Índia detecta nova variante da Covid; França e Bélgica ampliam restrições

O Ministério da Saúde da Índia detectou uma “nova variante dupla mutante” do coronavírus que ainda não foi catalogada. O sequenciamento do genoma e a análise de amostras do Estado de Maharashtra, um dos mais afetados pela pandemia, encontraram mutações no vírus que não correspondem às previamente catalogadas (VOC), segundo o ministério indiano.

“Embora variantes preocupantes e uma nova variante dupla mutante tenham sido encontradas na Índia, elas não foram detectadas em número suficiente para estabelecer uma relação direta ou explicar o rápido aumento de casos em alguns Estados”, afirmou o órgão.

Nesta quarta-feira (24) a Índia suspendeu temporariamente todas as principais exportações da vacina da AstraZeneca contra a covid-19 produzida pelo Instituto Serum para atender à demanda doméstica ante o aumento das infecções. A mudança também afetará os suprimentos do consórcio Covax. Não houve exportação de vacina da Índia desde quinta-feira (18), mostra o site do Ministério das Relações Exteriores.

Na Europa, o governo da França anunciou a adoção de bloqueios em mais três regiões do país como forma de conter a disseminação da covid-19. Segundo o porta-voz do governo, Gabriel Attal, a maioria das empresas em Rhône, Auge e Nièvre devem fechar e os cidadãos devem permanecer em casa.

Dezesseis cidades, incluindo a região de Paris, já estão sob um terceiro bloqueio e o resto do país está sob um toque de recolher às 19h. No entanto, as escolas permanecem abertas e as pessoas não são obrigadas a preencher formulários para justificar viagens locais.

Na avaliação do presidente francês, Emmanuel Macron, as medidas não deveriam nem mesmo ser descritas como um bloqueio, com o governo as chamando de “terceira forma” de frear o vírus sem fechar o país. As novas restrições devem durar pelo menos quatro semanas.

Sobre a vacinação, o governo da França afirmou que acredita que a fabricante de medicamentos AstraZeneca não está honrando seu compromisso de fornecer ao bloco europeu, avaliou Attal. O porta-voz descreveu a situação como “completamente inaceitável”. A fala veio logo após a Comissão Europeia anunciar planos para um novo mecanismo de autorização de exportação que priorizará “reciprocidade e proporcionalidade” na decisão do bloco de exportar doses.

Na onda de novas medidas de restrição, a Bélgica decretou o fechamento de escolas, cabeleireiros e serviços não essenciais até 25 de abril, afirmou o jornal Le Soir. Enquanto isso, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, deve se reunir com líderes estaduais alemães hoje para discutir as medidas de bloqueio, após ter concordado em estender as restrições até 18 de abril. Na última atualização desta quarta-feira, o país reportou 15.813 novos casos e 248 mortes por covid-19.

A empresa francesa Novacyt afirmou que irá lançar, nesta semana, um teste capaz de detectar seis mutações da covid-19. Segundo a companhia, será possível identificar as cepas do Reino Unido, África do Sul, Brasil e Califórnia, bem como as mutações N501Y e E484K. O teste gera resultados em menos de duas horas, afirmou a Novacyt.

Já o presidente-executivo da Moderna, Stephane Bancel, disse que a empresa está desenvolvendo uma vacina contra a gripe sazonal e a covid-19 e que, se tiver sucesso, protegerá os receptores de ambas as doenças.

Segundo Bancel, o imunizante pode estar pronto daqui alguns anos, pois a vacina provavelmente estará sujeita ao processo de aprovação padrão, em vez das medidas pouco flexíveis que o órgão regulador americano, Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), adotou para acelerar as análises de dados para covid-19 durante a pandemia.

Já a Pfizer afirmou que iniciou testes em humanos do medicamento oral contra a covid-19, e que, se comprovado a eficácia, pode fornecer aos médicos outra ferramenta para tratar os pacientes.

Informações Estadão Conteúdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com Corujão, Paraná começa a vacinar população contra a Covid-19 também à noite

O Paraná iniciou nesta quinta-feira (15) a campanha Corujão da Vacinação, que estende o horário de aplicação das vacinas contra a Covid-19 até a meia-noite. A imunização com horário ampliado começou às 19 horas e foi realizada em 12 municípios: Campina Grande do Sul, Colombo, Cornélio Procópio, Jacarezinho, Londrina, Maringá, Morretes, Paranaguá, Pinhais, Piraquara, Pontal do Paraná e Quatro Barras. 

Foto: AEN PR

O chefe da Casa Civil, Guto Silva, e os secretários da Saúde, Beto Preto, e do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas, João Carlos Ortega, acompanharam o lançamento da campanha em Piraquara, no Complexo Vila da Cidadania, onde foram vacinados com a primeira dose idosos acima de 64 anos. 

Guto Silva reforçou que o Corujão da Vacinação se soma à campanha Vacina Paraná de Domingo a Domingo para agilizar a imunização no Estado. “O Corujão tem essa finalidade de poder estender o horário para facilitar a vida das pessoas. O Paraná tem pressa e com o apoio de prefeitos, de secretários municipais, montamos uma logística afinada para poder vacinar rapidamente grande parte da população”, disse Guto Silva. 

Para ele, além de dar novo ritmo ao programa de vacinação, o Corujão vai ajudar a reduzir o número de pessoas que deixam de tomar a segunda dose porque não podem ou não têm quem as acompanhe aos locais de vacinação durante o expediente. Dados do Ministério da Saúde divulgados no início da semana dão conta que 1,5 milhão de brasileiros estão nessa situação. 

MAIS VACINAS – Em Piraquara, o chefe da Casa Civil também informou o Governo aguarda para esta quinta a chegada de um novo lote de vacinas enviado pelo Ministério da Saúde, a maior parte destinada a primeiras doses. “Teremos um grande volume para vacinar no sábado e no domingo. O importante é deixar toda a logística ativa, as secretarias municipais prontas para receber e aplicar rapidamente na população do Paraná”, afirmou.  

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, confirmou que estão sendo aguardadas 368.050 vacinas, e que 61% são destinadas à primeira dose. “Em poucas horas vamos receber esse novo lote e amanhã faremos a distribuição para as Regionais de Saúde. Assim que chegarem aos municípios, as vacinas vão rapidamente para os braços dos paranaenses, seja durante a semana, no fim de semana ou à noite”, disse. 

Beto Preto afirmou que a capacidade vacinação do Paraná pode chegar a 200 mil doses por dia. “Temos as salas montadas, equipes municipais, agulhas, seringas. Só precisamos de mais vacinas. Toda a estrutura está pronta para vacinar até 200 mil paranaenses por dia”, afirmou. 

PANDEMIA – Quem também acompanhou o lançamento do Corujão da Vacinação em Piraquara foi o secretário estadual do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas, João Carlos Ortega, que definiu o Corujão como mais uma resposta do Governo para que o Paraná saia rápido da crise sanitária e da crise econômica causada por ela. 

“É uma medida inovadora do nosso governo, em parceria com as prefeituras, que vai acelerar a vacinação no Estado. E isso é muito importante, porque a vacina é o remédio para a pandemia”, afirmou Ortega. 

De acordo com o Vacinômetro da Secretaria de Estado da Saúde, 1.350.397 paranaenses receberam a primeira dose da vacina até o final da tarde desta quinta, o que representa cerca de 13% da população.  

ALTERNATIVA – Assim como em todas as regiões do Estado, a estratégia de vacinar de domingo a domingo acelerou o calendário de imunização em Piraquara e o prefeito Josimar Fróes acredita que o Corujão terá o mesmo efeito. “Piraquara é uma das cidades que mais avançou nas faixas etárias na Região Metropolitana nos últimos dias”, disse.  

No último domingo, o município começou a atender o público de 64 anos e já projeta alcançar faixas etárias menores na próxima semana, com a chegada de novas doses. 

“É um ato de bravura do Governo criar campanhas que flexibilizam dias e horários, dando mais oportunidade para que as pessoas se vacinem. O que todos buscam é a vacina, que é o respiro da vida nesse momento”, completou.

Vacinados contra a Covid-19 no Brasil chegam a 25,4 milhões; 12,02% da população

O número de pessoas vacinadas com ao menos uma dose contra a covid-19 no Brasil chegou nesta quinta-feira, 15, a 25.460 098, o equivalente a 12,02% da população total. Nas últimas 24 horas, 503.826 pessoas receberam a vacina, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa junto a secretarias de 25 Estados e Distrito Federal.

Do total, 8.558.567 receberam a segunda dose, o que representa 4,04% da população com a vacinação completa contra o novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, 436.725 pessoas receberam essa dose de reforço. Somando as vacinas de primeira e segunda dose aplicadas, o Brasil aplicou 940.551 imunizantes nesta quinta-feira.

Em termos proporcionais, o Rio Grande do Sul é o Estado que mais vacinou sua população até aqui: 16,64% dos habitantes receberam ao menos a primeira dose. A porcentagem mais baixa é encontrada no Amapá, onde 8,38% receberam a vacina. Em números absolutos, o maior número de vacinados com a primeira dose está em São Paulo (5,93 milhões), seguido por Minas Gerais (2,52 milhões) e Bahia (2 milhões).