Guaratuba libera calçadão da orla aos finais de semana e esportes coletivos em novo decreto

A Prefeitura de Guaratuba, no Litoral do Paraná, publicou um novo decreto que flexibiliza algumas restrições para a retomada gradativa das atividades. Entre as mudanças está a liberação do acesso ao calçadão da orla aos finais de semana e feriados e a prática de esportes coletivos. As regras entraram em vigor nesta quinta-feira (1).

A liberação do acesso ao calçadão da orla aos finais de semana e feriados tem como fim atividades físicas – caminhadas, sem aglomeração e com uso de máscaras. Permanece proibido o acesso à faixa de areia e à água a partir das 18h de sexta-feira, sábado, domingo e feriados. Areia e água estão liberadas de segunda-feira até as 18h de sexta.

Hotéis, pousadas e similares passam a poder ocupar, nos finais de semana e feriados, 70% de sua capacidade, voltando a 30% nos dias de semana e mantendo a obrigação de quarentena de 72 horas nos quartos após serem desocupados.

Esportes coletivos como basquetebol, voleibol, handebol, futebol de campo ou de salão nas quadras particulares também estão permitidos sob regras estritas.

As medidas levam em consideração que a taxa de transmissão da Covid nos últimos 14 dias tem se mantido inferior a 1, segundo dados da 1ª Regional de Saúde, indicando desaceleração do número de casos e com tendência de queda. Também considera que o fato de a taxa de ocupação dos leitos na Unidade Municipal de atendimento à Covid-19 vem se mantendo abaixo de 32% e que as medidas adotadas estão sendo atendidas pelo comércio e a população em geral.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Governo diz que construção de uma ponte ligando Matinhos a Guaratuba é uma alternativa sustentável e mais segura

A construção de uma ponte ligando Matinhos a Guaratuba é a alternativa mais sustentável para suportar o volume de trânsito e dar mais segurança a quem circula entre as duas cidades. Um dos efeitos é a desativação das balsas utilizadas pela travessia, reduzindo riscos hoje existentes.

O secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, ressalta a necessidade de oferecer novas condições para o trânsito de cargas perigosas e ressalta que o sistema atual já oferece dois grandes impactos ambientais. “A emissão atmosférica da própria balsa e dos carros parados já gera um impacto. Outro problema é o risco de derramamento de combustível, que é maior conforme o tamanho das embarcações e o volume de trânsito pelo mar”, disse.

Nunes sustenta que a ponte pode evitar danos ambientais e que o trabalho de viabilização das obras une técnicos das secretarias estaduais do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (SEDEST) e da Infraestrutura e Logística (SEIL), que têm trabalhado fortemente para assegurar a construção da ponte com todos os cuidados necessários ao meio ambiente.

Com a finalização dos Estudos de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental (EVTEA), em 2019, foram propostas alternativas para o traçado da ponte. Segundo Márcio Nunes, o traçado deverá ser definido com base na alternativa que cause menos impacto ambiental, o que pode incluir, por exemplo, a construção de um túnel no trecho final.

A extensão da ponte está estimada em pouco mais de 800 metros, com início na região da Prainha, no lado Norte da travessia, e término no lado Sul, na Praia de Caieiras, no perímetro urbano de Guaratuba. O túnel, com 260 metros de extensão, ligaria o trecho final até uma área próxima às instalações de manutenção do ferry-boat.

INTERESSE – O Governo do Estado publicou neste mês um novo aviso de Manifestação de Interesse, convocando empresas especializadas para a elaboração conjunta de novos estudos ambientais e do anteprojeto da Ponte de Guaratuba. O processo fica aberto até o próximo dia 23 de outubro.

Entre as exigências para participar do certame está a apresentação de uma relação de trabalhos similares já desenvolvidos. Os documentos devem ser entregues ao Departamento de Estrada de Rodagem (DER/PR), órgão vinculado à Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística, que está à frente do processo.

A opção por contratar um consórcio de empresas único para a elaboração dos estudos ambientais e dos projetos de engenharia garante maior entrosamento entre as diferentes equipes. O objetivo é de obter a melhor solução, tanto do ponto de vista ambiental, quanto técnico e econômico.

O secretário de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, diz que a construção da ponte na baía de Guaratuba é um importante marco para a modernização do Litoral paranaense. “Há décadas se discutia a construção da ponte, mas só agora estamos conseguindo avançar com esse empreendimento”, destacou.

VAZAMENTO – Na última quinta-feira, uma mancha, aparentemente de óleo diesel, foi vista na Baía de Guaratuba. Técnicos do Instituto Água e Terra (IAT) vistoriaram o local e informaram que o produto foi dispersado pela maré e que o incidente não ocasionou a mortandade de peixes e impactos significativos. Casos como este, contudo, podem apresentar maior gravidade.

Informações AEN.

Em três dias, mais de 100 animais marinhos são encontrados mortos ou debilitados em praias do Paraná

Durante a última semana ventos fortes chegaram ao litoral paranaense e com estes muitos encalhes de fauna marinha

A equipe do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) encontrou mais de 100 animais mortos ou debilitados que estavam no mar e encalharam na costa do litoral do Paraná. Os registros foram feitos do dia 9 de outubro ao dia 12, incluindo aves, tartarugas e mamíferos marinhos.

Durante a última semana ventos fortes chegaram ao litoral paranaense e com estes muitos encalhes de fauna marinha. Conforme relatou a coordenadora do Laboratório de Ecologia e Conservação da UFPR (Universidade Federal do Paraná), Dra Camila Domit: “Os acionamentos realizados pelos usuários das praias intensificaram devido ao movimento no litoral durante o feriado, mas é importante ressaltar que o registro de encalhes já estava mais alto ao longo desta semana em nossa região”.

(Foto: Reprodução/Facebook LEC – Laboratório de Ecologia e Conservação)

Conforme relatado pela pesquisadora, além de uma quantidade grande de animais, os encalhes também foram bastante diversos ao longo da semana, incluindo aves migratórias vindas do hemisfério norte, como o bobo-pequeno (Puffinus puffinus), migratória do hemisfério sul, como o pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus), e mesmo o registro das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem na costa brasileira: tartaruga-verde, tartaruga-cabeçuda, tartaruga-oliva, tartaruga-de-pente e tartaruga-de-couro.

A equipe do PMP-BS na UFPR esteve bastante atarefada em meio a monitoramentos, resgates, necropsias, coletas de amostras e muitas outras ações que são essenciais para garantir que todos os animais sejam registrados, atendimentos e avaliados, gerando bem estar e uma chance de reabilitação aos animais registrados vivos, ou mesmo obtendo o melhor conhecimento sobre a saúde do oceano e sua biodiversidade por meio das carcaças encontradas mortas.

Para que os resultados do projeto e a sua contribuição para a gestão e conservação da fauna marinha sejam ainda melhores, a contribuição da sociedade por meio dos acionamentos é muito importante: 08006423341.

Informações Banda B.