O projeto que coloca jovens de abrigos no mercado de trabalho em Fazenda Rio Grande

Atualmente são três parceiros já com contratações destes jovens e outros três que farão isso a partir de janeiro

Um projeto inovador em Fazenda Rio Grande, região metropolitana de Curitiba, coloca jovens que moram em abrigos de acolhimento no mercado de trabalho. São meninos e meninas que vivem uma situação social complicada, sem o apoio da família e que, com essa oportunidade, conseguem vislumbrar um horizonte diferente.

Em entrevista à Banda B nesta quarta-feira (16), o juiz Thiago Bertuol de Oliveira, da Vara da Família de Fazenda Rio Grande, responsável pelo projeto ‘Fábrica de Oportunidades’, destacou que por serem mais velhos estes jovens não conseguem uma família para adoção e, com isso, a inserção no mercado de trabalho fará toda a diferença. “O programa trabalha com jovens afastados da família, por questões de violência ou falecimento dos pais. Começamos a trabalhar autonomia e independência, preparando eles para a vida adulta. Temos o apoio do Sistema Fiep, iniciativa privada, na busca direta por vaga deles como estagiários ou jovens aprendizes”, descreveu Bertuol.


Atualmente são três parceiros já com contratações destes jovens e outros três que farão isso a partir de janeiro. “A gente vê que o maior número de desempregados na pandemia são os jovens. Adolescente em situação desfavorável é mais difícil e para os acolhidos ainda mais, porque não tem a família ao lado para dar o apoio. Quem mais merece parabéns é realmente a iniciativa privada, porque é quem adere e percebe o papel dentro da sociedade. Nós somos apenas uma enzima para que a coisa possa acontecer”, ponderou o juiz.

De acordo com o juiz, os jovens têm aceitado muito bem a ideia. “Alguns adolescentes demoram para compreender a dimensão da importância do trabalho, mas o pessoal da psicologia ajuda nisso. A maior parte percebe que isso será o melhor pro futuro, então ficam motivados, especialmente vendo os colegas já contratados”, contou, salientando a importância de se manter um acompanhamento dos que forem contratados. “O poder judiciário trabalha ao lado da iniciativa privada tanto na contratação quanto no período de estágio. Se o adolescente não vai bem, isso nos é passado para uma conversa com eles, por isso caminhamos lado a lado”, concluiu.

Apoio importante

Um apoio importante recebido nesta semana para o Fábrica de Oportunidades foi da ACINFAZ (Associação Comercial e Industrial de Fazenda Rio Grande), que recebeu nesta semana o juiz Thiago Bertuol de Oliveira. “Julgamos interessante pensando no ponto de vista social e nos colocamos à disposição, mostrando até onde está o nosso alcance. Várias situações foram passadas. Iremos fazer um protocolo de intenções para consolidar esse programa e se tornar até referência para outras cidades”, destacou à Banda B o presidente da ACINFAZ, Gastão Fabiano Gonchorovski.

Acinfaz recebeu nesta semana o juiz de Fazenda Rio Grande (Foto: Divulgação)

Para Gonchorvski, o projeto vem para trazer uma oportunidade única aos jovens de abrigos. “O primeiro emprego sempre é bem difícil, normalmente vem por uma indicação, ainda mais quem não tem uma referência ou foi discriminado. Até por ser do poder judiciário, isso é valorizado ainda mais”, ponderou.

A ideia agora, em um futuro próximo, é buscar benefícios às empresas que apoiarem a iniciativa.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Covid: perfil de internados em Curitiba muda de idosos para mais jovens

A pandemia da covid-19 em Curitiba voltou a ganhar força nas últimas semanas, e desta vez chega com mudança no perfil dos casos graves. Dados do monitoramento do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde mostram aumento nos internamentos de doentes mais jovens e queda no número de pacientes com idades mais avançadas em relação ao total de internados.

O período comparado é o do início da fevereiro, começo da vacinação dos idosos, à semana de 25 de abril a 1 de maio, a mais recente divulgada.

Os doentes com 80 anos ou mais representavam, na última semana de abril, apenas 2,6% do total de internamentos em leitos de UTI e de enfermaria exclusivos para covid-19 na rede hospitalar da cidade (pública e privada).

Entre os idosos acima de 80 anos, a proporção de internamentos caiu 81% do início de fevereiro para o fim de abril.

Entre os idosos de 70 a 79 anos, a queda nos internamentos foi 49% no comparativo do período. Em relação ao total de pessoas internadas por covid-19, essa faixa etária baixou de 17% para 8,7%.

Mais adultos jovens doentes

A proporção de pacientes mais jovens sendo internados para tratamento de casos graves e moderados de covid-19 em Curitiba aumentou.

Na última semana de abril, pessoas entre 50 e 59 anos responderam por 31% do total de internamentos, maior índice para esta faixa etária desde o início da pandemia, em março de 2020.

Comparativamente, na primeira semana de fevereiro, a proporção de internamento entre pessoas de 50 e 59 anos foi de 24,6%, mas já esteve em 19% no início deste ano.

Em números absolutos, o aumento de internados por covid nesta faixa de idade (50-59 anos) é ainda maior, de 94 pessoas na primeira semana de fevereiro para 154 na última de abril.

“Temos uma somatória de situações influenciando nessa mudança, vacinas já surtindo efeito em grupos já imunizados há algum tempo, mas por outro lado percebemos algumas faixas etárias se descuidando das medidas protetivas”, diz Alcides Oliveira, diretor do Centro de Epidemiologia da Secretária Municipal de Saúde de Curitiba.

Outra faixa etária com aumentos nos internamentos é a de adultos de 40 a 49 anos, com um salto de 13% do início de fevereiro para a semana de 25 de abril a 1º de maio.

Nova tecnologia em ônibus da RMC permite controle do número de passageiros em tempo real

Uma nova tecnologia implementada nos ônibus do transporte coletivo permitirá a contagem de passageiros no interior dos veículos em tempo real. A tecnologia começou a ser testada esta semana em veículos do transporte coletivo da Região Metropolitana de Curitiba.

Segundo o presidente da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), Gilson Santos, os dados coletados permitirão uma análise mais rápida da operação e, consequentemente, uma tomada de decisão mais ágil e assertiva.

“Nos horários de pico temos cerca de 650 ônibus circulando, mas não conseguimos manter um fiscal em cada um deles. A nova tecnologia, ainda em fase de teste, poderá nos oferecer as informações necessárias para a tomada de decisão e em tempo real, garantindo mais agilidade e assertividade nos ajustes da operação”, explicou Santos.

Além da contagem de usuários, o sistema oferece informações para gestão de frota dos veículos, manutenção preventiva, dados de eficiência da linha, paradas de embarque e desembarque mais utilizadas, entre outros dados.

Um dos destaques é a gravação das imagens no interior dos veículos, proporcionando mais segurança aos usuários. “Como a implementação da tecnologia é feita por meio de câmeras, todo o interior do ônibus estará sendo filmado, intimidando e até espantando pessoas mal-intencionadas”, disse o presidente da Comec.

DISTANCIAMENTO SOCIAL –Os testes são patrocinados pela Associação Comercial do Paraná (ACP), visando garantir o distanciamento social dentro dos veículos do transporte coletivo. O Decreto Estadual 4.951, de julho de 2020, exige que os ônibus transitem com lotação máxima de 65% da capacidade.

“É uma tentativa de garantir mais segurança aos usuários, evitando o aumento na transmissão do vírus e, consequentemente, a adoção de medidas mais restritivas para o comércio geral, além de uma forma de educar a população”, destacou o presidente da ACP, Camilo Turmina.

Os testes serão realizados em dois veículos (um comum e um articulado) da empresa TC Araucária, concessionária de transporte coletivo na RMC. O sistema foi desenvolvido pela startup Milênio Bus. Além de controlar a lotação nos ônibus, em tempo real, um sinal vermelho será aceso caso o ônibus ultrapasse o limite de passageiros permitidos.