Projeto Cidadania Digital oferece curso gratuito de informática a 200 jovens de Curitiba

Proporcionar conhecimentos de informática aumentando as possibilidades de jovens em situação de vulnerabilidade social conseguirem o primeiro emprego.

Este é o objetivo do Cidadania Digital, que iniciou nova turma esta semana em Curitiba, no bairro Tatuquara.

O projeto, realizado pela GERAR em parceria com a FAS e com o governo do Estado, envolverá 200 jovens divididos em oito turmas em diferentes bairros do município. O curso é gratuito, com duração de 120 horas.

Depois de concluírem o curso, os adolescentes poderão ser encaminhados para vagas de aprendizagem nas empresas da região onde moram. Para participar do curso, é obrigatório que o adolescente esteja estudando.

De acordo com a Coordenadora de Novos Projetos da GERAR, Elizete Drevinski, o Cidadania Digital visa enfrentar e corrigir defasagem no conhecimento e apropriação digital dos jovens. A falta de conhecimento em informática, explica Elizete, acaba sendo um obstáculo para a conquista do primeiro emprego e desenvolvimento profissional.

“Há entendimento de que o jovem, por saber jogar videogame e transitar nas mídias sociais, domina ferramentas de informática. Mas, quando vai para uma empresa, ele tem muita dificuldade em coisas que para profissionais adultos são básicas, como o uso do Word, Excel PowerPoint e email”.

Além do conteúdo voltado à informática, o curso ainda contempla a formação cidadã. “Muito além de oferecer aulas de informática, essa parceria possibilita oportunidades de transformação social e melhoria da vida dos participantes e suas famílias”, disse a diretora de Apoio à Empregabilidade da FAS, Melissa Cristina Alves Ferreira, que participou da apresentação do projeto às famílias.

“Para nós, é um grande prazer receber essa parceria. A nossa intenção é fazer uma escola voltada à comunidade. Estamos muito contentes em fazer parte da vida profissional desses jovens, levando sonhos e auxiliando a alcançá-los”, afirma Sandro Francisco Mira Junior, diretor do Colégio Estadual Cívico Militar Beatriz Faria Ansay, onde acontece a formação dos jovens do Tatuquara.

Jovens
Inês Raíssa do Nascimento, 16 anos, afirma não possuir conhecimento em informática. Ela não tem computador em casa nem celular – quando precisa, utiliza o aparelho da mãe. “A minha expectativa é aprender bastante, conseguir passar no curso e ter um futuro melhor”.

Inês procura um trabalho para ajudar nas despesas da casa. Pode ser em mercado ou no que aparecer. Lá na frente, o sonho é ser enfermeira. “A minha mãe só pensa nos filhos. Quero ajudar a dar o melhor para ela”.

Caso consiga um emprego, a jovem pretende, primeiro, comprar um celular. “Se eu tivesse um celular para mim seria mil vezes melhor. Por isso, a primeira coisa que eu quero é comprar meu celular para ter meu próprio plano”.

Flavia Sabrina Jussen Albuquerque tem 16 anos e cursa o 2° ano do Ensino Médio no Colégio Beatriz. Ela tem conhecimentos básicos de informática. Faz trabalhos no Word. Mas quer aprender mais para aumentar as chances de conseguir o primeiro emprego. “Quero sair uma pessoa melhor, com mais conhecimentos de informática e também com outras habilidades, como noção de fala. Pretendo conseguir o primeiro emprego para ter dinheiro para fazer minhas coisas e investir em mim”.

Ana Clara Bispo do Nascimento, de 14 anos, também vê no curso a oportunidade de conseguir o primeiro emprego e, assim, levar adiante seus sonhos. Em longo prazo, ela quer comprar uma casa. Mas os primeiros salários serão destinados para roupas e para aquisição de um computador, ferramenta que ela ainda não possui. “Também quero guardar dinheiro para a minha faculdade de Biologia”.

Pietro Henrique Oliveira Arrias diz possuir conhecimentos de informática e já fez um outro curso. No entanto, ele pretende resgatar e aprofundar os conhecimentos. Ele sonha com o primeiro emprego para ajudar nos planos da família, que pretende aumentar a casa de dois quartos, sala, cozinha e banheiro. “A gente quer fazer mais dois quartos e laje. E queremos viajar nos finais de ano. Eu quero ajudar”.

Parceria
O Cidadania Digital é realizado pela GERAR, responsável pela formação dos jovens, em parceria com a FAS, que cedeu os espaços e fez a triagem dos participantes. Os recursos para aquisição dos computadores são provenientes do governo do Estado, através do FIA (Fundo da Infância e Adolescência).

O projeto Cidadania Digital já foi desenvolvido na Regional CIC, em novembro, com a formação de 40 adolescentes. Após a turma do bairro Tatuquara, a GERAR e a FAS deverão levar a ação para mais duas regionais da cidade, Bairro Novo e Cajuru.

GERAR
Fundada em 2003, a GERAR é uma organização social sem fins lucrativos que trabalha para promover o desenvolvimento social por meio de ações educacionais e da geração de emprego e renda. A GERAR desenvolvendo no Paraná e em Santa Catarina o programa Aprendiz Legal.

Fotos / Guilherme Bittar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.