Para conter aglomerações, Litoral do Paraná cancela queima de fogos no Réveillon

Decisão foi tomada pela Associação dos Municípios do Litoral do Paraná (Amlipa)

Com o objetivo de conter aglomerações, as cidades do Litoral do Paraná decidiram cancelar a tradicional queima de fogos na virada de ano. A decisão foi tomada nesta terça-feira (8), durante encontro da Associação dos Municípios do Litoral do Paraná (Amlipa), e vai valer para os sete municípios da região.

De acordo com o presidente da Amlipa e prefeito de Guaratuba, Roberto Justus, a decisão também tem o objetivo de cumprir o decreto do Governo do Estado que proíbe aglomerações. “Nós, enquanto poder público municipal, estamos alinhados e parceiros com o governo estadual, em um momento em que todos precisam ser parceiros. Decidimos, então, que não é só a queima de fogos, mas não fazer nenhum evento que promova a aglomeração de mais de dez pessoas”, disse.

Para o fim de ano, não há nenhum impeditivo para a ida ao Litoral, mas os prefeitos reforçam a necessidade do uso de máscara e garantia de distanciamento social, já que o momento é complicado. Nesta terça-feira (8), por exemplo, todas os leitos de UTI do Hospital Regional do Litoral estão ocupados.

Temporada de Verão

A temporada de verão de 2020 está prevista para ter início no dia 18 de dezembro, mas deve ser diferente desta vez.

Segundo Justos, há sim uma expectativa de que ela seja reduzida pelas atuais condições da pandemia. “Eu torço para que seja uma temporada reduzida, já que estamos em uma das áreas com maior taxa de contágio do Paraná. Entendo que isso não é nem um pouco convidativo, mas não vamos mais fazer lockdown ou interferir na atividade econômica, bem como fazer barreiras, já que o efeito pedagógico já foi alcançado. Ninguém pode dizer que não sabe se comportar em um momento como esse”, concluiu.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relatório da Fiocruz confirma predominância da variante Ômicron e novos casos no Paraná

O 6º Relatório de circulação de linhagens do vírus Sars-CoV-2, responsável pela Covid-19, do Instituto Carlos Chagas/Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Paraná, confirmou a predominância da variante Ômicron no Estado. O documento foi recebido pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) neste sábado (15).

A análise considera 178 amostras coletadas entre 27 de dezembro e 2 de janeiro nas quatro macrorregiões, em parceria com o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), onde 91 (51,1%) foram confirmadas para a variante Ômicron e 87 (48,9%) para a Delta.

As cepas são consideradas como “variantes de preocupação” – VOC pela Organização Mundial da Saúde. As VOC são aquelas que têm evidências de induzir casos mais graves e aumentar a transmissibilidade da doença.

A Sesa havia confirmado a circulação da variante Ômicron na quarta-feira (12) com um caso confirmado em Curitiba após sequenciamento genômico da Fiocruz do Rio de Janeiro. O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, já alertava para a possibilidade de predominância da nova variante no Paraná, inicialmente detectada na África do Sul e designada como VOC em novembro do ano passado.

“Quando tivemos a confirmação do primeiro caso, já falamos que existia transmissão comunitária da variante no Paraná, considerando a alta transmissão da doença nos primeiros dias de janeiro. A Ômicron tem essa característica de se espalhar mais fácil, e se detectamos em mais da metade dessas amostras certamente o número de casos é muito maior”, afirmou o secretário.

Segundo ele, a grande cobertura vacinal contra a Covid-19 colaborou para que a circulação da nova variante não resultasse no agravamento da doença na maioria dos casos. “Precisamos alertar para a importância da vacinação. A imunização contra a doença, os cuidados não farmacológicos e a conscientização da população, são nossas principais armas contra esse vírus que se modifica e dissemina muito rapidamente”, alertou Beto Preto.

Os casos identificados pela Fiocruz Paraná neste relatório serão inseridos no monitoramento oficial do Estado nos próximos dias, após investigação epidemiológica para identificação do perfil dos casos, municípios de residência dos infectados e evolução dos casos. Agora, o Paraná possui 92 casos confirmados da variante Ômicron, sem óbitos registrados.

Covid-19 segue em aceleração e Paraná confirma quase 15 mil casos em 24 horas

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta sexta-feira (14) mais 14.924 casos confirmados e duas mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.675.879 casos confirmados e 40.707 mortos pela doença.

Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (14.822) de 2022, dezembro (27), novembro (2), outubro (4), setembro (1), agosto (7), julho (6), junho (7), maio (4), abril (6), março (6), fevereiro (5) e janeiro (6) de 2021 e dezembro (5), outubro (1), setembro (5), agosto (3) e julho (7) de 2020.

Os óbitos divulgados nesta data são de maio (1) e março de 2021.

Monitoramento

A Sesa está monitorando a situação epidemiológica do Paraná e o crescimento no número de casos diários divulgados pela pasta. Neste momento, o aumento está diretamente ligado com a maior circulação de pessoas em todo o Estado, devido às festividades de fim de ano.

Além disso, deve-se considerar um atraso no envio de amostras para os laboratórios credenciados do Estado como o Laboratório Central do Paraná (Lacen/PR) e Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP) na última semana, também relacionado com os recessos e feriados.

A secretaria reforça que as medidas de prevenção como uso de máscaras, lavagem das mãos e uso do álcool em gel permanecem sendo necessárias, juntamente com a continuidade da vacinação contra a Covid-19.

Internados

65 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (28 em UTI e 37 em leitos clínicos/enfermaria) e nenhum em leitos da rede particular (UTI ou leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 769 pacientes internados, 259 em leitos UTI e 510 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Mortes

A Sesa informa a morte de mais dois pacientes. São dois homens, um de 78 anos que residia em Curitiba e o outro de 62 anos, morador de Ponta Grossa. Os óbitos ocorreram entre 30 de março e 29 de maio de 2021, respectivamente.