Para evitar superlotação, Urbs vai discutir horários alternativos com indústria, comércio e serviços

A Urbanização de Curitiba (Urbs) pretende reunir entidades representativas do comércio, serviços e indústria para discutir os horários alternativos para funcionamento de empresas e evitar a sobrecarregar o sistema de transporte nos horários de pico. A ideia é realizar, na semana que vem, uma reunião com representantes da Associação Comercial do Paraná (ACP), lideranças da Federação do Comércio do Paraná (Fecomércio) e da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).

“Temos que discutir de maneira ampla, com os diversos setores, medidas flexibilizar os horários de funcionamento e por consequência de entrada e saída dos funcionários. A reabertura é essencial para a economia, mas evitar a propagação da doença, especialmente agora com as temperaturas mais baixas, é uma responsabilidade que precisa ser partilhada também pelos empresários”, disse o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

Nesta sexta-feira (5/6), o presidente da Urbs se reuniu, em encontro virtual, com o presidente da ACP, Camilo Turmina, da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), Gilson Santos, e o diretor-executivo das empresas de ônibus de Curitiba, Luiz Alberto Lenz César, para debater o horário do comércio. A reunião teve participação também de diretores de associações comerciais da Região Metropolitana e do empresário Angelo Gulin, representante das empresas de ônibus.

Muitos lojistas não estão seguindo horários alternativos estabelecidos pela entidade, sobrecarregando o sistema de transporte em um momento em que é preciso manter os protocolos de distanciamento social por conta da pandemia do novo coronavírus.

A ACP recomenda que shoppings abram das 12h às 20h e o comércio de rua das 10h às 17h, mas nas últimas semanas muitos estabelecimentos passaram a abrir em horário de antes da pandemia, das 9h às 18h.

Segundo Maia Neto, o movimento geral do transporte coletivo se mantém em um terço do registrado antes da pandemia.

“Mas operamos com 80% da frota para termos uma folga no sistema e evitar aglomerações. O que vem acontecendo é uma concentração de passageiros em determinados horários que precisamos organizar com as empresas”, disse Maia Neto.

Região Metropolitana

De acordo com o presidente da Comec, Gilson Santos, o pico no número de usuários no transporte metropolitano é no início da manhã, com o movimento das pessoas que usam o ônibus para trabalhar em Curitiba. Mas depois das 8h esse fluxo reduz para menos da metade.

“Com um pequeno esforço, flexibilizando horários, o usuário vai encontrar um sistema totalmente diferente dos horários de pico e é essa compreensão que precisamos que todos tenham. Mas, infelizmente, não é o que estamos observando. Os patrões não estão olhando com a devida atenção neste momento de pandemia para estas pessoas”, disse Santos.

Reforço na frota

A Urbs também vai reforçar algumas linhas a partir de segunda-feira (8/6). Serão colocados mais cinco ônibus biarticulados na linha Pinheirinho-Rui Barbosa, a partir das 17h, além de mais veículos nas linhas Rio Bonito, Rio Bonito – CIC e Dalagassa. Somente na linha Pinheirinho-Rui Barbosa, a frota será ampliada em 33%.

Com a reabertura dos shoppings, no último dia 25/5, a Urbs ampliou de 65% para 80% o uso da frota de 1,5 mil veículos. 

A linha Inter 2 passou a funcionar com 100% da frota nos dias úteis. As linhas expressas Pinheirinho-Rui Barbosa, Santa Cândida-Capão Raso e Circular Sul operam com 90% da capacidade nos horários de maior movimento e as linhas alimentadoras, que atuam na região Sul da cidade, trabalham com 100% no horário de pico. Também foi feito o reforço na linha Boqueirão-Centro Cívico nos picos da manhã e da noite.

Para evitar aglomeração, a Urbs já tomou uma série de medidas no transporte coletivo. Os ônibus das principais linhas só podem sair dos terminais com lotação máxima de 50%. Todos os terminais têm marcações para que os passageiros mantenham uma distância de, no mínimo, 1,5 metro entre si e há distribuição de folders com orientações sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras, necessidade de manter o distanciamento e as janelas abertas nos veículos. Uma das medidas que podem ser tomadas também é a determinação para que os motoristas não parem em pontos e em tubos quando os ônibus estiverem cheios.

Cartazes, faixas e painéis eletrônicos nos ônibus também trazem informações sobre a prevenção da covid-19. Fiscais e agentes da Guarda Municipal fazem o trabalho de orientação, que ganhou também o apoio do Exército desde o último dia 14 de maio. O trabalho, que duraria dez dias, foi prorrogado.

A força-tarefa, que conta com a participação de 80 soldados, está concentrada – entre 5h30 e 8h30 – nos principais terminais (Pinheirinho, Santa Cândida, Cabral, Centenário de Boqueirão). No fim do dia, entre 16h30 e 19h30, a cooperação entre Prefeitura e Exército é nas estações-tubo nas praças Carlos Gomes, Rui Barbosa e na estação Central.

Prefeitura faz leilão eletrônico de veículos e sucatas

Na terça-feira (30/11), das 9h às 10h30, a Secretaria Municipal de Administração, Gestão de Pessoal e Tecnologia da Informação (SMAP) vai realizar um leilão eletrônico de 49 itens da Prefeitura classificados como veículos e sucatas. Serão leiloados caminhões, ônibus, rolos compactadores, ambulâncias, uma pá carregadeira e um furgão.

Para participar, os interessados deverão fazer o cadastro no Sistema de Registro Cadastral do Município de Curitiba e aceitar os termos de uso do portal de compras da Prefeitura. Os lances serão abertos no site do e-compras.

Quem pretende participar do leilão pode conferir os requisitos para participação de pessoas físicas ou jurídicas através do edital. Em caso de dúvidas, os interessados deverão entrar em contato pelos telefones: 3350-9142, 3350-9077 e 3350-9115.

Os lances mínimos variam de R$ 100 até R$ 15.000, dependendo do item e do estado em que se encontra. Os veículos e sucatas a serem leiloados estão espalhados pelos pátios da Prefeitura, e podem ser vistos pelos interessados,  desde que a visita seja agendada previamente.

Prefeitura realiza leilão eletrônico de veículos e sucatas. Foto: Divulgação

Os bens deverão ser vistoriados até 17h de sexta-feira (26/11). Para agendar uma visita, é necessário entrar em contato com o gestor do leilão, Marcos Aurélio Guimarães, através do telefone 3350-9975.

Os itens disponíveis resultam da ação da zeladoria municipal nos equipamentos próprios, desenvolvida pelos responsáveis pelo transporte oficial das diversas secretarias, em conjunto com a Diretoria de Gestão do Patrimônio Público e Diretoria de Gestão de Serviços da Smap.

Os arrematantes, as pessoas que vencerem o leilão, terão o prazo de cinco dias úteis para o pagamento dos bens adquiridos, a partir da emissão da guia de recolhimento (GR) que será enviada ao e-mail dos vencedores.

Depois do pagamento, o gestor do leilão vai liberarar os itens vendidos, e o os arrematantes terão o prazo de sete dias após a liberação para retirá-los, com a apresentação da guia de recolhimento quitada.

Mural feito por mulheres deixa a Presidente Faria mais colorida

Curitiba está ganhando uma grande e colorida obra de arte a céu aberto. Dois murais estão sendo pintados na lateral de um prédio comercial na Rua Presidente Faria, ao lado da sede da Guarda Municipal, no Centro. A previsão é de que estejam prontos neste domingo (28/11).

As pinturas fazem parte do projeto Muchas Minas, que coloca em evidência o trabalho de artistas mulheres.

O painel fica no corredor cultural entre o Passeio Público e o Cine Passeio, produzido pela artista espanhola Marina Capdevila, uma das maiores muralistas de grafite do mundo, e a paranaense Cristina Pagnoncelli.

Mural feito por mulheres deixa a Presidente Faria mais colorida. foto: Cido Marques

Juntas as duas obras totalizarão 400 metros de arte e estão sendo produzidas com recursos da Lei de Apoio e Incentivo à Cultura.

Inspirada por sua avó, Marina Capdevila costuma retratar pessoas idosas, inspiração que traz também neste novo trabalho. Ele retrata uma senhora que alegremente almoça uma variedade de iguarias culinárias, cada uma representando uma ou mais culturas que compõem a diversidade da capital paranaense. 

Entre as iguarias que compõe o mural de Marina estão uma fatia de pizza, um prato de sushi, linguiça e cerveja, além de algumas pinhas e uma espiga de milho que representam os povos indígenas. Já os tomates do mural remetem à terra natal da artista, a Espanha.

Com vários trabalhos ao redor do mundo, a última obra da artista foi em Girona, na Catalunha, e representava idosos felizes ao se abraçarem.

Giusy de Luca, criadora do projeto Muchas Minas, diz que a artista catalã pinta algo no qual as pessoas não acreditam muito: a ideia de envelhecer bem e feliz. “Normalmente a gente relaciona a terceira idade com coisas ruins, já ela traz uma outra perspectiva”, diz. 

Cris Pagnoncelli é uma artista e designer conhecida pelo seu trabalho com lettering, uma maneira estilizada de desenhar letras e palavras. O seu mural, que ficará à direita do de Marina, contará com a palavra “coragem”, acompanhada por uma arte ao fundo.

As duas artistas estudaram juntas em Barcelona. “Os dois murais, lado a lado, vão dialogar e contrastar um com o outro, o que será bastante interessante”, relatou Marina.

Para a paranaense, a obra é uma realização. “Era meu sonho ter minha primeira empena solo na cidade onde vivo”, diz Cristina. Anteriormente ela já tinha participado de outras iniciativas do Muchas Minas, como uma arte feita em setembro no muro da escola municipal Caramuru, no bairro Cabral.

Muchas Minas

O projeto foi criado em 2019, um pouco antes da pandemia de covid-19, por Giusy de Luca, da produtora Mucha Tinta. Por causa da pandemia, a pintura dos painéis acabou sendo adiada por dois anos, até que finalmente conseguiu ser realizada, com recursos da Lei de Apoio e Incentivo à Cultura. O projeto destaca artistas urbanas femininas, já que, segundo sua criadora, as mulheres não são valorizadas nessa área. 

Giusy acredita no potencial de Curitiba como um polo turístico de arte urbana. “Gostaríamos de ver em Curitiba como um museu a céu aberto”, disse.