Frentistas e atendentes de postos de gasolina ganham máscaras de tecido

A iniciativa é da empresa SóCarrão, que está no mercado de automóveis há quase 20 anos.

Trinta voluntários, R$ 20 mil reais e muita disposição. Essa foi a receita que o portal de venda online de automóveis socarrao.com utilizou para fazer a sua parte e prestar solidariedade em tempos de Covid-19. Ao perceber que alguns profissionais como frentistas e atendentes de postos de gasolina estavam trabalhando muitas vezes sem proteção, sócios, familiares e funcionários da empresa decidiram unir forças e colocar a mão na massa.

Tairone Passos, proprietário do SóCarrão, conta que investiu cerca de R$ 20 mil na compra de tecidos, embalagens, terceirização de serigrafia, elásticos e outros materiais e começou a produzir máscaras de tecido. “A ideia veio quando minha família começou a confeccionar máscaras em casa para os conhecidos. Então resolvemos nos unir em prol de um objetivo maior. Tivemos aporte financeiro da empresa e parte da equipe de 30 funcionários está mobilizada na distribuição das máscaras. Já conseguimos produzir e distribuir mais de 2 mil máscaras”, explica.

A ação, que iniciou nesta semana, vai continuar pelos próximos dias e deve ainda ser estendida para todas as lojas de automóveis, motoristas de aplicativos de transporte de passageiros e de entregas. No total, estima-se que 5 mil pessoas receberão uma máscara.

“Sabemos que o mercado de automóveis é um dos mais afetados pela crise e que um gesto de solidariedade neste momento faz toda a diferença. A campanha tem dado tão certo que outros amigos empresários nos procuraram para seguir a ideia. A dificuldade agora é conseguir dividir os custos com outras empresas e conseguir mais mão de obra para trabalhar na fabricação das máscaras”, conta o empresário.

Quem quiser ajudar na campanha ou saber mais pode entrar em contato pelo Instagram @taironepassos.

Sobre o Socarrao.com – Lançado em abril de 2003, o Socarrao.com é hoje o maior portal de classificados de veículos da região sul do país, com quatro franquias localizadas nas principais cidades dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Presta serviço para aproximadamente 80% de todas as revendas de veículos destas regiões e tem potencial para em breve expandir seus negócios para outros estados.

Deixar animais soltos em ruas e praças pode gerar multa de até R$ 2 mil em Curitiba

Projeto de lei que reforça punição à maus-tratos foi aprovado em 1º turno na Câmara Municipal.

Os vereadores de Curitiba aprovaram nesta quarta-feira (16), por unanimidade e em 1ª discussão, o projeto de lei que, entre outras coisas, estabelece multa de R$ 200 a R$ 2 mil para quem abandonar animais em ruas e espaços públicos. O projeto modifica  modifica lei já existente e amplia as práticas consideradas como crime de maus-tratos a animais.

A proposta da vereadora Katia Dittrich (Solidariedade) lista 24 ações ou omissões como maus-tratos, o dobro do que previa a lei de 2011. Entre os novos comportamentos que caracterizam o crime, o mais significativo é o de abandono.

“Deixar o animal solto em vias e logradouros públicos” como diz o texto do projeto, vai passar a doer no bolso, com multas de até R$ 2 mil no caso de flagrante ou denúncia comprovada. As medidas seguem a linha de projeto semelhante porém ainda mais rigoroso e que prevê responsabilização criminal, aprovado no Senado Federal na semana.

Outros dois pontos polêmicos do projeto são a proibição expressa de ‘passeios’ desacompanhados e abandono de animais idosos ou doentes. No primeiro caso está prevista responsabilização dos tutores com multa, pelo risco do animal sofrer ou causar acidentes, além de permitir uma possível cria indesejada” e no segundo uma característica de agravante ao crime de maus-tratos, pela vulnerabilidade dos bichos.

Para entrar em vigor, o projeto precisa ser aprovado em 2ª discussão para depois ser sancionado ou não pelo prefeito.  Caso seja sancionada, a lei então terá um prazo para regulamentação.

Informações Banda B.

Sérgio Moro recebe carteira da OAB e abre escritório em Curitiba

Antes de começar a advogar, no entanto, Moro deverá acabar de cumprir a quarentena de seis meses determinada pela Comissão de Ética da Presidência.

O ex-juiz federal que conduziu a Lava Jato e colecionou desafetos entre alguns criminalistas vai atender sua futura clientela em um endereço de Curitiba, base e origem da maior operação já desencadeada no País contra a corrupção.

Antes de começar a advogar, no entanto, Moro deverá acabar de cumprir a quarentena de seis meses determinada pela Comissão de Ética da Presidência. Levando em consideração a data em que anunciou sua renúncia e acusou o presidente de suposta tentativa de interferência na Polícia Federal, 24 de abril, a quarentena do ex-juiz terminará no fim de outubro.

Informações Banda B.