais a espera de vagas para pacientes.

Malafaia respondeu

O pastor Silas Malafaia se justificou no Twitter, afirmando que 1.200 pessoas participaram do culto, mas que o local tem capacidade para 3 mil. Segundo Silas Malafaia, todos respeitaram o distanciamento social e os procedimentos obrigatórios, como o uso de máscara. Ele atacou a Revista Época.

Informações Banda B.

Redução no estoque de sangue preocupa Hemepar

Publicidade
Publicidade

O estoque de sangue disponível nesta quinta-feira (25) no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) para atender Curitiba e a Região Metropolitana é suficiente apenas para atender a demanda diária da instituição.

“A informação é muito preocupante pois em uma situação de urgência e emergência não teríamos como atender os hospitais”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Por isso destacamos a importância da doação de sangue como ato de amor ao próximo e cidadania”, ressaltou.

Segundo ele, a pandemia não deve afastar os doadores, pois todas as medidas de prevenção e segurança são tomadas durante o processo.

A diretora do Hemepar, Liana Labres de Souza, disse que o estoque nea manhã de quinta-feira (25) tinha cerca de 200 bolsas entre todos os tipos sanguíneos. “Este quantitativo supre um dia de atendimento nos 42 hospitais da Capital e da Região Metropolitana, entre eles os hospitais de porta aberta ao trauma como Hospital Evangélico Mackenzie, Hospital do Trabalhador, Hospital do Rocio, em Campo Largo, e Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul”.

“Infelizmente os doadores não têm comparecido em nossas unidades e com isso muitas solicitações de transfusão não estão sendo atendidas em sua totalidade”, afirmou.

VACINA – Ela lembrou ainda que pessoas imunizadas contra a Covid-19 podem fazer a doação de sangue e para isso basta aguardar o período estipulado para cada tipo de vacina.

“A vacina Coranovac/ Butantan estabelece um prazo de 48 horas após o recebimento para que o cidadão possa fazer doação de sangue; já a vacina AstraZeneca/Fiocruz pede o intervalo de 7 dias para a doação”.

O Hemepar segue protocolos de segurança para a Covid-19, como o agendamento e recepção de 8 pessoas a cada 30 minutos para evitar aglomeração, utilização de álcool gel 70% e profissionais que atuam no atendimento devidamente paramentados.

O agendamento para doação de sangue pode ser feito pela internet (saúde.pr.gov.br). São aptos a doar sangue pessoas que tenham entre 16 a 69 anos, que pesem mais de 51 quilos e que estejam bem de saúde.

Informações AEN PR.