Pacientes em tratamento de câncer podem tomar vacina contra Covid-19, diz oncologista

Segundo Priscila Morosini, a única contraindicação ao uso dos imunizantes são possíveis alergias que podem gerar aos pacientes

Apesar de existir poucos estudos sobre o tema, há uma indicação geral dos especialistas na área de Oncologia para a aplicação dos imunizantes contra a Covid-19 nas pessoas com câncer. A revelação foi feita por Priscila Morosini, oncologista do Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba (IHOC)/Oncoclinicas, em entrevista à Banda B nesta segunda-feira (18). Ela afirmou que a única contraindicação ao uso dos imunizantes são possíveis alergias que podem gerar aos pacientes oncológicos.

“Não há sinais de que eles podem ser prejudicados. O único ponto que tem sido levantado em alguns estudos preliminares, é que, talvez, os pacientes não respondam tão bem como os pacientes que tem a imunidade adequada. Mas, o que temos de recomendação até o momento de grandes instituições que fazem o tratamento de pacientes oncológicos, é que a vacina está indicada para eles”, pontuou.

Um novo posicionamento da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) sobre estes estudos é aguardado nos próximos dias. Para Priscila, isto será fundamental para nortear as atitudes que deverão ser tomadas pelos oncologistas e pacientes em geral a respeito do coronavírus.

“O que há de recomendação preliminar é que estes pacientes não realizem a vacina no dia em que farão a quimioterapia. Mas que deixem para fazer a vacinação nos dias em que estão melhores. Isto será uma avaliação individualizada de cada oncologista com o seu paciente com base nos resultados dos exames com o intervalo das quimioterapias”, comentou a oncologista

Ressalva

Neste domingo (17), a ANVISA aprovou em caráter emergencial o uso das vacinas de Oxford e Coronavac. No Paraná, o plano de vacinação está previsto para começar nesta segunda-feira (18), em um evento simbólico às 17h, no hospital do Trabalhador. Em Curitiba, o prefeito Rafael Greca confirmou o início da aplicação dos imunizantes para a próxima quarta-feira (20) no Pavilhão do Barigui. Porém, a oncologista ressalta.

“Devemos reforçar que mesmo vacinando a população em geral como os pacientes oncológicos, a nossa conduta do dia a dia não deve mudar: uso de máscara e o distanciamento. Tudo até que tenhamos a porcentagem adequada da população vacinada para que voltamos ao que era antes”, concluiu Priscila à Banda B.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anvisa autoriza importação excepcional da vacina Sputnik V

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu autorização, por meio do Circuito Deliberativo nº 539/2021, para a importação excepcional da vacina Sputnik V pelos estados do Rio Grande do Norte, de Mato Grosso, Rondônia, do Pará, Amapá, da Paraíba e de Goiás.

Assim como deliberado no dia 4 de junho, na 9ª Reunião Extraordinária Pública da Diretoria Colegiada, a importação aprovada nessa terça-feira (15) também deverá ser realizada sob condições controladas. Para tanto, de acordo com a Anvisa, foram estabelecidas as mesmas responsabilidades e condicionantes aos requerentes.

As principais condições preveem que a vacina deverá ser utilizada apenas na imunização de indivíduos adultos saudáveis e que todos os lotes dos imunizantes importados somente poderão ser destinados ao uso após liberação pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS).

Além disso, a Anvisa receberá relatórios periódicos de avaliação benefício-risco da vacina; o imunizante deverá ser utilizado em condições controladas com condução de estudo de efetividade, com delineamento acordado com a Agência e executado conforme Boas Práticas Clínicas; a Anvisa poderá, a qualquer momento, suspender a importação, distribuição e uso das vacinas importadas; dentre outros aspectos destacados no voto do relator.

Na deliberação, também foram autorizados quantitativos reduzidos de doses a serem importadas para vacinação de 1% da população de cada um dos estados, o que permitirá o adequado monitoramento e ação imediata da Agência, caso necessário: Rio Grande do Norte – 71.000 doses; Mato Grosso – 71.000 doses; Rondônia – 36.000 doses; Pará – 174.000 doses; Amapá – 17.000 doses; Paraíba – 81.000 doses; e Goiás – 142.000 doses.

*Com informações da Anvisa

Covid-19: Pfizer vai entregar 2,4 milhões de doses nesta semana

A Pfizer e sua parceira, BioNTech, anunciaram nesta terça-feira (15) que enviarão ao Brasil 2,4 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 nesta semana, entre hoje e quinta-feira (17). 

Conforme comunicado divulgado pelas empresas, a remessa será enviada em três lotes. Hoje chegam 530 mil doses. Outras 936 mil deverão chegar amanhã (16) e igual quantitativo na quinta-feira (17). Com as entregas dessa semana, o número de vacinas disponibilizadas pela farmacêutica chegará a 10,6 milhões.

O consórcio Pfizer BioNTech fechou acordo com o governo brasileiro em março deste ano que envolve a aquisição de 100 milhões de doses. Em maio, um novo negócio previu mais 100 milhões de doses, que serão entregues entre outubro e dezembro.

Covax facility

O Ministério da Saúde anunciou também hoje que na próxima semana receberá mais um lote de vacinas contra a covid-19 do consórcio Covax Facility, coordenado pela Organização Mundial de Saúde e que reúne governos e fabricantes.

Serão enviadas ao país 842,4 mil doses pelo consórcio. Até o momento, o Brasil recebeu cinco milhões de doses pela Covax Facility. Pelo investimento feito, o país tem direito a 42,5 milhões até o fim do ano. O Ministério da Saúde não divulgou quando deverá ter a próxima remessa.