O ano de 2020 pode ser o mais quente no Paraná nos últimos 25 anos

O ano de 2020 deve entrar para a história como um dos mais quentes já registrados, segundo o Serviço de Mudança Climática Copernicus, do Programa de Observação da Terra, da União Europeia, que monitora o clima desde 1979. O levantamento, divulgado nesta semana, repete a análise da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) e aponta que há 99,9% de chance de 2020 entrar no ranking dos cinco anos mais quentes já registrados.

Segundo a NOAA, esse aumento na temperatura do ar ocorre em várias regiões do mundo, como no Norte da Sibéria, no Oriente Médio, em partes da América do Sul, Estados Unidos, Austrália e Europa.

As altas temperatura também moveram os termômetros no Paraná. Segundo os registros do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), setembro foi um dos mais quentes da série histórica de medição, que teve início em 1998. “Com exceção do Litoral, em todas as outras regiões do Estado a temperatura média ficou acima dos registros históricos. Em Curitiba, os termômetros marcaram entre 2 e 3 graus acima, e no Noroeste até 4 graus mais alta”, afirma o coordenador da Operação Meteorológica do Simepar, Marco Antônio Jusevicius.

COMBINAÇÃO EXPLOSIVA – “É quase certo que 2020 se configure como um dos anos mais quentes dos últimos 25 no Paraná. O diferencial é que está havendo uma combinação explosiva de temperaturas elevadas com déficit hídrico de chuvas, que estão abaixo da média há um ano e meio.”

A situação é tão grave que o Paraná foi incluído no mapeamento hídrico do Monitor de Secas, plataforma regulamentada pela Agência Nacional de Águas (ANA). O monitor foi criado em 2014, inicialmente para atender o Nordeste, onde são mais recorrentes as secas prolongadas. Com a crise hídrica, o Paraná foi incluído no monitoramento.

E a tendência de temperaturas elevadas continua. Nos primeiros dias de outubro, a onda de calor em todo o Paraná elevou o consumo de água a níveis recordes, demandando produções acima da média dos sistemas de abastecimento público. Em Maringá, o consumo chegou a ser 20% maior do que nos dias normais. Em Londrina, foi 17% maior, com recorde de consumo de 255 milhões de litros.

O Paraná, atualmente, encontra-se em situação de seca moderada, grave e extrema, de acordo com a região. Em Curitiba e Região Metropolitana, que enfrentam crise no abastecimento de água, a classificação é de seca extrema.

Informações AEN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Briga de irmãs paranaenses em aniversário vira chuva de memes na internet: veja vídeo

As imagens, gravadas e divulgadas pela tia das crianças, foram parar nos assuntos mais comentados da web

Um vídeo que mostra uma briga de irmãs durante uma festa de aniversário em Pato Branco (PR) viralizou nas redes sociais na noite dessa segunda-feira (19/10). Nas imagens, a menina mais nova, Maria Eduarda, de 3 anos, estava prestes a soprar as velas do bolo quando a mais velha, Maria Antônia, de 6, estragou os planos dela. O desfecho do episódio foi uma chuva de memes na internet.

Com cara de “poucos amigos”, Maria Antônia resolve soprar a vela antes da irmã, que deveria ser a protagonista do momento. Irritada, a aniversariante vai para cima e puxa os cabelos dela por duas vezes. Os convidados apartaram a briga.

Veja o vídeo:

Informações Banda B.

Universidades estaduais do Paraná conquistam nota máxima no Enade

Cerca de 80% dos cursos das Universidades Estaduais do Paraná conquistaram as melhores notas na última edição do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), divulgado nesta terça-feira (20) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

A prova avalia o conhecimento dos estudantes do último ano dos cursos de graduação sobre o conteúdo programático, suas habilidades e competências. O conceito do Enade é apresentado em cinco categorias (de 1 a 5), sendo que 1 é o resultado mais baixo e 5 é o melhor resultado possível, na área.

Dos 81 cursos das universidades estaduais avaliados pelo Enade, 17 obtiveram conceito 5; 47 foram avaliados com nota 4 e 17 tiveram nota 3. “O resultado do Enade comprova a qualidade constante dos cursos de graduação das nossas universidades estaduais, formando cada vez mais profissionais e pesquisadores qualificados”, destacou o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona.

CURSOS – Os cursos com a nota máxima da Universidade Estadual de Maringá (UEM) foram Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Civil, Agronomia e Medicina no campus de Maringá, além de Engenharia Civil no campus de Umuarama.

Na Universidade Estadual de Londrina (UEL) o destaque foi para os cursos de Engenharia Civil, Agronomia, Fisioterapia, Enfermagem e Medicina Veterinária.

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) se destacou nos cursos de Agronomia, Engenharia Civil e Farmácia. Já na Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) os bacharelados em Agronomia, Medicina Veterinária e Educação Física foram os melhores classificados. O curso de Farmácia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) também conquistou nota máxima.

A Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) e a Universidade Estadual do Paraná (Unespar) somaram 5 cursos com conceito 4, entre eles Agronomia, Medicina Veterinária, Odontologia e Educação Física na UENP e Enfermagem na Unespar.

ÁREAS AVALIADAS – A prova, aplicada em 2019, avaliou o conhecimento de estudantes de Agronomia, Arquitetura e Urbanismo, Biomedicina, Educação Física, Enfermagem, Engenharia Ambiental, Engenharia Civil, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Computação, Engenharia de Controle e Automação, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica, Engenharia Florestal, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Medicina Veterinária, Zootecnia e Odontologia.

Informações AEN.