Oito em cada dez municípios não veem condições para retomar aulas presenciais

O número equivale a 82% das prefeituras consultadas em pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios

Mais de seis meses após o fechamento das escolas pela pandemia de covid-19, 3.275 municípios brasileiros ainda não veem condições sanitárias para retomar as aulas presenciais na rede básica de ensino neste ano. O número equivale a 82% das prefeituras consultadas em pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), obtida com exclusividade pelo Estadão/Broadcast.

A CNM ainda levantou a situação das escolas em 96 países. Segundo a entidade, 38 estão com as escolas abertas, 33 com as escolas parcialmente abertas e 25 permanecem com colégios fechados. O presidente da entidade, Glademir Aroldi, argumenta que o cenário no Brasil é complexo porque, mesmo com investimento em equipamentos de proteção, o desafio envolve permanência dos alunos dentro da sala por um número elevado de horas, risco de aglomeração no transporte e maior exposição de estudante e famílias.

Segundo ele, mesmo cidades que já reduziram as restrições de circulação para estabelecimentos comerciais entendem ainda não ser seguro retomar as aulas. “Na flexibilização de um bar, vai a um bar quem acha que pode ir. Na escola, quando abrir, você faz com que os alunos acabem frequentando, permaneçam por um período longo e voltem para a casa, convivam com pais, avós. É uma situação mais complexa. Em algumas regiões, precisa do ar-condicionado ligado o tempo todo. E não é só aula, é o transporte escolar, acaba envolvendo alunos dentro de um mesmo veículo”, diz o presidente da CNM. “Não é uma questão de omissão, mas sim de avaliação e de responsabilidade de decisão ”

Apenas 677 municípios afirmaram ter condições de reabrir as instituições ainda este ano, desde que haja indicação nesse sentido por parte de autoridades sanitárias e de saúde diante do menor contágio, ou ainda oferta de vacina que permita o retorno com segurança. A pandemia já vitimou mais de 150 mil brasileiros O País registra mais de 5,1 milhões de casos.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Caixa libera R$ 25 bilhões em crédito para micro e pequenas empresas

Ao todo, cerca de 200 mil empresas fecharam contratos

A Caixa atingiu nessa quarta-feira (21) a marca de R$ 25 bilhões disponibilizados para micro e pequenas empresas nas principais linhas de crédito durante a pandemia da covid- 19. Ao todo, cerca de 200 mil empresas fecharam contratos.

No Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), foram contratados R$ 12 bilhões desde 16 de junho, quando o banco começou a operar a linha.

Pelo Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), foram emprestados R$ 10,5 bilhões. Essa linha oferece taxa de juros a partir de 0,63% ao mês. O cliente tem até 60 meses para quitar o empréstimo e conta com uma carência nos pagamentos que varia de seis a 12 meses.

No caso do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe), em parceria com o Sebrae, foram liberados R$ 2,5 bilhões. Essa linha pode garantir, de forma complementar, até 80% de uma operação de crédito contratada, dependendo do porte empresarial do solicitante e da modalidade de financiamento.

Como contratar

Segundo a Caixa, para contratar qualquer uma das linhas, com exceção do Pronampe, que já teve seu limite atingido, os clientes podem acessar o site e preencher um formulário de interesse ao crédito.

O banco entrará em contato se a empresa estiver apta a contratar o financiamento. A solicitação também pode ser feita nas agências da Caixa.

Informações Agência Brasil.

Secretário da Saúde alerta para alta dos números da Covid-19 nos últimos 3 dias no Paraná: “A pandemia não acabou”

O boletim da Covid-19 desta quarta-feira (21) mostrou que o estado passou de 200 mil infectados e que o número de mortes se aproxima de 5 mil

O secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, afirmou nesta quarta-feira (21) que um aumento no número de casos e mortes por coronavírus foi registrado nos últimos três dias no estado. Ele ressaltou a importância da população continuar com as medidas de prevenção contra o vírus.

“Nos últimos três dias, começamos a detectar uma nova alta no número de casos confirmados e também de óbitos de paranaenses que estão internados nos hospitais. Quero chamar a atenção para isso: a pandemia não acabou”, disse Beto Preto.

O boletim da Covid-19 desta quarta-feira mostrou que o estado passou de 200 mil infectados e que o número de mortes se aproxima de 5 mil.

De acordo com o secretário, o Paraná ficou dois meses com a curva de casos de Covid-19 em um patamar “muito elevado”, mas ela vem baixando. Em comparação há 15 dias atrás, o número de casos e mortes pela doença teria caído em até 30%.

Beto Preto destacou ainda que o Paraná é o segundo estado, entre todos do país, que mais aplicou testes RT-PCR. “São 220 dias da pandemia do coronavírus aqui no Paraná. Em 220 dias, já chegamos a quase 800 mil testes RT-PCR realizados. Chegamos aqui com menos perdas de vidas humanas do que outros estados, mas mesmo assim existem cidades inteiras enlutadas pela perda de muitos paranaenses. Para que essa dor não aumente ainda mais, vamos continuar nos cuidando”, concluiu o secretário.

Boletim

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira mais 1.168 casos confirmados e 35 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. As novas vítimas são 17 mulheres e 18 homens, com idades que variam de 40 a 113 anos.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 200.952 casos e 4.986 mortos em decorrência da doença.

Informações Banda B.