Médicos debatem uso da cloroquina no Paraná

O deputado Michele Caputo (PSDB), coordenador da Frente Parlamentar do Coronavírus, mediou nesta quinta-feira (9) durante reunião virtual do colegiado a exposição dos médicos Dorival Ricci Junior e Clóvis Arns da Cunha, com posições divergentes, sobre o uso dos medicamentos disponíveis no tratamento da covid-19. “É um grande avanço esta discussão e mostra que a posição da frente é salvar vidas, isto o que mais importa, independente de medicamentos, medidas e prevenções ao avanço do vírus no Paraná”, disse Michele Caputo.

“Para essa reunião trouxemos linhas de pensamentos distintos. O médico Dorival Ricci Júnior mostrou o tratamento precoce para a covid-19, uma questão que está sendo amplamente discutida nos meios de comunicação. O doutor Clóvis Arns da Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, trouxe o debate do que há de mais recente nas descobertas científicas sobre os medicamentos citados como possíveis tratamentos para a doença”, completou.

Dorival Ricci Cunha Junior, cirurgião do Hospital Paraíso, na cidade Paraíso do Norte, defendeu o uso da cloroquina e hidroxicloroquina e o infectologista Clóvis Arns da Cunha reafirmou

As palestras foram acompanhadas por de 20 parlamentares. A vice-coordenadora, deputada Maria Victória (PP) propôs a criação de um grupo no aplicativo whatsapp para receber as demandas de cada uma das 11 comissões temáticas. “Em cada reunião da frente parlamentar, os coordenadores podem dar seus relatos”.

Cloroquina –
 Dorival Ricci Júnior disse que mais de 3,5 mil médicos do país inteiro que defendem a prática do tratamento precoce. Relatou como se dá o contágio do vírus e como age no organismo, os sintomas e diagnóstico, além dos índices de mortalidade em cada uma das fases da doença.

Ricci Junior explicou que 81% dos infectados não têm sintomas em sua fase aguda; 14% tem sintomas moderados e precisam ser internados; e 5% deles evoluem para a fase grave, se não receberem o tratamento adequado. “O diagnóstico precoce aumenta muito a chance de cura”, disse. Ele afirmou que usou como base um estudo da universidade norte americana de Harvard. Sobre este argumento, o médico falou de tratamentos “off-label” que podem ser usados com o consentimento do paciente.
O médico afirmou que tudo depende do tempo em que as medicações são ministradas em cada fase da doença, de acordo com a replicação viral apresentada no organismo. “Quanto mais vírus houver, mais difícil conter seu avanço”, explicou. 
Segundo ele, a Hidroxicloroquina, a Cloroquina, a Ivermectina e a Azitromicina impedem o avanço do vírus neste aspecto, ativando o sistema imunológico para a produção das defesas corretas. “Na fase 2-A, pulmonar, deve ser tratada ambulatorialmente, porque é nela que se dão os inícios de inflamações, como as tromboses pulmonares”, disse.

“A Cloroquina e Hidroxicloroquina não são indicadas na fase em que não há replicação viral”, frisou. Segundo ele, que está em contato com doentes em seu trabalho diário, o uso da Cloroquina como forma de prevenção à doença é correto. “Eu e meus filhos tomamos semanalmente e não fomos infectados”. Explicou ainda que a droga está tendo uso disseminado entre os profissionais que estão nos hospitais em contato direto com doentes, além de casas de repouso para evitar seu avanço sobre os grupos de risco.

Dorival Ricci Júnior salientou que o medicamento não blinda o organismo, mas pode criar uma barreira de proteção que diminui em até 60% a possibilidade de infecção. De acordo com ele, os municípios brasileiros que adotaram o uso profilático dos medicamentos apresentaram números proporcionalmente muito inferiores aos que entraram em colapso em seus sistemas hospitalares, ainda segundo ele, por não terem tomado os tratamentos como regra. 
Ele citou municípios de São Paulo, Pará e interior do Paraná como exemplos da profilaxia a base de Hidroxicloroquina, Cloroquina, Ivermectina e a Azitromicina. O médico falou também do uso em diversos países e mostrou em gráficos as taxas de letalidade dos infectados.

Segurança 
– O infectologista Clóvis Arns enfatizou a necessidade das pesquisas de segurança e eficácia para todos medicamentos usados contra qualquer doença. “No momento temos apenas dois remédios aprovados para o Covid: a dexametasona e o Remdesivir, que não tem no Brasil e é caro. O tratamento nos EUA custa cerca de US$ 4 mil”.

De acordo com ele, a Hidroxicloroquina não tem eficácia comprovada por nenhum estudo mundial. “Ontem (8) saiu mais um artigo pela revista New England, tida como referência médica, que comprova que o medicamento é inócuo, com o exemplo do uso de Hidroxicloroquina e placebos em estudos randomizados tendo a mesma porcentagem de contágio após contato com pessoas infectadas”, explicou sobre os indivíduos que ingeriram a Cloroquina e os que tomaram cápsulas sem ela.

Clóvis Arns comparou o uso da Cloroquina com a pílula do Câncer e alertou que a disseminação da ideia de que ela cura é “desespero”. “Há a analogia de que estamos em uma guerra, mas não podemos matar nossos soldados”, exemplificou. Sobre a Ivermectina, Arns explicou que o remédio para verminose teve estudos clínicos que comprovam que é ineficaz para o combate à Covid-19. De acordo com ele, a dose para ocoronavírus deveria ser de cem a mil vezes maior do que a usada para verminoses. “Ninguém do mundo desenvolvido recomenda a Ivermectina na fase inicial”, afirmou.

O médico citou as dificuldades dos estados e municípios com a falta de remédios e aparelhos de oximetria, o que para ele deve ser o foco nas pautas dos debates. “Como cidadão paranaense, eu ficaria muito triste em ver qualquer dinheiro público, como foi o caso de Itajaí que gastou R$ 4,5 milhões para a compra de Ivermectina no lugar de Equipamento de Proteção Individual”, exemplificou. Ele reforçou que o isolamento social é ainda o único meio de evitar a disseminação da doença.

Arns propôs que a Frente Parlamentar de Combate ao Coronavírus e o Instituto Brasileiro de Infectologia trabalhem juntos para somar informações no atendimento às demandas.


Participação – Mais de 20 deputados acompanharam o debate. Michele Caputo sugeriu a participação do doutor Nestor Werner, diretor geral da Secretaria Estadual de Saúde, em uma próxima reunião da frente parlamentar para uma avaliação e levantamento da situação do Paraná em suas sete regiões de saúde durante o período que dura a pandemia.  

Para o primeiro secretário, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), as posições divergentes enriquecem o debate constante. “A decisão do tratamento está muito vinculada ao médico que atende o paciente”, afirmou. 
De acordo com ele, os médicos têm liberdade para o exercício de suas profissões, com os medicamentos disponíveis, tendo a maioria seguido as recomendações da Organização Mundial da Saúde. “É um debate que visa salvar as vidas das pessoas”, disse. 
Romanelli destacou que o número de contágio no Paraná superou o previsto no início da pandemia, citando a prevenção, com o isolamento social, como as formas mais seguras de evitar o avanço do vírus sobre a população. “Enquanto não tivermos a vacina, precisamos nos acostumar com isso, mudando nossa realidade”, frisou.

Para o deputado Arison Chioratto (PT), os dois participantes, apesar de defender linhas divergentes de atuação, trabalham pela vida e a prevenção da doença. “Eu não vejo outra forma de prevenção que não seja o isolamento”, afirmou, questionando o consórcio de uso de alguns dos medicamentos disponíveis. 
Segundo o deputado Subtenente Everton (PSL), uma live com quatro médicos está disponível em suas redes sociais sobre a prevenção e tratamento da Covid-19. Ele defendeu que as pessoas possam sair às ruas para fazer exercícios em praças e parques. “Não chegaremos em um consenso, têm posições bem definidas em ambos os lados. A minha posição é de que o lockdown, como foi feito, não terá efeito”, concluiu.

O deputado Nelson Luersen (PDT) elogiou o debate proposto pela Frente Parlamentar convidando profissionais com posições divergentes e falou das orientações que devem ser transmitidas aos produtores rurais em suas tarefas diárias na lavoura e pecuária. Luersen é sub coordenador da Agricultura na Frente Parlamentar. 
O deputado Emerson Bacil (PSL) defendeu a escolha dos pacientes nos tratamentos que querem receber. Ele se disse contrário a qualquer proibição de que médicos utilizem tratamentos precoces com remédios. “Tenho certeza de que a maioria pode receber este tratamento”, explicou, ressaltando que os cardíacos e que com outras comorbidades devem ter este quadro observado.

A reunião foi transmitida ao vivo pela TV Assembleia e redes sociais do Legislativo, onde estão disponíveis para exibição.

Paraná apresenta destinos turísticos no Meeting Brasil 2020

O Paraná vai apresentar seus destinos turísticos no Meeting Brasil Online – Latin America 2020, primeiro grande evento virtual do semestre, com transmissão simultânea para doze países da América Latina, que acontece de 10 a 13 de agosto.

O Estado mostrará seus atrativos, com destaques para o Litoral, Parque Vila Velha, cachoeiras e turismo de negócios e eventos, que tem atraído visitantes de várias partes do mundo. Curitiba e Foz do Iguaçu, considerados portões de entrada paranaenses, também participam com seus atrativos.

O evento reúne operadores e agentes de viagens de doze países da América Latina. A meta é compor os portfólios dos operadores internacionais de turismo para o biênio 2021 e 2022. A edição do Meeting Brasil deste ano acontecerá de forma virtual. Está prevista a participação do governador Carlos Massa Ratinho, na abertura, para falar sobre o Paraná.

Pela primeira vez, o evento será transmitido simultaneamente para os países participantes – México, Guatemala, Costa Rita, Panamá, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Chile, Paraguai, Argentina e Uruguai.

De olho na retomada do setor no período pós-pandemia, o trade turístico está otimista com a abrangência do evento que tem a internet como uma grande aliada, na busca de novas ferramentas de divulgação. As plataformas digitais oferecem canais gratuitos e de longo alcance de interação para troca de experiências e realização de negócios.

 

Oportunidade

O secretário de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, ressaltou que o turismo é um gerador de rendas e o Meeting Brasil 2020 uma grande oportunidade para que o Paraná apresente todo o potencial do Estado e abra novos mercados.

“Além de movimentar a economia, com a geração de emprego e renda, o turismo mexe com a vida das pessoas, diretamente. Está relacionado ao lazer e a qualidade de vida”, disse Nunes. “E esse evento acontece num momento delicado, devido à pandemia, quando todo o setor está carente de boas iniciativas”, afirmou.

Ele enfatizou que que o Paraná estará presente com seus mais importantes destinos. “Curitiba com toda a sua potência como capital, cheia de diversidade, e Foz do Iguaçu, o nosso carro chefe do Turismo, farão uma apresentação das suas principais atrações”, concluiu.

 

Polos Latinos

Jacob Mehl, presidente da Paraná Turismo, também destacou a importância do evento. “É um orgulho poder mostrar o Paraná nesse meeting para nos aproximar de todos os polos latinos, responsáveis por 70% dos nossos visitantes”, disse. “O Estado tem belezas naturais incomparáveis”, afirma.

Parque Nacional do Iguaçu retoma atividades a partir de hoje

O Parque Nacional do Iguaçu vai retomar as atividades de forma gradativa a partir de hoje (4), após meses fechado em decorrência da pandemia de covid-19. A unidade estará aberta ao público de terça-feira a domingo, das 9h às 16h, e, na entrada, os visitantes serão orientados sobre os novos procedimentos e cuidados em relação à prevenção contra o novo coronavírus.

O parque, que está localizado em Foz do Iguaçu, no Paraná, abriga as Cataratas do Iguaçu e foi reconhecido como Patrimônio Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 1986.

De acordo com informações do Ministério do Turismo, entre as medidas obrigatórias para acessar a unidade de conservação estão a redução da capacidade do local, a aferição da temperatura, o distanciamento entre as pessoas e o uso correto da máscara, cobrindo o nariz e a boca, durante todo o passeio. A estação Porto Canoas, que abrange o restaurante e outras lojas, seguirá fechada e será reaberta em uma próxima etapa.

As visitas devem ser agendadas e os ingressos serão vendidos exclusivamente pelo site do parque . Serão disponibilizados o máximo de 350 vagas de ingressos por hora. Moradores de Foz do Iguaçu e de cidades vizinhas têm 90% de desconto com o Passe Comunidade, que deve ser adquirido nos terminais de autoatendimento, localizados no centro de visitantes do parque, mediante comprovação de residência.