Em discurso para líderes mundiais, Bolsonaro fala sobre meio ambiente

Primeiro encontro virtual da ONU reúne líderes de todos os países

O presidente Jair Bolsonaro fez hoje (22) o tradicional discurso de abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. Em virtude da pandemia do novo coronavírus, o encontro é realizado online – inovação que acontece por medidas de segurança.

Apesar do caráter virtual, a sede da ONU em Nova York receberá um representante de cada país. Cerca de 200 pessoas estão fisicamente presentes, o que equivale a 10% da capacidade de ocupação da estrutura.

Assim como em 2019, quando discursou pela primeira vez na ONU, Bolsonaro deve falar sobre a Amazônia e as políticas ambientais do seu governo. Cada país-membro tem até 15 minutos para os discursos. Após a fala do presidente brasileiro, Donald Trump, Tayyip Ergodan e Xi Jinping – líderes dos Estados Unidos, Turquia e China, respectivamente – ocuparão a tribuna virtual.

» Veja a íntegra do primeiro discurso de Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU

Informações Agência Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Morre a atriz Mila Moreira, aos 72 anos

Morreu, na madrugada desta segunda-feira (6/12), a atriz Mila Moreira, aos 72 anos. A informação foi confirmada pelo Hospital CopaStar, no Rio de Janeiro, onde a artista estava internada, ao portal G1. A causa da morte ainda não foi divulgada.

Uma das primeiras modelos a atuar, Mila precisou enfrentar o preconceito. A estreia aconteceu em Marron Glacê, em 1979, quando interpretou Érica.

O último trabalho da atriz na TV foi na novela A Lei do Amor, em 2016.

Mila Moreira começou a carreira de modelo aos 14 anos. Atuou em várias novelas da Globo – entre as quais, Plumas e Paetês e Marrom Glacê. Ao longo da carreira, participou de mais de 20 novelas e cinco minisséries.

Leia a matéria completa no Portal Metrópoles

Bolsonaro volta a dizer que não quer se vacinar: “Deixa eu morrer”

O presidente Jair Bolsonaro (PL) reafirmou nesta quinta-feira (2), que não tomou a vacina contra a covid-19. O chefe do Executivo repetiu que a vacinação é facultativa e questionou pedido de autorização da Pfizer sobre vacinar crianças.

“Eu vejo – acompanho mídias sociais e o pessoal mostra para mim– muita gente de esquerda, em especial, querendo a minha morte. Se quer a minha morte, por que fica querendo exigir que eu tome a vacina? Deixa eu morrer, problema é meu, tá?”, disse em live nas redes sociais.

Aos 66 anos, Bolsonaro poderia ter se vacinado desde 3 de abril no Distrito Federal. O chefe do Executivo afirma que as vacinas são experimentais e que já foi infectado pelo vírus e, por isso, estaria mais imune. O presidente foi diagnosticado com covid-19 em julho do ano passado.