Pandemia tem nova fase: casos graves acometem população mais jovem

Uma nova fase da pandemia vem se desenhando nas últimas semanas. O internamento de pacientes jovens por covid-19 aumentou. Os casos da doença neste grupo, que tem uma base populacional maior, são responsáveis pela sobrecarga no sistema de saúde atualmente.

Durante todo o ano da pandemia, as pessoas entre 20 e 59 anos representam mais da metade dos casos confirmados de covid-19. De acordo com o diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Alcides Oliveira, esta nova fase da pandemia está associada à nova variante P1, que tem acometido mais os jovens e os adultos.

“É quase como uma nova doença. Os jovens adultos, que antes eram contaminados e passavam ilesos, agora estão tendo casos graves e com evolução rápida”, explica.

Internamentos

Na última semana de julho de 2020, pico da pandemia no ano passado, esse recorte etário (20 a 59 anos) representava 40% dos internamentos (clínicos e de UTI). Já na última semana de fevereiro representou 50%.

Embora essa variação não pareça ser tão expressiva, em números absolutos fica evidente o impacto sobre a oferta de leitos. A diferença é de 265 internamentos (julho de 2020) para 444 (fevereiro de 2021) nesta faixa etária – um aumento de 67,5%.

A comparação entre a última semana de janeiro de 2021 e a última semana de fevereiro de 2021 revela uma mudança ainda maior. Na última semana de janeiro, havia 63 pessoas de 30 a 44 anos internadas, enquanto na última semana de fevereiro este número chegou a 172 internados – um número quase três vezes maior. Na faixa etária de 45 a 59 anos, o aumento foi de 155 em janeiro de 2021 para 327 em fevereiro de 2021, ou seja, mais que dobrou.

Números crescem

Essa lógica se intensificou nas duas últimas semanas. Considerando apenas a faixa etária 30 a 44 anos, houve um aumento de 15% nos internamento dos leitos clínicos por covid-19, passando de 139 para 161. E nos leitos de UTI, nesta faixa etária, o aumento foi de 67%, passando de 43 para 72, no mesmo período.

A faixa etária de 45-59 anos segue a mesma lógica. Nas últimas duas semanas, houve aumento de 15% nos internamentos de enfermaria, passando de 201 para 231. Nos internamentos de UTI, o aumento foi de 39%, passando de 79 para 110.

Dos óbitos por covid-19 nestas faixas etárias (30-59 anos) desde o início da pandemia, 12% ocorreram nas últimas duas semanas.

Segundo a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, mais do que nunca é importante que os jovens se conscientizem sobre a importância do isolamento social.

“Estamos num momento muito crítico da pandemia. Não é hora de festa ou de reunião familiar. Estamos no nosso limite”, diz. “Temos leitos e respiradores, mas não temos mais equipes de saúde”, explica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

STF dá 48h para Anvisa explicar pendências para importação da Sputnik V

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu 48 horas para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informe detalhadamente quais são os documentos pendentes para uma análise definitiva do pedido de autorização temporária para importação da vacina russa Sputnik V. No mês passado, a diretoria colegiada da agência rejeitou por unanimidade a solicitação de governadores, embasando sua decisão na falta de dados básicos e em falhas identificadas pela área técnica.

Além de prestar as informações, a Anvisa também deve garantir que o Governo do Maranhão acompanhe o processo administrativo interno para aprovação do imunizante contra a covid-19.

“Preliminarmente, informe a Anvisa, em 48 horas, de maneira pormenorizada, quais os documentos faltantes para uma análise definitiva do pedido de autorização excepcional e temporária de importação e distribuição da vacina Sputnik V, subscrito pelo Estado do Maranhão, sem prejuízo de franquear-lhe, de imediato, o pleno acesso aos autos do Processo SEI no 25351 908872/2021-00, o qual, segundo alega, tem sido obstado pela Agência”, diz um trecho do despacho.

Na semana passada, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) acionou o tribunal afirmando que novas evidências poderiam levar à reavaliação dos pedidos pela agência. Dino integra o Fórum de Governadores do Nordeste, que em março anunciou a compra de 37 milhões de doses da vacina russa. Após a rejeição para a importação do imunizante, os Estados se reuniram com o Instituto Gamaleya e com o Fundo de Investimento Russo para levantar nova documentação da vacina e encaminhar à Anvisa.

Governo destina R$ 5,5 bilhões para produção e aquisição de vacinas contra Covid-19

Uma medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) abre crédito extraordinário de R$ 5,5 bilhões para custear a produção e a distribuição de vacinas contra a covid-19. O texto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União, na noite desta segunda-feira (10).

Uma parte desse recurso, cerca de R$ 1,68 bilhão, será repassado diretamente para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para garantir a compra de 50 milhões de doses de vacina Covishield, produzida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford.

Outros R$ 3,82 bilhões serão utilizados para a aquisição de mais 100 milhões de doses de vacina e outras despesas associadas à imunização, segundo informou o governo.

Até agora, o Ministério da Saúde fechou contrato para a aquisição de pouco mais de 281 milhões de doses de vacinas. Outras 281 milhões de doses também foram anunciadas pelo governo.