OMS diz que pandemia piora no Brasil e pede ‘medidas sérias’ de autoridades

O comando da Organização Mundial de Saúde (OMS) voltou a demonstrar preocupação com o quadro da pandemia do coronavírus no Brasil, cobrando medidas “sérias” e “clareza” de autoridades e todos os envolvidos para enfrentar o problema.

“A situação no Brasil certamente tem piorado, com incidência muito alta de casos e aumento das mortes pelo país, bem como uma elevação muito rápida na ocupação de UTIs e muitas áreas pelo país vendo lotar os leitos de UTIs”, afirmou o diretor executivo da entidade, Michael Ryan, durante entrevista coletiva virtual nesta sexta-feira, 12.

Ryan lembrou que em várias áreas do País os sistemas de saúde estão “bastante pressionados”, notando também o aumento das porcentagens de testes positivos para a doença. Ele comentou o risco que isso representa, não apenas para as fronteiras nacionais. “O que acontece no Brasil importa, e importa globalmente”. A OMS notou que, caso o quadro na emergência de saúde continue a piorar no País, isso terá impacto em outras nações da região.

“Certamente gostaríamos de ver o Brasil indo em direção diferente, mas será necessário um grande esforço para isso”, disse Ryan, completando que vê o sistema de saúde local “consideravelmente pressionado”. Segundo ele, muitos países nas Américas se movem agora “em direção positiva” na pandemia, mas “não o Brasil”.

“Não tenho dúvida de que a ciência e o povo brasileiros podem contornar essa situação. A questão é: eles podem conseguir o apoio de que necessitam para fazer isso?”, questionou ainda Ryan

A epidemiologista responsável pela resposta da OMS à pandemia de covid-19, Maria Van Kerkhove, lembrou do fato de que uma cepa do vírus, a P.1, localizada inicialmente em Manaus, é “fonte de preocupação” e circula pelo Brasil. Segundo ela, a variante parece transmitir mais e há a sugestão segundo algumas pesquisas de que ela pode ser “mais severa”.

Kerkhove disse que uma cepa mais contagiosa tende a colocar mais pressão sobre o sistema de saúde, mas notou que ainda assim o vírus “pode ser controlado”, com medidas de saúde pública como máscaras, distanciamento social e lavagem de mãos. Ela lembrou também que o diagnóstico do vírus continua a funcionar diante dessas novas cepas. Kerhove disse que as variantes devem continuar a surgir, por isso a entidade tem um sistema de monitoramento com a finalidade de monitorá-las.

Informações Estadão Conteúdo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pfizer é eficaz para crianças de 5 a 11 anos, dizem fabricantes

A Pfizer e a BioNTech disseram, nesta segunda-feira (20), que a vacina contra covid-19 que desenvolveram em parceria induz uma resposta imune robusta em crianças de entre 5 e 11 anos de idade. Os laboratórios planejam pedir autorização para que a vacina seja aplicada nessa faixa etária às autoridades dos Estados Unidos (EUA), da Europa e de outros locais o mais rápido possível.

As empresas dizem que a vacina gerou resposta imune nas crianças de 5 a 11 anos em seu ensaio clínico de fases 2 e 3, e os resultados se equivalem ao que observaram anteriormente entre pessoas de 16 a 25 anos. O perfil de segurança também foi, em geral, comparável ao da faixa etária mais elevada, afirmaram.

“Desde julho, casos pediátricos de covid-19 aumentaram em cerca de 240% nos Estados Unidos, enfatizando a necessidade de saúde pública de vacinação”, disse o presidente executivo da Pfizer, Albert Bourla, em comunicado à imprensa.

“Os resultados desse teste fornecem uma fundação sólida para buscar autorização de nossa vacina para crianças entre 5 e 11 anos, e planejamos entregar o pedido à FDA (agência reguladora dos EUA) e outros reguladores com urgência.”

Autoridades norte-americanas de saúde de alto escalão acreditam que os órgãos reguladores podem tomar uma decisão sobre a vacina, se é segura e eficaz em crianças mais novas, três semanas após a entrega pelos laboratórios dos pedidos de autorização, disseram à Reuters neste mês.

As internações e mortes por covid-19 aumentaram nos Estados Unidos, nos últimos meses, devido à variante Delta do novo coronavírus, altamente contagiosa. Casos pediátricos da doença também estão em alta, particularmente porque crianças com menos de 12 anos não estão sendo vacinada. Não há, no entanto, nenhuma indicação de que, além de ser mais transmissível, a Delta seja mais perigosa para crianças.

Uma autorização rápida ajudaria a mitigar um potencial aumento de casos no outono do Hemisfério Norte, especialmente com as escolas já abertas em todo os EUA.

A vacina Pfizer/BioNTech já está autorizada para aplicação em crianças a partir de 12 anos em vários países, incluindo os Estados Unidos.

No ensaio clínico, as crianças entre 5 e 11 anos receberam uma dose de 10 microgramas da vacina, um terço da dose dada a pessoas com mais de 12 anos. As empresas disseram esperar, até o quarto trimestre deste ano, os dados sobre como a vacina atua em crianças entre 2 e 5 anos e em bebês de 6 meses a 2 anos. 

Fim de semana com balada e bares lotados rendem multas aos comerciantes de Curitiba

Muita aglomeração e ausência de medidas básicas de segurança contra a covid-19, como falta da máscara de proteção, do distanciamento social e outras medidas sanitárias obrigatórias foram contadas neste fim de semana, durante as Ações Integradas de Fiscalização Urbana (Aifu). As equipes, formadas por servidores da Prefeitura de Curitiba e Governo do Estado, vistoriaram 42 estabelecimentos entre a sexta-feira (17/9) e a noite do domingo (19/9).

O resultado foi a paralisação das atividades em 19 estabelecimentos e 21 autos de infração lavrados que somados chegam a R$ 1 milhão em multas.

Os autos de infração são previstos na Lei 15799/2021 e no decreto nº 1210/2021, que considera as medidas sanitárias necessárias na cidade, que está em situação de alerta em relação à disseminação do novo coronavírus (bandeira amarela).

Os números são mais preocupantes quando somados às vistorias realizadas ao longo da semana. Entre a segunda-feira (13/9) e o domingo (19/9) foram vistoriados 98 estabelecimentos dos quais 24 precisaram ser interditados por desrespeito às normas anti-covid-19 e 30 autos de infração foram lavrados.

Divulgação

Medidas sanitárias

Desde 5 de janeiro, quando entrou em vigor a Lei 15799, as Ações Integradas de Fiscalização Urbana (Aifu) vistoriaram 4.309 estabelecimentos, de diferentes áreas do comércio. Destes, mil foram flagrados descumprindo as medidas sanitárias obrigatórias e acabaram interditados e 1.932 autos de infração foram lavrados para pessoas físicas, empresas e comércios.

O valor total dos autos lavrados é de aproximadamente R$ 25 milhões. Todos os cidadãos e empresas autuadas têm direito a se defender em processo administrativo.

Sexta-feira

Na sexta feira (17/9), as equipes paralisaram oito estabelecimentos e aplicaram nove autos de infração ao longo de 17 averiguações. Foram flagradas situações de risco à saúde pelo contágio da covid-19 em uma tabacaria no bairro Cidade Industrial, autuada por permitir o consumo de narguilé no estabelecimento (R$ 50 mil), um bar no São Francisco, por não garantir a permanência das pessoas sentadas (R$ 20 mil), uma distribuidora de bebidas, no bairro Cidade Industrial, por permitir o consumo de narguilé no estabelecimento (R$ 50 mil). No Tatuquara, também foi paralisado e multado um estabelecimento por permitir o consumo de narguilé no local e por não controlar o número de pessoas (R$ 100 mil).

Outros estabelecimentos autuados na sexta-feira foram bares no Novo Mundo, Portão, Centro e Alto da XV, por não controlarem o número de pessoas e permitirem a permanências de pessoas em pé, o que aumenta a possibilidade de transmissão do novo coronavírus. Os autos de infração variaram de R$ 10 mil a R$ 50 mil, conforme a gravidade da situação constatadas pelos fiscais.

Sábado

Sete autos de infração e nove estabelecimentos com atividades paralisadas foi o resultado das 17 vistorias realizadas no sábado (18/9), sendo aglomeração e a permanência das pessoas em pé, as principais infrações.

Foram multados e paralisados um bar e lanchonete no Bom Retiro, por não controlar a vedação de pessoas em pé (R$ 50 mil), um bar no Mercês, por não controlar a vedação de pessoas em pé (R$ 15 mil), bar no Butiatuvinha, por não controlar a lotação de pessoas (R$ 5 mil). Também foram autuados bares no Tingui, Uberaba, Jardim das Américas por permitirem o consumo de narguilé, não controlar o número de pessoas e por descumprir obrigação de uso de máscara. Os autos de infração tiveram valores entre R$ 20 mil e R$ 150 mil, conforme a gravidade do caso.

No bar do Jardim das Américas, reincidente nas infrações, as equipes constataram mais de 250 pessoas em uma área de 150 m2. O auto de infração foi de R$ 150 mil. Também foi considerado de alta gravidade a situação averiguada em uma casa de evento no bairro Augusta, onde mais de 200 pessoas, sem máscaras, descumpriram outros protocolos sanitários. O responsável pelo evento e organizador foram autuados em R$ 100 mil cada um.

Domingo

Domingo (19/9) também foi dia de muito trabalho para Aifu. Foram 8 vistorias, 4 estabelecimentos interditados e 6 autos de infração lavrados mediante ao desrespeito à vida. Foram interditados e autuados duas hamburguerias no bairro Cidade Industrial, por permitirem o consumo de narguilé (R$ 30 mil cada) e a permanência de pessoas em pé nos estabelecimentos (R$ 30 mil cada). A Sociedade Recreativa Boqueirão foi autuada por permitir a permanência de pessoas em pé (R$ 50 mil) e uma lanchonete no Uberaba, pelo mesmo motivo, multada em (R$ 50 mil).

Fiscalização de trânsito

Durante a operação Aifu do fim de semana, agentes de trânsito aplicaram 40 autos de infração: praticamente a totalidade deles por veículos estacionados de forma indevida. Foram registrados casos de veículos estacionados em frente a ponto de ônibus, na esquina (comprometendo a visibilidade), em vagas exclusivas de idoso e de deficiente sem o uso obrigatório da credencial, em local e horário proibidos pela sinalização, em frente a guia rebaixada (local de entrada e saída de veículos), no passeio, em vaga de curta duração e em desacordo com a sinalização. Quatro veículos foram guinchados.

Além da Aifu

Desde o início da vigência da lei municipal 15.799/2021, a Guarda Municipal registrou outras 451 autuações, no valor total de R$ 1.543.102. Desse total foram 78 autuações no valor de R$ 475.300 para pessoas jurídicas e 373 autuações no valor de R$ 1.067.802 para pessoas físicas.

Esse é o resultado da atuação dos guardas municipais fora das Aifus, em atendimento a chamados que chegam da população pelo telefone de emergência 153 e, também, durante o patrulhamento preventivo desenvolvido por toda a cidade.