Reabertura de shoppings foi autorizada pelo Governo do Paraná, nota orientativa foi publicada ontem (22); veja

A Secretaria de Estado da Saúde (SESA) publicou nesta sexta-feira (22) nota orientativa 34/2020 que estabelece as condições necessárias para que os municípios orientem shoppings, centros comerciais e galerias sobre o atendimento ao público. O protocolo institui normas rígidas para regulamentar o funcionamento dos pontos comerciais que já estão abertos no Estado ou aqueles que pretendem retomar as atividades.

A normativa foi elaborada pelo Centro de Operações em Emergências (COE), em parceria com Secretaria da Saúde de Curitiba, e pode ser revista a qualquer momento. O documento apresenta critérios objetivos, técnicos e científicos e leva em consideração a transmissão comunitária, a situação epidemiológica do coronavírus e a possibilidade de saturação do sistema hospitalar no Paraná.

Entre as obrigações estabelecidas, shoppings, centros comerciais, galerias e atividades afins só podem funcionar entre 12h e 20h. Há possibilidade do horário ser redefinido, de acordo com as deliberações de cada cidade, para evitar a aglomeração no transporte público. Fica vedada, contudo, a ampliação do período de 8 horas já estabelecido.

DISTANCIAMENTO – O acesso simultâneo às dependências dos estabelecimentos – incluindo áreas comuns e sanitários, por exemplo – fica limitado à proporção máxima de uma pessoa a cada 9 metros quadrados. É preciso garantir ainda o afastamento de dois metros entre as pessoas. Além disso, o acesso às vagas de estacionamento precisam ser reduzidas na proporção da nova capacidade dos centros comerciais.

De acordo com a regulamentação, apenas pessoas com máscaras, funcionários ou público em geral, poderão adentrar aos locais, devendo permanecer o tempo todo com a proteção.

Ainda assim, a normativa proíbe o acesso de pessoas do grupo de risco (idosos com 60 anos ou mais, gestantes e portadores de doenças crônicas), além de crianças menores de 12 anos e pessoas com sintomas de síndrome gripal.

Outro ponto especificado pela normativa é que, para evitar aglomeração, fica proibida o funcionamento de atividades de lazer como cinemas, praças de entretenimento e atividades voltadas para criança.

Também não será permitida a realização de qualquer promoção ou liquidação, bem como degustação de produtos e oferecimentos de brindes. A nota orientativa reforça que fica vedada ainda a prova de vestimentas em geral (roupas, acessórios, bijuterias, calçados, entre outros), além da proibição da prova de produtos cosméticos e de higiene pessoal, tais como batons, cremes hidratantes e perfumes, entre outros.

Os estabelecimentos são obrigados a divulgar cartazes orientativos e distribuir álcool 70%. A normativa também recomenda que haja medição de temperatura das pessoas que ingressarem nos centros comerciais,

PRAÇAS DE ALIMENTAÇÃO – A normativa dedicou um capítulo à parte para orientar o funcionamento praças de alimentação. Uma equipe específica deverá ser encarregada de controlar o acesso, uso de mesas e permanência dos clientes nesses locais.

O texto destaca a proibição do fornecimento/comercialização de alimentos e bebidas na modalidade autosserviço (self-service). Fica vedada também a venda de bebidas alcoólicas.

Para garantir a segurança dos consumidores, as mesas precisam estar separadas por uma distância de 2 metros, sendo limpas e desinfectadas antes e após o uso. O compartilhamento é sugerido apenas em casos em que as pessoas têm um convívio próximo. Mesas que não podem ser acessadas pelo público necessitam estar claramente sinalizadas e demarcadas.

Ainda assim, a orientação da SESA é para que, sempre que possível, seja evitado o consumo de alimentos no local.
Clique AQUI e veja a íntegra da normativa elaborada pela Secretaria de Estado da Saúde.

Ratinho confirma investimento de R$ 82 milhões para melhorar infraestrutura das escolas

Além do programa Robótica Paraná, que vai habilitar o curso de programação nas escolas da rede pública de ensino do Estado, o governador Carlos Massa Ratinho Junior confirmou nesta segunda-feira (30), durante evento no Palácio Iguaçu, o investimento de R$ 82 milhões em tecnologia para melhorar a infraestrutura dos colégios.

“Educação é prioridade do Estado. E, com esse aporte tecnológico, passaremos por uma transformação no setor. Ofereceremos preparação e atualização para um ensino moderno, que realmente prepare os jovens paranaenses para o futuro”, destacou o governador.

O montante é dividido em três ações, todas previstas já para esse semestre. A partir de outubro serão instalados 7,9 mil novos computadores nos laboratórios de informática em cerca de 400 escolas da rede, perfazendo um investimento de R$ 30 milhões.

Haverá um upgrade de velocidade da internet fibra, que passará dos atuais 25 ou 40 megabit por segundo (mbps) para 100 mbps em 1.628 escolas, todas localizadas em áreas em que a tecnologia está liberada. Por ano, o custo será de R$ 20 milhões.

Além disso, destacou Ratinho Junior, na segunda quinzena de outubro começam a ser entregues para o Núcleos Regionais de Educação (NREs) novos equipamentos de wi-fi (internet sem fio) para todas as salas de aula da rede estadual, em um investimento de R$ 31,9 milhões.

Ao todo serão distribuídos 23,5 mil access points (dispositivos de rede que permitem aos dispositivos sem fio se conectarem a uma rede cabeada), 2.150 switchs (dispositivo que conecta todos os aparelhos de uma mesma rede) e uma solução de gerenciamento centralizado para a Secretaria de Estado da Educação. 

“Estamos avançando e vamos avançar ainda mais. A tecnologia será aliada dos alunos, professores e pais em uma evolução sem precedentes”, disse Ratinho Junior.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior lançou nesta segunda-feira (30), no Palácio Iguaçu, o Programa Robótica Paraná. Mais de 2,5 mil kits de robótica serão entregues nas próximas semanas para 257 colégios da rede estadual do Paraná. – Foto Gilson Abreu/AEN

APLICATIVO  Aos suportes anunciados nesta segunda soma-se a recente atualização do aplicativo Escola Paraná para alunos da rede estadual e pais ou responsáveis. Lançado em 2017, o app é gratuito e permite o acompanhamento do dia a dia da escola. É possível consultar, por exemplo, a grade com horários de aulas, professores do dia, notas parciais e consolidadas, tela de avisos e agenda com datas de avaliações e entrega de trabalhos.

Agora, após passar por uma grande atualização, a ferramenta está com nova interface, mais intuitiva e fácil de navegar, e com novas funcionalidades para a comunidade escolar. Uma delas é o acesso, que antes era pelo código de matrícula mais o token enviado por SMS e, agora, pode ser feito pelo @escola, login pelo qual os estudantes já acessam demais plataformas educacionais em uso, como o Google Classroom.

Outra novidade é o controle de frequência, que mostra já na tela inicial o percentual de faltas do aluno – anteriormente havia apenas o número das ausências e era necessário fazer cálculos para ter essa informação. Estudantes e pais também podem agora ter acesso ao conteúdo planejado das aulas futuras, para saber o que provavelmente será abordado em determinado dia/disciplina. Após a aula, é possível confirmar o que foi realizado, conforme informado pelo professor. Além disso, foi criado um canal direto de atendimento, o “Fale com a escola”, para envio de solicitações, sugestões e dúvidas para a administração do colégio.

“Uma ferramenta aperfeiçoada, que vem para melhorar a relação entre aluno, escola e pais. Um novo passo que o Paraná dá para passar um ensino realmente de primeiro mundo para os estudantes”, comentou o secretário de Estado da Educação e do Esporte, Renato Feder.

Também está mais fácil, nessa versão 2.0, ter acesso ao histórico de notas de trimestres anteriores e foi inserido um espaço com as notícias do portal da Secretaria. Até três pessoas podem ter acesso ao mesmo usuário – o próprio estudante e mais duas: pai e mãe e/ou responsáveis. O desenvolvimento foi feito em conjunto pela Celepar com a Diretoria de Tecnologia e Inovação (DTI) da Secretaria da Educação.

Bolsonaro diz que vetará ‘Fundão’ na íntegra se for impedido de cortar ‘excesso’

 O presidente Jair Bolsonaro afirmou que vai vetar o fundo eleitoral, o “Fundão”, na íntegra caso seja impedido de cortar o que exceder a lei de 2017 de reajuste ao projeto. De acordo com o chefe do Executivo, a ordem dada por ele foi vetar tudo o que extrapolar aquilo previsto em 2017, uma vez que não quer gerar atritos com a Câmara dos Deputados ou o Senado. “Mas vamos supor que não seja possível porque está em um artigo só, então vete tudo”, declarou Bolsonaro à Rádio Capital Notícia – Cuiabá/MT, na manhã desta terça-feira (17)

O chefe do Executivo voltou a declarar que “temos que cumprir a lei” e, não pode vetar ou sancionar “qualquer coisa sem responsabilidade”. “Se eu sancionar o que não devo ou vetar o que não posso, estou em curso em crime de responsabilidade”, afirmou.

Apesar da justificativa utilizada por Bolsonaro, não há obrigação por parte da Presidência da República de reajuste mínimo do chamado “Fundão” pela inflação. Se o presidente confirmar o veto à regra aprovada na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o valor ficará em aberto.

Segundo determina e legislação, o governo e os parlamentares deverão estabelecer o gasto com as campanhas no ano que vem de acordo com o seguinte cálculo: usar o valor dos impostos arrecadados com o fim da propaganda partidária, calculado em R$ 803 milhões no ano que vem, mais um porcentual não definido da reserva destinada às emendas parlamentares de bancada, cuja somatória deve chegar a R$ 8 bilhões no próximo ano.