Depois de consolidar Banoffi em Curitiba, confeiteira Renatta Ferian lança Torroneria Curitibana

Conhecida por ter trazido a primeira receita do famoso doce inglês para a capital paranaense em meados dos anos 2000, Renatta agora vai focar na produção dos torrones artesanais

Quando se fala sobre Banoffi em Curitiba, é praticamente inevitável que o nome de Renatta Ferian seja lembrando. A confeiteira é conhecida por ter trazido para a capital paranaense em meados de 2002 a receita da torta de origem inglesa que, à época, era um doce desconhecido dos curitibanos. Quase 20 anos depois, a sobremesa se difundiu pela cidade, sendo encontrado facilmente em diversos tipos de estabelecimentos. Agora, Renatta quer repetir o feito com outro produto: o Torrone.

“Eu estava querendo lançar um novo produto que pudesse ser vendido para todos os cantos do Brasil sem uma preocupação da refrigeração, como é o caso da Banoffi. Um belo dia, minha grande amiga Dete, que voltava de uma viagem pela Europa, nos trouxe uma lembrança: três torrones enormes”, conta Renatta. O presente despretensioso da amiga se tornou fonte de inspiração e uma pitada de saudosismo para a confeiteira: novamente, ela estava em frente a um produto pouco conhecido e explorado no Brasil.

Os torrones foram devorados rapidamente por ela e pelo marido, o chef Délio Canabrava. Mas a ideia continuava firme na cabeça de Renatta. “Fui atrás para descobrir a receita e me deparei com um mundo de possibilidades: amêndoas, avelãs, pistaches, casca de laranja, frutas vermelhas e vários outros sabores. No dia primeiro de abril deste ano, fiz minha primeira receita. De lá pra cá, foram inúmeros testes e várias surpresas agradáveis. É um produto que me surpreende quase todo dia”, ressalta.

E foi assim que nasceu a Torroneria Curitibana por Renatta Ferian, a primeira empresa especializada em torrones artesanais no mercado curitibano. “Dia desses ouvi uma história dizendo que é mais fácil cair um raio num lugar onde ele já tenha caído anteriormente. Será? Veremos daqui 18 anos se teremos toda Curitiba e o Brasil fazendo torrones espetaculares assim como aconteceu com a minha Banoffi!”

FOCO NO VAREJO

A ideia de Renatta é fazer com que os torrones tenham uma grande capilaridade em diferentes frentes do varejo. “Queremos que o nosso torrone esteja presente em supermercados, empórios, restaurantes, cafeterias e até em posto de gasolina, se for o caso. Meu plano é fazer com que esse produto ganhe escala em nível Brasil”, explica. Mas antes de alçar voos pelo território nacional, a confeiteira quer conquistar primeiramente a capital paranaense. “Depois que os meus torrones estiverem consolidados em Curitiba, daí sim começo a dar passos maiores”, destaca Renatta.

Mas para quem já quiser garantir o seu torrone, é possível encontrar o produto em pontos de venda autorizados, que podem ser consultados nas redes sociais da Torroneria Curitibana. Além disso, é possível comprar através do site oficial (torroneriacuritibana.com.br) e receber em casa.

SABORES

A base da receita do torrone leva mel, açúcar, claras em neve e o insumo que dará sabor ao doce. “Leva um dia para ficar pronto e no ponto para ser embalado. Fiz questão de fazer do mesmo jeito que é feito na Europa, com muitas castanhas, garantindo um sabor incrível”, detalha Renatta. Para o lançamento, serão três sabores: Pistache 70% (com 30% de Amêndoa), Amêndoa ou Misto (Amêndoa, Avelã e Pistache). São dois tamanhos, de 45g e 90g. O preço unitário dos torrones variam de R$ 10 a R$ 23, mas podem ser diferentes para quem comprar para revender. “Vamos começar com esses três, que certamente serão o nosso carro chefe. Mas pretendo lançar novos sabores nos próximos meses e ir testando a aceitação”, destaca Renatta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná é sede da maior competição de hambúrguer do país

Festival em Maringá espera comercializar 7 mil hambúrgueres, pretende ultrapassar R$ 1 milhão em negociações e vai escolher o melhor hambúrguer da região.

Em pleno lockdown, foram 5 mil hambúrgueres vendidos. Em 2020, o Maringá Food Festival – Etapa Hambúrguer (MFF) salvou o negócio de muitos empresários do food service que, prejudicados pela pandemia, ainda se reestruturavam para manter as portas abertas. Neste ano, o evento volta com tudo e também, às origens. Com o avanço da vacinação e da flexibilização das medidas restritivas, o evento de 2021 é presencial, onde o público pode provar as criações no próprio estabelecimento ou no sistema delivery por meio do aplicativo Aiqfome. O MFF começou no dia 2 e termina no domingo, dia 19 de dezembro.

São 22 criações que disputam os títulos de melhores hambúrgueres de Maringá/PR em duas categorias, popular e profissional, neste que é considerado a maior competição de hambúrguer do País e que, no próximo ano, deverá ter outras cidades no radar para expansão. O cardápio do festival tem preço único de R$ 34 e os hambúrgueres acompanham uma porção de batata frita McCain. 

Divulgação

“O objetivo do festival é agir no segmento de hambúrguer para melhorar a competitividade. Com isso, a indústria ganha, geram-se mais negócios e maior diferenciação entre as casas. A partir do momento de competição, você gera conhecimento para entender melhor o alimento que se está comendo, fazendo inclusive, com que o cliente se torne mais exigente”, destaca Guilherme Oliveira, Diretor de Negócios Bússola Evento. “O festival gera entretenimento, experiência e bons negócios”.

Todas as receitas foram desenvolvidas exclusivamente para o concurso e serão avaliadas pelo público e por um júri técnico, formado por dois grandes nomes da gastronomia nacional: Marcos Vigorito, idealizador do Guia do Hambúrguer e parceiro do festival desde a primeira edição; e Lierson Matterhauer Jr, hamburgueiro e assador profissional, vencedor do prêmio Veja Comer e Beber 2016/2017 de Melhor Hambúrguer de São Paulo. Os jurados avaliarão os pratos em um “QG de avaliação”, no Rio Hotel by Bourbon.

Para os empresários que já participaram do MFF, a experiência trouxe feedback, visibilidade e uma nova clientela. É o caso do Vinicius Pires Martins, da Brasa Barbecue. “A competição trouxe muita visibilidade, confiabilidade além de novos clientes para nós. Esse ano também estamos participando e nestes primeiros dias as vendas dobraram!”, conta. “O festival foi ótimo para nosso posicionamento de marca, além de ótimo desempenho nas vendas”, compartilha o colega, Sérgio Henrique Granero, da Dom João Hamburgueria.

O público que provar e votar estará concorrendo a seis meses de pedidos grátis no Aiqfome e a um vale compras de R$ 500 no Supermercado Cidade Canção. Para sentir a experiência do júri, basta degustar uma das receitas, entrar no site (veja endereço no Serviço) e votar! Uma plataforma exclusiva para avaliação foi criada, auditada por uma empresa de pesquisa. “Temos um algoritmo próprio de avaliação da área de gastronomia e afirmamos com certeza, que não há nada igual no mundo. Criamos algo inédito”, afirma Guilherme.

SOBRE O EVENTO

Idealizado e realizado desde 2019 pela Bússola Eventos, o MFF tem entre seus patrocinadores alguns dos maiores players do mercado de food-service do mundo, como Heinz, Grupo Bimbo e McCain, junto de sua distribuidora local Difal Alimentos, e o maringaense Supermercados Cidade Canção. Mais uma vez, o Aiqfome é o aplicativo de delivery oficial do evento. A Bússula tem mais de uma década no mercado de eventos. É reconhecida como uma das melhores empresas do Paraná, certificada pelo Sebrae e Tecpar e é referência em food experience no Brasil. 

SERVIÇO

Para saber mais: http://www.maringafoodfestival.com.br

Bar curitibano inaugura nesta quarta com double de chope (R$15) e sanduíches (R$10)

A festa começa às 17h, com música, diversão e várias promoções

A partir desta quarta-feira, 15 de dezembro, curitibanos e turistas terão uma nova opção de entretenimento no já conhecido Largo da Ordem. O Boteco da Ordem traz ao centro histórico o clássico boteco brasileiro, com um toque industrial. E, para comemorar, no dia do evento os clientes poderão aproveitar algumas promoções: 2 chopes pilsen (440ml) por R$15, sanduíches por apenas R$10 e Gin Tônica também por R$10.

A ideia surgiu de um antigo sonho do pai dos empresários, Mustafa Hamdar Filho e Rhaman Hamdar – donos também da Garden HamBargueria -, que acabou falecendo antes de realizá-lo. “O ponto do boteco sempre foi um antigo desejo do nosso pai, que acabou falecendo antes de concretizá-lo ou ver seus filhos concretizarem. Quando vimos que o imóvel estava disponível não pensamos duas vezes”, explica Rhaman.

Com uma decoração estilo industrial, misturada ao clássico boteco que já conhecemos, em meio aos prédios históricos no coração do Largo, o Boteco da Ordem tem uma das vistas mais privilegiadas da região: a Igreja de Nossa Senhora do Rosário de São Benedito e o famoso “Cavalo babão”. Aos domingos, é uma ótima opção para quem quer comer alguma coisa e passear na agitada Feira do Largo da Ordem.

Divulgação

No cardápio, porções clássicas (fritas, aipim e frango a passarinho); bolinho de feijoada; 7 opções de tapiocas; sanduíches (pernil com cheiro verde e bife com queijo); porção de torresmo e muito mais. As opções de bebidas são, além dos soft drinks, chope artesanais, chopes de vinho tinto e vinho branco, além das caipirinhas, com destaque para as brasileiríssimas de jambu e de caju.

Divulgação

SERVIÇO – BOTECO DA ORDEM

Endereço: Avenida Jaime Reis, nº 12, Largo da Ordem, Curitiba-PR

Horário de funcionamento: De terça a quinta-feira 17h as 23h45; sexta-feira das 17h à 1h30;

sábado do meio-dia à 1h30; e domingo das 11h às 23h.

Estacionamento: não tem

Formas de pagamento: em dinheiro, via PIX, cartões crédito e débito