Hospital da RMC oferece tratamento gratuito a pacientes que passaram por amputações

Voltado para pacientes que passaram por amputações causadas por acidentes, doenças ou operações em tratamentos de câncer, o Centro de Reabilitação do Hospital Angelina Caron (HAC), localizado em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, está com agendamentos abertos e sem fila de espera. A unidade reúne uma equipe multidisciplinar e oferece tratamentos gratuitos para o paciente por meio do Pronas (Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência). O Centro tem capacidade de realizar 4,8 mil atendimentos neste primeiro semestre.

De acordo com a assessoria do hospital, são atendidas pessoas que já colocaram prótese ou que ainda irão colocar. Ainda, o Centro não oferece a prótese, mas auxilia na reabilitação do amputado. “Temos pacientes com amputações ligadas a doenças vasculares, como diabetes, e acidentados em motocicletas, a segunda maior causa. Também atuamos na orientação e reabilitação de pacientes da oncologia, pois alguns casos de mastectomia (remoção da mama) podem gerar sequelas de movimentação no braço. Cada caso é avaliado individualmente, para a definição das sessões e dos profissionais necessários”, explica o médico ortopedista Ivan Kuhn.

Ambiente doméstico simulado

O Centro de Reabilitação tem profissionais especializados em ortopedia, fisioterapia, terapia ocupacional, enfermagem e assistência social. A estrutura física para receber e tratar os pacientes inclui um ambiente doméstico que imita a cozinha e o banheiro de uma residência, com direito a mobiliário com fogão, geladeira, chuveiro, pia e vaso sanitário. Os pacientes aprendem a reconhecer e a prevenir os riscos de acidentes domésticos, além de se adaptar nesses espaços à sua nova condição.

“Para que o processo de reabilitação seja melhor, o ideal é que o tratamento comece o quanto antes, logo após a amputação, para que não haja rigidez articular pelo excesso de tempo em cadeira de rodas, por exemplo. Além disso, esse trabalho auxilia na preparação do coto para receber a prótese. O paciente precisa se dedicar com afinco nas primeiras semanas, e seguir as orientações da equipe médica, fisioterápica e de terapia ocupacional. Existem pessoas que acham que basta usar uma prótese e sair andando, mas o processo é mais delicado e requer preparo, retomada das articulações e força muscular, cuidado com as lesões, além dos aspectos psicológicos”, orienta Kuhn, reforçando que o projeto não oferece próteses aos pacientes.

O taxista Edson Luiz Coradin, de 60 anos, passou por uma amputação transfemural (acima do joelho) da perna esquerda, causada por uma trombose, que o impedia de voltar a dirigir mesmo com prótese. “Fui um dos primeiros pacientes. A amputação era recente, o que ajudou bastante na recuperação e na parte do equilíbrio. Hoje não sinto mais dor e já consigo trabalhar normalmente”, conta o morador de Colombo.

Para Matheus Maruan Rocha, de 20 anos, que perdeu os dedos da mão direita num acidente de trabalho, começar as sessões o quanto antes foi fundamental para seu tratamento. “Fiquei três semanas de cama e precisava de terapia ocupacional, pois não conseguia levantar e caminhar. Comecei os atendimentos em 11 de janeiro. A terapia ocupacional me ajuda a recuperar o lado sensorial da mão, e a fisioterapia auxilia na força muscular. Hoje já estou muito melhor, faço mais movimentos, meu polegar está mexendo bem, não sinto mais dor e recuperei a sensibilidade na mão”, relata o jovem de Porto União, que espera voltar ao trabalho na metade do ano.

Critérios de triagem

Podem agendar uma avaliação gratuita pessoas que passaram por qualquer tipo de amputação, recente ou antiga, e tenham mais de 12 anos. “Todo paciente merece ser avaliado e passar por uma orientação com nossa equipe, mesmo que esteja bem. É válido também para seus familiares e oferecemos oficinas terapêuticas. Reforçamos que o resultado é melhor quando o atendimento é precoce”.

Os interessados podem agendar consultas diretamente no Centro de Reabilitação. O local atende ainda pacientes encaminhados por UBS (Unidade Básica de Saúde) das 1ª e 2ª Regionais do Paraná, enquanto aguarda na fila da UBS para prótese. As cidades abrangidas pela 1ª e 2ª regionais são: Antonina, Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes, Paranaguá, Pontal do Paraná, Adrianópolis, Agudos Do Sul, Almirante Tamandaré, Araucária, Balsa Nova Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul, Campo do Tenente, Campo Largo, Campo Magro, Cerro Azul, Colombo, Contenda, Curitiba, Doutor Ulysses, Fazenda Rio Grande, Itaperuçu, Lapa, Mandirituba, Piên, Pinhais, Piraquara, Quatro Barras, Quitandinha, Rio Branco Do Sul, Rio Negro, São José dos Pinhais, Tijucas do Sul e Tunas do Paraná.

Serviço

Hospital Angelina Caron: Centro de Reabilitação (para pacientes amputados)
Agendamento e informações: De segunda a sexta, das 9h às 17h
Atendimentos: De segunda a sexta, das 7h às 19h
Agendamento pelos telefones (41) 3513-3950 e 3513-3989 ou presencialmente no Centro (atendimento das 7h às 17h)

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deputados aprovam projeto que pode reduzir em até 20% o preço do gás de cozinha no Paraná

A Assembleia Legislativa do Paraná aprovou na sessão plenária desta segunda-feira (7) a proposta que pode reduzir o preço do gás de cozinha em até 20%. O projeto de lei 188/2021, assinado pelos deputados Ademar Traiano (PSDB), Delegado Francischini (PSL) e Hussein Bakri (PSD), que permite ao consumidor efetuar a compra do gás de cozinha de qualquer marca, independente daquela estampada no botijão, passou em primeiro turno de votação.

O texto estabelece que, em todo o estado do Paraná, o titular da marca inscrita em vasilhame ou embalagem reutilizável, não poderá impedir a livre circulação do produto ou reutilização do recipiente, ainda que por empresa concorrente, ou criar, por meio de marca, vínculo artificial com o consumidor de maneira a impedir a plena liberdade de adquirir produto de sua escolha.

Os autores destacam na justificativa da proposta que hoje, no país, existem aproximadamente 150 milhões de botijões de posse das revendedoras ou dos consumidores, e que mesmo que cidadão possua o botijão, este não pode enchê-lo, por exemplo, na empresa que tenha o menor preço, pois as maiores distribuidoras se protegem através da marca estampada no botijão, dificultando a entrada de novas empresas distribuidoras no mercado e consequentemente, diminuindo a livre concorrência, a qual poderia promover a redução do preço do botijão e do GLP para a população.

O objetivo do projeto, segundo os autores é permitir a opção de escolha do consumidor pela marca mais barata e não obrigar a adquirir o produto da marca estampada do botijão, que poderá ser mais caro. Ainda segundo a matéria, a medida poderá promover uma redução entre 15 e 20% no preço final ao consumidor.

“Com esse projeto estamos democratizando o atendimento daqueles que precisam de um bujão de gás, que hoje está concentrado na mão de poucas empresas credenciadas. Queremos oportunizar a possibilidade de que outras pequenas empresas possam fazer essa distribuição e atender aos consumidores”, afirmou Traiano. “É uma proteção ao consumidor. Vai ter uma repercussão enorme no preço na ponta a partir do momento que vamos estimular a concorrência e o proprietário do botijão puder escolher onde trocar”, reforçou Francischini. “A medida também é importante para conter o aumento descontrolado dos preços de produtos essenciais aos paranaenses em meio à pandemia”, concluiu Bakri.

.

Trem que opera na serra do Mar ganha vagões especiais e de luxo

Ao viajar de trem, muitos turistas preferem entrar na história. Mas há os que preferem viajar em vagões mais novos ou temáticos. Para esses, a rota ferroviária entre Curitiba e Morretes, na serra do Mar paranaense, é uma boa opção a ser considerada, por atender os mais variados gostos – e bolsos.

A rota oferece os carros de passageiros convencionais, mas também vagões temáticos e até mesmo específicos para viagens com pets.

Os mais recentes a entrar em funcionamento são o carro desenvolvido para as viagens com animais de estimação e o que homenageia Ildefonso Pereira Correia (1849-1894), o Barão do Serro Azul, que foi o maior produtor de erva-mate do mundo e que foi morto durante a Revolução Federalista na ferrovia Paranaguá – Curitiba. Ambos são qualificados como “vagões boutique”.

O “carro do Barão”, como passou a ser chamado, tem uma varanda panorâmica de seis metros quadrados, em que é possível ao visitante sentir a natureza paranaense ainda mais de perto. Por suas características, é o último vagão da composição e também abriga menos passageiros que os carros convencionais: apenas 32.

Fabricado originalmente em 1954, o carro foi comprado pela Serra Verde Express, empresa que administra a rota ferroviária, num leilão em Vitória (ES). A reforma e transformação em vagão panorâmico custou R$ 530 mil.

Outro carro especial é o Imperial, com mesas de madeira (quadradas e redondas) que comportam quatro pessoas. Produzido com decoração refinada, foi inspirado nos anos 30, mais especificamente nos vagões-restaurante daquela década.

O Bove é o vagão destinado aos pets. Tem janelas panorâmicas e uma varanda central que acomoda até quatro pessoas.

O projeto envolveu o desenvolvimento de uma estrutura que permite que os animais fiquem fora das caixas de transporte na viagem, além de terem poltronas exclusivas. O vagão comporta 28 pessoas e possui 8 poltronas pets. Os animais de pequeno e médio portes podem viajar no colo dos passageiros e têm circulação livre pelo vagão, além de serviço de bordo, com um kit lanche especial.

O desenvolvimento desse carro, cujos assentos têm tecido impermeável, custou R$ 205 mil. Além desses, há os carros de primeira classe batizados de Foz do Iguaçu, Copacabana (ambos com estilo neoclássico) e Curitiba, com símbolos que remetem à capital do Paraná.

São litorinas (automotrizes, que operam com um carro somente) e, por terem ar condicionado e janelas fechadas, não têm sido utilizadas em tempos de pandemia.

Os bilhetes custam a partir de R$ 135 (carros convencionais). Os chamados carros boutique têm passagens a partir de R$ 240, enquanto na litorina custam R$ 270. O trem opera de sexta-feira a domingo.

Há, ainda, vagões das categorias standard (ar condicionado e poltronas estofadas), turística (assento duplo) e econômico.

Além da rota ferroviária entre Curitiba e Morretes, há outra ligando Morretes a Antonina, esta operada pela ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária) e que busca na restauração de seus carros de passageiros deixá-los exatamente como eram no passado. A composição é tracionada por uma locomotiva fabricada em 1884.


Curitiba a Morretes (PR)
Duração: quatro horas e 15 minutos
Trecho percorrido: 70 km
Preços: a partir de R$ 135
Atrações: trecho de mata atlântica e cachoeiras

Informações Banda B