Índia detecta nova variante da Covid; França e Bélgica ampliam restrições

O Ministério da Saúde da Índia detectou uma “nova variante dupla mutante” do coronavírus que ainda não foi catalogada. O sequenciamento do genoma e a análise de amostras do Estado de Maharashtra, um dos mais afetados pela pandemia, encontraram mutações no vírus que não correspondem às previamente catalogadas (VOC), segundo o ministério indiano.

“Embora variantes preocupantes e uma nova variante dupla mutante tenham sido encontradas na Índia, elas não foram detectadas em número suficiente para estabelecer uma relação direta ou explicar o rápido aumento de casos em alguns Estados”, afirmou o órgão.

Nesta quarta-feira (24) a Índia suspendeu temporariamente todas as principais exportações da vacina da AstraZeneca contra a covid-19 produzida pelo Instituto Serum para atender à demanda doméstica ante o aumento das infecções. A mudança também afetará os suprimentos do consórcio Covax. Não houve exportação de vacina da Índia desde quinta-feira (18), mostra o site do Ministério das Relações Exteriores.

Na Europa, o governo da França anunciou a adoção de bloqueios em mais três regiões do país como forma de conter a disseminação da covid-19. Segundo o porta-voz do governo, Gabriel Attal, a maioria das empresas em Rhône, Auge e Nièvre devem fechar e os cidadãos devem permanecer em casa.

Dezesseis cidades, incluindo a região de Paris, já estão sob um terceiro bloqueio e o resto do país está sob um toque de recolher às 19h. No entanto, as escolas permanecem abertas e as pessoas não são obrigadas a preencher formulários para justificar viagens locais.

Na avaliação do presidente francês, Emmanuel Macron, as medidas não deveriam nem mesmo ser descritas como um bloqueio, com o governo as chamando de “terceira forma” de frear o vírus sem fechar o país. As novas restrições devem durar pelo menos quatro semanas.

Sobre a vacinação, o governo da França afirmou que acredita que a fabricante de medicamentos AstraZeneca não está honrando seu compromisso de fornecer ao bloco europeu, avaliou Attal. O porta-voz descreveu a situação como “completamente inaceitável”. A fala veio logo após a Comissão Europeia anunciar planos para um novo mecanismo de autorização de exportação que priorizará “reciprocidade e proporcionalidade” na decisão do bloco de exportar doses.

Na onda de novas medidas de restrição, a Bélgica decretou o fechamento de escolas, cabeleireiros e serviços não essenciais até 25 de abril, afirmou o jornal Le Soir. Enquanto isso, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, deve se reunir com líderes estaduais alemães hoje para discutir as medidas de bloqueio, após ter concordado em estender as restrições até 18 de abril. Na última atualização desta quarta-feira, o país reportou 15.813 novos casos e 248 mortes por covid-19.

A empresa francesa Novacyt afirmou que irá lançar, nesta semana, um teste capaz de detectar seis mutações da covid-19. Segundo a companhia, será possível identificar as cepas do Reino Unido, África do Sul, Brasil e Califórnia, bem como as mutações N501Y e E484K. O teste gera resultados em menos de duas horas, afirmou a Novacyt.

Já o presidente-executivo da Moderna, Stephane Bancel, disse que a empresa está desenvolvendo uma vacina contra a gripe sazonal e a covid-19 e que, se tiver sucesso, protegerá os receptores de ambas as doenças.

Segundo Bancel, o imunizante pode estar pronto daqui alguns anos, pois a vacina provavelmente estará sujeita ao processo de aprovação padrão, em vez das medidas pouco flexíveis que o órgão regulador americano, Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), adotou para acelerar as análises de dados para covid-19 durante a pandemia.

Já a Pfizer afirmou que iniciou testes em humanos do medicamento oral contra a covid-19, e que, se comprovado a eficácia, pode fornecer aos médicos outra ferramenta para tratar os pacientes.

Informações Estadão Conteúdo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com Ômicron, Paraná vai aguardar e manter obrigatoriedade do uso da máscara

Com o monitoramento de seis passageiros, que estavam no mesmo voo do brasileiro que veio da África do Sul e testou positivo para Covid-19, o governador Ratinho Junior anunciou nesta terça-feira (30) que o Paraná vai manter a obrigatoriedade do uso das máscaras. A informação foi confirmada em entrevista concedida ao Meio Dia Paraná, da RPC TV.

Segundo o governador, o estado precisa monitorar a variante e agir com cautela neste fim de ano. “Esse é o presente de Natal que gostaríamos de dar para toda a população do Paraná, ter a diminuição de restrições. Mas, em especial na saúde,  temos que tomar decisões com muita cautela e agora precisamos ver como será a resposta com a variante”, disse.

Na segunda-feira (29), a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que monitora seis passageiros que desembarcaram no Paraná e estavam no mesmo voo do brasileiro que veio da África do Sul e testou positivo para Covid-19, podendo estar com a variante Ômicron.

De acordo com Ratinho Junior, o Paraná vai aguardar para tomar a melhor decisão possível. “A população, de forma voluntária, já tem tido uma atitude responsável de, mesmo ao ar livre, usar máscara. E queremos ter uma análise bem criteriosa para, quando tirar, tirar a máscara com muita confiança”, explicou.

Coronavírus

Até o momento, os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.572.312 casos confirmados e 40.563 mortos pela doença.

Informações Banda B

Para conter nova variante, Curitiba orienta quarentena e quer testar viajantes do exterior

Como plano para conter o avanço da nova variante Ômicron, Curitiba quer testar contra a Covid-19 o maior número possível de pessoas vindas do exterior. A informação foi confirmada pela secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, em entrevista concedida à Banda B nesta segunda-feira (29).

Segundo ela, o trabalho de monitoramento feito agora é o mesmo adotado pela cidade desde o início da pandemia, mas que ganha reforço com a identificação da variante Ômicron.

“Desde que tivemos o alerta da pandemia em março de 2020, a gente já montou todo um esquema e protocolos, que são bastante conhecidos pela população. Mesmo com a queda de casos, a gente insiste na testagem. Temos coletado de todas as pessoas que nos procuram, incluindo aquelas sem sintomas, mas que tiveram contato com infectados. Com o anúncio da nova variante, a orientação que fazemos para os viajantes que chegam a Curitiba, não só do Sul da África, mas de todos os países, é que façam quarentena usando máscara e nos procurem para testar”, disse a secretária.

O protocolo, porém, também trata dos países do Sul da África com a identificação da Ômicron. Segundo Huçulak, o alerta feito a todos os viajantes é que entrem em contato pela central (41) 3350-9000. “Desses países, especialmente do sul do continente africano, nós vamos testar independentemente de sintomas ou não, para a gente acompanhar bem de perto a situação da pandemia”, disse.

Também nesta segunda-feira (29), a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que monitora seis passageiros que desembarcaram no Paraná e estavam no mesmo voo do brasileiro que veio da África do Sul e testou positivo para Covid-19, podendo estar com a variante ômicron.

Novas variantes

Para evitar novas variantes, porém, Huçulak lembra da necessidade de cuidados. “O uso de máscara, o distanciamento social, ventilar os ambientes e a higienização constante das mãos são medidas fundamentais. Só a vacina não dá conta do vírus e essa variante está mostrando isso, a Europa está mostrando isso para nós. É uma variante que pode ter surgido em qualquer lugar e levada por conta das viagens que as pessoas fazem”, concluiu.

Informações Banda B