Paraná seleciona médicos para plataforma de telessaúde

O Governo do Estado lançou edital para inscrição de médicos bolsistas para atuação na plataforma de telessaúde. O edital faz parte do programa de ações extensionistas de prevenção, cuidados e combate à pandemia do novo coronavírus. A seleção será feita pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), instituição responsável pelas atividades do Projeto de Telessaúde do Paraná.

São ofertadas dez vagas para médicos profissionais, sendo a metade para jornada semanal de 30 horas e o restante para jornada de 20 horas por semana. As bolsas terão validade por três meses e serão pagas nos valores mensais de R$ 4,5 mil e R$ 3 mil, respectivamente. As inscrições seguem até 17 de maio, exclusivamente pela Internet (AQUI).

Para a coordenadora do Projeto de Telessaúde, professora Daniela Frizon Alfieri, do Centro de Ciências da Saúde da UEL, o aumento recente do número de infecções pelo novo coronavírus refletiu na demanda do aplicativo Saúde Online Paraná, esgotando todos os agendamentos disponíveis.

“Esses atendimentos remotos ajudam a reduzir a pressão nos sistemas de saúde municipais, uma vez que os cidadãos com suspeita da doença podem permanecer em isolamento, diminuindo a circulação do vírus”, afirma Daniela.

Ela destaca que a expectativa é ampliar, a partir da contratação de novos bolsistas, a oferta de atendimentos semanais para 1.400 consultas, sendo 700 consultas médicas e o restante de enfermagem. “A ideia é contribuir para o controle da pandemia, pois o serviço de telessaúde evita que pacientes com quadro leve precisem sair do isolamento para procurar atendimentos presenciais”, explica Daniela.

De acordo com o edital, as atividades contemplam atendimento clínico de forma remota, por meio de aplicativos já conhecidos de videochamadas e de envio de mensagens, como o Google Meet, e o WhatsApp, entre outras ferramentas. Para tanto, é recomendável que os profissionais interessados estejam familiarizados com esses recursos tecnológicos.

A seleção ocorrerá conforme a ordem de inscrição dos candidatos, observados os requisitos previstos em edital e a documentação necessária. Os médicos selecionados deverão atuar em períodos a serem fixados pela Coordenação do Projeto de Telessáude do Paraná.

A iniciativa conta com o apoio da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná.

Serviço

Seleção de médicos bolsistas para o Projeto de Telessaúde do Paraná

Inscrições: exclusivamente pela internet (clique AQUI)

Período para inscrições e convocações: de 17 de março a 17 de maio de 2021

Acesse o EDITAL

Informações AEN PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baleia rara de quase 20 metros é encontrada morta no Litoral do Paraná

Uma baleia-fin (Balaenoptera physalus) foi encontrada morta e em estado avançado de decomposição, na última terça-feira (21), na praia grande da Ilha do Mel, em Paranaguá, no Litoral do Paraná.

A baleia encontrada é um macho adulto e mede quase 20 metros. A equipe do Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC), via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), encaminhou duas equipes até a ilha para o registro do encalhe e coleta de materiais biológicos e avaliação da condição da carcaça. Segundo os biólogos, é a primeira vez que o encalhe de baleia-fin é registrado no Paraná.

Informações Banda B

Campina Grande do Sul ganha integração de transporte público com Curitiba

A vida de quem depende do transporte público para se locomover de Campina Grande do Sul a Curitiba passa a ficar mais fácil — e mais econômica — a partir de sábado (25). A rede de transporte do município passa a ser integrada à Capital a partir da linha Jardim Paulista – Fagundes Varela, que liga um dos bairros mais populosos da cidade à Linha Verde. A novidade é resultado de um novo convênio entre a Prefeitura de Curitiba e a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), que administra o transporte coletivo em 19 municípios.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior definiu a medida como uma grande conquista para os moradores de Campina Grande do Sul. “Essa era uma reivindicação de muitos anos da população e da prefeitura por ser um custo muito grande para o trabalhador que precisava vir para Curitiba e vice-versa”, explicou.

Com a integração, usuários que se deslocam entre os dois municípios passam a pagar apenas uma passagem para o trecho, reduzindo os custos pela metade. Na prática, a ida e volta chegava a R$ 18,50 por dia, considerando as passagens de R$ 4,75 em Campina Grande do Sul e de R$ 4,50 em Curitiba. O valor diário passa, agora, a R$ 9,25 — gerando uma economia de cerca de R$ 200 ao mês para quem faz o deslocamento diariamente.

“O usuário passa a pagar, em vez de duas, apenas uma passagem por trecho. Isso diminui 50% do custo, o que faz sobrar mais dinheiro para outras despesas do dia a dia. É uma parceria muito boa”, acrescentou Ratinho Junior.

Ele também ressaltou que a linha vai contribuir para o deslocamento até o Hospital Angelina Caron, localizado em Campina Grande do Sul. O hospital tem mais de 2 mil pessoas na equipe de funcionários. Além disso, cerca de 400 mil atendimentos são realizados por ano, sendo a instituição de saúde que mais faz transplantes de órgãos no Estado.

O prefeito do município, Bihl Zanetti, reforçou que a principal vantagem é a economia de cada cidadão. “Muitas pessoas que usam transporte público da cidade trabalham em Curitiba. Elas vão economizar praticamente 50% do que gastam hoje. Só na região do Jardim Paulista temos uma população de cerca de 30 mil habitantes, dos quais cerca de 5 mil usuários vão usufruir da oportunidade de acesso à integração”, detalhou.

TRAJETO  A linha N01 parte do Terminal Metropolitano Jardim Paulista e chega até a Estação Tubo Fagundes Varela, no Bairro Alto, em Curitiba. Do ponto final, o usuário tem a possibilidade de fazer outras conexões com os sistemas de transporte da Capital e dos outros municípios da Região Metropolitana.

A linha é alimentada com três ônibus, com intervalos de 20 minutos nos horários de pico. A estimativa é de atender, inicialmente, um público de mil pessoas por dia. Além de Campina Grande do Sul, moradores de outros municípios próximos, como Quatro Barras e Colombo, também poderão ser beneficiados. A linha percorre um trecho total de aproximadamente 12 quilômetros.

Gilson Santos, presidente da Comec, confirma as vantagens que vêm com a integração. “A partir do momento em que a gente integra uma nova cidade, outros municípios que estão em seu entorno, e que eventualmente utilizam o transporte coletivo metropolitano, passam a ter a possibilidade de utilizar essa integração. É um ganho para toda a região, e uma importância que se dá aos trabalhadores que dependem do sistema”, destacou.

ÔNIBUS MULTIMODAL – Uma das inovações da atual gestão da Comec que possibilita a integração são os modelos de ônibus multimodais. Eles são equipados com dois tipos de porta: ao lado direito, ao nível do piso e, do esquerdo, em plataforma, com portas elevadas que atendem as estações-tubo curitibanas.

Para compensar o espaço utilizado para as portas extras, o modelo multimodal é mais extenso que o veículo padrão: são 13,2 metros de comprimento, contra 12 metros do modelo comum. “Os ônibus multimodais são uma ação da Diretoria de Transporte da Comec, que desde o início desta gestão tem trabalhado para trazer inovação, mais novidades e ações prioritárias para o sistema”, destacou o presidente da Comec.

EXPANSÃO – Campina Grande do Sul era um dos cinco municípios que integram a Comec e não tinham uma ligação direta com Curitiba. Atualmente, dos 19 contemplados pela instituição, apenas Balsa Nova, Agudos do Sul, Quitandinha e Mandirituba não são integrados à Capital.