MON mantém programação online pós reabertura

A programação virtual do Museu Oscar Niemeyer continua por meio de oficinas, mediações, quizzes e lives, mesmo após a reabertura. O MON voltou a receber o público na sexta-feira (16), seguindo orientações de segurança determinadas pela Secretaria de Estado da Saúde.

A artista paranaense Efigênia Rolim será o tema da próxima oficina artística e de uma mediação online. Conhecida como “rainha do papel de bala”, a artista também é poeta e contadora de histórias. A inspiração para suas obras parte do material reciclado: são bonecos, brinquedos, instrumentos musicais e peças de vestuário.

Uma oficina inspirada em sua obra, e que terá como proposta a confecção de bonecos com material reciclado, estará nas redes sociais do museu a partir de 28 de outubro. 

Para mostrar um pouco da sobre a história de Efigênia Rolim, de seu processo criativo e suas obras que estão no acervo do MON, haverá uma mediação online, disponível a partir desta quarta-feira (21). 

SÉRIES DE MEDIAÇÕES – Neste mês de outubro o MON inicia duas novas séries de mediações online. Uma delas apresenta obras que estão na parte externa do museu, enquanto a outra aborda gravuras do acervo. As respectivas postagens nas redes sociais da instituição são sempre às segundas e sextas-feiras.

As mediações de obras externas tiveram início com Não Pare de Olhar, que faz parte da série Não Pare Sobre os Olhos, realizada por Eliane Prolik, entre 2003 e 2004. Apropriando-se de placas de sinalização urbana, a artista traz à reflexão diversos temas pertinentes à civilização, como liberdade, condicionamento, automatismo, alienação, informação e comunicação.

Não Pare de Olhar, em específico, é um convite para que se leia, mas que, ao fazê-lo, “não pare sobre os olhos”, ou seja, perceba-se o que está além do visível. A artista Eliane Prolik, nascida em Curitiba, em 1960, é graduada em Pintura, com especialização em História da Arte do Século 20 pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap).

A série #gravurasnomon teve início com uma xilogravura da artista Irene Rolek. Nessa xilogravura, a artista traz a figura de trabalhadores garimpeiros, sobrepondo cores e traços que proporcionam textura à obra.

Paranaense de Mallet, Irene Rolek (1931-2008) foi aluna de Guido Viaro no curso livre da Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Além de gravuras, a artista produziu pinturas e aquarelas. A artista participou de várias exposições coletivas no exterior, particularmente na França, e também do Salão Paranaense.

MON DE PORTAS ABERTAS – Entre as várias medidas adotadas pelo MON para a volta de visitas presenciais está o limite de pessoas nas salas expositivas e em todo o museu para garantir o distanciamento seguro. O material impresso, como guias e folders, foi substituído por versões digitais, disponíveis por QR codes. Confira todas as ações.

Serviço
Hotsite: http://museuoscarniemeyer.org.br/mon/monemcasa//
Facebook e Instagram: @museuoscarniemeyer
YouTube: http://bit.ly/MONnoYoutube
Google Arts & Culture: http://bit.ly/MONGoogleArtsAndCulture

Museu Oscar Niemeyer (MON)
Rua Marechal Hermes, 999
Curitiba – Paraná
Visitação: terça a domingo, das 10h às 18h
R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Quartas gratuitas

Informações AEN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Copa do Mundo no Qatar: de flagelação a apedrejamento, veja restrições do país árabe

Um país absolutista, muito rico, dono da terceira maior reserva de gás natural do mundo, com apenas 3 milhões de habitantes e com leis e costumes bastante diferentes dos brasileiros. Mesmo com uma série de escândalos na preparação para o evento, como a morte de mais de 6 mil pessoas nas obras dos estádios e inúmeras violações aos direitos humanos, o Qatar será a sede da Copa do Mundo FIFA 2022, sendo a primeira vez que um país do Oriente Médio recebe um evento desse porte.

Há uma estimativa de que o Qatar receberá cerca de um milhão de turistas de todo o mundo durante o campeonato e o Brasil é um dos 10 países que mais comprou ingressos para os jogos da competição. Embora as autoridades cataris tenham dito que pretendem afrouxar algumas regras enquanto durar o evento, é preciso ficar atento às leis do país, conforme explica o doutorando em estratégia João Alfredo Lopes Nyegray, coordenador do curso de Comércio Exterior e professor de Geopolítica e Negócios Internacionais na Universidade Positivo (UP). “Por ser um país islâmico, as leis do Qatar derivam da Xaria, do Alcorão e da Suna, que são livros base do islamismo, uma religião com princípios e costumes bastante diferentes das religiões ocidentais”, alerta, ressaltando ainda que esses princípios se aplicam tanto a atos criminosos quanto a direitos de família, como a herança, por exemplo.

Segundo o especialista, o Qatar considera crime a homossexualidade e o adultério, além do consumo de álcool fora dos lugares permitidos. “A homossexualidade é um crime passível de pena de morte para os muçulmanos. Para o adultério e até mesmo relações entre pessoas que não são formalmente casadas, o país utiliza punições como flagelação. Bebidas alcoólicas são permitidas apenas dentro de alguns hotéis, predominantemente de luxo. Para quem consumi-las fora desses lugares, a pena é a mesma”, aponta o especialista, lembrando que existem relatos de estrangeiros condenados ao açoitamento por consumo de álcool no país. “O apedrejamento também é previsto na lei catari, embora não há registros de que tenha sido usado recentemente.”

É importante também um cuidado na hora de tirar fotos na visita aos pontos turísticos, uma vez que filmar e fotografar pessoas sem a autorização prévia delas também é crime no país. O professor alerta que esse cuidado extra para não infringir as leis do Qatar é fundamental, pois, se o testemunho for feito por uma pessoa considerada não confiável pelas autoridades, sequer é aceito. “É uma situação complicada, já que considerar alguém confiável ou não é algo bastante relativo. Além disso, se for uma questão envolvendo homens e mulheres, o testemunho feminino tem metade do valor do relato deles”, destaca.

Além das questões legislativas do Qatar, existe também o choque cultural em relação ao Brasil, de ações que são consideradas normais em território brasileiro mas que não são bem vistas no mundo árabe. “Aos heterossexuais também não são recomendadas manifestações públicas de afeto. É importante cuidar com as vestimentas também, uma vez que é mal visto pelos muçulmanos andar com roupas que expõem ombros, peitoral e coxas. Deve-se evitar também usar decotes e roupas justas”, finaliza Nyegray, que recomenda o uso de roupas que cubram, no mínimo, desde os ombros até os joelhos.

Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo é referência em Ensino Superior entre as IES do Estado do Paraná e é uma marca de reconhecimento nacional. Com salas de aula modernas, laboratórios com tecnologia de ponta e mais de 400 mil metros quadrados de área verde no campus sede, a Universidade Positivo é reconhecida pela experiência educacional de mais de três décadas. A Instituição conta com três unidades em Curitiba (PR), uma em Londrina (PR), uma em Ponta Grossa (PR) e mais de 70 polos de EAD no Brasil. Atualmente, oferece mais de 60 cursos de graduação, centenas de programas de especialização e MBA, cinco programas de mestrado e doutorado, além de cursos de educação continuada, programas de extensão e parcerias internacionais para intercâmbios, cursos e visitas. Além disso, tem sete clínicas de atendimento gratuito à comunidade, que totalizam cerca de 3.500 metros quadrados. Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric. Desde março de 2020 integra o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional. Mais informações em up.edu.br/

Rock e blues dão o tom do fim de semana no Boudet

Destaques da música curitibana marcam presença no palco do Boudet Art & Wine. A casa, que alia conceitos de arte, música e enocultura, recebe artistas conhecidos do cenário local. A sexta-feira (23/09) recebe Felipe Bide, sucesso das redes sociais, e no sábado, tem Easy Rock.

Felipe Bide tem conquistado um público cativo em suas redes sociais. No TikTok, suas versões musicalizadas de memes alcançam centenas de milhares de pessoas. A influência de jazz contemporâneo com pegada groove também estão presentes nas suas canções autorais.

Já a banda Easy Rock leva para o sábado do Boudet sucessos dos anos 80 e 90. O repertório destaca as canções mais românticas dessas décadas, como Faith No More, Seal, Aerosmith e mais. O Boudet Art & Wine abre de terça-feira a sábado, às 18h, tem entrada gratuita e fica na R. Bispo Dom José, 2249. Mais informações no perfil oficial do empreendimento no Instagram (@boudetartwine).