Empresa desenvolve equipamento para coleta de lixo reciclável

A Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec) apoia um projeto na área de sustentabilidade que promete inovar a coleta seletiva de resíduos recicláveis. A proposta é da empresa curitibana Ciclefy Engenharia, que está desenvolvendo um equipamento com capacidade de separar automaticamente o resíduo reciclável, por meio da inteligência artificial e visão computacional.

De acordo com Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o índice nacional de reciclagem no Brasil é de apenas 3%. Os dados constam no mais recente Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, com dados coletados em 2018 e analisados em 2019.

Jorge Callado, diretor-presidente do Tecpar, afirma que o instituto tem apoiado a inovação no Paraná, se posicionando como parceiro de empresas e empreendedores que têm projetos voltados ao uso da ciência e tecnologia para o desenvolvimento sustentável.

“Uma das áreas mais promissoras que temos apoiado é a de tecnologia sustentável, capaz de oferecer benefícios à sociedade e contribuir para a economia circular, que propõe uma nova maneira de consumo, integrando aspectos sociais, econômicos e ambientais”, ressalta Jorge Callado.

SELECIONADA – Segundo o gerente do Setor de Parques e Incubadoras Tecnológicas, Gilberto Passos Lima, a Ciclefy participou de todo o processo seletivo previsto no edital, que consiste em etapas como a avaliação por uma banca de especialistas das áreas técnica, financeira e comercial.

O projeto apresentou uma solução ambiental para separação de resíduos e a utilização da inteligência artificial para automatizar esse processo. Durante as primeiras fases do programa de incubação será validada a solução nos clientes, identificando gargalos tecnológicos como design, por exemplo.

O apoio da incubadora do Tecpar irá se dar também para conhecimento de mercado, identificando formas de alavancar o empreendimento e torná-lo bem-sucedido.

INCUBADA – A Ciclefy atua na gestão de resíduos, com foco em condomínios. Vicenzo Freeze Agustini, CEO da empresa, conta que a ideia do equipamento surgiu ao perceber a necessidade de otimizar a coleta de recicláveis.

Segundo ele, o equipamento poderá resolver o problema do alto custo da coleta de resíduos, aliado a um serviço com baixa customização. O público-alvo são condomínios, órgãos públicos e empresas que aplicam ou precisam recuperar as suas embalagens do meio ambiente.

“O mercado de recuperação de embalagens ainda é algo novo e vem sendo desenvolvido conforme a legislação se torna mais exigente. Este equipamento vai permitir maior aproveitamento na recuperação de embalagens, especialmente de instituições de grande porte que têm metas de logística reversa a cumprir”, afirma o CEO da Ciclefy.

Na logística reversa, o fluxo segue o caminho desde o ponto de consumo até sua origem. O objetivo é preservar a natureza com a destinação ambientalmente correta de resíduos, reinserindo-os em novos ciclos produtivos.

COMO FUNCIONA – O equipamento conta com um aparato circular e câmera de reconhecimento que gira em torno do objeto depositado na lixeira. Este processo permite coletar imagens da embalagem. De posse das imagens, o sistema identifica o tipo de resíduo depositado e, através da automação, separa por tipo. O sistema de reconhecimento autônomo é capaz de reconhecer cinco tipos de resíduos: plástico, lata, papel/papelão e embalagem cartonada (tipo tetrapak).

Atualmente o protótipo, que utiliza tecnologia nacional, está na fase de aperfeiçoamento no sistema de identificação. A previsão é que esteja finalizado até junho de 2021.

LEGISLAÇÃO – Para tornar mais sustentáveis os processos de aquisição de produtos no Paraná, em fevereiro deste ano o governador Carlos Massa Ratinho Júnior sancionou a lei 20.132/19 que determina que os fornecedores devem fazer o recolhimento e destinação dos produtos pós-consumo, introduzindo a logística reversa nas compras feitas pelo Estado.

INTEC – A incubadora do Tecpar completou 31 anos de atuação no Paraná, sendo a primeira incubadora do Estado com este perfil. Ao longo de sua história já deu suporte a mais de 100 negócios inovadores estimulando a geração e instalação de empresas de base tecnológica no Estado. Atualmente, sete empresas passam pelo programa da Intec. Elas desenvolvem produtos, serviços e tecnologias nas áreas de sustentabilidade, saúde e diagnóstico, energias renováveis, cosméticos, educação digital e sistema de gestão (ERP).

Informações AEN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com previsão de chuvas abaixo da média, Primavera começa com dois terços do Paraná em estiagem

A primavera começa com dois terços do território do Paraná em estiagem e, segundo previsão do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar), a situação com relação à crise hídrica deve se manter, com projeção de chuvas abaixo da média na estação. A Sanepar alerta que a cooperação da população fazendo o uso racional da água continua fundamental neste momento. 

O Estado vive a pior estiagem das últimas décadas e várias regiões, incluindo a Grande Curitiba, passam por racionamento de água, com o rodízio no fornecimento. No interior do Estado seis municípios estão com o abastecimento em dias alternados e 19 cidades em situação crítica.

“Atualmente, dois terços do território do Paraná continuam sob o fenômeno da estiagem. A região Leste está se recuperando, mas precisa de muita chuva para voltar à normalidade. Isto significa que a estiagem está distribuída ao longo do Estado, com mais força na Região Sudoeste”, destaca o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky.

A previsão para o mês de outubro é de chuvas dentro da média ou um pouco acima, mas em novembro diminuem e a situação voltará a ser crítica. “Temos que reforçar que nos últimos dois anos o Paraná vive uma estiagem severa e precisamos de água em abundância para que possamos recuperar os mananciais e reservatórios”, diz o diretor.

EMERGÊNCIA HÍDRICA – No início de agosto, o governo estadual publicou o terceiro decreto de emergência hídrica no Paraná, em sequência, reconhecendo a gravidade da estiagem e priorizando o uso da água para abastecimento humano e dessedentação animal.

A estiagem também tem provocado perdas na agricultura. Sem chuvas significativas no momento do plantio de grãos, a produção sofreu o impacto das mudanças climáticas. A produção de milho teve uma quebra de quase 60% em relação ao ano passado.

De acordo com o Prognóstico Climático para a Primavera/2021 divulgado pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), de 1961 até 2020, observa-se uma diminuição média de 28 milímetros de chuva no país durante a estação. O levantamento ainda aponta que, na Região Sul, existe tendência significativa de elevação da temperatura durante a primavera.

Confira o gráfico das chuvas em Curitiba:

DICAS DE ECONOMIA

Feche a torneira – Ao lavar as mãos ou a louça, não deixe a torneira aberta o tempo todo. Isso evitará que vários litros de água tratada sejam desperdiçados.

Hora do banho – Seja rápido. Cada 5 minutos embaixo do chuveiro consomem aproximadamente 70 litros de água.

Basta um copo – Para escovar os dentes é necessário apenas um copo de água. Feche a torneira.

Use a vassoura – Antes de lavar a calçada, use vassoura. Jamais use a água potável para esse serviço. Reaproveite a água da lavagem de roupa ou da chuva.

Vaso sanitário – Diminua as descargas. Regule periodicamente a válvula hidra ou a caixa de descarga. Coloque uma garrafa pet com água ou areia dentro da caixa  acoplada. Se a garrafa for de 1,5 litro, a cada descarga, você economiza 1,5 litro de água.

Lavando roupa – Junte roupas para lavar todas de uma só vez. Aproveite a água usada no tanque ou na máquina para lavar calçadas.

Fazendo a barba – Não faça a barba com a torneira aberta. Use a água somente para molhar e enxaguar o rosto.

Tá na mão – Ao ensaboar as mãos, deixe a torneira fechada. Só abra para enxaguar.

Reaproveite – A água do último enxágue das roupas, no tanque ou na máquina, pode ser usada para ensaboar tapetes, tênis, cobertores, pisos e calçadas.

Gaste menos – Ao lavar a louça, encha a cuba de água e mantenha fechada. Evite deixar a torneira aberta, enxágue a louça toda ao final da lavagem. Assim, o gasto de água é bem menor.

Tá Pingando  Os maiores ladrões de água são vazamentos, torneira pingando e descarga desregulada. Faça manutenção regularmente.

Carro – Em época de estiagem, não lave carro. Reaproveite água da chuva ou de lavagem de roupas para fazer a limpeza.

Reunião alinha operação do ferry boat de Guaratuba durante o verão

Representantes do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) participaram nesta terça-feira (21) da primeira reunião para discutir medidas a serem tomadas na travessia da Baía de Guaratuba durante a operação verão deste ano.

O principal objetivo é reforçar a segurança dos usuários durante esse período de maior movimento na travessia, em que, devido ao grande número de turistas e viajantes no Litoral, o tempo de espera para cruzar a baía não pode ultrapassar os 22 minutos.

Pelo mesmo motivo, ficam proibidos veículos com mais de três eixos e/ou superiores a 14 metros de comprimento nas embarcações. Essa integração geral vai ajudar a embasar as operações de fiscalização e controle a partir de dezembro.

Participaram da reunião a equipe de fiscalização do DER/PR, representantes da Prefeitura de Guaratuba, do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) da Polícia Militar do Paraná e da concessionária que opera a travessia.

Outras reuniões serão agendadas futuramente, para continuar a discussão sobre melhorias no serviço ao longo desses meses de maior procura.