Falso olheiro de futebol é preso na RMC por ser suspeito de tráfico de pessoas

Família dos meninos pagavam R$ 1 mil por mês para que eles jogassem futebol

Um homem que se identifica como olheiro de futebol foi preso em flagrante por estelionato, e é investigado pelo crime de tráfico de pessoas, após trazer dez adolescentes do Mato Grosso para Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba. O preso, de acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério Público do Paraná (MP-PR), teria feito falsas promessas às vítimas.

A polícia esteve no local onde o suspeito atuava após o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Piraquara ter desconfiado do estabelecimento, que funcionava como uma espécie de escolinha na região.

“Ele foi preso porque foi constatado que efetivamente havia dez meninos que foram aliciados sob falsas promessas e estavam em situação de servidão. Logo, houve a prisão conforme requerido pelo MPT e MP-PR”, afirmou a procuradora do trabalho Cristiane Maria Sbalqueiro Lopes à Banda B.

Ainda, a profissional explicou o porquê do caso ter se enquadrado em um crime de tráfico de pessoas: “Quando se arregimenta pessoas em uma localidade sob falsa promessa e as mantêm enganadas em uma espécie de servidão, estamos diante da hipótese do crime previsto no 149A do Código Penal, que é o crime de tráfico de pessoas”.

Crime

À Banda B, Cristiane disse que o suspeito mentia para as vítimas, alegando que conhecia grandes nomes e que já havia revelado importantes atletas no Brasil. “Como ele foi até uma região simples próximo à Cuiabá, que não tinha uma escolinha de futebol e sem grandes expectativas de revelar talentos, ele fez o ‘canto da sereia’ e disse que no Sul seria maravilhoso para os adolescentes”.

O homem teria, antes de tudo, convencido os professores da escolinha a qual pertenciam as vítimas e, em seguida, as famílias. Além de serem mantidos em condições de servidão, os pequenos atletas tinham que pagar mensalmente para jogarem futebol. O valor informado pela procuradora do trabalho é de R$ 1 mil.

“Eles ficavam treinando na expectativa de ficarem em boa forma para serem colocados em algum clube. O homem dizia que tinha acesso ao Coritiba, por exemplo. Levou os adolescentes para treinar em algum lugar e disse que eles estavam fazendo um teste para o clube. No entanto, o Coritiba afirmou que não havia qualquer tipo de teste, até porque as atividades da categoria de base estão suspensas por causa da pandemia”, afirmou.

Sbalqueiro destacou que as famílias, de origem humilde, pagavam mais do que podiam. “Muitos deles não conseguiam acreditar que o sonho com esse olheiro havia acabado”, mencionou.

Resgate

Os adolescentes foram encaminhados a um abrigo secreto e ficaram sob cuidados do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas no Estado do Paraná, conforme revelou a procuradora. Na sequência, todos retornaram às suas casas, na Região Metropolitana de Cuiabá (MT).

Ao serem questionados sobre a confiança posta sobre o suposto olheiro, os próprios meninos teriam dito que apenas gostariam de ter oportunidades. “Eles diziam para mim: ‘Não parecia uma grande oportunidade, mas de qualquer forma era melhor do que nada.’, revelou a procuradora.

Ao serem questionados sobre a confiança posta sobre o suposto olheiro, os próprios meninos teriam dito que apenas gostariam de ter oportunidades. “Eles diziam para mim: ‘Não parecia uma grande oportunidade, mas de qualquer forma era melhor do que nada.’, revelou a procuradora.

Defesa

O advogado Vinicios Michael Cardozo, que defende o investigado, disse à Banda B, que seu cliente foi preso em flagrante por suspeita de ter cometido o crime de estelionato e que, até então, não aparece a questão do tráfico de pessoas no processo.

A defesa ainda afirmou que seu cliente possui “uma vasta documentação, desde as autorizações assinadas pelos pais dos menores até as autorizações de uso de marca de clubes”. E disse que apresentará os papéis para comprovar que a família permitiu a vinda dos adolescentes ao Paraná.

“Entendemos que a prisão dele não cumpria requisitos para ser cautelar, não oferecia riscos à ordem pública e à sociedade. E não entendemos que fosse necessária uma medida tão gravosa”, disse após ter alegado que um habeas corpus foi julgado.

De acordo com Cardozo, o suspeito passou mal após ter sido autuado em flagrante e teve de ser levado ao hospital.

Informações Banda B.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado contrata estudo para reorganizar transporte coletivo da Região Metropolitana de Curitiba

A pedido do governador Carlos Massa Ratinho Junior, a Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba) contratou um estudo para mapear o atual sistema de transporte e apresentar uma nova modelagem à RMC.

Ele começa a ser realizado nesta terça-feira (14) pela Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas (FEPESE), em parceria com a equipe técnica do Laboratório de Transporte e Logística da Universidade Federal de Santa Catarina – LabTrans/UFSC.

São três pontos principais: atualização do cálculo tarifário, realização de uma pesquisa de origem e destino e modelagem econômico-financeira do sistema com o estabelecimento de cenários. A entrega final está marcada para fevereiro de 2022, mas algumas aplicações práticas dos resultados obtidos com as pesquisas podem ter aplicação antecipada, com ajustes realizados na operação diária. Ele dará origem a uma licitação do transporte, a ser realizada em 2022.

A pesquisa de origem e destino com os usuários do transporte coletivo metropolitano deverá durar dois meses. Nesta etapa, equipes devidamente identificadas realizarão pesquisas com usuários visando identificar sua origem, destino, conexões e interesses. Os dados coletados deverão subsidiar as decisões realizadas pela autarquia.

As pesquisas serão realizadas em todos os 19 municípios da Rede Integrada de Transporte – RIT, nos horários de maior movimento do sistema, que são das 06h00 às 09h00 e das 16h30 às 19h30. Serão cerca 30 pesquisadores, devidamente identificados.

Segundo o presidente da Comec, Gilson Santos, será mais um passo importante para aproximar a operação do transporte coletivo do dia a dia da população. “O estudo vai mapear com precisão de onde as pessoas estão vindo e para onde elas estão indo, e ainda, se utilizam outros meios de transporte além do ônibus”, destacou.

“Com estas informações, além do ajuste da nossa operação, podemos planejar novas linhas e conexões. Todo trabalho com informações precisas e bem planejado tem resultado mais eficiente”, disse.

PANDEMIA – Uma das razões do estudo é analisar o impacto da pandemia de Covid-19 sobre os sistemas de transporte coletivo. Logo no início, em março de 2020, com a implementação das medidas mais restritivas de circulação, o número de usuários no sistema metropolitano chegou a cair para 20%. Aos poucos, com o retorno das atividades, este número foi aumentando, mas mesmo a média de usuários do sistema ainda permanece na casa dos 60%.

A queda no número de usuários, mudanças de hábitos da população e a busca por melhorias no atendimento exigiram uma série de ajustes em todas as operações. Em 18 meses de pandemia, foram realizados mais de 600 ajustes no sistema metropolitano, contemplando novos atendimentos, itinerários e ajustes de horários, personalizado para o usuário.

Especialistas na área apontam, no entanto, que dificilmente o sistema retornará aos patamares anteriores ao da pandemia e que ele precisará ser readaptado às novas realidades de vida da população.

“A ideia é ter um embasamento completo para efetivar as mudanças no ano que vem. O sistema sofreu um grande impacto, não temos mais o volume anterior. Com esse estudo teremos números reais para fazer as alterações. Queremos melhorar o tempo para o usuário e atrair mais pessoas para o sistema”, complementou Gilson Santos.

LICITAÇÃO EM 2021 – O objetivo da Comec é fazer uma grande licitação das linhas metropolitanas em 2022. O estudo ajudará a determinar a tarifa, a modelagem e os detalhes do edital. 

Araucária anuncia redução na tarifa do transporte coletivo

A Prefeitura de Araucária confirmou que na próxima segunda-feira (13), os usuários do sistema de transporte coletivo local (TRIAR) terão o valor da tarifa reduzida. O preço do bilhete cairá de R$ 2,20 para R$ 1,95. Será a 5ª redução consecutiva na tarifa de transporte local desde o início de 2018, segundo a prefeitura. Além da redução da tarifa, aos domingos o transporte gratuito e a gratuidade a todos os estudantes de instituições públicas do município.

A sequência de reduções da tarifa tem ocorrido mantendo a integração gratuita com as linhas metropolitanas, a integração temporal entre linhas do TRIAR (‘ponto a ponto’), a tarifa domingueira (gratuita) e as várias isenções previstas em lei. Recentemente, o TRIAR entrou em uma nova fase, a partir da nova concessão do serviço de transporte. Isso possibilitou o aumento da frota de 88 veículos para 95; grande parte dela com ônibus zero km.

NÚMEROS – A tarifa reduzida e os benefícios funcionaram como um estímulo ao uso do transporte coletivo. O município viu o número de usuários superar os 50 mil/dia (pico antes da pandemia); o que representa um aumento de público em cerca de 40% em relação ao período anterior à redução de tarifa e de oferta dos benefícios.

Informações Banda B