Emocionado na delegacia, motorista de acidente com 19 mortes na BR-376 alega problema nos freios

Publicidade
Publicidade

Em depoimento à Polícia Civil, o condutor, muito emocionado, disse que tentou acessar a área de escape da rodovia, próxima ao local do tombamento, porém não conseguiu

O motorista de 67 anos, que conduzia o veículo envolvido no acidente que deixou 19 mortes na BR-376, em Guaratuba, Litoral do Paraná, na manhã desta segunda-feira (25), alegou problema nos freios do veículo. Em depoimento à Polícia Civil, o condutor, muito emocionado, disse que tentou acessar a área de escape da rodovia, próxima ao local do tombamento, porém não conseguiu.

O delegado Cristiano Quintas, plantonista da Delegacia de Guaratuba, disse que o motorista passou por todos os exames, que descartaram embriaguez ao volante. No depoimento, relatou o problema mecânico. “Ele nos contou que, após o início das curvas, percebeu o problema de freio e não conseguiu segurar e nem entrar na área de escape. Não venceu uma das curvas e acabou tombando”, descreveu.

O ônibus, conduzido pelo experiente motorista, saiu de Ananindeua, no Pará, e seguia até Balneário Camboriú, Santa Catarina, estando a menos de 150 km do destino final, após ter percorrido mais de 3,3 mil km. Ele foi contratado pela empresa de forma terceirizada. “Um motorista experiente, com anos de profissão, que estava emocionado e falou que era a terceira viagem que fazia por essa empresa, contratado de forma terceirizada, junto com outro motorista com quem revezava na direção”, explicou Quintas.

O delegado ainda descreveu que o motorista estava descansado, uma vez que tinha assumido a direção há poucos minutos. “O motorista havia assumido a direção há pouco tempo e estava descansado, com o problema sendo realmente a falta de freio”, disse.

O acidente

Além das 19 mortes, sete pessoas estão em estado grave, seis são vítimas moderadas e 20 leves. O acidente interrompeu a pista sentido Santa Catarina da rodovia, que foi liberada por volta das 15h30.

Informações Banda B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros prefeitos do Litoral decidem não acompanhar lockdown decretado em Matinhos, mas prometem fiscalização rigorosa

Publicidade
Publicidade

Diante do decreto de lockdown estabelecido pela Prefeitura de Matinhos, a Associação dos Municípios do Litoral do Paraná (Amlipa) se reuniu para discutir medidas conjuntas de combate à Covid-19. Durante o encontro, que foi realizado nesta quarta-feira (24), os prefeitos decidiram não acompanhar a medida adotada por Matinhos, mas prometeram rigor na fiscalização para evitar a propagação da doença.

O prefeito de Guaratuba, Roberto Justus, informou que os municípios estão alinhados às decisões do Governo do Estado e, em um primeiro momento, vai ampliar a fiscalização. “Se precisar fazer algum ajuste na legislação, faremos a partir das recomendações do Estado e do Governo Federal”, explicou.

Nos últimos dez dias, o Litoral do Estado observou um expressivo aumento de casos. Em Guaratuba, os casos passaram de 2.391 para 2.725; em Paranaguá, de 11.771 para 12.186; e em Matinhos, de 1.457 para 1.566.

Na terça-feira (23), a ocupação de leitos do Hospital Regional do Litoral era de 100%.

Entre as medidas cogitadas para o Litoral está o fechamento das praias, mas Justus admite que o momento é muito difícil para isso. “A nossa estrutura pessoal, inclusive de equipamentos, está montada por 40 mil pessoas, então como conter 100, 150, 200 mil habitantes, então vamos até ver como o prefeito de Matinhos vai conseguir fiscalizar”, disse.

Máscara

A falta do uso de máscaras por turistas também vai ganhar uma atenção especial. Segundo o prefeito de Guaratuba, a proteção é obrigatória. “Não haverá mais tolerância, a pessoa que for sem máscara para a praia será multada e pode, inclusive, ser levada para a delegacia”, concluiu.

Lockdown em Matinhos

Para a adoção das medidas mais rígidas, como o lockdown, a Prefeitura de Matinhos divulgou relatório que aponta que, entre os dias 17 e 23 de fevereiro, a UPA Praia Grande registrou uma média de 400 pacientes – dentre casos de Covid e atendimentos habituais – a cada 24 horas. Entre os atendidos, foi identificado um elevado percentual de moradores de Pontal do Paraná, Guaratuba, Curitiba e Região Metropolitana, além de habitantes de municípios do Norte do Paraná.

De acordo com os dados fornecidos pela administração municipal, em apenas 55 dias de 2021, o número de casos em Matinhos atingiu praticamente o dobro de todas as ocorrências de 2020 na cidade.

Informações Banda B.

Prefeitura de Matinhos vai decretar lockdown de 14 dias após aumento de casos de covid-19

Publicidade
Publicidade

O Prefeito de Matinhos, Zé da Ecler, informou à TVCI na manhã desta quarta-feira (24), sobre o decreto de lockdown para a cidade. A medida restritiva passa a valer a partir da sexta-feira (26) até o dia 10 de março. As informações são da Litorânea FM.

A decisão foi tomada devido ao aumento expressivo no número de casos dos infectados com o coronavírus, nas últimas semanas. Segundo informações do Hospital Regional do Litora, os leitos da Unidade de Terapia Intensa (UTI) destinado para tratamento da Covid-19 estão com em 100% de uso, e há registro de pacientes aguardando vaga para transferência.

Em entrevista para TVCI, o Prefeito explica que tomou esta decisão já que a cidade enfrenta o pico extremo da pandemia neste momento. Além disso, o crescente número de óbitos preocupa a prefeitura: “Nos últimos dois meses, o número de mortos por Covid-19, foi proporcionalmente maior que em todo o ano passado, na nossa cidade”.

Para ler a matéria completa na Litorânea FM clique aqui. Informações Banda B.