Médicos debatem uso da cloroquina no Paraná

O deputado Michele Caputo (PSDB), coordenador da Frente Parlamentar do Coronavírus, mediou nesta quinta-feira (9) durante reunião virtual do colegiado a exposição dos médicos Dorival Ricci Junior e Clóvis Arns da Cunha, com posições divergentes, sobre o uso dos medicamentos disponíveis no tratamento da covid-19. “É um grande avanço esta discussão e mostra que a posição da frente é salvar vidas, isto o que mais importa, independente de medicamentos, medidas e prevenções ao avanço do vírus no Paraná”, disse Michele Caputo.

“Para essa reunião trouxemos linhas de pensamentos distintos. O médico Dorival Ricci Júnior mostrou o tratamento precoce para a covid-19, uma questão que está sendo amplamente discutida nos meios de comunicação. O doutor Clóvis Arns da Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, trouxe o debate do que há de mais recente nas descobertas científicas sobre os medicamentos citados como possíveis tratamentos para a doença”, completou.

Dorival Ricci Cunha Junior, cirurgião do Hospital Paraíso, na cidade Paraíso do Norte, defendeu o uso da cloroquina e hidroxicloroquina e o infectologista Clóvis Arns da Cunha reafirmou

As palestras foram acompanhadas por de 20 parlamentares. A vice-coordenadora, deputada Maria Victória (PP) propôs a criação de um grupo no aplicativo whatsapp para receber as demandas de cada uma das 11 comissões temáticas. “Em cada reunião da frente parlamentar, os coordenadores podem dar seus relatos”.

Cloroquina –
 Dorival Ricci Júnior disse que mais de 3,5 mil médicos do país inteiro que defendem a prática do tratamento precoce. Relatou como se dá o contágio do vírus e como age no organismo, os sintomas e diagnóstico, além dos índices de mortalidade em cada uma das fases da doença.

Ricci Junior explicou que 81% dos infectados não têm sintomas em sua fase aguda; 14% tem sintomas moderados e precisam ser internados; e 5% deles evoluem para a fase grave, se não receberem o tratamento adequado. “O diagnóstico precoce aumenta muito a chance de cura”, disse. Ele afirmou que usou como base um estudo da universidade norte americana de Harvard. Sobre este argumento, o médico falou de tratamentos “off-label” que podem ser usados com o consentimento do paciente.
O médico afirmou que tudo depende do tempo em que as medicações são ministradas em cada fase da doença, de acordo com a replicação viral apresentada no organismo. “Quanto mais vírus houver, mais difícil conter seu avanço”, explicou. 
Segundo ele, a Hidroxicloroquina, a Cloroquina, a Ivermectina e a Azitromicina impedem o avanço do vírus neste aspecto, ativando o sistema imunológico para a produção das defesas corretas. “Na fase 2-A, pulmonar, deve ser tratada ambulatorialmente, porque é nela que se dão os inícios de inflamações, como as tromboses pulmonares”, disse.

“A Cloroquina e Hidroxicloroquina não são indicadas na fase em que não há replicação viral”, frisou. Segundo ele, que está em contato com doentes em seu trabalho diário, o uso da Cloroquina como forma de prevenção à doença é correto. “Eu e meus filhos tomamos semanalmente e não fomos infectados”. Explicou ainda que a droga está tendo uso disseminado entre os profissionais que estão nos hospitais em contato direto com doentes, além de casas de repouso para evitar seu avanço sobre os grupos de risco.

Dorival Ricci Júnior salientou que o medicamento não blinda o organismo, mas pode criar uma barreira de proteção que diminui em até 60% a possibilidade de infecção. De acordo com ele, os municípios brasileiros que adotaram o uso profilático dos medicamentos apresentaram números proporcionalmente muito inferiores aos que entraram em colapso em seus sistemas hospitalares, ainda segundo ele, por não terem tomado os tratamentos como regra. 
Ele citou municípios de São Paulo, Pará e interior do Paraná como exemplos da profilaxia a base de Hidroxicloroquina, Cloroquina, Ivermectina e a Azitromicina. O médico falou também do uso em diversos países e mostrou em gráficos as taxas de letalidade dos infectados.

Segurança 
– O infectologista Clóvis Arns enfatizou a necessidade das pesquisas de segurança e eficácia para todos medicamentos usados contra qualquer doença. “No momento temos apenas dois remédios aprovados para o Covid: a dexametasona e o Remdesivir, que não tem no Brasil e é caro. O tratamento nos EUA custa cerca de US$ 4 mil”.

De acordo com ele, a Hidroxicloroquina não tem eficácia comprovada por nenhum estudo mundial. “Ontem (8) saiu mais um artigo pela revista New England, tida como referência médica, que comprova que o medicamento é inócuo, com o exemplo do uso de Hidroxicloroquina e placebos em estudos randomizados tendo a mesma porcentagem de contágio após contato com pessoas infectadas”, explicou sobre os indivíduos que ingeriram a Cloroquina e os que tomaram cápsulas sem ela.

Clóvis Arns comparou o uso da Cloroquina com a pílula do Câncer e alertou que a disseminação da ideia de que ela cura é “desespero”. “Há a analogia de que estamos em uma guerra, mas não podemos matar nossos soldados”, exemplificou. Sobre a Ivermectina, Arns explicou que o remédio para verminose teve estudos clínicos que comprovam que é ineficaz para o combate à Covid-19. De acordo com ele, a dose para ocoronavírus deveria ser de cem a mil vezes maior do que a usada para verminoses. “Ninguém do mundo desenvolvido recomenda a Ivermectina na fase inicial”, afirmou.

O médico citou as dificuldades dos estados e municípios com a falta de remédios e aparelhos de oximetria, o que para ele deve ser o foco nas pautas dos debates. “Como cidadão paranaense, eu ficaria muito triste em ver qualquer dinheiro público, como foi o caso de Itajaí que gastou R$ 4,5 milhões para a compra de Ivermectina no lugar de Equipamento de Proteção Individual”, exemplificou. Ele reforçou que o isolamento social é ainda o único meio de evitar a disseminação da doença.

Arns propôs que a Frente Parlamentar de Combate ao Coronavírus e o Instituto Brasileiro de Infectologia trabalhem juntos para somar informações no atendimento às demandas.


Participação – Mais de 20 deputados acompanharam o debate. Michele Caputo sugeriu a participação do doutor Nestor Werner, diretor geral da Secretaria Estadual de Saúde, em uma próxima reunião da frente parlamentar para uma avaliação e levantamento da situação do Paraná em suas sete regiões de saúde durante o período que dura a pandemia.  

Para o primeiro secretário, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), as posições divergentes enriquecem o debate constante. “A decisão do tratamento está muito vinculada ao médico que atende o paciente”, afirmou. 
De acordo com ele, os médicos têm liberdade para o exercício de suas profissões, com os medicamentos disponíveis, tendo a maioria seguido as recomendações da Organização Mundial da Saúde. “É um debate que visa salvar as vidas das pessoas”, disse. 
Romanelli destacou que o número de contágio no Paraná superou o previsto no início da pandemia, citando a prevenção, com o isolamento social, como as formas mais seguras de evitar o avanço do vírus sobre a população. “Enquanto não tivermos a vacina, precisamos nos acostumar com isso, mudando nossa realidade”, frisou.

Para o deputado Arison Chioratto (PT), os dois participantes, apesar de defender linhas divergentes de atuação, trabalham pela vida e a prevenção da doença. “Eu não vejo outra forma de prevenção que não seja o isolamento”, afirmou, questionando o consórcio de uso de alguns dos medicamentos disponíveis. 
Segundo o deputado Subtenente Everton (PSL), uma live com quatro médicos está disponível em suas redes sociais sobre a prevenção e tratamento da Covid-19. Ele defendeu que as pessoas possam sair às ruas para fazer exercícios em praças e parques. “Não chegaremos em um consenso, têm posições bem definidas em ambos os lados. A minha posição é de que o lockdown, como foi feito, não terá efeito”, concluiu.

O deputado Nelson Luersen (PDT) elogiou o debate proposto pela Frente Parlamentar convidando profissionais com posições divergentes e falou das orientações que devem ser transmitidas aos produtores rurais em suas tarefas diárias na lavoura e pecuária. Luersen é sub coordenador da Agricultura na Frente Parlamentar. 
O deputado Emerson Bacil (PSL) defendeu a escolha dos pacientes nos tratamentos que querem receber. Ele se disse contrário a qualquer proibição de que médicos utilizem tratamentos precoces com remédios. “Tenho certeza de que a maioria pode receber este tratamento”, explicou, ressaltando que os cardíacos e que com outras comorbidades devem ter este quadro observado.

A reunião foi transmitida ao vivo pela TV Assembleia e redes sociais do Legislativo, onde estão disponíveis para exibição.

Sabores do Sertão: hambúrguer com chimichurri leva primeiro lugar em Foz do IguaçuSabores do Sertão: hambúrguer com chimichurri leva primeiro lugar em Foz do Iguaçu

Um hambúrguer com chimichurri, que conta um pedaço da história de Foz do Iguaçu, foi o prato vencedor do Concurso Gastronômico Sabores do Sertão. A ação faz parte da 30ª edição do Rally dos Sertões e tem como objetivo valorizar a história e as tradições das cidades por onde a competição vai passar. No total, serão 14 municípios, do Sul ao Norte do Brasil, contemplando os mais diversos biomas e ecossistemas do País.

Na etapa de Foz do Iguaçu, cidade que sediará a largada do Rally, foram 12 pratos inscritos, sendo que todos deveriam conter pelo menos um dos três ingredientes propostos pela organização: molho chimichurri, carne de cordeiro ou mandioca; podendo ser utilizados em pratos doces ou salgados. Depois de divulgadas as opções, o público pôde eleger os melhores em uma votação online, que somou mais de 800 votos.

Felipe Benvenuto, proprietário da Mamute Burgers, que levou o prêmio, explica que o prato vencedor é uma releitura do primeiro hambúrguer servido pela empresa, há sete anos. Por isso, ele foi batizado de “El Primero”. Na receita, além do molho chimichurri, o sanduíche leva maionese de alho confit, pão tradicional, hambúrguer de 160g, bacon em fatias e queijo muçarela. Uma junção que remonta a história da cidade e, também, do estabelecimento, que foi o primeiro food truck de Foz do Iguaçu.

“Nós fizemos uma campanha muito grande para convidar os clientes a votarem. Fizemos muitos posts nas redes sociais, enfatizamos o nosso prato e demos muito destaque para a receita e para a história dela. Estamos com a sensação de dever cumprido. É um concurso grande, feito com duas grandes instituições como o Sebrae e o Rally, e o resultado vai impulsionar ainda mais a nossa empresa”, enfatizou Felipe.

Como parte da premiação, a Mamute Burgers recebeu troféu e um selo de reconhecimento, além de um espaço em um guia especial de comemoração dos 50 anos do Sebrae, com veiculação nacional.

“É mais uma forma de valorizarmos as nossas raízes e mostrarmos os sabores das mais diversas regiões do País. Estamos felizes por realizar um concurso dessa magnitude em Foz do Iguaçu, pois sabemos que a ação movimentou a economia local e incentivou os empreendedores a pensarem de forma inovadora para atingirem o desafio”, celebra o gerente da Regional Oeste do Sebrae Paraná, Augusto Stein.

Finalistas

Além da Mamute Burgers, outras duas empresas de Foz do Iguaçu também garantiram o lugar no pódio: o restaurante Dom Liro, em segundo lugar; e a Oficina do Sorvete, em terceiro. No restaurante, os clientes puderam experimentar o “Tropeiro do Iguaçu”, uma releitura do tradicional feijão tropeiro, com dois adicionais especiais: um filé regado com molho chimichurri e mandioca cozida.

“Todas as quintas-feiras, servimos o tropeiro no restaurante e, para o concurso, queríamos reforçar esse costume, mas trazendo uma novidade, que era a inclusão desses ingredientes. Foi um sucesso e já incluímos como uma opção fixa no cardápio”, explica Marcelo Chiappa, proprietário do Dom Liro.

Sobre o concurso, o empresário garante: o resultado deu grande visibilidade para a empresa e poderá fazer a diferença para os negócios.

“Temos o restaurante há cerca de três anos e há pouco tempo abrimos outra unidade, na região central. O concurso deu muita ênfase para a nossa empresa e tivemos a oportunidade de conquistar novos clientes. Foi uma oportunidade muito especial”, garante.

No terceiro lugar, a sobremesa moderna e conceitual da Oficina do Sorvete conquistou olhares e paladares. Batizado de “A lenda de Mani”, um prato composto por sorvete de mandioca com mel de guabiroba e tuile branca, que remete ao efeito das brumas das Cataratas do Iguaçu.

“Nossa filosofia está relacionada à valorização das nossas origens e na criação de novidades. Nós criamos pratos através da história e essa foi uma experiência muito linda porque a Oficina do Sorvete pôde mostrar mais, uma vez, que é uma empresa diferente, que acredita na inovação e está comprometida em levar novidades para os clientes”, enfatiza o representante da Oficina do Sorvete, Inácio Imperador.

Os dois pratos também receberão menções especiais no guia e todos os três finalistas continuarão oferecendo as opções do concurso até o dia 27, por preços acessíveis, entre R$ 20,00 e R$ 60,00. Programação que, segundo a organizadora do Rally dos Sertões, Leonora Guedes, envolve os empreendedores, especialmente os ligados aos pequenos negócios, e tem a parceria do Sebrae.

“Esse concurso é uma iniciativa muito importante que coloca o rally na programação das cidades antes mesmo de chegarmos no local com as nossas comitivas. Ficamos muito felizes por proporcionar isso em uma cidade como Foz do Iguaçu, que está sempre de portas abertas para receber turistas, visitantes e eventos”, afirma Leonora.

Sabores do Sertão 2022 – Estrela Sebrae 50+50 Em todo o Brasil, foram inscritos 167 restaurantes em 14 cidades. Em cada uma delas, foram propostos ingredientes típicos de cada local, como mandioca, em Foz do Iguaçu, carne seca em Campo Grande (MS), buriti em Balsas (MA) e açaí em Paragominas (PA), por exemplo. Durante todo o concurso, foram computados mais de 11 mil votos

Guarda Municipal de Curitiba inspira outros municípios do Paraná

O secretário de Defesa Social e Trânsito, Pericles de Matos e o comandante da Guarda Municipal, Carlos Celso dos Santos Júnior, recebem o prefeito de Pitangueiras, Samuel Teixeira e comitiva. Curitiba, 16/08/2022. Foto: Pedro Ribas/SMCS

Com 36 anos de história, a Guarda Municipal de Curitiba vem inspirando outros municípios do Paraná na formação de suas instituições próprias. Esse é o caso do município de Pitangueiras, no Norte do Paraná. Nesta terça-feira (16/8), uma comitiva formada pelo prefeito Samuel Teixeira e demais servidores visitou a sede da GM e conversou com o comando da corporação.

“Estamos em fase inicial da Guarda Municipal em nosso município, ainda com a votação do projeto de lei em andamento. Por isso, viemos aprender com Curitiba, que é uma referência para adaptar essa estrutura a nossa realidade”, afirmou o prefeito de Pitangueiras.

O secretário municipal de Defesa Social e Trânsito, Péricles de Matos, disse que a capital está à disposição para ajudar nessa criação. “Temos auxiliado municípios de todo o Paraná nessa estruturação, com condições de auxiliar na capacitação desses profissionais por meio do nosso Centro de Formação e orientar quanto à legislação vigente”, destacou Matos.

Segundo o comandante da Guarda Municipal de Curitiba, o inspetor Carlos Celso dos Santos Junior, todas as guardas existentes no Estado passaram por Curitiba.

“Hoje são 34 guardas municipais no Paraná e como somos a primeira temos esse cuidado e carinho em auxiliar nossos irmãos de farda”, disse o inspetor Celso.

Participaram da reunião a diretora do Centro de Formação da Guarda Municipal, inspetora Cleusa Pereira, o coordenador do Centro de Operações da GM, inspetor Gilberto Ramos de Oliveira, e demais representantes da Guarda Municipal e do município de Pitangueiras.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba