Primeiro emprego: nova fase do Cartão Futuro vai alcançar jovens até 21 anos

O Governo do Estado está preparando uma nova fase do Cartão Futuro, programa destinado a apoiar a contratação de jovens aprendizes e oportunizar o primeiro emprego. A ideia é incentivar a contratação de 20 mil aprendizes no Paraná, preferencialmente nas microempresas e empresas de pequeno porte, na faixa etária até 21 anos. Também poderão aderir ao programa aqueles empregadores que não estão conseguindo cumprir a cota mínima de aprendizagem estabelecida pela legislação enquanto durar a pandemia.

O investimento total deste programa será de aproximadamente R$ 58 milhões em 2021, sendo R$ 50 milhões deliberado pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca), oriundos do Fundo da Infância e Adolescência (FIA) e o complemento do Fundo da Pobreza. 

A iniciativa vai tramitar em projeto de lei e ainda será encaminhada para a Assembleia Legislativa. A novidade também será possível graças a uma alteração na data de pagamento, permitindo utilização dos recursos enquanto durar a emergência em saúde pública provocada pelo novo coronavírus.

Na primeira etapa, que ainda está sendo executada, o programa oferece ao empregador que manteve contratos ativos com aprendizes menores de 18 anos uma subvenção econômica de R$ 300 por 90 dias. Aqueles que contrataram novos aprendizes, mesmo que em substituição dos que tiveram o contrato encerrado durante a pandemia, têm acesso ao valor de R$ 500,00. Ele impacta a vida de 15 mil jovens aprendizes. O investimento é de cerca de R$ 20 milhões.

“Este é o maior programa no Brasil para o primeiro emprego do jovem aprendiz. Estamos buscando novas formas de ampliar o seu alcance e garantir acesso dos paranaenses ao mercado de trabalho”, disse o secretário de Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost.

Ele destacou que essa é uma iniciativa que se soma ao bom momento da geração de empregos no Paraná, com janeiro e fevereiro registrando os melhores índices de contratação da história para esses meses, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Para mais informações sobre o programa, CLIQUE AQUI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Em Brasília, Ratinho Junior defende modelo de pedágio baseado na menor tarifa

O governador Carlos Massa Ratinho Junior defendeu nesta semana, em reuniões com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a necessidade da implementação de um modelo de pedágio que respeite o anseio da sociedade paranaense pela menor tarifa, sem outorga. 

O Ministério de Infraestrutura estudará as mudanças sugeridas pelo Paraná e apresentará um novo modelo. A ideia é que o novo projeto seja justo com o desejo dos paranaenses.

A intenção, ressaltou o governador, é nortear a concessão dos 3.327 quilômetros de rodovias que cortam o Paraná em torno de duas diretrizes: maior número de obras e menor valor de tarifa cobrada do usuário. Os atuais contratos de pedágio terminam em novembro deste ano.

“O governo federal deve fazer mudanças e apresentar uma nova proposta ao Paraná. Reforçamos o desejo de todos os paranaenses por uma tarifa mais baixa, com a execução de obras e que o leilão ocorra na Bola de Valores de São Paulo, com a maior transparência possível. Esse é o nosso compromisso com a infraestrutura do Paraná”, destacou Ratinho Junior.

As propostas apresentadas pelo governador estão alinhadas ao modelo proposto pelo G7, grupo das principais entidades do setor produtivo paranaense, que entregou ao Ministério da Infraestrutura documento solicitando alterações no modelo de pedágio proposto para o Paraná.

Os empresários pedem que a licitação da concessão seja pela menor tarifa, sem limite de desconto; garantia de execução das obras por meio de depósito caução; adequação no degrau tarifário das pistas duplicadas; a desoneração do PIS/Cofins que incide sobre as tarifas de pedágio; e a transparência total no processo.

“Junto com o setor produtivo e lideranças locais, o Governo do Paraná defende um modelo que contemple o que a população nos exige: o menor valor na tarifa de pedágio”, afirmou o secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Os novos traçados, segundo demanda do Governo do Estado, estão divididos em seis lotes, mas com desenhos diferentes do atual, já que incluem rodovias que não estavam contempladas até então, como a PR-323, no Noroeste, a PR-280, no Sudoeste, e a PR-092, no Norte Pioneiro. O conjunto de rodovias em projeto é formado por estaduais (35%) e federais (65%).

Sandro Alex reforçou o pedido para que as obras sejam executadas em sua grande maioria nos primeiros anos do contrato. O pacote atual, lembrou ele, prevê a duplicação de 1.783 quilômetros (90% até o sétimo ano do acordo), a construção de 10 contornos urbanos, 253 quilômetros de faixa adicional nas rodovias já duplicadas e de 104 quilômetros de terceira faixa para apoio ao trânsito.

A proposta contempla ainda sinal de wi-fi em todos os trechos de estradas, câmeras de monitoramento e iluminação em LED.

Covid: perfil de internados em Curitiba muda de idosos para mais jovens

A pandemia da covid-19 em Curitiba voltou a ganhar força nas últimas semanas, e desta vez chega com mudança no perfil dos casos graves. Dados do monitoramento do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde mostram aumento nos internamentos de doentes mais jovens e queda no número de pacientes com idades mais avançadas em relação ao total de internados.

O período comparado é o do início da fevereiro, começo da vacinação dos idosos, à semana de 25 de abril a 1 de maio, a mais recente divulgada.

Os doentes com 80 anos ou mais representavam, na última semana de abril, apenas 2,6% do total de internamentos em leitos de UTI e de enfermaria exclusivos para covid-19 na rede hospitalar da cidade (pública e privada).

Entre os idosos acima de 80 anos, a proporção de internamentos caiu 81% do início de fevereiro para o fim de abril.

Entre os idosos de 70 a 79 anos, a queda nos internamentos foi 49% no comparativo do período. Em relação ao total de pessoas internadas por covid-19, essa faixa etária baixou de 17% para 8,7%.

Mais adultos jovens doentes

A proporção de pacientes mais jovens sendo internados para tratamento de casos graves e moderados de covid-19 em Curitiba aumentou.

Na última semana de abril, pessoas entre 50 e 59 anos responderam por 31% do total de internamentos, maior índice para esta faixa etária desde o início da pandemia, em março de 2020.

Comparativamente, na primeira semana de fevereiro, a proporção de internamento entre pessoas de 50 e 59 anos foi de 24,6%, mas já esteve em 19% no início deste ano.

Em números absolutos, o aumento de internados por covid nesta faixa de idade (50-59 anos) é ainda maior, de 94 pessoas na primeira semana de fevereiro para 154 na última de abril.

“Temos uma somatória de situações influenciando nessa mudança, vacinas já surtindo efeito em grupos já imunizados há algum tempo, mas por outro lado percebemos algumas faixas etárias se descuidando das medidas protetivas”, diz Alcides Oliveira, diretor do Centro de Epidemiologia da Secretária Municipal de Saúde de Curitiba.

Outra faixa etária com aumentos nos internamentos é a de adultos de 40 a 49 anos, com um salto de 13% do início de fevereiro para a semana de 25 de abril a 1º de maio.