Maioria das capitais mantém salários dos servidores sem reajuste este ano

Enquanto Curitiba faz as contas, raspando o fundo do caixa, para ver se é possível conceder o reajuste anual para os servidores, a maioria das outras capitais do país já bateu o martelo: funcionalismo municipal fica com os salários congelados este ano.

Uma situação ruim, mas ainda pior em pelo menos nove capitais, cujos servidores tiveram seus vencimentos atrasados ou parcelados em 2017, num exemplo bem acabado do estrago que pode ser gerado por crise econômica acompanhada por anos de gestões irresponsáveis com as contas públicas e leniente com o aumento descontrolado de gastos.

São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Goiânia, Fortaleza, Teresina e Rio Branco, por exemplo. optaram por não aplicar reajuste nenhum nos salários. No total, fora Curitiba, 17 das 27 mantiveram os vencimentos – elas representam 63% das capitais do país.

Entre as que atualizaram os salários, cinco apenas repuseram a inflação ou nem isso, e algumas parcelaram o reajuste em diversos meses.

Em Florianópolis, por exemplo, os 4% de reajuste serão parcelados em quatro vezes e só serão concluídos no primeiro trimestre do ano que vem. Em Palmas, o reajuste de 2017 vai ser escalonado até abril de 2018. Em Campo Grande, só a categoria dos professores teve aumento, também parcelado.

Já Belo Horizonte, vai conceder 2,5% de reajuste, insuficiente para repor a inflação, enquanto Porto Velho cravou 3,5%, igual à infação do período.
Porto Alegre e Rio de Janeiro são os casos mais graves e conhecidos. Além de reajuste zero e atraso nos salários, as duas deixaram de prestar uma série de serviços públicos e cortaram programas sociais, no que se transformou em pesadelo para boa parte dos moradores.

Aqui não – É exatamente este tipo de situação – mesmo que em menor grau – que o prefeito Rafael Greca quer evitar em Curitiba.

Não dá para dizer que a capital é um oásis no deserto porque outras cidades também tomaram medidas de ajuste e vêm mantendo o fôlego de suas gestões. Mas é evidente que as medidas tomadas pelo prefeito com o Plano de Recuperação de Curitiba surtiram efeito.
“Salário é direito sagrado de quem trabalha”, costuma dizer o prefeito, em seu mantra preferido sobre o funcionalismo. Bem verdade que ele vem cumprindo sua prioridade de campanha e mantendo os pagamentos do funcionalismo rigorosamente em dia este ano.

Ao apertar as contas para conceder o reajuste previsto para novembro o prefeito não quer, no entanto, deixar que os avanços obtidos este ano para o conjunto da população se percam.

Greca conseguiu um feito efetivamente de respeito. Diante de situação financeira caótica manteve serviços de saúde em pleno funcionamento, regularizou o abastecimento de remédios, tirou obras da paralisa, retomou a manutenção da infraestrutura da cidade, entre outras ações fundamentais para a cidade não parar e começar a evoluir.

Isso tudo com um rombo orçamentário de R$ 2,1 bilhões herdado de Fruet que transforma ações básicas de manutenção da máquina em verdadeiros desafios financeiros.

O caixa apertado, portanto, não dá muita margem de manobra para Greca, que fica diante da opção bíblica de dividir o pão de um orçamento em frangalhos, mas em franca recuperação. Reajuste de servidores hoje, pode significar falta de dinheiro para remédios, obras etc.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL

O presidente Jair Bolsonaro se filiou hoje (30) ao Partido Liberal (PL). O ato de assinatura da ficha de filiação foi realizado nesta manhã durante uma cerimônia promovida pela legenda.

Eleito em 2018 pelo PSL, Bolsonaro deixou o partido em novembro de 2019 e não estava filiado a nenhum partido. A condição é necessária para a disputa das eleições gerais de 2022. Até o momento, a eventual candidatura do presidente à reeleição não foi oficializada.

Durante o evento, Bolsonaro destacou que a cerimônia foi uma simples filiação ao partido e que não estava “lançando ninguém a cargo nenhum”.

“Estou me sentindo aqui em casa, dentro do Congresso Nacional, aquele plenário da Câmara dos Deputados, tendo em vista a quantidade enorme de parlamentares aqui presentes. Vocês me trazem lembranças agradáveis, lembranças de luta, de embate, mas, acima de tudo, momentos em que nós, juntos, fizemos pelo nosso país. Eu vim do meio de vocês. Fiquei 28 anos dentro da Câmara dos Deputados”, disse.

Pelas redes sociais, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, confirmou que também se filiou ao partido e que será pré-candidato ao Senado pelo Rio Grande do Norte.

Homem fantasiado de Batman faz sucesso em Curitiba e na internet

Marcos Vinicius da Silva, o famoso “Batman de Curitiba”, viu no sorriso das pessoas uma oportunidade para “fazer o bem”. Com direito a Batmóvel, o homem tem feito sucesso em Curitiba e viralizou nas redes sociais.

“Minha história com o Batman teve início em 2017. Como eu tinha o carro, um Corvette Stingray, eu parei e pensei: esse carro parece o Batmóvel. Depois disso, comprei a roupa do Batman e comecei a fazer algumas ações sociais por Curitiba”, disse Silva, em entrevista à Banda B nesta segunda-feira (29).

Entre as ações promovidas pelo “Batman de Curitiba”, há entrega de cestas básicas, visitas a hospitais e distribuição de ovos das páscoa.

“Vi que aquilo levou muita alegria às pessoas e resolvi unir o útil ao agradável. No dia a dia eu tenho distribuído cestas básicas, ido a hospitais…”, afirmou.

Foto: Arquivo pessoal

Marcos conta que não existem dias específicos, como datas comemorativas, para levar alegria para as pessoas. De acordo com ele, até os finais de semana são destinados para algumas ações.

Bem como o próprio personagem inspirado nos quadrinhos da DC Comics, os carros de Souza também fazem sucesso por onde passam.

“Sempre gostei de carros antigos e tenho dois Batmóveis, um deles até abre a porta para cima”, disse.

Questionado sobre alguma ação já realizada por ele que o marcou, o “Batman de Curitiba” não hesitou em relembrar o dia em que incentivou uma criança a continuar seu tratamento no Hospital Pequeno Príncipe, porém com outro personagem.

“O hospital tinha um paciente de 5 anos que não queria mais fazer o tratamento. A médica dele me ligou e explicou que o menino era fã do Capitão América. Ele [paciente] precisava de um incentivo. Vesti a roupa e fui até lá. Foram umas 8 horas desde a preparação até o convencimento”, afirmou.

Informações Banda B