Por tranquilidade no caixa e no campo, Paraná estreia na Copa do Brasil

Ainda sem vencer na temporada, apesar de serem apenas três jogos no Campeonato Paranaense, o Paraná Clube sabe que precisa se encontrar em campo e não teve muito tempo para lamentar os tropeços. Nesta quinta-feira (1), às 19h15, o Tricolor estreia na primeira fase da Copa do Brasil, contra o URT, em Patos de Minas, sabendo que não pode perder, pois, uma derrota significa a queda precoce na competição e ainda um prejuízo no caixa, já que a passagem de fase rende aos cofres R$ 880 mil. O time paranista pode empatar a partida para garantir a classificação, já que é melhor classificado no ranking da CBF.

 

Confira a matéria completa: https://massanews.com/esportes/futebol/por-tranquilidade-no-caixa-e-no-campo-parana-estreia-na-copa-do-brasil-5y2mG.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VÍDEO: Receita do pão com bolinho da Vila Capanema

O Canal RAGULO, do talentosíssimo Rafael Lopes, lançou um novo vídeo apresentando a receita do tradicional pão com bolinho da Vila Capanema, estádio do Paraná Clube. No vídeo, Rafael apresenta ao lado de Sérgio Bello e o chef Marcos Diniz, da Miss Coxinha, esta iguaria que todo paranista já experimentou em dia de jogo. Confere o vídeo:

Em tempos de pandemia, os jogos com público aqui no Brasil foram proibidos, mas esta receita traz um pouco da experiência gastronômica do que era o mundo antes do coronavírus.

Se quiser conferir mais receitas como está, inscreva-se no CANAL RAGULO.

Maringá anunciou fim da equipe de vôlei masculino

Na noite de segunda-feira (3), através de nota oficial, o Maringá anunciou o encerramento da equipe de vôlei masculino. O time, que disputou as últimas sete edições da Superliga, anunciou o encerramento dos trabalhos e a entrega da vaga no campeonato.

O ex-levantador, campeão olímpico, bicampeão mundial e gestor do projeto, Ricardinho, afirmou que a falta de apoio foi fatal: “Infelizmente, em um campeonato formado por gigantes, não tivemos o suficiente para brigar de igual para igual. Fizemos bonito, chegamos à sexta posição no primeiro ano, e nos outros dois tivemos uma boa atuação. Porém, sem patrocinadores, as edições seguintes foram marcadas por lutas constantes em busca de apoio da iniciativa privada e dos governos municipal e estadual”.

Ricardinho destacou que a torcida do município paranaense fez o seu papel. Sendo escolhida, segundo ele, como a “maior torcida do Brasil” em todos os anos. Desta forma, segundo o agora dirigente, enalteceu o nome de Maringá e do Paraná no âmbito nacional e internacional.

“Mas, infelizmente, faltou a famosa atenção ao esporte dos poderes públicos e do incentivo da classe empresarial. Isso poderia ter mudado a história do vôlei maringaense, que dificilmente voltará a atuar entre os 12 melhores time de vôlei do Brasil”, lamentou.