Paraná teve 126 mil novos microempreendedores individuais em 2020

O total de MEI criados em 2020 superou o número de 2019 em quase 20%. Tendência também se manteve a nível nacional

O ano de 2020 foi marcado pela pandemia, pela crise e paralisação de diversos setores da economia. Mas, em meio a esse cenário caótico, muitos brasileiros enfrentaram as adversidades e buscaram abrir o seu próprio negócio. Segundo dados da Receita Federal, apenas em 2020, o Paraná teve o registro de 126.520 novos microempreendedores individuais, marca 19,2% maior do que a registrada em 2019, quando 106.123 novos MEI foram criados. Ao final de 2020, o estado registrava o total de 709.945 MEI, o quarto colocado em relação a todos os estados brasileiros, atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

O aumento no número de microempreendedores individuais também acontece, nacionalmente, também segundo a Receita Federal. Em 2020, no mês de abril, o país registrou a marca de 10 milhões de MEI e, ao final do ano, foram registrados mais de 1,88 milhão de novos MEI, elevando o total para 11,31 milhões por todo o país. O número foi 11,1% maior do que em 2019, quando foram abertos 1,69 milhão de novos negócios nessa modalidade.

A coordenadora estadual do MEI no Sebrae/PR, Carla Selva, explica que o crescimento no número de empreendedores não se dá apenas pela criação de oportunidades em atividades que apresentaram crescimento, como as vendas online ou delivery.

“Muitas pessoas perderam seus rendimentos e resolveram empreender por necessidade, como uma alternativa para garantir renda em um momento de escassez de empregos. Como o negócio visa a subsistência do empresário e de sua família, é preciso buscar auxílio e ferramentas que ajudem a empresa a se desenvolver”, avalia Carla Selva.

Pensando nesse público, o Sebrae lançou, ao longo de 2020, diversos conteúdos como cursos online gratuitos, lives, palestras, oficinas, e-books, textos e outros materiais para ajudar os microempreendedores. No site do Sebrae é possível conferir diversos conteúdos. Além do atendimento pelo 0800, pelo chat online e redes sociais, os interessados em abrir a própria empresa também podem tirar dúvidas e buscar orientações nas 181 Salas do Empreendedor espalhadas pelo estado.

Uma das pessoas que buscou o auxílio do Sebrae/PR e empreendeu foi Larissa Cristina da Silva, dona de loja online que vende embalagens e kits de presentes com produtos diversos, em Curitiba. Larissa estava desempregada e aproveitou o momento para abrir a própria loja online de presentes. A engenheira já havia tido uma loja de roupas mas afirma que o processo durante a pandemia foi diferente, com o processo de abertura da empresa por e-mail e com a produção dos kits em sua própria casa. A empresária se mostrou otimista com as boas vendas nos primeiros meses como empreendedora.

Kits vendidos pela empresa em 2020 criada pela empreendedora Larissa Critina da Silva. Crédito: Divulgação

“Os primeiros meses foram excelentes, melhores do que eu imaginei. Acredito que o negócio esteve bem adaptado à realidade da pandemia, já que a loja é 100% online e eu mesma realizo as entregas. Com os presentes, nós ajudamos as pessoas a estarem próximas umas das outras mesmo com o distanciamento social”, explica ela, que quer ampliar a linha de produtos e começar a entregar os presentes para diferentes locais do Brasil.

A consultora Carla Selva apresenta algumas dicas para as pessoas que têm o sonho de abrir o próprio negócio:

– Pesquise sobre o mercado e faça um bom planejamento. Mapear, realizar pesquisas e negociações com todos os envolvidos no seu negócio, como fornecedores, concorrentes e clientes potenciais, entender suas necessidades é essencial.

– Com as restrições de abertura e o isolamento, os pequenos negócios tiveram que inovar e mudar a forma de vender e de divulgar seus produtos e serviços. A internet tem sido uma grande aliada na sobrevivência de inúmeros negócios no país. Inicie sua empresa com canais digitais para negociar com seus clientes e procure ferramentas e plataformas que possam impulsionar as suas vendas online.

– Caso seja um negócio físico, além de toda a estrutura necessária, é essencial para o atual momento, ter cuidados com a limpeza do local, já que essa se tornou uma exigência que os clientes buscam na aquisição de produtos e serviços.

– Monitore todos os resultados financeiros de sua empresa e mantenha sempre as contas em dia. Lembre-se de que todo início precisa de muita dedicação e persistência.

– Teste suas ideias, valide com os clientes e, se for necessário, faça rápidas correções. Não espere que tudo esteja 100% perfeito para lançar um determinado produto ou serviço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baleia rara de quase 20 metros é encontrada morta no Litoral do Paraná

Uma baleia-fin (Balaenoptera physalus) foi encontrada morta e em estado avançado de decomposição, na última terça-feira (21), na praia grande da Ilha do Mel, em Paranaguá, no Litoral do Paraná.

A baleia encontrada é um macho adulto e mede quase 20 metros. A equipe do Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC), via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), encaminhou duas equipes até a ilha para o registro do encalhe e coleta de materiais biológicos e avaliação da condição da carcaça. Segundo os biólogos, é a primeira vez que o encalhe de baleia-fin é registrado no Paraná.

Informações Banda B

Campina Grande do Sul ganha integração de transporte público com Curitiba

A vida de quem depende do transporte público para se locomover de Campina Grande do Sul a Curitiba passa a ficar mais fácil — e mais econômica — a partir de sábado (25). A rede de transporte do município passa a ser integrada à Capital a partir da linha Jardim Paulista – Fagundes Varela, que liga um dos bairros mais populosos da cidade à Linha Verde. A novidade é resultado de um novo convênio entre a Prefeitura de Curitiba e a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), que administra o transporte coletivo em 19 municípios.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior definiu a medida como uma grande conquista para os moradores de Campina Grande do Sul. “Essa era uma reivindicação de muitos anos da população e da prefeitura por ser um custo muito grande para o trabalhador que precisava vir para Curitiba e vice-versa”, explicou.

Com a integração, usuários que se deslocam entre os dois municípios passam a pagar apenas uma passagem para o trecho, reduzindo os custos pela metade. Na prática, a ida e volta chegava a R$ 18,50 por dia, considerando as passagens de R$ 4,75 em Campina Grande do Sul e de R$ 4,50 em Curitiba. O valor diário passa, agora, a R$ 9,25 — gerando uma economia de cerca de R$ 200 ao mês para quem faz o deslocamento diariamente.

“O usuário passa a pagar, em vez de duas, apenas uma passagem por trecho. Isso diminui 50% do custo, o que faz sobrar mais dinheiro para outras despesas do dia a dia. É uma parceria muito boa”, acrescentou Ratinho Junior.

Ele também ressaltou que a linha vai contribuir para o deslocamento até o Hospital Angelina Caron, localizado em Campina Grande do Sul. O hospital tem mais de 2 mil pessoas na equipe de funcionários. Além disso, cerca de 400 mil atendimentos são realizados por ano, sendo a instituição de saúde que mais faz transplantes de órgãos no Estado.

O prefeito do município, Bihl Zanetti, reforçou que a principal vantagem é a economia de cada cidadão. “Muitas pessoas que usam transporte público da cidade trabalham em Curitiba. Elas vão economizar praticamente 50% do que gastam hoje. Só na região do Jardim Paulista temos uma população de cerca de 30 mil habitantes, dos quais cerca de 5 mil usuários vão usufruir da oportunidade de acesso à integração”, detalhou.

TRAJETO  A linha N01 parte do Terminal Metropolitano Jardim Paulista e chega até a Estação Tubo Fagundes Varela, no Bairro Alto, em Curitiba. Do ponto final, o usuário tem a possibilidade de fazer outras conexões com os sistemas de transporte da Capital e dos outros municípios da Região Metropolitana.

A linha é alimentada com três ônibus, com intervalos de 20 minutos nos horários de pico. A estimativa é de atender, inicialmente, um público de mil pessoas por dia. Além de Campina Grande do Sul, moradores de outros municípios próximos, como Quatro Barras e Colombo, também poderão ser beneficiados. A linha percorre um trecho total de aproximadamente 12 quilômetros.

Gilson Santos, presidente da Comec, confirma as vantagens que vêm com a integração. “A partir do momento em que a gente integra uma nova cidade, outros municípios que estão em seu entorno, e que eventualmente utilizam o transporte coletivo metropolitano, passam a ter a possibilidade de utilizar essa integração. É um ganho para toda a região, e uma importância que se dá aos trabalhadores que dependem do sistema”, destacou.

ÔNIBUS MULTIMODAL – Uma das inovações da atual gestão da Comec que possibilita a integração são os modelos de ônibus multimodais. Eles são equipados com dois tipos de porta: ao lado direito, ao nível do piso e, do esquerdo, em plataforma, com portas elevadas que atendem as estações-tubo curitibanas.

Para compensar o espaço utilizado para as portas extras, o modelo multimodal é mais extenso que o veículo padrão: são 13,2 metros de comprimento, contra 12 metros do modelo comum. “Os ônibus multimodais são uma ação da Diretoria de Transporte da Comec, que desde o início desta gestão tem trabalhado para trazer inovação, mais novidades e ações prioritárias para o sistema”, destacou o presidente da Comec.

EXPANSÃO – Campina Grande do Sul era um dos cinco municípios que integram a Comec e não tinham uma ligação direta com Curitiba. Atualmente, dos 19 contemplados pela instituição, apenas Balsa Nova, Agudos do Sul, Quitandinha e Mandirituba não são integrados à Capital.