Pazuello diz que são no máximo três as opções de vacina contra a Covid para Brasil

Pazuello participou na manhã desta quarta-feira (2) de audiência pública na comissão mista do Congresso

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que são “uma, duas ou três” as opções de laboratórios que desenvolvem vacinas contra a Covid-19 com quantidade suficiente e um bom cronograma para atender as necessidades do Brasil.

Pazuello participou na manhã desta quarta-feira (2) de audiência pública na comissão mista do Congresso, que acompanha as ações de enfrentamento ao novo coronavírus e a execução orçamentária durante a pandemia.

O ministro afirmou que existe muita publicidade relacionada às vacinas, mas que as propostas se mostram insuficientes após escrutínio.

“Ainda sobre vacinas, queria deixar uma coisa clara: ficou muito óbvio que são muito poucas as fabricantes que têm a quantidade e o cronograma de entrega efetivo para o nosso país. Quando a gente chega ao final das negociações e vai para cronograma de entrega, fabricação, os números são pífios”, disse. “Números de grande quantidade [de vacinas] realmente se reduzem a uma, duas ou três ideias. A maioria fica com números muito pequenos para o nosso país.”

O ministro deixou mais cedo a audiência, alegando ter sido convocado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para participar de reunião ligada ao PPI (Programa de Parceria de Investimentos), ligado ao Ministério da Economia.

Nas últimas semanas, representantes do Ministério da Saúde receberam os principais laboratórios que desenvolvem vacinas contra a Covid-19 para reuniões.

Por enquanto, o Brasil mantém acordos garantidos para obter 142 milhões de doses de vacinas no primeiro semestre, sendo 100 milhões fruto da parceria da Fiocruz com o laboratório AstraZeneca e outras 42 milhões previstas no consórcio Covax Facility.

“Uma coisa que a gente precisa observar é que há uma campanha, uma competição de produção, de venda, uma campanha publicitária muito forte. Então, uma produtora lança uma campanha publicitária de que já fez, está pronto, está maravilhoso. Quando você vai apertar, a história é bem diferente, como tudo na vida”, disse o ministro.

“Na hora que você vai efetivar a compra, vai escolher, não tem bem aquilo que você quer, o preço não é bem aquele e a qualidade não é bem aquela. Então, quando a gente aperta, as opções diminuem bastante”, completou.

Pazuello também reforçou que 15 milhões de doses devem chegar ao país no início de 2021.
Na tarde de terça-feira, o ministério lançou um plano inicial para a vacinação da população brasileira, que será dividido em quatro etapas.

Os primeiros a receberem a vacina, provavelmente a partir de março, são profissionais da saúde, idosos a partir de 75 anos, a população indígena e quem vive em asilos ou instituições psiquiátricas e tenha mais de 60 anos de idade.

Na segunda fase, devem ser vacinadas pessoas de 60 a 74 anos.

A etapa seguinte, a terceira, prevê a imunização de pessoas com comorbidades que apresentam maior risco de agravamento da doença. Nessa etapa não é possível dimensionar, com base nas estatísticas oficiais de demografia, quantas pessoas podem ser beneficiadas.

A quarta e última etapa deve abranger professores, forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e a população privada de liberdade.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba pede ao Governo do Estado igualdade na distribuição de vacinas contra Covid

A Prefeitura de Curitiba solicitou ao Governo do Estado, nesta quarta-feira (16), a correção do desequilíbrio no repasse de vacinas anticovid para a capital paranaense. A distribuição das vacinas enviadas pelo governo federal é realizada pelo governo estadual, por meio da Secretaria de Estado da Saúde.

Um levantamento realizado pela Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba mostra que quase metade dos municípios paranaenses (191 dos 399) já recebeu mais doses, proporcionalmente à população, do que a capital do estado. Curitiba está na 208ª posição entre os municípios que menos tiveram doses proporcionais à população.

Considerando os dados do IBGE, Curitiba recebeu doses suficientes para 51,9% de sua população. Guaraqueçaba, no Litoral do Paraná, já recebeu vacina para imunizar 99% de sua população – lembrando que o imunizante só pode ser aplicado em pessoas com 18 anos ou mais. Altamira do Paraná recebeu 98% e Santa Cecília do Pavão 90% (veja mais na lista abaixo).

“Peço absoluta igualdade e isonomia. Estou pedindo respeito por Curitiba e que seja recomposta a proporcionalidade”, afirma o prefeito Rafael Greca. 

Segundo a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, Curitiba vacina também, além de seus habitantes, pessoas que moram na região metropolitana e trabalham na capital, como profissionais da saúde, trabalhadores da educação e das forças de segurança. Por isso, esse quantitativo de doses enviadas à capital precisa ser maior.  

No ranking das capitais, Curitiba também está bem atrás, na 11ª posição na lista das que receberam mais doses. Vitória (ES) já recebeu 78%; Porto Alegre, 70%; São Luís (MA) e Belo Horizonte (MG) receberam 67%.

“Precisamos de um esforço concentrado de vacinação nas capitais para frear a pandemia no Brasil”, avalia Márcia Huçulak.

Segunda doses

O ofício enviado ao Governo do Estado ressalta que 202 municípios que avançaram na vacinação utilizando o estoque da segunda aplicação receberam doses extras para garantir o esquema vacinal. Assim, foram beneficiados, recebendo um montante maior de vacinas proporcionalmente àqueles municípios que seguiram as orientações e guardaram as segundas doses necessárias.  

Correção

Para corrigir a distorção e Curitiba chegar a 62% (média dos municípios com os maiores percentuais de doses recebidas), a capital paranaense precisaria receber 194.555 doses neste momento.

No ofício enviado ao Governo do Estado, o prefeito de Curitiba lembra que o Paraná deve receber nos próximos dias 150 mil doses da vacina Janssen, o que poderia compor o aporte solicitado. As vacinas da Janssen chegarão com um exíguo prazo de validade, mas Curitiba tem condições e infraestrutura para aplicar 30 mil doses por dia, administrando todo o imunizante em menos de uma semana.

Calendário

Em relação ao calendário de vacinação divulgado nesta quarta-feira (16) pelo Governo do Estado, Curitiba informa que tem capacidade operacional para cumprir o cronograma, porém o município depende do repasse dos imunizantes.

Para atender o primeiro grupo proposto até o dia 18 de julho – faixa etária de 52 a 40 anos – a capital precisa receber mais de 253 mil doses de vacina de primeira aplicação.

Segundo Márcia, havendo imunizantes disponíveis, Curitiba teria capacidade para imunizar toda a sua população acima de 18 anos em menos de 30 dias.

Municípios que receberam proporcionalmente mais doses, em relação à população  

Guaraqueçaba –  99%
Altamira Do Paraná – 98%
Santa Cecília Do Pavão – 90%
Santa Inês – 88%
Esperança Nova – 80%
Rio Bom – 78%
Santa Amélia – 78%
Adrianópolis – 77%
Nova Laranjeiras – 77%
Kaloré – 76%
Santo Antônio Do Paraíso – 75%

Ranking das capitais (percentual doses recebidas em relação a população) 

Vitória – 78%
Porto Alegre – 70%
São Luís – 67%
Belo Horizonte – 67%
Rio de Janeiro – 59%
Florianópolis – 56%
Belém – 55%
Recife – 55%
Campo Grande – 54%
Natal – 53%
Curitiba – 52%

Câmara autoriza laboratório veterinário a produzir vacinas contra Covid-19

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (15) o projeto de lei que autoriza, temporariamente, que laboratórios de vacinas de uso veterinário possam começar a produzir imunizantes contra a covid-19. O objetivo é aumentar a oferta de doses de vacina e acelerar a imunização da população.

Oriundo do Senado, a matéria retorna para análise dos senadores em virtude das mudanças aprovadas pelos deputados. Um artigo foi acrescentado para determinar que as instalações tenham um processo de gerenciamento de risco a fim de evitar contaminação cruzada.

Pelo texto da deputada Aline Sleutjes (PSL-PR), os laboratórios poderão produzir ainda o insumo farmacêutico ativo (IFA) e terão de cumprir exigências de biossegurança e normas sanitárias. Esses estabelecimentos devem realizar todo o processo de produção até o armazenamento em dependências fisicamente separadas daquelas usadas para produtos de uso veterinário.

O texto prevê ainda que, se a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar, o armazenamento poderá ocorrer na mesma área usada para as vacinas veterinárias, se for possível identificar e separar cada tipo de imunizante (animal e humano).

Segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), o setor tem capacidade instalada e detém a tecnologia necessária para produzir vacinas humanas. O sindicato esclareceu que a indústria de saúde animal no Brasil pode adaptar facilmente suas instalações para o nível de segurança 4, exigido para a produção de vacinas de uso humano.

A matéria determina também que a Anvisa coloque prioridade na análise dos pedidos de autorização para essas empresas fabricarem o IFA e as vacinas contra a covid-19. Enquanto produzirem vacinas para uso humano, os laboratórios de vacina animal estarão sujeitos à fiscalização e às normas da Anvisa.