Portos do Paraná pede colaboração dos caminhoneiros para enfrentar a Covid-19

Neste ano, o auge do escoamento da safra coincide com o pico de novos casos e mortes pela Covid-19 no Brasil e no Paraná. Por isso, a Portos do Paraná conta com a consciência e a parceria de cada caminhoneiro para desempenhar, com segurança, a atividade essencial que é o transporte de cargas.

“Investimos em medidas de proteção para todos, no pátio dos caminhoneiros e no acesso ao cais. Precisamos contar com a colaboração de cada um, também, nessa batalha”, afirma o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Em março, mais de 2 mil caminhões chegam, diariamente, para descarregar no Porto de Paranaguá a produção de soja do Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Santa Catarina.

Quando são recebidos no Pátio de Triagem, onde aguardam para seguir para as moegas de descarga dos grãos, os caminhoneiros precisam passar pelas barreiras sanitárias contratadas pela autoridade portuária, instaladas no local há quase um ano.

“Essas estruturas de saúde seguem sendo importantes para o trabalho de prevenção e para não sobrecarregar o sistema de saúde municipal”, comenta Garcia.

PROTOCOLO 

Todos os motoristas, ao chegar, têm a temperatura aferida e são abordados por técnicas de enfermagem que coletam informações sobre o estado geral de saúde do caminhoneiro. Se o termômetro indicar menos de 37,6ºC, eles são orientados a higienizar as mãos e liberados.

Portos do Paraná – Saúde do caminhoneiro – Paranaguá – Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná

Como orienta a Gerência de Saúde e Segurança no Trabalho da Portos do Paraná, o que cabe a cada motorista é usar sempre a máscara, de maneira adequada, ter e usar o álcool em gel, manter o distanciamento e evitar as aglomerações em qualquer lugar que seja, principalmente em frente ao escritório dos operadores, nas cantinas e demais áreas comuns do pátio ou da moega.

Caso o caminhoneiro apresente alguma alteração, ele é encaminhado para a avaliação médica e análise primária de sintomas, com a equipe médica e de enfermagem de plantão no local. Se os sintomas forem leves, a equipe coleta os dados do trabalhador, orienta sobre as medidas preventivas (uso de máscara, isolamento).

Portos do Paraná – Saúde do caminhoneiro – Paranaguá – Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná

Se o caso for de moderado a grave, com suspeita de Covid-19, o encaminhamento é para as unidades de saúde ou para o Hospital Regional. O transporte do paciente é feito pela ambulância do Ogmo (se for no acesso ao cais) ou pelo Samu (do pátio).

Em todas as situações o município é notificado. A equipe da Guarda Portuária também recebe informações para impedir que o trabalhador ou motorista insista em ignorar as recomendações.

NO CAIS 

Da mesma maneira como funciona no pátio, também acontece com caminhões das cooperativas locais que acessam o cais. Neste mês são, em média, cerca de 900 caminhoneiros por dia circulando na faixa primária para pegar os produtos que chegam da importação ou para levar a carga para o embarque.

Informações AEN PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com Ômicron, Paraná vai aguardar e manter obrigatoriedade do uso da máscara

Com o monitoramento de seis passageiros, que estavam no mesmo voo do brasileiro que veio da África do Sul e testou positivo para Covid-19, o governador Ratinho Junior anunciou nesta terça-feira (30) que o Paraná vai manter a obrigatoriedade do uso das máscaras. A informação foi confirmada em entrevista concedida ao Meio Dia Paraná, da RPC TV.

Segundo o governador, o estado precisa monitorar a variante e agir com cautela neste fim de ano. “Esse é o presente de Natal que gostaríamos de dar para toda a população do Paraná, ter a diminuição de restrições. Mas, em especial na saúde,  temos que tomar decisões com muita cautela e agora precisamos ver como será a resposta com a variante”, disse.

Na segunda-feira (29), a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que monitora seis passageiros que desembarcaram no Paraná e estavam no mesmo voo do brasileiro que veio da África do Sul e testou positivo para Covid-19, podendo estar com a variante Ômicron.

De acordo com Ratinho Junior, o Paraná vai aguardar para tomar a melhor decisão possível. “A população, de forma voluntária, já tem tido uma atitude responsável de, mesmo ao ar livre, usar máscara. E queremos ter uma análise bem criteriosa para, quando tirar, tirar a máscara com muita confiança”, explicou.

Coronavírus

Até o momento, os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.572.312 casos confirmados e 40.563 mortos pela doença.

Informações Banda B

Para conter nova variante, Curitiba orienta quarentena e quer testar viajantes do exterior

Como plano para conter o avanço da nova variante Ômicron, Curitiba quer testar contra a Covid-19 o maior número possível de pessoas vindas do exterior. A informação foi confirmada pela secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, em entrevista concedida à Banda B nesta segunda-feira (29).

Segundo ela, o trabalho de monitoramento feito agora é o mesmo adotado pela cidade desde o início da pandemia, mas que ganha reforço com a identificação da variante Ômicron.

“Desde que tivemos o alerta da pandemia em março de 2020, a gente já montou todo um esquema e protocolos, que são bastante conhecidos pela população. Mesmo com a queda de casos, a gente insiste na testagem. Temos coletado de todas as pessoas que nos procuram, incluindo aquelas sem sintomas, mas que tiveram contato com infectados. Com o anúncio da nova variante, a orientação que fazemos para os viajantes que chegam a Curitiba, não só do Sul da África, mas de todos os países, é que façam quarentena usando máscara e nos procurem para testar”, disse a secretária.

O protocolo, porém, também trata dos países do Sul da África com a identificação da Ômicron. Segundo Huçulak, o alerta feito a todos os viajantes é que entrem em contato pela central (41) 3350-9000. “Desses países, especialmente do sul do continente africano, nós vamos testar independentemente de sintomas ou não, para a gente acompanhar bem de perto a situação da pandemia”, disse.

Também nesta segunda-feira (29), a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que monitora seis passageiros que desembarcaram no Paraná e estavam no mesmo voo do brasileiro que veio da África do Sul e testou positivo para Covid-19, podendo estar com a variante ômicron.

Novas variantes

Para evitar novas variantes, porém, Huçulak lembra da necessidade de cuidados. “O uso de máscara, o distanciamento social, ventilar os ambientes e a higienização constante das mãos são medidas fundamentais. Só a vacina não dá conta do vírus e essa variante está mostrando isso, a Europa está mostrando isso para nós. É uma variante que pode ter surgido em qualquer lugar e levada por conta das viagens que as pessoas fazem”, concluiu.

Informações Banda B