Pinhais se prepara para retorno das aulas municipais; saiba como vai funcionar

Pais e responsáveis responderam questionário sobre intenção de retorno presencial

A partir da próxima semana, Pinhais abre as portas das escolas municipais para o retorno das crianças, depois de quase um ano de fechamento por conta da pandemia do coronavírus. A ideia é reduzir o número de alunos nas salas de forma escalonada e proteger professores e funcionários com EPIs.

A secretária de Educação do município, Andrea Franceschini, disse que estratégia de retorno contou com o auxílio dos pais, por meio de uma pesquisa digital. “Disponibilizamos uma pesquisa para que os pais decidam se querem o ensino totalmente remoto ou híbrido. Estamos nos organizando para conseguir equipamentos de proteção individual (EPIs) a nossos professores e alunos, para que possamos atender as crianças presencialmente. Faremos de forma escalonada, já no dia 18 de fevereiro, com um número reduzido de alunos nas escolas, são dez alunos por sala e nos CMEIs. Vamos adequar a realidade com um número ainda mais reduzido neste espaço”, descreveu a secretária.

Cuidados

No primeiro momento, o grupo docente ficará focado em acolher as crianças e desenvolver dinâmicas efetivas de higiene. “Também estamos investindo muito na comunicação visual, com cartazes, para que as crianças que não sabem ler recebam as orientações. Nosso primeiro foco será a orientação e acolhimento emocional. Pensando sempre nos decretos da Saúde, já que o profissional grupo de risco fica afastado, por meio de uma perícia médica”, garantiu, em entrevista à Banda B.

CMEIs

Diferente dos alunos com idade estudantil, as crianças até 4 anos terão retorno por rodízio. “Elas têm uma dinâmica diferente porque não ficam sentadas em um espaço. Se for dando certo, vamos ampliando gradativamente. Começaremos três dias por semana e em meio período porque as 22 unidades trabalham de forma integral. Tenho CMEIS que atendem de 0 a 4 anos, quem vem primeiro são os de 4 anos. As de 0 a 2 anos, quem vem primeiro são as de 2. Assim, vamos aos poucos”, contou a secretária de Educação Andrea Franceschini.

Pedido

Para que o retorno das aulas seja positivo, a secretária pede a colaboração de toda família. “A rotina será diferente por conta da pandemia. A mãe deixa no portão e alguém encaminha para a escola, sem ela acompanhar. As crianças serão acolhidas com todo o amor e o apoio dos pais é importantíssimo. A Educação se dá pela interação e as crianças estão com muita saudade do ambiente escolar”, finalizou.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba acaba com formato híbrido e estudantes podem ir todos os dias para a escola a partir desta segunda

A partir da próxima segunda-feira (27/9), as 140 mil crianças e estudantes da rede municipal de ensino podem voltar a frequentar todos os dias as escolas e os Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs). O uso de máscaras, higienização das mãos e demais cuidados vão continuar.

Graças à redução do índice de contaminação na cidade, à vacinação dos profissionais da educação e ao baixo número de casos de covid-19 nas 415 unidades, a Secretaria Municipal da Educação decidiu extinguir o formato híbrido (que alternava semanalmente os grupos A e B nas unidades) e retomar o atendimento presencial diariamente para todos que optarem pelo formato presencial.

A secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila, explica que quem está no formato híbrido passará automaticamente para o presencial, e os do remoto seguem nesse formato, com as videoaulas da TV Escola Curitiba e os kits pedagógicos

Os pais que quiserem mudar de formato devem comunicar à direção da unidade onde a criança está matriculada.

“Não teremos mais o híbrido. Haverá a opção do remoto, pela TV Escola Curitiba, e a opção do presencial, todos os dias na escola”, destaca a secretária.

Depois de um ano e meio de pandemia do novo coronavírus em Curitiba, o retorno diário valerá para as 415 unidades de ensino –185 escolas municipais e 230 CMEIS.

O retorno presencial teve início em 19 de julho, nas unidades com o programa Leia+, e na sequência, em agosto, alternando os grupos A e B.

A secretária esclarece que a decisão de retomar o formato 100% presencial leva em conta os resultados do monitoramento feito desde o retorno às aulas no formado híbrido.

Ao longo desse período, foram avaliados o cumprimento efetivo dos protocolos sanitários e o baixo número de casos confirmados da covid-19 entre profissionais, crianças e estudantes.

Todas as unidades receberam os equipamentos e cuidados necessários para um retorno seguro. Máscaras, face shields, totens de álcool em gel, tapetes sanitizantes, serviços de sanitização e periodicamente é feita a entrega de produtos de higienização.

Escolha

Enquanto durar a pandemia do novo coronavírus, a Secretaria da Educação vai manter os dois formatos de atendimento – presencial e remoto – para que os pais e responsáveis escolham o que consideram mais adequado à família.

Ação da Comec empresta bicicletas para passageiros do transporte coletivo

Para celebrar o Dia Mundial Sem Carro, comemorado todo início da primavera, em 22 de setembro, a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) iniciou, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, uma ação para incentivar o uso de meios alternativos de transporte. Em parceria com a Viação Santo Ângelo, empresa operadora de ônibus, foi lançado nesta quarta-feira (22) o projeto Última Milha, que disponibiliza bicicletas para que os usuários do transporte coletivo utilizem até o seu destino final.

A ação acontece de forma experimental no Terminal Guaraituba, em Colombo, e busca incentivar o uso da bicicleta nos quilômetros finais que não são atendidos pelo transporte coletivo. Neste primeiro momento, a Viação Santo Ângelo disponibilizará sete bicicletas, que poderão ser emprestadas sem custo pelos passageiros por um período de 18 horas. Para retirar a bicicleta, será necessário preencher um pequeno cadastro na bilheteria do terminal.

Para o presidente da Comec, Gilson Santos, a ideia é mostrar que a bicicleta pode funcionar como um modal complementar ao ônibus. “O ônibus e a bicicleta são complementares, e queremos que os usuários percebam essa possibilidade e adotem esta prática que é mais sustentável, saudável e barata”, afirmou. “Em alguns municípios, como Campo Largo, esta prática é bastante utilizada pela população. O usuário vai de bicicleta até o terminal e de lá entra no ônibus até Curitiba ou para se deslocar na cidade”.

Para o diretor-geral da Viação Santo Ângelo, Edilson Miranda, a ação poderá ser ampliada para os demais terminais da Região Metropolitana. “Realmente esperamos contar com a população para que esta ação dê certo e possa ser replicada em outros locais”, salientou. “Será muito bacana ver a população utilizando as bicicletas e, quem sabe, até mudando alguns hábitos”, destacou.

CAMPANHA – Uma campanha promovida pela Comec desde o início do mês tem o objetivo de incentivar o uso da bicicleta de forma integrada ao Transporte Coletivo. Ela está disponível nas redes sociais, no site da autarquia e em pontos de mobiliários urbanos digitais espalhados por Curitiba.

Comec em parceria com empresa viação santo angelo lançou o projeto ultima milha. Foto: Ari Dias/AEN

Segundo o presidente da Comec, mesmo que o trajeto seja longo, o veículo de duas rodas continua sendo uma alternativa viável para chegar até o terminal ou ponto de ônibus. “Na Região Metropolitana, muitas vezes trabalhamos com grandes distâncias, o que pode inviabilizar o uso da bicicleta, trazendo uma nova alternativa e também facilidade para os usuários”, explicou Santos.