Prefeito de Campo Largo tem piora clínica e retorna ao coma induzido, diz hospital

Com piora no quadro clínico, o prefeito de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba, Marcelo Puppi, precisou retornar ao coma induzido nesta terça-feira (5). A informação foi confirmada pelo Hospital Nossa Senhora do Rocio, em boletim divulgado pelas redes sociais do prefeito.

“Informamos que o Excelentíssimo Sr. Prefeito Marcelo Fabiani Puppi permanece internado em UTI, apresentando piora do quadro clínico, sendo necessário retornar nesta dará para sedação plena (coma induzido), estando traqueostomizado, em ventilação assistida, com instabilidade hemodinâmica e uso de medicações vasoativas”, diz o boletim.

Reeleito para o cargo, Puppi havia acordado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na última sexta-feira (1). Ele está internado desde o início de dezembro por complicações da covid-19.about:blank

Na UTI, Puppi foi empossado. “O ato seguiu todas as normas de segurança, não sendo realizado nenhum tipo de cerimônia. Uma comitiva de três vereadores se dirigiu ao hospital e um representante da Câmara Municipal, bem como, alguns profissionais da saúde atestaram o ato. Na leitura do juramento previsto na Lei Orgânica do município, por gestos, o prefeito consentiu assertivamente, sendo então dada a ele a posse”.

Ainda não há previsão de alta.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reforço de marca diferente é mais eficaz para vacinados com CoronaVac

A pesquisa analisou dados de 1.240 voluntários em São Paulo e Salvador que receberam doses da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, em um intervalo de seis meses antes do início do estudo. Os voluntários receberam doses de reforço da Janssen, Pfizer-BioNTech e AstraZeneca e da própria CoronaVac.

Os índices de aumento da concentração de anticorpos, 28 dias após a dose de reforço, ficaram em 152% para a vacina da Pfizer-BioNTech; 90% para a da AstraZeneca; 77% para a da Janssen, e 12% para a CoronaVac.

“Em adultos idosos, a diferença dos títulos de anticorpos neutralizadores foi entre 8 e 22 vezes maior em esquemas heterólogos de reforço do que no reforço homólogo com a CoronaVac”, relataram os autores do estudo.

Conforme os autores, o uso das doses de reforço mostrou eficácia contra variantes como a Delta e a Ômicron. O estudo também apontou a necessidade da dose de reforço para quem completou o ciclo com a CoronaVac.

A pesquisa foi publicada no periódico científico Lancet.

Saúde reativa quase 500 leitos para pacientes com Covid-19 e H3N2 no Paraná

A Secretaria estadual da Saúde iniciou na sexta-feira (21) o processo de reabertura de novos leitos de enfermaria para atender a demanda de pacientes infectados pelo coronavírus e que precisam de internamento hospitalar.

A decisão foi tomada por conta do aparecimento da nova variante Ômicron e o aumento no número de casos de Covid-19 e também de influenza (H3N2) desde o início do ano. A capacidade de internamentos praticamente será dobrada, passando dos atuais 515 para 1.000 leitos enfermaria, um aumento de mais de 94%. De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, nas últimas semanas, a Central de Regulação de Leitos apresentou uma alta na taxa de ocupação.

“Ao longo desses meses, com a redução da demanda e para atender outros casos, desativamos vários leitos, já que os internamentos haviam chegado a um número baixo. Mas nesses últimos 15 dias vimos os casos da Covid-19 dispararem e não queremos ninguém desassistido”, afirmou.

A reabertura de leitos para Covid-19 será, nesse primeiro momento, direcionada para o Hospital Universitário Regional do Norte do Paraná, em Londrina, com 15 leitos para receber novos pacientes. Nos próximos dias será a vez do Hospital Santa Casa de Irati (12 leitos), Hospital Universitário de Ponta Grossa (9 leitos) e Hospital Universitário de Maringá (10 leitos). Até ao final do mês está prevista a abertura de pelo menos 485 vagas.

“Aproximadamente mil leitos estarão disponíveis para atender a demanda. No momento, não haverá abertura de leitos UTI, mas estamos monitorando tanto a situação no avanço dos casos de Covid-19 como a epidemia de gripe. Conforme a necessidade, faremos as mudanças necessárias para atender a população”, disse o diretor de Gestão em Saúde, Vinícius Augusto Filipak.

NOVOS CASOS  Desde o início de 2022 foram registrados 167.278 novos casos pela Covid-19. No final do ano passado, o número não ultrapassou 9,4 mil.

A última vez que o Paraná teve registro de mais de 100 mil pessoas infectadas pelo vírus SARS-CoV-2 foi em junho do ano passado, contabilizando 162.523 casos. O número de pessoas com a infecção da H3N2 (um tipo do vírus Influenza A) já chegou a 1.516. Foram registrados 48 óbitos.