Investimento na Saúde em 2020 foi maior que nos últimos 10 anos

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, apresentou aos deputados estaduais o Relatório Detalhado do Quadrimestre Anterior (RDQA) do 3º Quadrimestre de 2020, nesta terça-feira (09). De acordo com o documento, o montante aplicado na área em 2020 superou o percentual de investimentos anuais registrados nos últimos 10 anos, chegando a 12,96% da Receita Líquida de impostos. Por lei, devem ser investidos, no mínimo, 12% do orçamento na saúde.

Foram mais de R$ 4 bilhões da receita estadual, mas o investimento ultrapassou R$ 6 bilhões, observadas todas as fontes, inclusive repasses federais. 

A audiência pública realizada pela Comissão de Saúde Pública da Assembleia Legislativa ocorreu no plenário da casa com transmissão pela internet e abordou diversos temas, além da Covid-19.

“Estamos em meio à pandemia do coronavírus em uma etapa em que os casos voltaram a crescer, e friso que trabalhamos fortemente para manter a população do Paraná assistida em todas as áreas da saúde”, afirmou o secretário Beto Preto.

Ele acrescentou que o Governo do Estado tem como prioridade a melhoria da saúde da população e a regionalização do atendimento. Na Atenção e Vigilância em Saúde, os cuidados primários impactam diretamente nas condições de qualidade de vida da sociedade. No caso da Taxa de Mortalidade Infantil e Fetal, por exemplo, a meta era a redução para 10,2 para cada 1.000 nascidos vivos e em 2020 o resultado foi de 9,5/1.000. 

“Em 30 anos é a primeira vez que esse índice fica com apenas um dígito. Consideramos ainda como dado preliminar, que pode ser melhor do que se apresentou, mas sentimos que nossas ações e estratégias estão tendo resultados positivos”, detalhou o diretor-geral da secretaria estadual da Saúde, Nestor Werner Junior.

“Vários dos nossos índices estão melhores e isso é fruto de um trabalho profundo e dedicado da Sesa e também das regionais e municípios”, afirmou Werner Junior.

De acordo com os dados apresentados, muitas metas foram atingidas, e novas estratégias estão sendo traçadas para que todas sejam integralmente cumpridas. “Muito do nosso planejamento foi alterado e ajustado por causa da pandemia da Covid-19. Exemplo disso é a expansão do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o Samu, que gostaríamos de ter ampliado para 92% a cobertura. Nesse momento não foi possível, mas vamos alcançar”, explicou Beto Preto.

COVID – O encontro serviu para os deputados esclareceram dúvidas quanto às ações e medidas relacionadas à Covid-19. Sobre os leitos, o diretor de Gestão em Saúde, Vinícius Filipak, explicou como funcionam a regulação, os internamentos e a fila de pacientes que aguardam leitos. 

“Estamos com mais de 5 mil pacientes internados entre Unidades de Terapia Intensiva e enfermaria por apenas uma patologia, a Covid-19. Os pacientes permanecem muito mais tempo internados do que nos casos de outras doenças e a situação da Covid é muito específica, precisa de isolamento pela transmissibilidade, de suporte respiratório, entre outros”, destacou o diretor.

Ele também esclareceu que nem todos os leitos podem ser convertidos para uso exclusivo Covid-19. “Temos leitos não Covid, e se faz necessário mantê-los porque outras patologias continuam matando e são imprevisíveis. As pessoas continuam tendo acidente vascular cerebral (AVC), continuam sofrendo paradas cardiorrespiratórias e também traumas”, acrescentou.

VACINAS – O secretário Beto Preto afirmou que o Governo do Estado está em constante negociação com laboratórios para uma possível aquisição de imunizantes. Entretanto, de acordo com ele, há uma série de condições para que o Estado possa de fato efetivar a compra.

“Nunca saiu do nosso radar a negociação com laboratórios. Porém, uma vez que exista o Programa Nacional de Imunização, com amplo alcance e histórico de êxito em campanhas para diversas doenças, não temos como comprar de forma individualizada ainda. Estamos nos articulando para que tenhamos vacinas pelo PNI ou com a aquisição do Estado.”

VOLTA ÀS AULAS – O retorno das aulas em modelo híbrido também foi abordado. A diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes, disse que a secretaria estadual publicou resoluções e notas orientativas para nortear e esclarecer dúvidas sobre as condutas a serem adotadas pelas instituições de ensino fundamental e médio. 

“Publicamos a Resolução 98/2021 que trata especificamente sobre medidas de prevenção e monitoramento para retorno de atividades escolares”, afirmou.

A volta às aulas é um tema debatido no Governo do Estado por meio de um comitê que envolve representantes de diversas secretarias que estudam as condições e a situação da pandemia.

PLANEJAMENTO – O planejamento da Saúde do Estado contempla os quatro anos de governo. As propostas são estruturadas em cinco diretrizes – são 35 objetivos que resultam em 126 metas e 220 ações. O Plano Estadual da Saúde (PES) é o condutor das ações da secretaria estadual.

RELATÓRIO – A Secretaria de Estado da Saúde atende a legislação vigente, apresentando a síntese dos principais destaques do Relatório Detalhado do Quadrimestre Anterior – RDQA, (setembro a dezembro de 2020) de acordo com a estrutura recomendada pela Resolução nº 459, de 10 de outubro de 2012, do Conselho Nacional de Saúde.

Sendo o último relatório de 2020, foi apresentado também um balanço das ações de enfrentamento à Covid. A secretaria reforça que os dados apresentados são preliminares e estão sujeitos a alterações e atualizações.

Informações AEN PR.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baleia rara de quase 20 metros é encontrada morta no Litoral do Paraná

Uma baleia-fin (Balaenoptera physalus) foi encontrada morta e em estado avançado de decomposição, na última terça-feira (21), na praia grande da Ilha do Mel, em Paranaguá, no Litoral do Paraná.

A baleia encontrada é um macho adulto e mede quase 20 metros. A equipe do Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC), via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), encaminhou duas equipes até a ilha para o registro do encalhe e coleta de materiais biológicos e avaliação da condição da carcaça. Segundo os biólogos, é a primeira vez que o encalhe de baleia-fin é registrado no Paraná.

Informações Banda B

Campina Grande do Sul ganha integração de transporte público com Curitiba

A vida de quem depende do transporte público para se locomover de Campina Grande do Sul a Curitiba passa a ficar mais fácil — e mais econômica — a partir de sábado (25). A rede de transporte do município passa a ser integrada à Capital a partir da linha Jardim Paulista – Fagundes Varela, que liga um dos bairros mais populosos da cidade à Linha Verde. A novidade é resultado de um novo convênio entre a Prefeitura de Curitiba e a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), que administra o transporte coletivo em 19 municípios.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior definiu a medida como uma grande conquista para os moradores de Campina Grande do Sul. “Essa era uma reivindicação de muitos anos da população e da prefeitura por ser um custo muito grande para o trabalhador que precisava vir para Curitiba e vice-versa”, explicou.

Com a integração, usuários que se deslocam entre os dois municípios passam a pagar apenas uma passagem para o trecho, reduzindo os custos pela metade. Na prática, a ida e volta chegava a R$ 18,50 por dia, considerando as passagens de R$ 4,75 em Campina Grande do Sul e de R$ 4,50 em Curitiba. O valor diário passa, agora, a R$ 9,25 — gerando uma economia de cerca de R$ 200 ao mês para quem faz o deslocamento diariamente.

“O usuário passa a pagar, em vez de duas, apenas uma passagem por trecho. Isso diminui 50% do custo, o que faz sobrar mais dinheiro para outras despesas do dia a dia. É uma parceria muito boa”, acrescentou Ratinho Junior.

Ele também ressaltou que a linha vai contribuir para o deslocamento até o Hospital Angelina Caron, localizado em Campina Grande do Sul. O hospital tem mais de 2 mil pessoas na equipe de funcionários. Além disso, cerca de 400 mil atendimentos são realizados por ano, sendo a instituição de saúde que mais faz transplantes de órgãos no Estado.

O prefeito do município, Bihl Zanetti, reforçou que a principal vantagem é a economia de cada cidadão. “Muitas pessoas que usam transporte público da cidade trabalham em Curitiba. Elas vão economizar praticamente 50% do que gastam hoje. Só na região do Jardim Paulista temos uma população de cerca de 30 mil habitantes, dos quais cerca de 5 mil usuários vão usufruir da oportunidade de acesso à integração”, detalhou.

TRAJETO  A linha N01 parte do Terminal Metropolitano Jardim Paulista e chega até a Estação Tubo Fagundes Varela, no Bairro Alto, em Curitiba. Do ponto final, o usuário tem a possibilidade de fazer outras conexões com os sistemas de transporte da Capital e dos outros municípios da Região Metropolitana.

A linha é alimentada com três ônibus, com intervalos de 20 minutos nos horários de pico. A estimativa é de atender, inicialmente, um público de mil pessoas por dia. Além de Campina Grande do Sul, moradores de outros municípios próximos, como Quatro Barras e Colombo, também poderão ser beneficiados. A linha percorre um trecho total de aproximadamente 12 quilômetros.

Gilson Santos, presidente da Comec, confirma as vantagens que vêm com a integração. “A partir do momento em que a gente integra uma nova cidade, outros municípios que estão em seu entorno, e que eventualmente utilizam o transporte coletivo metropolitano, passam a ter a possibilidade de utilizar essa integração. É um ganho para toda a região, e uma importância que se dá aos trabalhadores que dependem do sistema”, destacou.

ÔNIBUS MULTIMODAL – Uma das inovações da atual gestão da Comec que possibilita a integração são os modelos de ônibus multimodais. Eles são equipados com dois tipos de porta: ao lado direito, ao nível do piso e, do esquerdo, em plataforma, com portas elevadas que atendem as estações-tubo curitibanas.

Para compensar o espaço utilizado para as portas extras, o modelo multimodal é mais extenso que o veículo padrão: são 13,2 metros de comprimento, contra 12 metros do modelo comum. “Os ônibus multimodais são uma ação da Diretoria de Transporte da Comec, que desde o início desta gestão tem trabalhado para trazer inovação, mais novidades e ações prioritárias para o sistema”, destacou o presidente da Comec.

EXPANSÃO – Campina Grande do Sul era um dos cinco municípios que integram a Comec e não tinham uma ligação direta com Curitiba. Atualmente, dos 19 contemplados pela instituição, apenas Balsa Nova, Agudos do Sul, Quitandinha e Mandirituba não são integrados à Capital.