Paraná começa semana com 8 mil vagas de emprego; saiba como se candidatar

As Agências do Trabalhador do Paraná ofertam 8.221 vagas de emprego com carteira assinada nesta semana. A maior parte das oportunidades está nas unidades do Interior do Estado, com destaque para Toledo (1.418) e Cascavel (1.078), no Oeste. Nas Agências de Curitiba e Região Metropolitana são 1.596 postos com carteira assinada disponíveis.

Nas agências do Interior, as principais vagas são para auxiliar de linha de produção, com 2.025 oportunidades, e alimentador de linha de produção, com 341. Em Guarapuava, na região central, o destaque é a procura por trabalhador da cultura da maçã (27) e em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, o destaque é para construção civil, com vagas de pedreiro (35) e servente de pedreiro (25).

Nas Agências de Curitiba e RMC o maior número de vagas é para operador de telemarketing, com 268 oportunidades, mas a indústria também está recrutando, com 87 postos para auxiliar de linha de produção.

Para o secretário de Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, os números refletem a continuidade do bom momento da economia no Paraná. Neste mesmo período do ano passado, dia 11 de janeiro de 2021, estavam sendo disponibilizadas 2.787 vagas.

”O fato das empresas estarem contratando neste ritmo é um excelente sinal para economia do Paraná”, afirmou. “Nosso sistema de intermediação de vagas avançou muito em qualidade e dinamismo nos últimos meses”.

ATENDIMENTOS – Os interessados buscar um emprego devem se informar com a Agência do Trabalhador de seu município.

Na capital paranaense, a Agência do Trabalhador de Curitiba está atendendo o público de forma presencial das 8h às 17h e respeitando todas as orientações das autoridades sanitárias. Para evitar aglomeração, a sugestão é para que o atendimento seja feito com horário marcado. Os interessados devem fazer o agendamento pelo site da Secretaria através do link https://www.justica.pr.gov.br/Pagina/Sistema-de-Agendamento-do-Trabalhador-Procura-de-Emprego.

Confira as principais vagas do Paraná  AQUI .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná se mantém na liderança nacional da produção de mel

O Paraná se manteve como o principal produtor nacional de mel, com 7.844 toneladas produzidas pela espécie Apis mellifera em 2020, o que representa 15,2% de toda produção nacional. A atividade é importante na geração de emprego e renda, na diversificação da propriedade rural e nos benefícios sociais, econômicos e ecológicos que proporciona.

Esse é um dos assuntos do Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária referente à semana de 14 a 20 de janeiro O documento é preparado pelos técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento.

A apicultura caracteriza-se pela exploração econômica e racional da abelha do gênero Apis e espécie Apis mellifera, que possui ferrão. A atividade é realizada em todo o território brasileiro. De acordo com a Pesquisa Pecuária Municipal (PPM), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2020 elas produziram 51.508 toneladas de mel, volume 12,5% maior que no ano anterior, resultando em R$ 621,447 milhões em Valor Bruto de Produção (VBP).

Produção de mel Ortigueira – Pr Gilson Abreu/AEN

A pesquisa aponta que o Paraná teve aumento de 8,9% sobre a safra de 2019, fechando 2020 com 7.844 toneladas e deixando novamente em segundo lugar o Rio Grande do Sul, que tradicionalmente liderava o setor. Em 2020, o Estado gaúcho atingiu 7.467 toneladas, com Valor Bruto de Produção de R$ 97,043 milhões. No Paraná, o VBP foi de R$ 98,619 milhões, aumento de 15,9% em relação a 2019.

O município de Arapoti é o principal produtor estadual e nacional, com 810 toneladas produzidas em 2020, o que rendeu VBP de R$ 8,6 milhões. No Paraná, é seguido por Ortigueira, com 720 toneladas; e Prudentópolis, com 440 toneladas.

CEASA E MANDIOCA – O boletim do Deral registra dados preliminares da Ceasa/PR mostrando que, em 2021, nas cinco unidades do Estado, foram comercializadas 1,3 milhão de toneladas de 200 itens diversos, com participação de 99,1% de produtos nacionais. O montante financeiro alcançou R$ 3,7 bilhões, com preço médio de R$ 2,82 por quilo.

Para os produtores de mandioca, as condições climáticas dos últimos dias, com chuvas mais constantes, favoreceram sobretudo a colheita nas regiões de Paranavaí, Umuarama e Toledo, que respondem por 70% da produção estadual. As indústrias de fécula e de farinha também estão retomando o trabalho após o recesso de final de ano.

SOJA, MILHO E TRIGO – A soja avançou dois pontos percentuais na colheita em relação à semana passada, totalizando 4% dos 5,6 milhões de hectares estimados. No campo, 67% da área a colher estão em condições medianas ou ruins, enquanto 33% são consideradas boas e podem atingir o potencial produtivo esperado.

No caso do milho, a colheita da primeira safra segue bastante lenta no Paraná, com previsão de acelerar a partir da primeira semana de fevereiro. A segunda safra está sendo plantada e atingiu nesta semana 2% da área estimada de 2,56 milhões de hectares.

O documento informa, ainda, que a inflação oficial, medida pelo IPCA, ficou em 10,1% em 2021. Já os produtos à base de trigo pesquisados tiveram 8,4% de variação no preço, percentual muito próximo do registrado pelo item alimentação no domicílio, que ficou em 8,2%.

AVICULTURA CORTE E POSTURA – Na avicultura de corte, o registro é para as exportações de carne de frango, que cresceram 9% em 2021, com o embarque de 4,23 milhões de toneladas. Em receita, a alta foi de 25,7%, chegando a US$ 7,66 bilhões.

A produção nacional de ovos estabilizou-se em 2,971 bilhões de dúzias nos nove primeiros meses de 2021, praticamente o mesmo do ano anterior. O Paraná foi o segundo maior produtor nesse período, com 268,223 milhões de dúzias. A liderança é de São Paulo, com 825,423 milhões de dúzias.

Rodízio no abastecimento gerou economia de quase 90 bilhões de litros de água na RMC

Os 673 dias de rodízio no fornecimento de água em Curitiba e municípios da Região Metropolitana trouxeram uma economia de 89,8 bilhões de litros de água, que evitou o colapso do sistema. O racionamento acabou nesta quarta-feira (19).

Esse número só foi alcançado graças à combinação das medidas que incluíram cerca de 20 obras e ações para obter novas fontes de captação e ao atendimento da população à META20 com o uso racional da água. O volume economizado equivale à soma de três barragens do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC): Passaúna, Piraquara I e Piraquara II.

Ao longo desses 22 meses, o objetivo da Sanepar foi recuperar o nível das barragens, que chegaram ao seu momento mais crítico em 11 de novembro de 2020 com média de 26,77% de reservação.

O conjunto de ações e obras implementadas seguiu o protocolo de gestão de crise da Companhia e foi sendo aprimorado e acelerado ao longo do período. A relação inclui desde captações emergenciais, transposições e obras estruturantes, até o uso de novas tecnologias, como a semeadura de nuvens para induzir chuvas na cabeceira dos rios das bacias de abastecimento e um programa de financiamento de startups (empresas de inovação) que está disponibilizando R$ 1,5 milhão para os projetos.

As medidas não dispensaram nem mesmo as alternativas com menor performance. Um exemplo é a reativação da captação de água do Reservatório do Carvalho, nos Mananciais da Serra, levando água à Barragem do Piraquara I. Construído em 1906 e desativado em 2004, o Carvalho foi acionado novamente pela Sanepar em meados de 2020 para buscar 15 litros por segundo.

Na ponta extrema, a Sanepar antecipou em cinco anos a sobreposição do Rio Capivari, e investiu cerca de R$ 55 milhões para iniciar a operação de um sistema que permitirá levar até 1,2 mil litros por segundo à barragem do Iraí, vencendo uma distância de 51 quilômetros.

META20 E ESFORÇO CONCENTRADO – Uma projeção do comportamento das barragens, sem as ações implementadas, principalmente o rodízio, mostra que o sistema teria entrado em colapso em outubro/novembro de 2020, quando as barragens teriam atingido níveis entre 12,7% e 13,1%, o que praticamente inviabilizaria o fornecimento de água. E este cenário de colapso se repetiria a partir de julho/agosto de 2021, quando os níveis chegariam a 11%, baixando até 4,5% em outubro de 2021.

O diretor-presidente da Sanepar, destaca o esforço concentrado da Companhia em todas as ações e lembra que a participação da população, que aderiu prontamente à campanha META20 foi fundamental. “Trabalhamos muito. Sempre ampliando as soluções. A população ajudou muito. A campanha para diminuir o consumo em 20% foi incorporada plenamente. Obtivemos uma economia média de 17,17%. Começamos em agosto de 2020 e, dois meses depois, já havíamos batida a meta que foi repetida em setembro e outubro de 2021”, disse.

O rodízio, que se iniciou em 17 de março de 2020 para bairros da Região Sul de Curitiba e cidades da RMC (Sul) em função de queda de vazão nos pontos de captação, registrou seis configurações. E até esta semana estava no modelo de três dias e meio com água e até um dia e meio sem água.