HC espera aplicar 1,4 mil doses de vacina chinesa em voluntários até o fim do mês

A meta inicial da pesquisa era contemplar 852 voluntários no Complexo, porém serão incluídos mais 548 novos

O centro de estudos do Complexo Hospital de Clínicas (CHC) da UFPR é um dos mais avançados na testagem dos voluntários para o estudo da vacina chinesa contra a Covid-19, do laboratório chinês Sinovac Biotech.

A meta inicial da pesquisa era contemplar 852 voluntários no Complexo, porém serão incluídos mais 548 novos testes até o final de setembro, totalizando 1400 profissionais de saúde.

O CHC recebeu as doses do Instituto Butantan após um acordo de parceria técnico-cientifica assinado no mês de julho. O Complexo é uma das 12 instituições brasileiras que são responsáveis pelos testes.

De acordo com a pesquisadora Débora Carla Chong e Silva, até aqui os estudos não têm demonstrado eventos adversos graves. Os registros contemplam apenas efeitos como dor local leve e dor de cabeça, o que pode ser considerado normal em testes semelhantes. O médico do serviço de Infectologia, Giovanni Breda, reforça que são eventos menores, leves e muitos já esperados.

Para que o estudo ocorra, Débora destaca a importância da permanência dos voluntários, que precisam seguir com rigor o protocolo, comparecer às consultas e realizar todos os exames, para que cada resultado seja avaliado. “Com os resultados em mãos, o caminho para obter a vacina já é um pouco menor“, ressalta a pesquisadora.

Os interessados em voluntariar-se para a pesquisa deverão entrar em contato com sinovac@hc.ufpr.br. Apenas profissionais da saúde podem se voluntariar.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Secretário da Saúde alerta para alta dos números da Covid-19 nos últimos 3 dias no Paraná: “A pandemia não acabou”

O boletim da Covid-19 desta quarta-feira (21) mostrou que o estado passou de 200 mil infectados e que o número de mortes se aproxima de 5 mil

O secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, afirmou nesta quarta-feira (21) que um aumento no número de casos e mortes por coronavírus foi registrado nos últimos três dias no estado. Ele ressaltou a importância da população continuar com as medidas de prevenção contra o vírus.

“Nos últimos três dias, começamos a detectar uma nova alta no número de casos confirmados e também de óbitos de paranaenses que estão internados nos hospitais. Quero chamar a atenção para isso: a pandemia não acabou”, disse Beto Preto.

O boletim da Covid-19 desta quarta-feira mostrou que o estado passou de 200 mil infectados e que o número de mortes se aproxima de 5 mil.

De acordo com o secretário, o Paraná ficou dois meses com a curva de casos de Covid-19 em um patamar “muito elevado”, mas ela vem baixando. Em comparação há 15 dias atrás, o número de casos e mortes pela doença teria caído em até 30%.

Beto Preto destacou ainda que o Paraná é o segundo estado, entre todos do país, que mais aplicou testes RT-PCR. “São 220 dias da pandemia do coronavírus aqui no Paraná. Em 220 dias, já chegamos a quase 800 mil testes RT-PCR realizados. Chegamos aqui com menos perdas de vidas humanas do que outros estados, mas mesmo assim existem cidades inteiras enlutadas pela perda de muitos paranaenses. Para que essa dor não aumente ainda mais, vamos continuar nos cuidando”, concluiu o secretário.

Boletim

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira mais 1.168 casos confirmados e 35 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. As novas vítimas são 17 mulheres e 18 homens, com idades que variam de 40 a 113 anos.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 200.952 casos e 4.986 mortos em decorrência da doença.

Informações Banda B.

Bolsonaro fala em traição e afirma que vacina chinesa ‘NÃO SERÁ COMPRADA’

O Ministério da Saúde assinou um protocolo de intenções para adquirir 46 milhões de doses da Coronavac

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 21, que a vacina contra o novo coronavírus produzida na China “não será comprada” pelo governo brasileiro. A mensagem foi publicada no Facebook, em resposta a um comentário crítico ao anúncio do Ministério da Saúde de que tem a intenção de adquirir 46 milhões de doses da Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que será produzida pelo Instituto Butantan, de São Paulo.

“Presidente, a China é uma ditadura, não compre essa vacina, por favor. Eu só tenho 17 anos e quero ter um futuro, mas sem interferência da Ditadura chinesa”, comentou um usuário. O presidente respondeu: “NÃO SERÁ COMPRADA”, em caixa alta.

Outra usuária que disse para o presidente exonerar o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, “urgente” porque ele estaria sendo cabo eleitoral do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), Bolsonaro respondeu que “tudo será esclarecido hoje”. “NÃO COMPRAREMOS A VACINA DA CHINA”, voltou a dizer em caixa alta.

Na terça-feira, o Ministério da Saúde assinou um protocolo de intenções para adquirir 46 milhões de doses da Coronavac. O acordo foi fechado durante reunião do ministro Pazuello com governadores. “A vacina do Butantan será a vacina do Brasil”, disse Pazuello, ao anunciar o acordo, depois de atritos com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ex-aliado.

A outro usuário que disse que Pazuello os traiu ao comprar a vacina chinesa e disse que o presidente “se enganou mais uma vez”, Bolsonaro afirmou que “qualquer coisa publicada, sem qualquer comprovação, vira TRAIÇÃO”.

Informações Banda B.