Pioneiro em compras coletivas no Brasil, Peixe Urbano está fora do ar há duas semanas

Já faz mais de duas semanas que o site da empresa de descontos está indisponível

Em meados de janeiro, Ludmilla Almeida comprou dois cupons de descontos pelo site Peixe Urbano para realizar um procedimento estético. Ao todo, gastou R$ 50, mas só conseguiu utilizar um deles.

Na semana passada, quando foi resgatar o segundo cupom, percebeu que a plataforma estava fora do ar. Tentou contato com a empresa pelo telefone, sem sucesso. Levou a reclamação para a página nas redes sociais, e descobriu lá que não era a única.

Já faz mais de duas semanas que o site da empresa de descontos está indisponível. Isso impede que consumidores resgatem vouchers já comprados, chequem informações, façam reclamações ou se comuniquem com os responsáveis.

No Twitter, as últimas postagens feitas pela conta oficial do Peixe Urbano são do dia 2 de fevereiro. Nelas, a empresa responde diretamente a usuários que reclamaram do problema, dizendo tratar-se de uma questão técnica, e orienta a todos aguardar.

Mas desde então novas reclamações feitas pela plataforma tampouco tiveram retorno. Avisos sobre promoções não são feitos desde março de 2020.

Na quarta (10), o Procon-SP notificou a companhia, pedindo detalhes do problema técnico que teria tirado o site do ar, e questiona quais foram os canais de atendimento disponibilizados ao público no período de manutenção. Também exige um plano de atendimento para clientes que foram prejudicados nos últimos dias.

O Peixe Urbano tem até o dia 18 para responder às demandas. Procurada pela reportagem, a empresa não respondeu.

Sua página na rede profissional Linkedin informa que 754 pessoas trabalham na companhia. A reportagem fez contato com algumas delas, que disseram ainda estarem empregadas, mas preferiram não comentar sobre a situação.

O Peixe Urbano surgiu em 2010 pelas mãos dos sócios Julio Vasconcellos, Alex Tabor e Emerson Andrade, sendo pioneiro na lógica de compras coletivas no Brasil -em que vendas são feitas com descontos para grupos online. A partir daquele ano proliferaram portais do tipo e a startup chegou a ter participação acionária de Luciano Huck.

O modelo se beneficiou do boom das redes sociais à época. Estabelecimentos comerciais também passaram a ver os portais do tipo como vitrine para fidelizar clientes.

Nos últimos anos, no entanto, o sistema parece ter se esgotado em meio ao fortalecimento do ecommerce. Em 2014, o Peixe Urbano passou a ser controlado pela chinesa Baidu, depois foi para as mãos do grupo Mountain Nazca, que fez a fusão da empresa com o americano Groupon na América Latina em 2017.

Advogado do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), Igor Marchetti diz que há um histórico de falta de informações quando empresas vão à falência, mas ainda não se sabe se esse é o caso do Peixe Urbano.

“O correto é que independentemente disso o Peixe Urbano continue fornecendo atendimento e dando a informação adequada para o consumidor conseguir instrumentalizar aquele voucher. A empresa certamente tem um cadastro de seus clientes e, mesmo que haja problemas técnicos, tem outros meios de contatá-los, por telefone, email, mala direta, o que for”, diz.

Segundo ele, a violação é passível de multa e, dependendo do caso, intervenção administrativa. “Se for o caso de falência, o consumidor é o ente mais vulnerável, porque primeiro ela tem que arcar com processos trabalhistas, depois fiscais e, por último, os consumidores. Atualizá-los sobre os problemas e medidas tomadas é o mínimo”, conclui.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Após recomendação da Anvisa, Bolsonaro cancela motociata no Paraná

O presidente Jair Bolsonaro cancelou sua viagem prevista para o Paraná na sexta-feira, 24, de acordo com o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR). A mudança de agenda vem após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendar isolamento de 14 dias ao chefe do Planalto e a toda a comitiva que o acompanhou na viagem a Nova York, em razão do teste positivo para covid-19 do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informado na noite desta terça, 21. Procurada, a Secretaria de comunicação do governo (Secom) diz não ter informações.

“Cancelada a visita de Bolsonaro ao Paraná desta sexta-feira. Aguardamos ansiosos a remarcação”, publicou Barros no Twitter. O presidente participaria de cerimônia para anunciar iniciativas do governo federal no Estado na cidade de Ponta Grossa às 14 horas. Às 17h, participaria de um jantar com empresários no município de Castro.

Bolsonaro chegou a Brasília na manhã desta quarta, 22, um dia após discursar na 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU). Seu pronunciamento foi marcado por distorções e defesa de remédios sem eficácia comprovada contra a covid-19. Poucas horas depois, Queiroga testou positivo para o novo coronavírus e, por isso, não embarcou no voo de volta ao Brasil com o restante da comitiva. Ele ficará em isolamento nos Estados Unidos por 14 dias.about:blankhttps://acdn.adnxs.com/dmp/async_usersync.html

De acordo com a Secom, todos os demais integrantes da comitiva presidencial testaram negativo para a doença. Ainda assim, por protocolos sanitários, a Anvisa recomendou isolamento de 14 dias a todos. O Planalto não informou ainda se o presidente seguirá a norma. Até o momento, seu único compromisso oficial do dia é uma videoconferência com o Subchefe para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência, Pedro Cesar Sousa, marcada para as 16 horas.

Brasil é o 3º país que mais usa redes sociais no mundo

Pesquisa releva o ranking das redes sociais no Brasil e no mundo

O Brasil é o 3º país que mais usa redes sociais no mundo, com uma média de 3 horas e 42 minutos por dia. Ao considerar todos os países, o Brasil fica atrás somente da Filipinas e Colômbia, que gastam em média 4 horas e 15 minutos e 3 horas e 45 minutos, respectivamente.

É o que releva um estudo divulgado pela plataforma CupomValido.com.br que reuniu dados da Hootsuite e WeAreSocial, sobre o uso de redes sociais no Brasil e no mundo.

Mais de 4.2 bilhões de pessoas utilizam redes sociais pelo mundo, o que representa 53,6% da população mundial.

No Brasil, são mais de 150 milhões de usuários de redes sociais, e a taxa de usuários pelo total de habitantes é de 70,3%, um dos maiores dentre todos os países. O Sudeste é a região do Brasil com a maior taxa, cerca de 78% dos usuários utilizam redes sociais.

Ao levar em consideração a faixa etária, o grupo entre 16 e 24 anos são os que mais utilizam redes sociais no Brasil. Mais de 92% dos usuários deste público utilizam redes sociais pelo menos uma vez ao mês.

Cada vez mais conectados à Internet

Em 2015 os internautas entre 16 e 64 anos passavam em média 6 horas e 20 minutos por dia conectado à internet. Já no último ano, este número saltou para 6 horas e 54 minutos, um aumento de mais de 8%.

Ao considerar o tempo conectado à internet (tanto para trabalho e lazer) e os diferentes dispositivos (computador e smartphones), a Filipinas é o país onde os usuários mais permanecem conectados à internet, com 10 horas e 56 minutos no total.  Na ponta oposta se encontra o Japão, em média os usuários utilizam a internet apenas 4 horas e 25 minutos por dia. A média mundial é de 6 horas e 54 minutos.

O mais impressionante é que o Brasil se encontra logo na segunda posição global. Na média, os brasileiros passam 10 horas e 8 minutos por dia conectados à internet, seja para trabalho ou lazer. Deste total, 4 horas e 51 minutos o acesso é via computador, e 5 horas e 17 minutos via smartphone.

A tendência mostra um forte crescimento do uso de internet via smartphones. Nos 5 últimos, 37,7% das pessoas utilizavam a internet pelo smartphone, e atualmente mais da metade (52,8%) utilizam este meio.

Redes sociais preferidas dos brasileiros

O Brasil é um dos principais países para as plataformas de redes sociais, uma vez que temos uma das maiores quantidade de usuários ativo para diversas redes sociais. No caso do WhatsApp, o Brasil está na 2ª posição no ranking mundial, com mais de 108 milhões de usuários ativos (somente atrás da Índia). Para o Instagram, o Brasil fica em 3º colocado, atrás dos EUA e Índia. E no Facebook, o Brasil está 4ª posição global (atrás da Índica, EUA e Indonésia).

O Youtube é a rede sociais mais utilizada pelos brasileiros, cerca de 96,4% dos internautas entre 16 e 64 anos, utilizaram esta rede social pelo menos uma vez no último mês. O WhatsApp e o Facebook, seguem na segunda e terceira posição, respectivamente.

A surpresa é a nova rede social, TikTok, que já se encontra na 7ª colocação entre as mais utilizadas pelos brasileiros.

Ao levar em consideração o tempo gasto em cada plataforma, o WhatsApp segue na liderança, na média os usuários gastam 30 horas por mês em conversas no aplicativo. O Facebook fica em segunda posição, com 15 horas por mês, e há um empate entre o Instagram e o Tiktok, com 14 horas ao mês.

A grande maioria dos usuários utilizam as redes sociais para se manter atualizado com as notícias e novos acontecimentos (36,5%), encontrar conteúdo engraçado ou de entretenimento (35,0%) e preencher o tempo livre (34,4%).

Fonte: Hootsuite, Cupom Válido, WeAreSocial