Paciente descumpre isolamento, casos sobem e prefeitura alerta para transmissão comunitária no Litoral

O descumprimento do isolamento social de um paciente é apontado pela Prefeitura de Guaraqueçaba, no Litoral do Paraná, como principal motivo do aumento de casos de Covid-19 na cidade. De 19 de outubro a 10 de novembro, a Secretaria Municipal da Saúde havia registrado apenas quatro novos casos da doença. O boletim divulgado nesta quarta-feira (18), porém, confirmou 16 novas infecções em apenas uma semana.

De acordo com a administração municipal, os números confirmam a transmissão comunitária no município de 7,5 mil habitantes.

“O fato ocorreu devido a um caso confirmado ter desobedecido as normas impostas pela vigilância em Saúde, descumprindo o isolamento social, agravando a situação e contaminando idosos, jovens e adultos que, por sua vez já transmitiram para seus familiares”, disse a prefeitura.

Assim, a Secretaria Municipal da Saúde convocou moradores que estiveram na Pousada dos Pinheiros, Canoa Quebrada e encontro de jovens no deck do Mercado Municipal, entre os dias 6 e 14 de novembro, para a realização de exames.

Desde o início da pandemia, Guaraqueçaba confirmou 81 casos e quatro mortes pela doença.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil passa de 170 mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia

O Brasil passou de 170 mil mortes em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, foram registradas 630 mortes, fazendo com o que o número tenha chegado a 170.115. Até segunda-feira, o sistema marcava 169.183 falecimentos. Ainda há 2.202 mortes em investigação, este dado relativo a segunda (23).

O balanço foi divulgado pelo Ministério da Saúde na noite desta terça-feira (24). O órgão divulga a cada dia uma atualização a partir de informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde.

A pandemia já provocou também a infecção de 6.118.708 pessoas no Brasil desde o primeiro caso, em fevereiro. Entre ontem e hoje, as autoridades de saúde notificaram 31.100 novos diagnósticos positivos. Ontem, o sistema marcava 6.087.608 casos acumulados.

Ainda conforme o balanço da pasta, há 472.575 pacientes em acompanhamento. Outras 5.476.018 pessoas já se recuperaram da doença.

Em geral, os casos são menores aos domingos e segundas-feiras em função da dificuldade de alimentação pelas secretarias estaduais de saúde. Já às terças-feiras, eles podem subir mais em função do acúmulo de registros atualizado.

Covid-19 nos estados

Os estados com mais mortes pela covid-19 são São Paulo (41.455), Rio de Janeiro (22.141), Minas Gerais (9.804), Ceará (9.492), dado relativo a ontem, e Pernambuco (8.951). As Unidades da Federação com menos óbitos pela doença são Acre (715), Roraima (721), Amapá (795), Tocantins (1.151) e Rondônia (1.529).

 

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 24/11/2020

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 24/11/2020 – 24/11/2020/Divulgação/Ministério da Saúde

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

Chegou à fase final o estudo clínico da CoronaVac, a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com biofarmacêutica Sinovac Life Science. De acordo com informações do governo de São Paulo e do Instituto Butantan, os resultados sairão na primeira semana de dezembro e a previsão é a de que, até janeiro de 2021, 46 milhões de doses estejam disponíveis no Brasil.

Os resultados serão enviados pelo Comitê Internacional independente na primeira semana de dezembro para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analise o relatório para verificação da vacina. Os testes no Brasil estão sendo coordenados desde julho pelo Butantan em 16 centros de pesquisa científica espalhados em sete estados brasileiros e no Distrito Federal, com 13 mil voluntários envolvidos. Na última semana, o primeiro lote com 120 mil doses chegou a São Paulo.

Na última terça-feira (17), os resultados da fase anterior de estudos clínicos da CoronaVac foram publicados pela revista científica Lancet, uma das mais importantes do mundo. A publicação mostrou que a vacina é segura e tem capacidade de produzir resposta imune no organismo 28 dias após sua aplicação em 97% dos casos.

Outras vacinas

Nesta segunda-feira (23) a farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou a vacina que o laboratório está desenvolvendo contra o novo coronavírus pode ter 90% de eficácia, sem nenhum efeito colateral grave. Desenvolvida pela Universidade de Oxford, atingiu esse percentual na prevenção da doença quando administrada em meia dose e, pelo menos um mês depois, uma dose integral, de acordo com dados do estudo clínico em estágio avançado realizado no Reino Unido e no Brasil. A farmacêutica terá 200 milhões de doses da vacina até o final deste ano, com 700 milhões de doses prontas globalmente até o fim do primeiro trimestre de 2021.

A americana Pfizer informou na última quarta-feira (18) que os resultados finais do teste de estágio avançado de sua vacina mostram que o imunizante é 95% eficaz, tem todos os dados de segurança exigidos referentes a dois meses e que solicitaria autorização para uso emergencial nos Estados Unidos em alguns dias. Segundo a Pfizer, a eficácia da vacina desenvolvida em parceria com alemã BioNTech foi consistente em dados demográficos de idade e etnia, e que não houve efeitos colaterais importantes.

A concorrente Moderna divulgou na segunda-feira (16) dados preliminares para sua vacina, mostrando eficácia semelhante.