Libertadores retorna nesta terça com Athletico-PR e Santos em campo

Furacão joga na Bolívia e, na Vila Belmiro, o Peixe recebe o Olímpia

A espera acabou. Depois de seis meses de paralisação em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19), a Copa Libertadores da América  volta na noite desta terça-feira (15). Em março, quando o torneio foi interrompido, todos os 32 times já haviam  jogado as duas primeiras rodadas. A partir de agora, todas as demais fases – as quatro restantes da fase de grupos e as eliminatórias – ocorrerão sem presença de público. As finais devem ocorrer apenas em janeiro de 2021. 

Na noite de hoje (15), entram em campo dois dos sete clubes brasileiros que participam do torneio. Pelo Grupo C, o Athletico Paranaense, com três pontos, pega o Jorge Wilstermann, às 19h15 (horário de Brasília), no estádio Félix Capriles, em Cochabamba (Bolívia) . O Santos, que lidera o Grupo G, com seis pontos, recebe o Olímpia, do Paraguai, na Vila Belmiro,  às 21h30.

 A Libertadores retorna com mudanças também nas regras da competição. No último domingo (13), o Conselho da Conmebol ampliou o número de jogadores que poderia ser inscritos por cada equipe participante. As listas, cujo limite anterior era de até 40 nomes, foram ampliadas para 50. Os clubes que disputam os jogos nesta terça (15), quarta (16) e quinta-feira (17) tinham  prazo até às 18h de ontem (14) para enviar à entidade as listagens de atletas. Nas viagens, as delegações terão o limite 50 pessoas, incluindo comissões técnicas e pessoal de apoio. Outra alteração anunciada pela entidade no domingo (13) foi a permissão de que os atletas possam atuar por até três três clubes na mesma edição da Libertadores. Anteriormente, o limite era de dois times. 

Jorge Wilstermann (Bolívia)  x Athletico-PR

A última partida do Furacão na Libertadores foi em 11 de março. Na ocasião, os brasileiros perderam para o Colo-Colo por 1 a 0, em Santiago (Chile).  Cinco jogadores daquele elenco também estiveram em campo na vitória do Athletico-PR sobre o Coritiba (1 a 0), no último sábado (12), pelo Brasileirão. O zagueiro Thiago Heleno, o lateral Márcio Azevedo, os volantes Wellington e Erick e o atacante Nikão. 

Em março, o treinador era Dorival Júnior, que foi demitido em agosto, depois de quatro derrotas seguidas na Série A. Hoje (15), quem comanda a equipe é Eduardo Barros. 

Atual campeã estadual, a equipe da Arena da Baixada apresentou na quinta-feira passada (10) a nova lista de inscritos com várias novidades: o goleiro Anderson, os zagueiros Felipe Aguilar e Pedro Henrique, os volantes Jaime Alvarado e Richard, os meias Bruno Leite e Ravanelli e os atacantes Fabinho, Geuvânio e Walter. Entre os desfalques para a partida de hoje (15) estão o zagueiro Thiago Heleno, o volante Léo Citadini, o atacante Nikão devem ser desfalques. 

O provável escalação deve ser com Santos; Jonathan, Felipe Aguilar, Pedro Henrique e Márcio Azevedo; Wellington; Erick, Christian, Geuvânio e Fabinho; Guilherme Bissoli.  

O dia 11 de março também marcou a última partida oficial do Jorge Wilstermann. Naquela ocasião, a equipe perdeu por 1 a 0 para o Penharol, em Montevideo (Uruguai). Com esse resultado, o Grupo C da Libertadores ficou com as quatro equipes empatadas com três pontos, depois de dois jogos. No Uruguai, o futebol permanece paralisado por conta da pandemia. Na Bolívia, os campeonatos permanecem paraslisados por conta da pandemia. O Jorge Wilstermann voltou aos treinos em agosto.

Santos x Olimpia (Paraguai)

Muita coisa mudou desde o dia 10 de março, quando o Santos ganhou do Delfín, do Equador,  por 1 a 0, na Vila Belmiro, e atingiu a liderança do Grupo G, com seis pontos. Do time que entrou em campo naquele dia, apenas cinco atletas começaram o clássico de sábado (12) contra o São Paulo: Lucas Veríssimo, Luan Peres, Diego Pituca, Carlos Sánchez e Soteldo. Na casa-mata, o comandante era o português Jesualdo Ferreira. Agora, no lugar dele, está Cuca. A equipe voltou a jogar no dia 22 de julho, quando empatou com o Santo André. No Estadual, o Peixe acabou sendo eliminado nas quartas de final pela Ponte Preta.

Na nova lista de inscritos na Libertadores, apresentada nesta segunda-feira pelo Peixe, são seis novidades: os zagueiros Alex e Wagner Leonardo, os meias Anderson Ceará, Gabriel Pirani e Lucas Lourenço e o atacante Lucas Braga.

Adversário desta noite, o paraguaio Olimpia está em segundo lugar com quatro pontos em dois jogos. Pelo campeonato nacional, que retornou em 22 de julho, o clube ocupa a terceira posição com 38 pontos, quatro a menos do líder Cerro Porteño. 

O Cuca deve mandar a campo logo mais João Paulo; Madson, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez; Marinho, Lucas Braga e Soteldo.

Informações Agência Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja os dias em que os atletas paranaenses competem em Tóquio

O Programa Geração Olímpica conta com a participação de dez bolsistas nos Jogos Olímpicos de Tóquio, que terão sua abertura oficial nesta sexta-feira (23), às 8h. No fim da matéria, é possível conferir uma tabela que lista a data, o horário, a modalidade e a rodada dos competidores.

Esse guia será atualizado de acordo com eventuais mudanças e também considerando possíveis classificações dos bolsistas para as próximas fases.

Conheça mais sobre os bolsistas que irão competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio:

ÁGATHA BEDNARCZUK – Teve seu início no esporte em Paranaguá, no ano de 1992. Em 2001, decidiu ir para o vôlei de praia, modalidade na qual seguiria uma trajetória vencedora. Participou de edições do Campeonato Mundial nos anos de 2005, 2013 e 2015, sendo campeã na edição de 2015 ao lado de Bárbara Seixas.  E campeã do Circuito Mundial de Voleibol de Praia Feminino em 2015 e 2018. 

Foi eleita a melhor jogadora da competição neste ano. Ainda em 2015, conquistou o bronze no World Tour Finals em Fort Lauderdale e o título da temporada do Circuito Mundial. Em 2016, tornou-se medalhista olímpica. Atualmente, Ágatha faz dupla com Duda Lisboa. 

ANA SÁTILA – Nascida em 13 de março de 1996, Ana Sátila é natural de Itaruma (MG). Começou a remar aos nove anos, em Primavera do Leste (MT), para onde se mudou apenas aos 5 anos de idade.

Com apenas 16 anos, foi a mais jovem integrante da delegação brasileira nos Jogos de Londres 2012, e, aos 20 anos, teve sua segunda experiência olímpica no Rio 2016. Em Jogos Pan-Americanos, Ana Sátila já soma três medalhas de ouro e uma de prata após participações em Toronto 2015 e Lima 2019. No Campeonato Mundial de Canoagem Slalom, Ana conquistou quatro medalhas até o momento. A primeira foi bronze, C1, em 2015 e prata, Extreme K1, em 2017.  A consagração do ouro foi em 2018 no Rio de Janeiro. E repetiu o feito em Tacen, em 2020.

LUCAS CARVALHO – Nascido em 16 de julho de 1993, Lucas Carvalho acredita em uma boa chance de medalha nas Olimpíadas em sua modalidade, o 4x400m. No começo da carreira, participou do Campeonato Mundial de Juvenis (Sub-20), em Barcelona, ainda quando disputava nos 110 m com barreiras. Na transição para o adulto, passou a competir em provas rasas. Como profissional, coleciona alguns feitos: foi campeão do Ibero-Americano dos 400 m em Trujillo, no Peru, em 2018, fez parte do time olímpico no Rio-2016, como reserva do 4×400 m masculino, além de marcar presença no Mundial de Londres-2017, e Doha-2019.

NICOLE PIRCIO – Com apenas 18 anos, Nicole Pircio, atleta da ginástica rítmica, já carrega consigo uma história vitoriosa em Jogos Pan-Americanos. Ela conquistou uma medalha de ouro e duas de bronze em Lima, no Peru. Em sua equipe nas Olimpíadas de Tóquio, Nicole terá como companheiras Beatriz Linhares, Deborah Medrado, Geovanna Santos e Maria Eduarda Arakaki. Na competição, o Brasil tentará alcançar a final olímpica pela terceira vez na modalidade.

TABATA VITORINO – Aos 25 anos, Tábata Vitorino vai para a sua segunda experiência em Olimpíadas. Na primeira, no Rio-2016, a atleta ficou como suplente. Hoje, mais preparada e com melhores resultados, chega para a competição de Tóquio como uma das mais qualificadas do país em sua modalidade, o revezamento 4x100m. Tábata começou a competir com apenas 9 anos de idade e chega ao ponto mais alto de sua carreira até aqui ao competir em Tóquio. 

TATIANE RAQUEL DA SILVA – Competidora dos 3.000m com obstáculos, Tatiane Raquel da Silva, hoje com 30 anos, já obteve vitória em mais de quarenta competições brasileiras. Entre elas, nove no Troféu Brasil de Atletismo. Em 2018, Tatiane ficou em primeiro lugar no Ibero Americano, no Peru. Em 2019, venceu o Sul-Americano Adulto no Peru e conquistou o quarto lugar nos Jogos Pan-Americanos.

VAGNER SOUTA – Aos 30 anos, o canoísta Vagner Souta já carrega medalhas de Pan-Americano no seu currículo, tanto em Toronto (2015), no Canadá, quanto em Lima (2019), no Peru. Está indo, agora, para a sua segunda participação em Olimpíadas. Em abril de 2021, garantiu a vaga no K1 1000m nos Jogos Olímpicos depois de o Pré-Olímpico ser cancelado devido a pandemia. Assim, a Federação Internacional distribuiu as vagas considerando os resultados de 2019.

TREINADORES – Companheiro de Ana Sátila no esporte e na vida, o francês Mathieu Desnos tem como grande desejo estar nas Olimpíadas de Paris (no seu país natal), em 2024, ao lado de Ana. No handebol, Leonardo Bortolini e Giancarlos Ramirez compõem a comissão técnica da seleção brasileira. Ex-jogador, Leonardo atuou pela seleção por dezessete anos. Já Giancarlos construiu uma grande trajetória na equipe londrinense de handebol, comandando-a por quinze anos.

Confira data e horários:

Ginastas de Curitiba brilham no Pan-Americano no Rio de Janeiro

As ginastas Ana Luiza Lima e Júlia Soares, ambas de 16 anos, fizeram bonito nas finais do Campeonato Pan-Americano de Ginástica, disputado no fim de semana na Arena Carioca 1, no Rio de Janeiro. Além de garantirem medalhas no individual por aparelhos, as duas atletas conquistaram a medalha de ouro com a equipe brasileira, que contou ainda com Christal Bezerra, Lorrane Oliveira e Rebeca Andrade.

Ana e Júlia são beneficiárias do Programa Municipal de Incentivo ao Esporte da Prefeitura de Curitiba e treinam em Curitiba no Centro de Excelência de Ginástica do Paraná (Cegin), no Capão da Imbuia. As atletas foram acompanhadas pela treinadora Iryna Ilyashenko e pelo coreógrafo Rhony Ferreira. Os dois são do quadro da Seleção Brasileira de Ginástica Artística Feminina e também são integrantes do quadro técnico do Cegin em Curitiba.

Ana Luiza e Julia Soares. Foto: Divulgação Confederação Brasileira de Ginástica/ CBG

Para conquistar a medalha, Ana Luiza encantou com uma exibição intensa e graciosa. Ao som de um tango de Astor Piazzolla, a jovem atleta conquistou a medalha de ouro no solo, com a nota 12.967. A brasileira Christal Bezerra fez companhia a Ana no pódio, ao faturar o bronze, com 12.767. Entre as duas brasileiras ficou a argentina Martina Dominici (12.800).

Mais um talento em ascensão, Júlia Soares conseguiu a medalha de bronze na trave, logo em sua primeira competição da categoria adulta. Com a nota 12.333, ficou atrás apenas da costa-riquenha Luciana Alvarado, que se classificou para a Olimpíada, e da mexicana Paulina Martinez.

Cegin

O Centro de Excelência de Ginástica do Paraná (Cegin) foi criado em 1999 nas dependências da antiga Universidade do Esporte, atual sede da Secretaria do Esporte e Turismo do Paraná. O Cegin é detentor do Troféu Excelência da Confederação Brasileira de Ginástica, sendo reconhecido como referência nacional e internacional na Ginástica Artística, servindo como base de treinamento para diversas equipes paranaenses e brasileiras, já tendo inclusive recebendo equipes internacionais da Argentina, Uruguai, Chile e Peru.

No centro, são desenvolvidas aulas de iniciação esportiva para crianças a partir de 4 anos, além de treinamento voltado para o alto rendimento, com a formação de equipe permanente em diversas categorias das Ginástica Artística, que disputam torneios e campeonatos nacionais e internacionais. 

A parceria com a Prefeitura de Curitiba, por meio do Programa Municipal de Incentivo ao Esporte, sob a coordenação da Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude (Smelj), é fundamental para o desenvolvimento das atividades do centro.

Em contrapartida ao incentivo recebido da Prefeitura de Curitiba, o Cegin oferta gratuitamente vagas para que crianças encaminhadas pelos centros de treinamento da Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude possam treinar e usufruir de uma das melhores estruturas técnicas e de equipamentos para o desenvolvimento de habilidades na Ginástica Artística.