Oito em cada dez municípios não veem condições para retomar aulas presenciais

O número equivale a 82% das prefeituras consultadas em pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios

Mais de seis meses após o fechamento das escolas pela pandemia de covid-19, 3.275 municípios brasileiros ainda não veem condições sanitárias para retomar as aulas presenciais na rede básica de ensino neste ano. O número equivale a 82% das prefeituras consultadas em pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), obtida com exclusividade pelo Estadão/Broadcast.

A CNM ainda levantou a situação das escolas em 96 países. Segundo a entidade, 38 estão com as escolas abertas, 33 com as escolas parcialmente abertas e 25 permanecem com colégios fechados. O presidente da entidade, Glademir Aroldi, argumenta que o cenário no Brasil é complexo porque, mesmo com investimento em equipamentos de proteção, o desafio envolve permanência dos alunos dentro da sala por um número elevado de horas, risco de aglomeração no transporte e maior exposição de estudante e famílias.

Segundo ele, mesmo cidades que já reduziram as restrições de circulação para estabelecimentos comerciais entendem ainda não ser seguro retomar as aulas. “Na flexibilização de um bar, vai a um bar quem acha que pode ir. Na escola, quando abrir, você faz com que os alunos acabem frequentando, permaneçam por um período longo e voltem para a casa, convivam com pais, avós. É uma situação mais complexa. Em algumas regiões, precisa do ar-condicionado ligado o tempo todo. E não é só aula, é o transporte escolar, acaba envolvendo alunos dentro de um mesmo veículo”, diz o presidente da CNM. “Não é uma questão de omissão, mas sim de avaliação e de responsabilidade de decisão ”

Apenas 677 municípios afirmaram ter condições de reabrir as instituições ainda este ano, desde que haja indicação nesse sentido por parte de autoridades sanitárias e de saúde diante do menor contágio, ou ainda oferta de vacina que permita o retorno com segurança. A pandemia já vitimou mais de 150 mil brasileiros O País registra mais de 5,1 milhões de casos.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Em Curitiba, 70% dos estudantes optaram pelo formato presencial das aulas

“Prefiro vir para a escola, aqui é mais legal, tenho a professora e os meus amigos”. A declaração do estudante Douglas Paraná Sano, do 3º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Nynpha Maria da Rocha Peplow (Vista Alegre), resume o sentimento da maioria das crianças. Douglas, que já frequentava a escola no formato híbrido desde agosto, ficará no 100% presencial.

A partir de segunda-feira (27), todos os estudantes que estavam no formato híbrido (grupos A e B se alternando semanalmente nas unidades) podem ir todos os dias para a unidade.

A rede municipal de ensino tem 185 escolas e 230 Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs). Setenta por cento das famílias optaram pelo presencial e os outros 30% ficarão no remoto, com videoaulas da TV Escola Curitiba e os kits pedagógicos.

“Adoro educação física e literatura, estou muito contente na escola”, completou Douglas.

Escolas estão preparadas para receber mais estudantes a partir do dia 27/09. Curitiba 23/09/2021. Na imagem: Douglas Paraná Sano, aluno da Escolal Nympha Maria Da Rocha Peplow. Foto: Ricardo Marajó/SMCS

A secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila, esteve na unidade nesta quinta-feira (23/9) e reiterou aos estudantes a importância de continuar respeitando os protocolos sanitários. “Não abraçar na hora de cumprimentar, respeitar o distanciamento, usar sempre a máscara, lavar as mãos, usar álcool gel, tudo isso continua sendo fundamental e precisamos da colaboração de todos”, reforçou Maria Sílvia.

A diretora Graciela Gomes disse que os cuidados já foram bem assimilados pela comunidade escolar. Na unidade, 98% dos 430 estudantes frequentarão o presencial. “Desde o retorno para o híbrido todos estão bem conscientes dos cuidados”, relatou a diretora.

Para as crianças da educação infantil, os cuidados também seguem da mesma maneira: aferição de temperatura na entrada, limpeza dos pés no tapete sanitizante, higienização das mãos, horários escalonados de intervalo e para as refeições.

No CMEI Vereadora Nely Almeida, na região central, a diretora Fabiane Ferreira explicou que as crianças já estão habituadas ao uso das máscaras, que são trocadas regularmente. “Também fazemos as refeições de maneira intercalada, com horário total mais longo para o almoço, para que haja distanciamento no refeitório”, contou.

A secretária frisa que quem decidir trocar de formato precisa comunicar a direção da unidade onde a criança está matriculada.

Escolas estão preparadas para receber mais estudantes a partir do dia 27/09. Curitiba 23/09/2021. Na imagem: Escolal Nympha Maria Da Rocha Peplow. Foto: Ricardo Marajó/SMCS

“A mudança de formato é possível. Queremos que todos se sintam seguros e preferencialmente frequentem as unidades. Lugar de criança é na escola”, destacou Maria Sílvia.

A decisão de retomar o formato 100% presencial levou em conta os resultados do monitoramento feito nas unidades desde o retorno às aulas no formato híbrido, no início de agosto.

Ao longo desse período, foram avaliados o cumprimento efetivo dos protocolos sanitários e o baixo número de casos confirmados da covid-19 entre profissionais, crianças e estudantes.

Todas as unidades receberam os equipamentos e cuidados necessários para um retorno seguro. Foram entregues máscaras, face shields, totens de álcool em gel, tapetes sanitizantes e aventais, além dos serviços de sanitização que periodicamente são realizados pela Prefeitura de Curitiba.

Principais cuidados:

– uso obrigatório de máscara para profissionais e estudantes

– totens e frascos de álcool gel disponíveis

– horários de entrada, saída, refeições e intervalos escalonados para evitar aglomerações

– interdição de bebedouros coletivos

– desinfecção de mobiliário e materiais em geral com álcool 70%

Saiba mais sobre o coronavírus.

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 7 milhões

Nenhuma aposta acertou as seis dezenas do concurso 2.411 da Mega-Sena. O sorteio foi realizado na noite dessa quarta-feira (22) no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário Tietê, na cidade de São Paulo.

De acordo com a estimativa da Caixa, o prêmio acumulado para o próximo sorteio, no sábado (25), é de R$ 7 milhões. As dezenas sorteadas foram: 07 – 26 – 29 – 34 – 43 – 44.

A quina registrou 35  apostas ganhadoras. Cada uma vai pagar R$ 45.154,92. A quadra teve 2.517 apostas vencedoras. Cada apostador receberá R$ 896,99.

As apostas para o concurso 2.412 podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio, nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo país ou pela internet. O volante, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50.