Gás de cozinha segue em alta duas semanas após reajuste pela Petrobras

O preço do gás de cozinha subiu novamente na semana passada, depois de já ter sido elevado na primeira semana de abril por conta de um reajuste da Petrobras. De 11 a 17 de abril, o preço médio do produto teve alta de 1,4%, para R$ 85,26 o botijão de GLP 13 Kg, contra R$ 84,03 uma semana antes.

Na região Centro-Oeste, onde o preço é mais alto, o botijão registrou valor máximo de R$ 115,00, enquanto na região Sudeste, onde é mais baixo, ficou em média R$ 65,99.

O último ajuste do GLP 13 Kg foi anunciado pela Petrobras no dia 1º de abril, da ordem de 5% em relação ao preço anterior.

Os movimentos no preço do produto pela estatal têm sido mensais, ao contrário dos demais combustíveis, que acompanham mais de perto as oscilações do petróleo e derivados no mercado internacional.

Por este motivo, a gasolina e o diesel baixaram de preço na semana passada, em 0,3% e 0,6%, respectivamente, refletindo a queda sofrida pelo petróleo, mas que já está sendo recuperada. Segundo dados da ANP, o preço médio da gasolina de 11 a 17 de abril era de R$ 5,427 o litro, enquanto o diesel era comercializado em média a R$ 4,184 o litro.

Os dois combustíveis foram reajustados pela Petrobras na quinta-feira, 15, em 1,9% a gasolina e em 3,7% o diesel.

Nesta segunda-feira, os contratos futuros de petróleo subiam no mercado externo, impulsionados pela queda do dólar no exterior, voltando a ensaiar preço próximo a US$ 70 o barril.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dona da Sadia, Perdigão e Qualy anuncia investimento de R$ 292 milhões no Paraná

A empresa de alimentos BRF anunciou nesta terça-feira (4) um investimento de R$ 292 milhões para ampliação das suas unidades no Paraná. O valor deve ser aplicado até 2022 e abrange as unidades industriais de Toledo, Ponta Grossa, Dois Vizinhos, Francisco Beltrão, Carambeí e Paranaguá. O anúncio foi feito durante reunião do governador Carlos Massa Ratinho Junior com o CEO da BRF, Lorival Luz.

“Para nós é motivo de muito orgulho ter a BRF no Paraná, uma empresa que vem ao encontro da vocação do nosso Estado, que é produzir alimentos”, disse o governador. “Essa vocação é extremamente importante para a sobrevivência do planeta, e nós queremos cada vez mais avançar tecnicamente e facilitar a vida de quem produz alimento e o faz de forma sustentável”.

Lorival Luz reforçou a relevância do Paraná para a empresa como um todo. “Geramos 18,5 mil empregos diretos e contamos com cerca de 2 mil produtores integrados. Queremos proporcionar a geração de mais oportunidades, avançando na nossa agenda de crescimento e seguindo nosso propósito de levar vida melhor a todos com integridade, segurança e qualidade”, afirmou o CEO da empresa.

Produção de perus

Entre os investimentos anunciados pela empresa está a retomada da produção de perus na unidade de Francisco Beltrão, na região Sudoeste, que deve gerar mais de 400 empregos diretos. A modernização e ampliação da planta – que, hoje, é voltada principalmente à produção de frangos – inclui a integração de mais 200 aviários, além de investimentos na fábrica de rações e no incubatório.

O início da produção está previsto para novembro. A estimativa é produzir 7,5 mil aves por dia na unidade, a partir do segundo trimestre de 2022. A planta recebeu uma autorização para exportar a proteína ao México. A habilitação, concedida em março, foi viabilizada por meio de uma auditoria, realizada por na fábrica via videoconferência por autoridades do governo mexicano, que inspecionaram todas as etapas de produção da ave.

“Ficamos felizes com essa notícia porque voltamos a ter essa alternativa na produção de proteínas no Paraná voltada não apenas para consumo interno, mas também visando o mercado externo. Isso permite que agricultores tenham nova fonte de renda e que o Estado, como economia, tenha a produção de mais uma proteína diferenciada”, endossou Norberto Ortigara, secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento.

Empresa

A BRF é uma das maiores produtoras de alimentos do mundo, abarcando marcas como Sadia, Perdigão e Qualy. Presente em mais de 130 países, possui mais de 100 mil colaboradores diretos.

No Paraná, além das seis unidades industriais e do centro administrativo, a empresa também possui um Centro de Distribuição em Londrina. Entre os produtos fabricados no Estado estão cortes de frangos (como peito, coração, coxa e sobrecoxa, steak e nuggets), de suínos (linguiça, apresuntado, bacon), margarinas, lasanhas, tortas, pizzas e sobremesas.

PRESENÇAS – Compareceram à reunião o vice-governador Darci Piana; o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex; o secretário estadual de Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, e o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin.

Preço médio da gasolina subiu 0,18% em abril

Em abril, pelo 11º mês consecutivo, o preço médio da gasolina combustível registrou variação positiva. Desta vez, a oscilação foi bem menor do que a verificada no mês anterior, quando o valor saltou 10,94% em relação a fevereiro. Com a alta de 0,18% em abril, o valor do litro foi vendido, em média, a R$ 5,737. As informações constam em levantamento da ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas

Obtidos por meio do registro das transações realizadas entre os dias 1º e 29 de abril com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que as maiores altas foram registradas no Amazonas (2,91%) e no Acre (1,53%).

Por outro lado, 10 Estados registraram queda do preço médio do combustível. As maiores reduções ocorreram em Santa Catarina (-3,07%) e na Bahia (-2,96%).

As capitais do Acre (R$ 6,181) e Rio de Janeiro (R$ 6,164) foram as que apresentaram maiores preços médios em março. Já Florianópolis (R$ 5,109) e Salvador (R$ 5,250) registraram os menores valores.

Abastecimento com etanol

Rio de Janeiro (R$ 4,962) e Espírito Santo (R$ 4,936) registraram os maiores preços médios do etanol em abril. Conforme o levantamento, em apenas quatro Estados (São Paulo, Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso) compensa abastecer o veículo com etanol – a opção só é vantajosa quando o litro do derivado da cana-de-açúcar custar 70% (ou menos) do que o litro da gasolina.