No 1° dia de “toque de recolher”, fiscalização vai às ruas verificar cumprimento de medidas restritivas em Curitiba

No primeiro dia do “toque de recolher” determinado por decreto estadual, a Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) saiu às ruas de Curitiba para verificar se a população está cumprindo as medidas de combate ao coronavírus. Um estabelecimento na rua Doutor Roberto Barroso, no Centro Cívico, foi fechado por desrespeitar decreto municipal que não permite o funcionamento de bares na capital durante a vigência da bandeira laranja.

“Ele até tinha alvará para atuar como restaurante, porém quando a equipe chegou no local todas as mesas estavam somente fazendo uso de bebida alcoólica. Então o fiscal da Secretaria Municipal do Urbanismo verificou que ele só estava executando o ramo de bar e não de restaurante. O estabelecimento foi notificado e teve encerrada as atividades. O decreto municipal é claro, bares não podem estar abertos”, disse o tenente Casagrande, coordenador operacional da Aifu.

Segundo o decreto de bandeira laranja publicado nesta sexta-feira (27), bares e casas noturnas não podem abrir. Já restaurantes e lanchonetes podem permanecer abertos até as 22 horas.

Toque de recolher

Após as 23h, a equipe da Aifu vai observar também o cumprimento do decreto estadual referente ao “toque de recolher”, que começa a valer a partir desta quarta-feira (02).

Casagrande explica que pessoas flagradas na rua provocando aglomerações serão abordadas pelas equipes policiais. “Todas aquelas pessoas flagradas em situações de aglomeração, reunião, inicialmente serão abordadas e orientadas. Não acatando a ordem da equipe policial, os envolvidos serão encaminhados por desobediência e perigo de contágio”, detalha o tenente.

Porém, o coordenador operacional da Aifu afirma que nem todas as pessoas circulando após as 23h estarão infringindo o decreto do governador. “Quem trabalha pode realizar seu deslocamento naturalmente. O que não pode é aglomeração, aquelas reuniões de pessoas em frente aos estabelecimentos comerciais e outras situações do tipo, esses vão ser abordados”, concluiu.

O decreto, assinado nesta terça-feira (01) pelo governador Ratinho Junior, estabelece limitação de horário para circulação de pessoas no período noturno. O prazo de vigência é de 15 dias, prorrogáveis ou não. De acordo com o texto, a proibição valerá durante o fim da noite e a madrugada, das 23 horas às 5 horas.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Família Madalosso terá nova loja no ParkShoppingBarigüi

Madalosso

Família Madalosso terá nova l

Agora ficou ainda mais fácil ter a polenta crocante do Madalosso todos os dias, a qualquer hora! Isso porque, o restaurante de gastronomia italiana irá abrir uma nova loja localizada na praça de alimentação do ParkShoppingBarigüi. A inauguração está prevista para o mês de outubro e o estabelecimento irá funcionar de acordo com o horário dos demais restaurantes do shopping – 10h às 22h aos sábados e 12h às 20h aos domingos.

Foto: divulgação

O cardápio contará com os principais pratos do restaurante em formato de porções, como o delicioso Nhoque à Bolonhesa e Nhoque de Batata Salsa, o clássico Romeu e Julieta, a famosa Asinha de Frango e a crocante Polenta da casa, além do Café com Creme. Tudo isso, disponível em um espaço de 45m2  com a identidade tradicional do Madalosso.

O desejo de abrir uma nova unidade do Restaurante sempre existiu, mas foi durante a pandemia que a ideia se concretizou com a validação do container e a vontade de levar as pequenas porções para diversas famílias da cidade. Agora, Madalosso não é mais apenas almoço de domingo e sim refeição de todos os dias!

Foto: divulgação

Serviço

Restaurante Madalosso

Instagram: @familiamadalosso

Av. Manoel Ribas – 5875

oja no ParkShoppingBarigüi

Casas da Leitura celebram a cultura indígena em agosto

Casas da Leitura celebram a cultura indígena em agosto

As Casas da Leitura, bibliotecas de bairros da Fundação Cultural de Curitiba, iniciam nesta terça-feira (9/8), Dia Internacional dos Povos Indígenas, uma grande programação literária em comemoração à data.

Até o fim do mês, textos de importantes escritores da literatura ancestral brasileira como Olívio Jekupè, Daniel Munduruku, Ailton Krenak, Julie Dorrico serão apresentados e destacados em rodas de leitura, contação de histórias, expositores temáticos e outras atividades com temas ligados à arte indígena (programação abaixo).

Livros registram conhecimentos e tradições orais de povos originários

Da oralidade à escrita poética, lendas e costumes serão apresentados por mediadores das Casas da Leitura.

O Dia Internacional dos Povos Indígenas foi instituído pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) em 1994. A data tornou-se uma referência para celebração e mobilização cultural dos povos indígenas brasileiros.

Literatura indígena nas Casa de Leitura

Contação de Histórias: Contos Indígenas Brasileiros

Dias 9 e 30, 10h e 16h

Local: Casa da Leitura Dario Vellozo. (Av. Paraná, 3.600, Sala 23 – Rua da Cidadania Boa Vista).


Roda de Leitura: Ideias para adiar o fim do mundo, do pensador indígena Ailton Krenak

Dia 9, 10h às 11h e 14h às 15h

Local: Casa da Leitura Miguel de Cervantes (Rua Carlos de Carvalho, 1.238 – Bigorrilho)


Contação de Histórias: Lendas Indígenas

Dia 9, 9h30 e 15h

Local: Casa da Leitura Marcos Prado.

(Rua Pastor Antônio Pólito, 2.200, Alto Boqueirão)

Dia 9, 10h15

Local: Casa da Leitura Vladimir Kozák

(Rua Padre Júlio Saavedra, 588 – Uberaba)

Dia 18, 15h30

Local: Casa da Leitura Laura Santos

(Rua Olivardo Konoroski Bueno, 100 – Tatuquara)

Dia 10, 14h30

Local: Casa da Leitura Wilson Martins

(Av. Mal. Floriano Peixoto, s/n – Boqueirão. Rua da Cidadania Carmo)


Roda de Leitura: A arte dos povos indígenas  

Dia 11, 15h

Local: Casa da Leitura Wilson Bueno

(Av. República Argentina, 3.430)


Roda de Leitura – Quando mandavam as mulheres de Daniel Munduruku

Dia 12, 15h

Local: Casa da Leitura Hilda Hilst

(Av Prefeito Maurício Fruet, 2.150. Rua da Cidadania Cajuru)


Contação de Histórias – Contos Indígenas Brasileiros

Dia 17, 10h e 15h

Local: Casa da Leitura Nair de Macedo

(Rua da Capitania, 57 – Guabirotuba)


Roda de Leitura Histórias de Macuxi de Julie Dorrico, escritora pertencente ao povo Macuxi

Dia 19, 9h

Local: Casa da Leitura Dario Vellozo

(Av. Paraná, 3.600, Sala 23 – Rua da Cidadania Boa Vista)


Roda de Leitura de Imagens – Povos Indígenas pelas Lentes de Andujar e Salgado

Dia 19, 10h

Local: Casa da Leitura Marcos Prado

Rua Pastor Antônio Pólito, 2.200 – Alto Boqueirão).

Dia 19, 14h30

Local: Casa da Leitura Wilson Martins

Av. Mal. Floriano Peixoto, s/n. Rua da Cidadania Carmo)


Clube de Leituras Tybyra: uma Tragédia Indígena Brasileira, de Juão Nyn

Dia 20, 16h

Local: Casa da Leitura Wilson Bueno

(Av. República Argentina, 3.430 – Portão Cultural).

18 anos

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba