Recuperado da Covid-19, Mourão destoa de Bolsonaro e diz que vai tomar vacina

Na semana passada, Bolsonaro afirmou que “menos da metade” da população brasileira tomaria a vacina

DANIEL CARVALHO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Recuperado da Covid-19, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) voltou ao trabalho nesta segunda-feira (11) e, destoando do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou que tomará a vacina para prevenir a doença.

“[Pretendo tomar a vacina] Dentro da minha vez. Eu sou o grupo 2, aí, de acordo com o planejamento. Não vou furar a fila, a não ser que seja propagandístico”, afirmou Mourão ao chegar à Vice-Presidência.

Para Mourão, que disse ter perdido dois amigos para a doença, a questão da vacinação deve ser uma preocupação coletiva.

“Acho que a vacina é para o país como um todo, uma questão coletiva, não é individual. O indivíduo, aqui, está subordinado ao coletivo neste caso”, disse o vice-presidente.

No sentido contrário, em dezembro, Bolsonaro, que também já contraiu o coronavírus, repetiu que não vai tomar vacina contra o coronavírus.

“Eu não vou tomar vacina e ponto final. Minha vida está em risco? O problema é meu”, disse o presidente em entrevista ao Brasil Urgente, da Band, em 15 de dezembro.

Mourão disse ter passado três dias com sintomas mais pesados, mas que, depois, tomou a “medicação preconizada”, inclusive a hidroxicloriquina, droga que não tem efeitos comprovados, mas que é defendida por Bolsonaro desde o início da pandemia.

Também nesta manhã, Mourão concedeu entrevista à Rádio Gaúcha. Ele disse ter ouvido do general Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, que a próxima reunião com a Pfizer será gravada. Divergindo nas negociações, governo e a farmacêutica têm trocado acusações públicas em uma guerra de versões.

“Deve ser gravada para evitar mal entendido”, afirmou.

Na semana passada, Pazuello se queixou de exigências feitas pela empresa nas conversas com o Ministério da Saúde e disse que o total ofertado vacina apenas a “metade da população do Rio de Janeiro”.

A alta médica de Mourão foi informada pela Vice-Presidência na sexta-feira (8).

Mourão foi diagnosticado com o novo coronavírus em 27 de dezembro e estava em isolamento no Palácio do Jaburu. Ele fez o exame após ter febre e sentir dores no corpo e na cabeça.

Na terça (5), a vice-presidência divulgou comunicado em que afirmou que Mourão estava seguindo um programa de exercícios respiratórios, orientado por um fisioterapeuta.

Em comunicados anteriores, a Vice-Presidência havia informado que Mourão estava tomando remédios para dor e febre, além de hidroxicloroquina, azitromicina e Annita (um antiparasitário).

O uso da hidroxicloroquina e da azitromicina para tratamento da Covid-19 é defendido por Bolsonaro, mas as substâncias não têm eficácia científica comprovada contra o coronavírus.

Já o antiparasitário Annita é propagandeado pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, mas estudos indicaram que ele não reduz sintomas da doença. Pessoas com mais de 60 anos são consideradas grupo de risco pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba chega a 60% da população totalmente vacinada contra a covid-19

Curitiba chegou, nesta quinta-feira (14/10), a 60,1% de sua população estimada totalmente vacinados contra a covid-19. São pessoas que já receberam as duas doses do imunizante ou a dose única (Janssen). Ao todo, 1.171.419 curitibanos estão com esquema vacinal completo.

“Esses números mostram que o curitibano aderiu à vacina. É um dado importante na diminuição de casos e de internações. Mas só a vacina não é suficiente, é necessário manter a máscara, ambientes arejados, uso de álcool em gel,  lavar as mãos”, destaca a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba aplicou, até esta quinta-feira (14/10), 2.668.087 unidades do imunizante, sendo 1.445.953 primeiras doses e 1.133.247 segundas doses, 38.172 doses únicas e 50.715 doses de reforço.

Vacinados com 18 anos ou mais

Entre a população com 18 anos ou mais, 1.398.954 curitibanos receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19 e 1.133.178 receberam a segunda dose. Outras 38.172 pessoas foram imunizadas com a dose única.

Assim, Curitiba chegou a 80,6% da população com 18 anos ou mais (1.171.350) com esquema vacinal completo até esta quinta-feira (14/10). Nesse público, 98,9% já receberam ao menos uma dose do imunizante.

Curitiba também está aplicando as doses de reforço em quem já completou o ciclo de imunização, nos seguintes grupos: idosos de 70 anos ou mais, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde. Até esta quinta-feira (14/10), 50.715 pessoas receberam a dose de reforço.

Adolescentes de 12 a 17 anos

Até o momento, a SMS vacinou 46.999 adolescentes entre 12 e 17 anos. Destes, 69 já receberam também a segunda dose, sendo do grupo de gestantes abaixo de 18 anos.

Doses recebidas

Curitiba recebeu do Ministério da Saúde, repassadas pelo Governo do Paraná, 2.970.599 doses de vacinas, sendo 1.523.596 para primeira dose, 1.337.762 para segunda dose, 38.975 doses de aplicação única e 70.266 doses de reforço. Nesse montante já estão contabilizados os 5% de reserva técnica.

A reserva técnica é uma medida de segurança, faz parte dos protocolos da logística e é necessária para evitar problemas no fluxo de imunização que possam ser causados por imprevistos eventuais, por exemplo, quebra acidental de frascos.

O município tem capacidade para vacinar até 30 mil pessoas por dia e o avanço do cronograma de imunização ocorre à medida que as doses são enviadas pelo Ministério da Saúde ao governo estadual, responsável por distribuir os lotes do imunizante aos municípios.

Confira detalhes da vacinação contra a covid-19 no Painel Covid-19 Curitiba.

Covid-19: 150 milhões de brasileiros foram vacinadas com a primeira dose

O Ministério da Saúde anunciou na noite desta quinta-feira (14) que o Brasil alcançou a marca de 150 milhões de pessoas vacinadas com pelo menos uma dose de vacina contra a covid-19. Ao todo, foram aplicadas 150.179.756 doses, de acordo com o balanço mais recente da pasta. 

O número representa cerca de 93% dos 160 milhões de brasileiros que fazem parte do público-alvo da campanha, a partir dos 12 anos de idade.

Já o ciclo vacinal completo com duas doses ou dose única da vacina da Janssen está se aproximando de 62% do público-alvo, segundo a pasta. São 100.632.085 doses aplicadas até agora. 

Somando primeira e segunda doses, além da dose única, foram aplicadas, até agora, um total de 250.811.841 vacinas. O Ministério da Saúde informa ainda que 310.498.347 doses já foram distribuídas aos estados.