Prefeitura de Curitiba lança auxílio alimentar para 35 mil famílias vulneráveis

A Prefeitura lançou, nesta terça-feira (13/), um auxílio alimentar no valor mensal de R$ 70 para garantir refeições dignas a 35 mil famílias em situação de extrema pobreza e risco social em Curitiba. O valor será utilizado para adquirir alimentos nos Armazéns da Família.

O crédito alimentar será oferecido, inicialmente, por três meses, podendo ser estendido por mais 90 dias. Assim, em seis meses, a distribuição poderá chegar a 210 mil auxílios alimentares. O auxílio alimentar começa a ser disponibilizado nesta terça-feira (13). Os beneficiados são as famílias inscritas no Cadastro Único (CadÚnico).

As famílias beneficiadas estão sendo comunicadas do auxílio alimentar pelos Centro de Referência da Assistência Social (Cras).

“Curitiba é maior que seus desafios e com esta medida estamos garantindo alimentação para quem mais precisa neste momento de crise econômica causada pela covid-19. Solidariedade emergencial contra a fome na pandemia”, afirmou o prefeito Rafael Greca, durante o lançamento do crédito alimentar. Ele estava acompanhado da primeira-dama Margarita Sansone.

A iniciativa do munícipio é uma ação conjunta da Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (SMSAN), da Fundação de Ação Social (FAS) e da Secretaria Municipal de Finanças. O custo por seis meses do programa é de R$ 12,6 milhões, bancado com recursos próprios.

As famílias foram selecionadas pelos Cras, com base nos atendimentos e inscrição no Cadastro Único.

Clique aqui e veja outras ações de apoio social da prefeitura.

Caso haja famílias que ainda não fazem parte do CadÚnico, mas precisam do auxilio alimentar, elas devem procurar o Cras da sua região para se inscrever (confira os endereços neste link).

Armazéns

As 35 mil famílias beneficiadas irão adquirir os alimentos com o crédito em uma das 34 lojas do programa Armazém da Família (veja os endereços neste link).

Quem tiver direito ao benefício será inscrito no sistema dos Armazéns da Família, com base na relação encaminhada pela FAS por meio do Cras.

Para comprar os alimentos, um responsável da família precisará apenas se dirigir a um dos armazéns levando o CPF e um documento com foto. O crédito terá validade por 30 dias, a partir da data do seu carregamento.

Pelo telefone da Central de Cadastro dos Armazéns da Família, o (41) 3350 3890, também será possível obter informações sobre o auxílio e se o cidadão tem direito ao benefício.

Opções

Luiz Gusi, secretário municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, destaca que o auxílio alimentar de Curitiba vai dar aos beneficiados a oportunidade de montar uma cesta com os gêneros alimentícios que a família escolher.

“Os Armazéns da Família comercializam mais de 250 itens de alimentação, que são em média 30% mais baratos que no varejo”, salienta.

Com os R$ 70 do auxílio alimentar será possível adquirir nos Armazéns da Família, por exemplo, uma cesta básica com 1kg de açúcar, 1kg de arroz branco tipo1, 500g de café a vácuo, um sache de 340 g de molho de tomate, 1kg de farinha de mandioca, 1kg de farinha de trigo, 1kg de feijão preto, 1 litro de leite integral, 500g de macarrão c/ovos espaguete, um dúzia de ovos tipo grande, 1kg de sal refinado, 500gr de canjiquinha (quirera fina) e 1 óleo de soja 900m. Com o crédito também será possível comprar itens de higiene e limpeza.

Os itens a serem adquiridos, no entanto, são inteiramente de escolha do beneficiado.

Fabiano Ferreira Vilaruel, presidente da FAS, explica que os Cras são unidades de execução dos serviços de proteção social básica destinados à população em situação de vulnerabilidade e risco social.

“São 39 unidades a serviço da população mais vulnerável e estarão trabalhando para que as 35 mil famílias recebam o auxílio emergencial alimentar, através dos Armazéns da Família”, observa Vilaruel.

Beneficiada

Moradora do bairro Caximba, a desempregada Neuci Helen de Andrade, 34 anos, representou no lançamento do auxílio alimentar de Curitiba as 35 mil famílias beneficiadas com a ação emergencial da Prefeitura. Ela estava acompanhada dos filhos Ágatha (16), Flávia (13), Maria Isabel (9), Giovanny (8) e Gean Carlo (3). 

“Para muita gente pode até parecer pouco, mas eu vou poder comprar comida que tá faltando lá em casa”, contou ela, que trabalha com serviços gerais, cria os filhos sozinha apenas com o Bolsa Família e mora da Vila 29 de Outubro.

Outras ações

De comida de graça a pernoite em hotéis sociais, o município vem garantindo dignidade à mesa e alojamento digno a quem mais precisa durante a pandemia. O trabalho é intenso. Já foram distribuídos gratuitamente mais de 1 milhão de kits de alimentação às famílias de estudantes da rede municipal de ensino, 285 mil refeições a quem está em risco social nos pontos do programa Mesa Solidária e aproximadamente 1.100 pessoas são atendidas diariamente em hotéis sociais, Centros POP e outros espaços de acolhimento da Prefeitura.

Programas como Armazém de Família, Câmbio Verde e Restaurante Popular foram reorganizados ou ampliados. Só as famílias atendidas pelo Câmbio Verde foram beneficiadas com 1.097 toneladas de frutes e verduras entre janeiro de 2020 e fevereiro de 2021.

“São iniciativas da Prefeitura, com o apoio da sociedade, que buscam erradicar a fome e a pobreza, bem como reduzir as desigualdades em nossa cidade”, salienta o prefeito.

O lançamento do auxílio alimentar de Curitiba também teve a participação do vice-prefeito Eduardo Pimentel; do secretário municipal de Administração e Gestão de Pessoal, Alexandre Jarschel de Oliveira; dos vereadores Pier Petruzziello (líder do governo na Câmara), Mauro Bobato, Leonidas Dias e Sidnei Toaldo; e da presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (Comsea), Tammy Kochanny.

Serviço

Informações sobre o auxílio e quem tem direito ao benefício podem ser obtidas na Central de Cadastro dos Armazéns da Família, telefone (41) 3350 3890.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sancionada lei que isenta pagamento de outorga de taxistas e transportadores escolares em Curitiba

O prefeito Rafael Greca sancionou, nesta quarta-feira (5), dois projetos de lei que vão ajudar a compensar as perdas econômicas geradas pela pandemia de covid-19 a taxistas e transportadores escolares. As medidas terão um impacto de R$ 4,3 milhões e beneficiarão diretamente 2.775 taxistas e 975 transportadores escolares. As leis devem ser publicadas ainda hoje no Diário Oficial no município.

A lei nº 15.835 permite a remissão da cobrança de outorga para taxistas e do preço público para transportadores escolares referentes ao exercício de 2020.

“Esses dois setores foram duramente afetados pela pandemia. Os taxistas, com a redução de circulação de pessoas, e os transportadores escolares com a suspensão das aulas presenciais”, diz o prefeito.

O valor da outorga para táxi é de R$ 1.350 e para transporte escolar é de R$ 640. Os operadores que eventualmente fizeram o pagamento do preço público e de outorga, referente a 2020, ou que efetuaram parcelamento dos débitos referentes a esse período, terão o valor convertido em crédito referente ao exercício financeiro de 2022. A forma de compensação será regulamentada em breve.

A  lei nº15.834, por sua vez, prevê um crédito suplementar de R$ 4,3 milhões à Urbanização de Curitiba (Urbs), proveniente do superávit financeiro de 2020, que irá ser usado para compensar o perdão dos débitos. O aporte terá validade até 31 de dezembro de 2021.

Os dois projetos de lei foram aprovados por unanimidade nessa semana pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC). Encaminhados ao Legislativo no último 12 de abril, eles foram votados em regime de urgência. Nesta quarta-feira, foi aprovado, em segundo turno, o projeto que cria o crédito suplementar de R$ 4,3 milhões.

Frente fria se aproxima e Curitiba deve ter máxima de apenas 14°C

Uma frente fria se aproxima de Curitiba e região metropolitana nas próximas horas e vai mudar a cara do clima na cidade, de acordo com o Sistema Meteorológico Simepar. Deve chover de forma fraca ou moderada no fim da tarde desta quinta-feira (6) e depois disso a temperatura cai bruscamente.

Segundo a previsão no site do Simepar, nesta sexta-feira a temperatura não deve passar dos 14°C, com mínima de 10°C. O meteorologista Lizandro Jacóbsen, do Simepar, disse que o tempo já mudou nas regiões Oeste (Cascavel) e Sul (União da Vitória).

“O tempo muda nesta quinta-feira, devido ao avanço de uma frente fria para o estado. Já nesta madrugada houve chuvas no Sul e Oeste do Paraná. No decorrer do dia, ela avança lentamente, afetando a área central (Ponta Grossa), leste (Curitiba e região) e Litoral do Paraná. Serão chuvas de fracas a moderadas nestas regiões”

Para Curitiba e região, o resfriamento acontecerá principalmente no período noturno. Depois de uma sexta que deve ser gelada, a temperatura vai subir gradativamente nos próximos dias.

Reprodução Simepar

Informações Banda B