Novo voo liga Vila Velha às Cataratas em menos de 2 horas

Voo inaugural entre Ponta Grossa e Foz do Iguaçu, realizado pela Voepass, ocorreu no sábado

Menos de duas horas separam os dois principais pontos turísticos naturais do Paraná. Essa redução temporal entre o Parque Estadual da Vila Velha, em Ponta Grossa, e o Parque Nacional do Iguaçu, onde ficam as Cataratas, foi possível através da nova rota aérea operada pela Voepass Linhas Aéreas, iniciada neste sábado, dia 24 de outubro. A aeronave, que tocou o solo em Ponta Grossa às 13h59, para pousar, vinda de São Paulo (Congonhas), recebeu o batismo do voo com o tradicional jato de água ao deixar a taxyway e chegar ao pátio do terminal de passageiros, marcando a consolidação da terceira rota aérea comercial operada na cidade, desde a reforma do aeroporto, reinaugurado em 2016.

A rota é uma reivindicação dos ponta-grossenses, após pesquisas feitas pela prefeitura no município, que depois de São Paulo, apontaram Foz como o destino com maior demanda. “Todas as pesquisas feitas no aeroporto apontavam Congonhas e Foz. E o que mostra o quão importante é que os voos estão cheios, os voos estão sendo comprados com antecedência; agora sexta-feira (30), véspera de feriado, está lotado o voo. É uma conquista que está movimentando passageiros do Brasil todo”, informou Victor Hugo Oliveira, superintendente aeroportuário em Ponta Grossa. A rota começaria na segunda quinzena de março, mas foi postergada devido à pandemia.

Depois do embarque dos passageiros em Ponta Grossa, às 14h45 a aeronave ATR-72 600 saiu para sair taxiar, deixando o solo, pela cabeceira 26 do aeroporto Sant’Ana, às 14h50. Foram 1h06 minutos no ar, e inúmeras cidades superadas, como Imbituva, Guamiranga, Guarapuava, Goioxim, Nova Laranjeiras, Quedas do Iguaçu, Três Barras, Capitão Leônidas Marques, inclusive um sobrevoo sobre a Argentina, após cruzar a margem sul do rio Iguaçu, sobre a cidade Comandante Andresito, para passar ao lado das Cataratas e pousar às 15h56. Por lá, também houve o batismo da aeronave e recepção de autoridades e lideranças municipais e do setor do turismo.

“É uma mudança de um ciclo histórico para nossa cidade. Estou muito satisfeito, porque ter o voo entre Ponta Grossa e Foz do Iguaçu é unir as duas principais atrações turísticas do Paraná, e Vila Velha vai ser uma das maiores do mundo. Ponta Grossa só ganha com tudo isso”, destacou o prefeito Marcelo Rangel, sobre a relevância deste voo para o setor turístico. Por sua vez, José Loureiro, secretário municipal de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, ressaltou a potencialização do turismo de negócios. “Esse é um voo, assim como o para Congonhas, que facilita muito os negócios para multinacionais que estão em Ponta Grossa, e uma facilidade a mais para os executivos chegarem ao município”, informou.

Do voo participaram, além de Marcelo Rangel, José Loureiro, e Victor Hugo de Oliveira, o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; e a vice-presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Ponta Grossa, Priscila Jaronski, além de empresários do setor de turismo, que desenvolvem pacotes de viagem para o destino. O aeroporto de Foz recebe um investimento para ampliação da pista em 600 metros, para ficar com 2.800 metros, e receber novos voos internacionais, com conexões para a Europa e América do Norte a partir de 2021 – que poderão ser acessadas pelos ponta-grossenses com o novo voo..

Para mais informações sobre os Campos Gerais acesse o Portal  A Rede clicando aqui.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Limite entre Curitiba e Fazenda Rio Grande pode mudar; entenda

O limite entre as cidades de Curitiba e Fazenda Rio Grande pode mudar, para corresponder oficialmente ao curso do rio Iguaçu, que teve seu canal retificado anos atrás, alterando seu traçado original. Os poderes Executivos dos dois municípios concordam com a alteração, que precisa do aval dos vereadores das duas cidades para ser submetida à ratificação dos deputados da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Na Câmara Municipal de Curitiba (CMC), a proposta está sendo discutida nas comissões, para depois ser votada em plenário.

O projeto de lei do Executivo foi recebido pela CMC no dia 8 de novembro e possui apenas dois artigos, referendando o novo limite entre os municípios (005.00297.2021). Na justificativa, assinada pelo prefeito Rafael Greca, a gestão explica que o acordo é resultado de um estudo interinstitucional liderado pela Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba), com a participação do IAT (Instituto Água e Terra), que são órgãos do Governo do Paraná.

O novo limite, conforme o documento anexado à proposição, começaria “no eixo do Rio Iguaçu retificado, na foz do Rio Mauricio, no ponto com coordenadas no sistema de projeção UTM, Datum Horizontal SIRGAS2000, meridiano central 51ºWGr N = 7.162.826,62 e E = 664.667,17, tríplice fronteira entre os Municípios de Fazenda Rio Grande, Curitiba e Araucária. Segue deste ponto a montante pelo eixo do Rio Iguaçu retificado até a foz do Rio Despique, no ponto com coordenadas N = 7.166.515,42 e E = 673.166,28, que representa a tríplice fronteira entre os Municípios de Fazenda Rio Grande, Curitiba e São José dos Pinhais”.

Curitiba e São José dos Pinhais

Há dois anos, a CMC avalizou a mudança de limite entre a capital e São José dos Pinhais, gerando a lei municipal 15.743/2020. Com o ajuste, o Parque São José, que possuía grande parte de sua área dentro de Curitiba, passou a pertencer integralmente a São José dos Pinhais. E a capital incorporou à Reserva do Cambuí, que já fica em seu território, uma área adjacente localizada entre o antigo leito do Rio Iguaçu e o Canal Extravasor (paralelo ao rio).

Carretas do Conhecimento vão abrir 1.884 vagas para cursos profissionalizantes em 30 cidades

As Carretas do Conhecimento, projeto do Governo do Estado em parceria com a Volkswagen e o Senai-PR, vão oferecer 1.884 vagas para cursos profissionalizantes em 30 municípios do Paraná nos quatro primeiros meses deste ano.

O primeiro curso de 2022 já está em andamento. Uma turma de 54 alunos está cursando “Instalação e Manutenção de Aparelhos de Ar Condicionado” no bairro do Tatuquara, em Curitiba. Em 2022 as aulas serão presenciais, substituindo o formato híbrido adotado em 2021 em função da pandemia, com parte dos alunos fazendo o acompanhamento on-line.

No total, serão 102 turmas com uma carga horária de 2.270 horas. As inscrições devem ser feitas diretamente nas Agências do Trabalhador e não mais serão aceitas pelo site.

A programação prevê que Curitiba e mais 11 municípios receberão cursos ainda no mês de janeiro. A formação em Eletricidade Automotiva será oferecida em Rolândia e Quintadinha; Mecânica de Automóveis em Campina Grande do Sul e Santa Izabel do Oeste; Mecânica de Motocicletas em Maria Helena, Lapa e Sertaneja; Mecânica Industrial em Palmas; Hidráulica e Pneumática Industrial em São José dos Pinhais; Eletricidade Predial em São Sebastião da Amoreira; e Panificação Básica em Nova Prata do Iguaçu.

FEVEREIRO – No mês de fevereiro serão atendidos os municípios de Clevelândia (Corte e Costura), São Jorge do Patrocínio (Eletricidade Predial), Matinhos (Manutenção de Ar Condicionado), Leópolis (Panificação), Guaíra (Mecânica de Motocicletas), Icaraíma (Manutenção de Ar Condicionado), Alto Piquiri (Eletricidade de Automóveis), Mallet (Corte e Costura), Mandirituba (Eletricidade Predial), Piraquara (Mecânica de Motocicletas) e Tijucas do Sul (Mecânica Industrial).

Curitiba ainda terá duas etapas, com o curso de Mecânica de Automóveis, no bairro Fazendinha, e Eletricidade Automotiva, em Santa Felicidade.

MARÇO – Estão programados cursos em março nas cidades de Araucária (Mecânica de Automóveis), Guaratuba (Manutenção de Ar Condicionado), Bituruna (Corte e Costura), Centenário do Sul (Eletricidade Industrial), Almirante Tamandaré (Panificação), Terra Boa (Manutenção de Ar Condicionado) e Pinhalão (Mecânica de Motocicletas). Curitiba terá outros dois cursos: Panificação, no Bairro Alto, e Corte e Costura, no Boqueirão.

CURSOS EM 2021 – O programa Carretas do Conhecimento ofereceu, ao longo de 2021, 1.782 vagas em cursos profissionalizantes em 35 municípios, com investimentos de R$ 2,8 milhões. Foram 104 turmas nas habilitações de elétrica automotiva, informática básica, refrigeração, mecânica industrial, corte e costura industrial, instalações elétricas, manutenção de motocicletas e panificação.

PARCERIA – O projeto Carreta do Conhecimento é uma parceria lançada na gestão do governador Carlos Massa Ratinho Junior, por meio da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, com a Fundação Grupo Volkswagen, a Volkswagen e o Senai-PR.