Prefeito reeleito de Campo Largo, Marcelo Puppi acorda na UTI no dia em que é empossado

A informação foi confirmada pela família de Puppi em postagem na rede social Facebook

Prefeito reeleito de Campo Largo, Marcelo Puppi, de 61 anos, acordou na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora do Rocio nesta sexta-feira (1), dia em que foi empossado para o segundo mandato. A informação foi confirmada pela família de Puppi em postagem na rede social Facebook.

O prefeito está internado desde o início de dezembro na UTI por complicações da covid-19. No meio de dezembro foi entubado e agora está acordado e lúcido, segundo o boletim médico do Hospital do Rocio.

No Facebook, a família de Puppi confirmou a melhora. “Conforme boletim médico divulgado na data de hoje, nosso Prefeito esta acordado e lúcido, traqueostomizado em desmame de ventilação. Agradecemos as orações de cada um dos campo-larguenses e rezamos, cada vez mais, para que logo em breve ele possa estar novamente administrando o município que tanta ama”, diz a postagem.

Na UTI, Puppi foi empossado. “Ele foi empossado na data de hoje no Hospital do Rocio, onde permanece em tratamento. O ato seguiu todas as normas de segurança, não sendo realizado nenhum tipo de cerimônia. Uma comitiva de três vereadores se dirigiu ao hospital e um representante da Câmara Municipal, bem como, alguns profissionais da saúde atestaram o ato. Na leitura do juramento previsto na Lei Orgânica do município, por gestos, o prefeito consentiu assertivamente, sendo então dada a ele a posse”, conclui a nota da família.

Ainda não há previsão de alta.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bandidos armados promovem arrastão em ônibus Ligeirinho Curitiba/Campo Largo

Três bandidos armados assaltaram passageiros e fizeram o motorista de refém em um ônibus Ligeirinho da linha Curitiba/ Campo Largo, que seguia de Curitiba para Campo Largo, na região de metropolitana de Curitiba, na noite desta quarta-feira (15).

De acordo com informações da Guarda Municipal, os suspeitos levaram pertences, celulares, bolsas, carteiras e dinheiro dos passageiros que estavam no veículo.

“Os passageiros e o motorista nos disseram que os assaltantes estavam muito agressivos e chegaram a colocar as armas nas cabeças das vítimas”, disse o guarda municipal Heller.

Havia no coletivo mais de 50 passageiros no momento da abordagem, de acordo com a guarda. Os suspeitos entraram no veículo no Terminal Campina do Siqueira, ainda em Curitiba, deram voz de assalto na altura do Posto Jardim Guarani e desembarcaram na região do Passaúna, na BR-277.

Ninguém ficou ferido. Os bandidos fugiram do local levando os pertences das vítimas.

Estado contrata estudo para reorganizar transporte coletivo da Região Metropolitana de Curitiba

A pedido do governador Carlos Massa Ratinho Junior, a Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba) contratou um estudo para mapear o atual sistema de transporte e apresentar uma nova modelagem à RMC.

Ele começa a ser realizado nesta terça-feira (14) pela Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas (FEPESE), em parceria com a equipe técnica do Laboratório de Transporte e Logística da Universidade Federal de Santa Catarina – LabTrans/UFSC.

São três pontos principais: atualização do cálculo tarifário, realização de uma pesquisa de origem e destino e modelagem econômico-financeira do sistema com o estabelecimento de cenários. A entrega final está marcada para fevereiro de 2022, mas algumas aplicações práticas dos resultados obtidos com as pesquisas podem ter aplicação antecipada, com ajustes realizados na operação diária. Ele dará origem a uma licitação do transporte, a ser realizada em 2022.

A pesquisa de origem e destino com os usuários do transporte coletivo metropolitano deverá durar dois meses. Nesta etapa, equipes devidamente identificadas realizarão pesquisas com usuários visando identificar sua origem, destino, conexões e interesses. Os dados coletados deverão subsidiar as decisões realizadas pela autarquia.

As pesquisas serão realizadas em todos os 19 municípios da Rede Integrada de Transporte – RIT, nos horários de maior movimento do sistema, que são das 06h00 às 09h00 e das 16h30 às 19h30. Serão cerca 30 pesquisadores, devidamente identificados.

Segundo o presidente da Comec, Gilson Santos, será mais um passo importante para aproximar a operação do transporte coletivo do dia a dia da população. “O estudo vai mapear com precisão de onde as pessoas estão vindo e para onde elas estão indo, e ainda, se utilizam outros meios de transporte além do ônibus”, destacou.

“Com estas informações, além do ajuste da nossa operação, podemos planejar novas linhas e conexões. Todo trabalho com informações precisas e bem planejado tem resultado mais eficiente”, disse.

PANDEMIA – Uma das razões do estudo é analisar o impacto da pandemia de Covid-19 sobre os sistemas de transporte coletivo. Logo no início, em março de 2020, com a implementação das medidas mais restritivas de circulação, o número de usuários no sistema metropolitano chegou a cair para 20%. Aos poucos, com o retorno das atividades, este número foi aumentando, mas mesmo a média de usuários do sistema ainda permanece na casa dos 60%.

A queda no número de usuários, mudanças de hábitos da população e a busca por melhorias no atendimento exigiram uma série de ajustes em todas as operações. Em 18 meses de pandemia, foram realizados mais de 600 ajustes no sistema metropolitano, contemplando novos atendimentos, itinerários e ajustes de horários, personalizado para o usuário.

Especialistas na área apontam, no entanto, que dificilmente o sistema retornará aos patamares anteriores ao da pandemia e que ele precisará ser readaptado às novas realidades de vida da população.

“A ideia é ter um embasamento completo para efetivar as mudanças no ano que vem. O sistema sofreu um grande impacto, não temos mais o volume anterior. Com esse estudo teremos números reais para fazer as alterações. Queremos melhorar o tempo para o usuário e atrair mais pessoas para o sistema”, complementou Gilson Santos.

LICITAÇÃO EM 2021 – O objetivo da Comec é fazer uma grande licitação das linhas metropolitanas em 2022. O estudo ajudará a determinar a tarifa, a modelagem e os detalhes do edital.