O poder do empreendedorismo feminino no Mercado Municipal de Curitiba

Cases de sucesso marcam a força das mulheres no centro de compras mais tradicional da cidade

Em 2014, o dia 19 de novembro foi estabelecido como o Dia do Empreendedorismo Feminino e, apesar de recente, a data chama atenção para o impacto econômico e social do protagonismo feminino. Cada vez mais mulheres tornam-se donas da própria história, desenvolvem carreiras sustentáveis, inspirando e ajudando outras a também perseguirem seus sonhos e objetivos profissionais.

A força do trabalho feminino no centro de compras mais tradicional da capital paranaense é exemplo disso: enquanto na média nacional brasileira as mulheres correspondem por 34% dos donos de negócios, nos estabelecimentos do Mercado Municipal de Curitiba elas já são mais de 40%.

Três empreendimentos de sucesso do Mercado, em diferentes segmentos, mostram que a liderança feminina tem grande potencial transformador na sociedade, trazendo outros pontos de vista na tomada de decisões, na relação com funcionários e clientes e na criação de novos produtos.

Bon Vivant e o estudo como apoio ao crescimento
A empresária Flávia Soni Rogoski conta que sua relação com o empreendedorismo começou logo cedo, quando ajudava o pai na gestão da distribuidora de bebidas da família. No início dos anos 2000, Flávia fundou a Bon Vivant, trazendo queijos e frios de todos os cantos do mundo. Para ela, manter-se atenta às tendências do comércio é essencial para o sucesso da empresa: “Eu tenho formação acadêmica nos cursos de Direito e Administração de Empresas então estou sempre estudando. Neste ano já fiz duas atualizações em cursos online sobre comércio digital e tributação”.

Flávia conta que mantém uma postura firme quando se depara com situações machistas no mercado cooperativo, seja na hora de conseguir um financiamento ou na conversa com fornecedores: “Adoro o que faço e não consigo me imaginar fazendo outra coisa neste momento. Apesar de todas as mazelas do empreender, sei que ainda é o meu propósito nesta vida”.

D’ Fuhrmman Chocolates e a importância do apoio familiar
Selma Maria Fuhrmann começou a fazer chocolates em casa, como forma de aumentar a renda da família e para ter uma ocupação após o nascimento do terceiro filho no início dos anos 90. Com o passar dos anos, a cozinha ficou pequena para tantos pedidos e em 2000, a D’ Fuhrmann chocolates abre sua própria fábrica e a loja no Mercado Municipal.

Para Selma, o apoio da família foi fundamental para o crescimento da empresa, para a tomada de decisões e até na produção: “Principalmente na época do Natal e da Páscoa, todos se unem para trabalharmos juntos, escolhendo os melhores produtos para o período e colocando a mão na massa. Agora quem toma a frente junto comigo é minha filha Ana Cecília, que se especializou em planejamento e gestão de negócios para fazer nossa empresa crescer cada vez mais. ”



Cativa Natureza e a aposta em um novo segmento
Há 12 anos, Rose Bezecry se mudou de Manaus para Curitiba para empreender no segmento dos cosméticos orgânicos, com o desejo de que cada vez mais pessoas tivessem acesso a cuidados diários sustentáveis com produtos naturais e orgânicos com garantia de pureza. A Cativa Natureza faz parte do Setor de Orgânicos do Mercado Municipal de Curitiba, o primeiro setor destinado inteiramente a venda de produtos livres de agrotóxicos e aditivos químicos do Brasil.

Hoje a marca é referência no mercado e possui duas franquias, também gerenciadas por mulheres, além da matriz no Mercado Municipal e mais de 600 pontos de revenda em todo o país. Destaque para a sede de Fortaleza, comandada pelas filhas de Rose: “O perfil do empreendedorismo feminino não se restringe às mulheres que abrem seu próprio negócio, mas sim àquelas que tem postura focada na determinação e que demonstram coragem, resiliência, flexibilidade e inovação”, comenta a empresária.

Foto: Priscilla Fiedler

Horário de funcionamento em período de isolamento social:

Terça a sábado das 8h às 18h

Domingo das 8h às 13h – restaurantes até 15h com acesso exclusivo pelo Setor de Orgânicos a partir das 13h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nova pista pública coloca Curitiba no mapa mundial do skate

Aberta ao público há pouco mais de um mês, em abril, a nova pista pública de skate de Curitiba na Avenida Wenceslau Braz, no Guaíra, já se tornou o “pico” favorito entre skatistas iniciantes, amadores e profissionais da cidade. Ao longo dos 130 metros da pista, os praticantes do esporte encontram os obstáculos mais atualizados que existem para se divertir e treinar em cima das quatro rodinhas.

Apesar de aberta ao público, a pista tem restrições para que os frequentadores se protejam da covid-19.

A obra foi feita pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e o projeto foi elaborado pelo arquiteto Frederico Cheuiche de Oliveira e doado à Prefeitura pela Associação Paranaense de Desenvolvimento da Cultura e da Prática do Skate (Pra Skate). Trata-se de uma das maiores, mais modernas e melhores do país, segundo a associação. 

A nova pista tem tudo para reafirmar Curitiba como a capital do skate, pois novos atletas devem se formar treinando nas transições (rampas), caixotes no solo, caixotes descendo, corrimãos, escadaria pra pular e várias bordas para criar novas manobras. Neste ano, o esporte deve crescer muito. O skate vai estrear como modalidade olímpica no Japão.

Segundo o skatista curitibano profissional Heverton de Freitas, de 32 anos, a pista da Wenceslau Braz é muito atualizada em nível mundial.

Heverton de Freitas, skatista profissional, na pista de skate da Wenceslau Braz | Foto: Pedro Ribas/SMCS

“Algumas manobras que eu não mandava mais estou fazendo agora. Aqui é perfeito para treinar, evoluir e chegar bem nos campeonatos”, disse o skatista que é patrocinado pela empresa Anjuss e foi campeão duas vezes do Campeonato Brasileiro Amador, antigo circuito Drop Dead. 

“Essa pista representa muito para a gente. Faz tempo que precisávamos de um espaço adequado para andar de skate, praticar o esporte. Até tem pistas em Curitiba, mas elas são pistas desatualizadas, os obstáculos já são outros hoje em dia”, disse Freitas ao lembrar da tradicional Pista do Gaúcho e do Jardim Ambiental. 

Skate plaza

A principal característica da pista da Wenceslau Braz é simular obstáculos encontrados nas ruas e em praças, como desníveis, meios-fios e escadaria. Uma pista para street, mas que também tem rampas menores para quem é iniciante, e maiores, para quem já domina o skate e quer treinar manobras mais complexas e técnicas.  

“Quem vier andar aqui vai se divertir bastante, tem muito espaço, uma boa localização. Dá pra se divertir muito aqui. Essa pista motiva muito pra galera andar”, disse Heverton de Freitas.

Cuidados com a pandemia

Praticantes de skate devem ir preferencialmente sozinhos, usando máscaras obrigatoriamente e mantendo o distanciamento social e a higienização frequente das mãos. 

“Na minha opinião, como skatista profissional, a pista ficou perfeita. Até estou reaprendendo a andar em obstáculos que fazia muito tempo que eu não andava. Em Curitiba você não achava esse tipo de obstáculo”, definiu Heverton de Freitas, que há 20 anos pratica skate. 

O skatista também participa de projetos sociais e criou com a Anjuss o skate adaptado usado pela Secretaria Municipal do Esporte e Lazer (Smelj) em atividades inclusivas para crianças com deficiências. Outro projeto são as escolinhas de skate nas escolas, o Anjuss nas Escolas.

A nova pista de skate de Curitiba fica na Avenida Wenceslau Braz, na altura do número 1206, no bairro Guaíra. O equipamento faz parte do Eixo de Animação Arnaldo Faivro Busato. 

Aumentam prisões de motoristas por embriaguez ao volante em Curitiba

O número de prisões por embriaguez ao volante aumentou 3,4% em Curitiba no primeiro trimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. O número passou de 117 para 121 prisões, conforme balanço do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), da Polícia Militar do Paraná, divulgado nesta sexta-feira (14).

Os dados mostram que no primeiro trimestre as equipes policiais atenderam 95 acidentes envolvendo condutores alcoolizados, com 33 pessoas feridas e uma morte. No mesmo período de 2020 os números foram um pouco maiores, com 103 acidentes e 38 feridos. Houve um óbito.

Em todo o ano de 2020 na Capital foram 496 acidentes, com 603 prisões por embriaguez ao volante, 1.150 notificações. Houve 169 feridos e quatro óbitos no local.

A divulgação do balanço pelo BPTran ocorre em meio a campanha educativa Maio Amarelo, sobre segurança no trânsito. Os dados buscam reforçar a conscientização de condutores em relação à responsabilidade no volante.

De acordo com a porta-voz da unidade, tenente Mayara Jaqueline Tonelli, a fiscalização dos policiais militares agentes de trânsito é constante, mesmo durante a pandemia, para inibir esse tipo de conduta que causa graves acidentes com mortes. “O respeito à legislação e o bom senso são primordiais para que o trânsito seja mais seguro. Temos atendido vários acidentes e, infelizmente, a irresponsabilidade sobre o uso de álcool na direção é constatada”, disse.

NOTIFICAÇÕES – A fiscalização com equipes nas ruas em blitzes e abordagens resultou, somente no primeiro trimestre, em 283 notificações a motoristas flagrados sob influência de álcool (art. 165 do Código Brasileiro de Trânsito) e que se recusaram a fazer o teste com etilômetro (art. 165-A).

Além disso, 121 condutores acabaram presos por estarem com mais de 0,3 miligramas de álcool por litro de ar. Além do aumento no número de prisões, houve elevação também na lavratura de notificações, que foi de 7,6% – passando de 263 para 283.

EXAMES –Durante as abordagens policiais foram realizados 2.692 exames etilométricos, dos quais 1.840 ocorreram durante blitzes e 852 em atendimentos a acidentes de trânsito, o que representa uma queda de 43,7% se comparado a 2020, com 4.788 testes.

Ainda segundo os dados estatísticos do BPTran, houve uma diminuição de 28,3% na recusa de condutores em fazer o teste etilométrico, se comparado ao primeiro trimestre de 2021: de 166 para 119. Do total dos primeiros meses deste ano, 29 foram após acidentes e 90 nas ações das equipes do Batalhão de Trânsito. Já no ano passado, 25 ocorreram durante acidentes de trânsito e 141 durante blitzes.

ANO PASSADO – Em todo o ano de 2020, o Batalhão de Polícia de Trânsito registrou queda de 21,06% nos acidentes de trânsito em Curitiba, se comparado a 2019 – de 6.132 para 4.840 casos. Deste total, em 496 foi constatada embriaguez ao volante. Isso representa uma diminuição de 20,2% em relação ao ano anterior, com 622 casos.

Nas 496 ocorrências de acidentes no trânsito ocasionados por embriaguez ao volante, quatro pessoas morreram, vítimas da imprudência por parte de condutores. Além disso, outras 169 pessoas ficaram feridas – 8,1%% a menos do que em 2019, quando foram 184 feridos e dois óbitos.

Mesmo durante a pandemia, o Batalhão de Trânsito intensificou as ações preventivas e de fiscalização urbana em Curitiba no ano passado. Com isso, 603 pessoas foram detidas por embriaguez ao volante, número 5,6% menor se comparado ao ano de 2019, quando foram 639.

Além disso, 1.150 condutores foram notificados em consonância com o artigo 165 e 165-A do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), dirigir sob influência de álcool ou outra substância psicoativa e quando o condutor se recusa a fazer o exame etilométrico. Isso representa uma queda de 45,7% comparado ao ano anterior, quando foram 2.118 notificações.

Durante as abordagens foram feitos 15.704 exames etilométricos, dos quais 11.907 ocorreram durante blitzes e 3.797 nos locais de acidentes de trânsito, o que representa uma queda de 19,6% se comparado ao ano de 2019, quando foram 19.555 testes de bafômetro no total.

No entanto, durante alguns meses de 2020, o número de exames registrados pelas equipes do BPTran foi superior ao mesmo mês de 2019, dentre eles janeiro (de 1.594 para 1.944), fevereiro (de 1.326 para 1.797), julho (de 1.811 para 2.081), setembro (de 1.258 para 1.634) e outubro (de 1.280 para 1.669).

Ainda segundo os dados estatísticos do BPTran, houve uma diminuição de 45,5% da recusa de condutores para fazer o teste de bafômetro – de 892 para 486. Deste total de 2020, 145 ocorreram durante acidentes de trânsito e 341 durante blitzes. Já em 2019, foram 155 após acidentes e 737 nas ações das equipes do Batalhão de Trânsito.

Blitz Educativa alcança 280 motoristas e distribui 700 folders e 200 etilômetros

Nesta quinta-feira (13), o BPTran fez mais uma ação educativa voltada aos motoristas de automóveis, em alusão ao Maio Amarelo, na Avenida Victor Ferreira do Amaral, no bairro Tarumã. A ação alcançou cerca de 280 motoristas. Mais de 700 folders e 200 etilômetros descartáveis, de cunho educativo, foram entregues para motoristas e passageiros.

A blitz foi organizada pelo BPTran, com apoio de equipes da Companhia Tático Móvel de Trânsito (Cotamotran). A abordagem às pessoas contou com integrantes do próprio batalhão e agentes do Detran-PR, da Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito (Setran), do Observatório Nacional de Segurança Viária e da empresa Souza Cruz.

A abordagem aos motoristas foi focada na entrega de materiais educativos, com folders contendo informações sobre condutas que podem evitar acidentes, como não ultrapassar o limite de velocidade da via, não avançar o sinal amarelo, além das medidas básicas de uso de cinto de segurança, não consumir bebidas alcoólicas antes de dirigir, ter atenção ao fazer ultrapassagens, sempre pela faixa da esquerda, e a não utilização do celular no volante.

Para Cleunice Cândido Pereira, as ações educativas contribuem para que as pessoas revejam suas atitudes no trânsito. “Tem muito acidente que acontece por causa do álcool. Vejo que falta paciência e educação das pessoas, é preciso fazer atividades como essa para mudar o pensamento dos motoristas”, avaliou.

José Mario Vieira, que atua como motorista de aplicativo de transporte, ressaltou a ação. “É importante termos essas blitzes educativas. A gente tem que sempre tomar cuidado e ter atenção redobrada para evitar acidentes”, disse.

Cleia de Oliveira, que também atua como motorista de aplicativo, acredita que a combinação de álcool com direção é o que mais causa acidentes graves. “Muitos acidentes acontecem por causa disso, então acho muito válida essa ação da Polícia Militar”, afirmou.