Em três dias, fiscais fazem 159 vistorias e 63 interdições no comércio

Mesmo após duas semanas de orientações intensas e constantes fiscalizações em estabelecimentos comerciais e de serviços, as equipes da Prefeitura voltaram a flagrar casos de descumprimento dos protocolos sanitários de saúde da cidade que está em situação de alerta médio para a propagação da covid-19 (bandeira Laranja).

De sexta-feira (26) até o domingo (28), em ações realizadas durante o dia e a noite, 159 locais que haviam sido denunciados pela população foram fiscalizados e 63 precisaram ser interditados.

Somente no sábado e domingo, 76 estabelecimentos foram vistoriados e 17 acabaram interditados, por descumprimento do decreto 810/2020. O documento restringe, neste período, o funcionamento de comércios não essenciais, como bares, lojas, sorveteria, nos fins de semana.

Também foram notificados 16 locais que atendiam os clientes sem garantir o distanciamento social de 1,5 metro entre as pessoas, promovendo aglomeração, sem uso de máscaras e álcool em gel, além de outras medidas estabelecidas na resolução 01/2020.

Outras 13 notificações foram expedidas pelos fiscais que encontraram inadequações em alvarás.

Jussara Policeno de Oliveira, diretora de fiscalização da Secretaria Municipal do Urbanismo, destaca que o município tem agido para coibir os excessos e garantir que os estabelecimentos funcionem adequados às normas de saúde, no entanto, é fundamental que cada cidadão faça a sua parte.

“Que observe quais são os estabelecimentos que não oferecem risco à sua saúde, que valorize aqueles que estão cumprindo as medidas necessárias para garantir a saúde e segurança de todos. É o momento de todos serem fiscais de si e dos outros”, diz Jussara .  

Sábado

No sábado, durante o dia, fiscais da Secretaria do Urbanismo e guardas municipais vistoriaram diferentes tipos de comércios no Centro, Santa Felicidade, Orleans, Cascatinha, CIC, Fanny, Lindóia, Novo Mundo, Capão Raso, Pinheirinho, Batel, Ahú, Bacacheri, Rebouças e Bigorrilho.

Dez estabelecimentos foram fechados, entre eles uma loja de departamentos próximo ao parque Bariqui e uma loja de matérias de construção no Parolin.  Embora classificada como atividade essencial, o comércio não garantiu a organização dos clientes, foi embragada por promover aglomeração e oferecer risco à saúde da população.

À noite, durante a Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) em parceria com o governo do estado, os fiscais interditaram três bares no Abranches e Campo Comprido.

No domingo, nova ação da Aifu vistoriou nove estabelecimentos e interditou quatro: uma distribuidora de bebidas que desenvolvia atividade de bar, no Bacacheri, uma lanchonete funcionando fora do horário no São Lourenço e um bar no Butiatuvinha.

Nas Aifus de sábado e domingo foram vistoriados bares, lanchonetes, lojas de departamentos postos de gasolina, comércios varejistas nos bairros Aranches, Bacacheri, Boa Vista, Butiatuvinha, Campinha do Siqueira, Jardim das Américas, São Lourenço, Jardim Social. Ações também aconteceram em Santa Felicidade, Tingui, Xaxim e Ganchinho.

 Equipes da Vigilância Sanitária também seguem agindo para coibir excessos. No período de 22 a 28 de junho foram realizadas 405 inspeções. Durante as incursões dois estabelecimentos foram interditados, além de terem sido registradas 18 infrações e 32 intimações.

Prefeitura faz leilão eletrônico de veículos e sucatas

Na terça-feira (30/11), das 9h às 10h30, a Secretaria Municipal de Administração, Gestão de Pessoal e Tecnologia da Informação (SMAP) vai realizar um leilão eletrônico de 49 itens da Prefeitura classificados como veículos e sucatas. Serão leiloados caminhões, ônibus, rolos compactadores, ambulâncias, uma pá carregadeira e um furgão.

Para participar, os interessados deverão fazer o cadastro no Sistema de Registro Cadastral do Município de Curitiba e aceitar os termos de uso do portal de compras da Prefeitura. Os lances serão abertos no site do e-compras.

Quem pretende participar do leilão pode conferir os requisitos para participação de pessoas físicas ou jurídicas através do edital. Em caso de dúvidas, os interessados deverão entrar em contato pelos telefones: 3350-9142, 3350-9077 e 3350-9115.

Os lances mínimos variam de R$ 100 até R$ 15.000, dependendo do item e do estado em que se encontra. Os veículos e sucatas a serem leiloados estão espalhados pelos pátios da Prefeitura, e podem ser vistos pelos interessados,  desde que a visita seja agendada previamente.

Prefeitura realiza leilão eletrônico de veículos e sucatas. Foto: Divulgação

Os bens deverão ser vistoriados até 17h de sexta-feira (26/11). Para agendar uma visita, é necessário entrar em contato com o gestor do leilão, Marcos Aurélio Guimarães, através do telefone 3350-9975.

Os itens disponíveis resultam da ação da zeladoria municipal nos equipamentos próprios, desenvolvida pelos responsáveis pelo transporte oficial das diversas secretarias, em conjunto com a Diretoria de Gestão do Patrimônio Público e Diretoria de Gestão de Serviços da Smap.

Os arrematantes, as pessoas que vencerem o leilão, terão o prazo de cinco dias úteis para o pagamento dos bens adquiridos, a partir da emissão da guia de recolhimento (GR) que será enviada ao e-mail dos vencedores.

Depois do pagamento, o gestor do leilão vai liberarar os itens vendidos, e o os arrematantes terão o prazo de sete dias após a liberação para retirá-los, com a apresentação da guia de recolhimento quitada.

Mural feito por mulheres deixa a Presidente Faria mais colorida

Curitiba está ganhando uma grande e colorida obra de arte a céu aberto. Dois murais estão sendo pintados na lateral de um prédio comercial na Rua Presidente Faria, ao lado da sede da Guarda Municipal, no Centro. A previsão é de que estejam prontos neste domingo (28/11).

As pinturas fazem parte do projeto Muchas Minas, que coloca em evidência o trabalho de artistas mulheres.

O painel fica no corredor cultural entre o Passeio Público e o Cine Passeio, produzido pela artista espanhola Marina Capdevila, uma das maiores muralistas de grafite do mundo, e a paranaense Cristina Pagnoncelli.

Mural feito por mulheres deixa a Presidente Faria mais colorida. foto: Cido Marques

Juntas as duas obras totalizarão 400 metros de arte e estão sendo produzidas com recursos da Lei de Apoio e Incentivo à Cultura.

Inspirada por sua avó, Marina Capdevila costuma retratar pessoas idosas, inspiração que traz também neste novo trabalho. Ele retrata uma senhora que alegremente almoça uma variedade de iguarias culinárias, cada uma representando uma ou mais culturas que compõem a diversidade da capital paranaense. 

Entre as iguarias que compõe o mural de Marina estão uma fatia de pizza, um prato de sushi, linguiça e cerveja, além de algumas pinhas e uma espiga de milho que representam os povos indígenas. Já os tomates do mural remetem à terra natal da artista, a Espanha.

Com vários trabalhos ao redor do mundo, a última obra da artista foi em Girona, na Catalunha, e representava idosos felizes ao se abraçarem.

Giusy de Luca, criadora do projeto Muchas Minas, diz que a artista catalã pinta algo no qual as pessoas não acreditam muito: a ideia de envelhecer bem e feliz. “Normalmente a gente relaciona a terceira idade com coisas ruins, já ela traz uma outra perspectiva”, diz. 

Cris Pagnoncelli é uma artista e designer conhecida pelo seu trabalho com lettering, uma maneira estilizada de desenhar letras e palavras. O seu mural, que ficará à direita do de Marina, contará com a palavra “coragem”, acompanhada por uma arte ao fundo.

As duas artistas estudaram juntas em Barcelona. “Os dois murais, lado a lado, vão dialogar e contrastar um com o outro, o que será bastante interessante”, relatou Marina.

Para a paranaense, a obra é uma realização. “Era meu sonho ter minha primeira empena solo na cidade onde vivo”, diz Cristina. Anteriormente ela já tinha participado de outras iniciativas do Muchas Minas, como uma arte feita em setembro no muro da escola municipal Caramuru, no bairro Cabral.

Muchas Minas

O projeto foi criado em 2019, um pouco antes da pandemia de covid-19, por Giusy de Luca, da produtora Mucha Tinta. Por causa da pandemia, a pintura dos painéis acabou sendo adiada por dois anos, até que finalmente conseguiu ser realizada, com recursos da Lei de Apoio e Incentivo à Cultura. O projeto destaca artistas urbanas femininas, já que, segundo sua criadora, as mulheres não são valorizadas nessa área. 

Giusy acredita no potencial de Curitiba como um polo turístico de arte urbana. “Gostaríamos de ver em Curitiba como um museu a céu aberto”, disse.