Itaipu vai repassar mais R$ 15 milhões para ajudar a combater a covid-19 em Foz e região

No total, a empresa já encaminhou quase R$ 80 milhões em diversas ações para combater a pandemia e minimizar seus efeitos. Novo aporte ocorre em um momento de aumento exponencial do número de casos da doença

A Itaipu vai repassar, por meio de um convênio, R$ 15 milhões para a Fundação Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu, em um período de seis meses. A medida foi autorizada em reunião de Diretoria Executiva, nesta quarta-feira (3). Com isso, a margem brasileira da empresa amplia os esforços da força-tarefa do Paraná no enfrentamento ao novo coronavírus, especialmente na região de fronteira. No total, a Itaipu investiu quase R$ 80 milhões em diversas ações para combater a covid-19 e minimizar seus efeitos, tornando-se a principal parceira dos municípios da região.

“Desde o início da pandemia, o papel da Itaipu tem sido fundamental para atender às demandas pontuais da área de saúde, mas que também deixam legado para a população”, diz o coordenador do Grupo de Trabalho da Covi-19, coronel Aureo Ferreira, assessor especial do general Joaquim Silva e Luna, diretor-geral brasileiro de Itaipu. “São investimentos tanto pontuais quanto permanentes, que ficarão mesmo depois que a pandemia passar.”

Ajuda providencial

O plano de contingência apresentado pelo município e prontamente atendido pela Itaipu prevê a aquisição de medicamentos e insumos para demandas de pacientes com a covid-19 internados do Hospital Municipal Padre Germano Lauck, em Foz do Iguaçu. A unidade hospitalar é considerada referência pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro, esteve na manhã desta quarta-feira no gabinete do diretor-geral brasileiro para pedir apoio neste momento crítico da pandemia. A solução veio prontamente. “Esse convênio veio na hora certa, porque o Hospital Municipal poderia colapsar. Só temos a agradecer à Itaipu pela pronta resposta, que será fundamental para garantir atendimento humanizado à população”, diz o prefeito.

Nesta última semana, entre quarta-feira (24) e terça-feira (2), foram confirmados 1.497 novos casos e 33 mortes por covid-19 em Foz do Iguaçu. 

O plano integra uma série de medidas que beneficiam toda a região de fronteira na área de saúde. O sistema hospitalar de Foz do Iguaçu, pela sua localização peculiar, é bastante utilizado, tanto por brasileiros como também por paraguaios.

Segundo dados da Secretaria de Saúde de Foz, os moradores de países vizinhos respondem por 30% da demanda nas unidades hospitalares do município, pressionando o SUS.

Para agravar ainda mais a situação, nos dois países as cidades fronteiriças – Foz e Ciudad del Este – estão com os sistemas de saúde sobrecarregados, com alta taxa de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva destinadas à covid-19. A taxa passa de 100%, inclusive no Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), que é mantido por Itaipu e também destinou parte de seus leitos para o atendimento de pacientes infectados pelo novo coronavírus. 

“Além de Foz, esse apoio se estende também a outros oito municípios que fazem parte da 9ª Regional de Saúde do Paraná: Medianeira, Matelândia, São Miguel do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, Itaipulândia, Missal, Serranópolis do Iguaçu e Ramilândia”, diz Aureo. 

A Fundação Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu é a gestora do Hospital Municipal Padre Germano Lauck — o maior da região Oeste do Paraná e referência de média e alta complexidade nas especialidades de neurocirurgia, ortopedia e traumatologia para a 9ª Regional de Saúde do Estado. Ela presta serviços de saúde e também de assistência médico-hospitalar.

Itaipu e Unioeste abrem nova parceria e frentes de trabalho

A Itaipu também destinou mais R$ 2,4 milhões para uma ação conjunta com a Unioeste e a Fundação Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu, fundamentada em três frentes de trabalho.

A primeira delas é a manutenção de 70 bolsistas da área de saúde em Foz do Iguaçu, que fazem a triagem e dão orientação à população, em atendimento remoto e presencial, relacionado à covid-19. Outra é a atuação de 30 bolsistas egressos do curso de enfermagem para o trabalho em UTIs de covid-19.

Por fim, outra ação prevista neste mesmo convênio é a contratação de duas equipes de saúde domiciliar no atendimento preventivo, especialmente nos casos de grupos de risco, para evitar que pessoas idosas precisem buscar atendimento nos hospitais.

Política de austeridade permitiu redirecionamentos de aportes

O novo convênio é fruto de uma política de austeridade e transparência implantada pela margem brasileira da usina. O redirecionamento de recursos de ações e iniciativas sem aderência à missão da empresa permitiu economia traduzida em investimentos na ordem de R$ 2,5 bilhões.

Obras esperadas e sonhadas por décadas foram se transformando em realidade, como a construção de uma segunda ponte sobre o Rio Paraná, entre Foz do Iguaçu, no Brasil, e a cidade de Presidente Franco, no Paraguai, que vai mudar a logística da fronteira; a ampliação da pista de pousos e decolagens e outras melhorias no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, que terá condições de ser um hub do Mercosul; e a futura duplicação da rodovia mais importante para o turismo do município, a BR-469, que dá acesso às Cataratas do Iguaçu.

São mais de 30 projetos, em diversos segmentos, que geram empregos e desenvolvimento, criando as bases para avanços significativos da economia paranaense.

Além das obras estruturantes, dentro deste contexto de redirecionamento de recursos foi possível também colaborar decisivamente para o combate à pandemia na região.

Inicialmente, foram destinados R$ 15 milhões para a compra de insumos e equipamentos, além da criação de 40 leitos de UTI e de outras 15 unidades de transição no HMCC, que também atende pacientes do SUS.

Gradativamente, foram ainda encaminhados recursos para a Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (R$ 2 milhões); entidades beneficentes que se candidataram ao Fundo de Auxílio Eventual da empresa (R$ 5,7 milhões); mais de 700 bolsistas para o atendimento à saúde em todo o Paraná (R$ 4 milhões); e aditivos contratuais e manutenção da estrutura de atendimento hospitalar voltada à covid-19 (R$ 33 milhões).

Somam-se, agora, os convênios autorizados nesta quarta-feira (de R$ 15 milhões com a Fundação Municipal de Saúde de Foz do Iguaçu e de R$ 2,4 milhões envolvendo também a Unioeste), totalizando R$ 77,1 milhões aplicados na mitigação dos efeitos da pandemia na região.

“Num ano atípico, em que o mundo todo aprende a lidar com a pandemia, Itaipu investiu no bem-estar da nossa gente. Somente os R$ 5,7 milhões provenientes do Fundo de Auxílio Eventual da empresa, por exemplo, beneficiaram diretamente mais de 60 mil pessoas em situação vulnerável”, reforça Aureo Ferreira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba terá vacinação contra covid-19 neste sábado

Neste sábado (27/11) a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) abrirá 30 locais de vacinação contra a covid-19 para atender convocados para a segunda dose. Cerca de 37 mil pessoas tem agendamento para esta data.

Também haverá oferta de repescagem para primeira e segunda dose e para reforço. Moradores de Curitiba com 12 anos ou mais que ainda não se vacinaram poderão buscar os pontos neste grande mutirão de atualização vacinal.

O atendimento será feito das 8h às 17h (lista abaixo).

“Muitas pessoas têm dificuldade de buscar a vacina durante a semana, então estamos oportunizando mais um sábado para regularização da situação vacinal contra a covid-19. Precisamos que todos estejam vacinados para garantir maior proteção para nossa cidade”, explicou a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

 

O que fazer para receber a primeira dose

Para agilizar o processo de vacinação, a SMS orienta fazer o cadastro prévio na plataforma Saúde Já pelo site www.saudeja.curitiba.pr.gov.br ou pelo aplicativo do celular.

Levar o termo de consentimento preenchido é outro passo para dar maior agilidade à vacinação. O documento está disponível para impressão no site Imuniza Já. Adolescentes deverão comparecer a um dos pontos acompanhado dos pais e/ou responsáveis pela assinatura do termo de consentimento.

Também é preciso apresentar um documento de identificação com foto e CPF. Adolescente que não possui documento com foto pode levar a certidão de nascimento, que deve ser apresentada com um documento com foto do responsável.

Além disso, para a primeira dose é preciso apresentar comprovante de residência com endereço de Curitiba.

Para os casos de locações não formalizadas por imobiliárias, deverá ser apresentado o comprovante do endereço da residência com uma declaração do proprietário do imóvel, com responsabilização legal pela locação e pela informação.

O que fazer para receber a segunda dose ou o reforço

Para receber a segunda dose ou o reforço da vacina, basta procurar um dos pontos de vacinação, levar um documento de identificação com foto e CPF.

Quem pode receber vacina anticovid neste sábado

Primeira dose
– Primeira dose para pessoas com 12 anos completos ou mais;
– Primeira dose  para adolescentes com até 12 anos completos com comorbidades;
– Primeira dose para gestantes e puérperas (mães que tiveram bebê até 45 dias) com 12 anos completos ou mais.

Segunda dose
– Segunda dose agendada;
– Repescagem de segunda dose de pessoas anteriormente convocadas;

Dose de reforço
– Repescagem de dose de reforço de pessoas anteriormente convocadas.

Locais de vacinação

Das 8h às 17h

1 – US Ouvidor Pardinho
Rua 24 de Maio, 807 – Praça Ouvidor Pardinho

2 – US Parigot de Souza
Rua João Eloy de Souza, 111 – Sítio Cercado

3 – Salvador Allende 
Rua Celeste Tortato Gabardo, 1712 – Sitio Cercado

4 – Nossa Senhora Aparecida
Rua Carlos Amoretty Osório, 169 – Sítio Cercado

5 – US Bairro Alto
Rua Jornalista Alceu Chichorro, 314 – Bairro Alto

6 – US Vila Diana
Rua René Descartes, 537 – Abranches

7 – US Tingui
Rua Nicolau Salomão, 671 – Tingui

8 – Fernando Noronha
Rua João Mequetti, 389 – Santa Cândida

9 – US Visitação
Rua Dr. Bley Zornig, 3136 – Boqueirão

10 – US Jardim Paranaense
Rua Pedro Nabosne 57 – Alto Boqueirão

11 – Menonitas
Rua Domicio da Costa, 52 – Xaxim 

12 – US Camargo
Rua Pedro Violani, 364 – Cajuru

13 – US Uberaba 
Rua Cap. Leônidas Marques, 1392 – Uberaba

14 – US Salgado Filho
Avenida Senador Salgado Filho, 5265 –  Uberaba

15 – US Iracema
Rua Professor Nivaldo Braga, 1571 – Capão da Imbuia

16 – US Cândido Portinari
Rua Durval Leopolpo Landal, 1529 –  Cidade Industrial

17 – US Oswaldo Cruz
Rua Pedro Gusso, 3749 – Cidade Industrial

18 – US Atenas
Rua Emilia Erichsen, 45 – Cidade Industrial

19 – US Vila Feliz
Rua Pedro Gusso, 866 – Novo Mundo

20 – US Aurora
Rua Theofhilo Mansur, 500 – Novo Mundo

21 – US Sagrado Coração
Rua Antônio Claudino, 375 – Pinheirinho

22 – US Vila Guaíra
Rua São Paulo, 1.495 – Guaíra

23 – US Santa Quitéria 2
Rua Bocaíuva, 310 – Santa Quitéria

24 – US Parolin
Rua Sergipe, 59 – Vila Guaíra

25 – US Santa Amélia
Rua Berta Klemtz, 215 – Fazendinha

26 – US Pinheiros
Rua Joanna Emma Dalpozzo Zardo, 370 – Santa Felicidade

27 – US Orleans
Avenida Vereador Toaldo Tulio, 4.577 – Orleans

28 – US Campina do Siqueira
Rua General Mário Tourinho, 1684 – Campina do Siqueira

29 – US Vista Alegre
Rua Miguel de Lazari, 85 Pilarzinho

30 – Rua da Cidadania do Tatuquara
Rua Olivardo Konoroski Bueno, s/n

Presidente diz que Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (26) que o Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown, ao comentar sobre a possibilidade da chegada de uma nova variante da covid-19, como está sendo cogitada com a cepa surgida na África do Sul e que tem se espalhado por outros países. Ele participou, nesta tarde, das comemorações do 76° Aniversário da Brigada de Infantaria Pára-quedista, no Rio de Janeiro.

“Tudo pode acontecer. Uma nova variante, um novo vírus. Temos que nos preparar. O Brasil, o mundo, não aguenta um novo lockdown. Vai condenar todo mundo à miséria e a miséria leva à morte também. Não adianta se apavorar. Encarar a realidade. O lockdown não foi uma medida apropriada. Em consequência da política do ‘fique em casa e a economia a gente vê depois’, a gente está vendo agora. Problemas estamos tendo”, disse Bolsonaro.

Sobre a possibilidade de fechar fronteiras, o presidente disse que não tomará nenhuma medida irracional. Também disse que não tem ingerência sobre a realização de festas de carnaval, que são afeitas aos níveis estaduais e municipais de governo.

“Eu vou tomar medidas racionais. Carnaval, por exemplo, eu não vou pro carnaval. A decisão cabe a governadores e prefeitos. Eu não tenho comando no combate à pandemia. A decisão foi dada, pelo STF, a governadores e prefeitos. Eu fiz a minha parte no ano passado e continuo fazendo. Recursos, material, pessoal, questões emergenciais, como oxigênio lá em Manaus”, disse.

Segundo ele, o Brasil é um dos países que melhor está saindo na economia na questão da pandemia. “Nós fizemos a nossa parte. Se o meu governo não tiver alternativas, todo mundo vai sofrer, sem exceção. Não vai ter rico, pobre, classe social. Temos certeza que dá para resolver esses problemas. Eleições são em outubro do ano que vem. Até lá, é arregaçar as mangas, trabalhar. Tem 210 milhões de pessoas no Brasil que, em grande parte, dependem das políticas adotadas pelo governo”, ressaltou.

Sobre a aprovação do projeto de lei que limita o pagamento dos precatórios –  dívidas públicas com ordem judicial de pagamento -, a maioria com muitos anos de atraso, Bolsonaro frisou que não prejudicará os mais pobres.

“Dívidas de até R$ 600 mil, nós vamos pagar. Nenhum pobre, que há 20, 30, 40 anos tem dinheiro para receber, vai ficar sem receber. Agora, quem tem para receber mais de R$ 600 mil, e só Deus sabe como aparece esse precatório, nós vamos parcelar isso daí”, disse.

Brigada Pára-quedista

O presidente participou das comemorações do 76° Aniversário da Brigada de Infantaria Pára-quedista, onde serviu quando estava no Exército. Devido ao cancelamento no ano passado, por causa da pandemia, este ano o evento envolveu duas turmas de jubilandos de 25 anos e duas de 50 anos.

A cerimônia contou com demonstrações de salto livre dos Cometas, a Equipe de Salto Livre do Exército e da Companhia de Precursores Pára-quedista, tropa de destaque dentro da Brigada. Também teve desfile da tropa de veteranos paraquedistas.

A Brigada de Infantaria Pára-quedista, tropa de elite com alto grau de operacionalidade, foi criada em 1945, tendo como origem a Escola de Pára-quedistas. Ao longo das últimas décadas, a Brigada conquistou a confiança e o respeito no país e na comunidade internacional, devido à participação em diversas operações de paz da Organização das Nações Unidas (ONU).

“Retornar a esta casa é uma emoção incomensurável. Por aqui passei por quatro anos. Me sinto aquele jovem tenente, que cheguei aqui em 1982, com muita vontade e muito amor para servir à nossa Pátria. Naquele tempo já pensava, vamos um dia não só saltar da rampa, vamos subir a rampa do Planalto Central. Chegamos à Presidência da República. Começamos a impor o ritmo da honestidade e do patriotismo. Problemas aconteceram ao longo dos últimos três anos, mas permanecemos firmes na vontade de acertar e fazer o melhor para a nossa pátria”, disse Bolsonaro, em seu discurso.