Curitiba terá linha especial de ônibus para vacinação contra a Covid-19 a partir desta quarta-feira (27)

A Prefeitura de Curitiba vai implantar uma linha de ônibus exclusiva para atender quem vai se vacinar. A linha X52 – Vacina-Pq Barigui começa a funcionar nesta quarta-feira (27/1) e vai fazer o trajeto entre o Terminal do Campina do Siqueira e o Centro de Eventos Positivo, o Pavilhão da Cura, no Parque Barigui, local onde se concentra a vacinação na capital. 

A linha, administrada pela Urbanização de Curitiba (Urbs), permite a integração, por meio do terminal, com outros ônibus da capital. O preço da passagem é o mesmo das demais linhas da capital – R$ 4,50.  Os ônibus vão funcionar de segunda a sábado, das 7h30 às 20h30. O pagamento é por meio de cartão transporte. 

“Trata-se de mais uma facilidade para quem vai se vacinar, dando agilidade ao transporte aos grupos de pessoas que estão na vez de serem imunizadas”, diz o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

A Secretaria Municipal da Saúde ressalta que nenhum cidadão precisa procurar os serviços de saúde em busca da vacina. Todos os vacinados vão ser convocados, de acordo com o fluxo de vacinação, pelo aplicativo Saúde Já.

Neste momento estão sendo vacinados no Pavilhão da Cura os trabalhadores de saúde das alas covid dos serviços públicos e privados da cidade. A vacinação é de segunda a sábado, das 8h às 20h. 

Desde o início da vacinação, no dia 20 de janeiro, já foram imunizadas 4.563 pessoas. A linha especial de ônibus vai funcionar até o final da vacinação em Curitiba.

Essa é a segunda linha criada pela Urbs durante a pandemia. A linha Expresso Saúde, criada em junho 2020, atende exclusivamente profissionais de saúde e faz o trajeto que percorre as principais clínicas e hospitais da cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

#CuritibaSuaLinda agora vende chocolates inspirados nos pontos turísticos da cidade

Nesta segunda-feira (21), o prefeito Rafael Greca e a primeira-dama Margarita Sansone receberam a empresária Ana Carolina Leone, proprietária da Sweet Caroline – Belgium Chocolate, que foi apresentar a nova caixa da marca, que passa a ser vendida nas lojas #CuritibaSuaLinda.

A caixa traz uma gravura com pontos turísticos da cidade e uma grande araucária. Os galhos da árvore são formados pelos bombons. A caixa contém 420 gramas de chocolate ao leite belga.

Foto: Daniel Castellano / SMCS

“A Carol Leone é uma designer de delícias e ela atendeu o nosso pedido de criar uma caixa de chocolate paranista, baseada na tradição curitibana. Ficou deslumbrante”, destaca Greca.

Outro produto que também será comercializado nas lojas #CuritibaSuaLinda é uma latinha com bombons que receberam impressões, em papel de arroz, com fotos de diversos pontos turísticos da cidade. A latinha contém 320 gramas de chocolate belga ao leite e branco.

A chocolateria, que nasceu em Curitiba em 2012, surgiu do desejo de Ana Carolina em oferecer produtos diferentes, que, segundo ela, promovessem experiências inesquecíveis até para os paladares mais experientes. Anteriormente as vendas ocorriam apenas de forma on-line, no site https://sweetcaroline.com.br

Também participaram do encontro a presidente do Instituto Municipal de Turismo, Tatiana Turra, e Luiz Remy, marido da empresária.

Rede de lojas

Administradas pela Urbs e com curadoria dos produtos pelo Instituto Municipal de Turismo, as lojas #CuritibaSuaLinda têm a missão de divulgar o destino Curitiba e também de gerar emprego e renda para os artesãos que comercializam seus produtos em espaços nobres da cidade.

Atualmente, estão em funcionamento as unidades do Jardim Botânico (segunda a sábado, das 10h às 17h), do Memorial Paranista (de terça a sábado, das 10h30 às 17h30) e do Mercado Municipal (de terça a sábado, das 10h às 17h).

As unidades do Palacete Wolf do São Francisco, da Torre Panorâmica das Mercês e do Espaço Cultural David Carneiro, junto ao no Hotel Pestana, seguem fechadas em razão da covid-19.

Paraná é o segundo estado que mais vacinou gestantes e puérperas contra a Covid-19

Os dados nacionais do Vacinômetro do Ministério da Saúde apontam que o Paraná está em segundo lugar em número absoluto de vacinação de gestantes e puérperas no País, com 32.952 doses aplicadas – 31.876 com a primeira dose e 1.076 totalmente imunizadas. O público é considerado prioritário nos planos federal e estadual.

Pernambuco é o estado com maior número geral, com 35.767 doses aplicadas, e na terceira colocação está Minas Gerais, com 31.445. Estados mais populosos, como Bahia e Rio de Janeiro, aparecem em 4º e 11º, respectivamente. O total geral de gestantes e puérperas vacinadas no Brasil até o momento é de 267.179 (primeira dose). 

No Paraná, o Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19 inclui as gestantes e puérperas no grupo prioritário de pessoas com comorbidades entre 18 a 59 anos, com 1.328.677 pessoas. Desse total, 499.995 pessoas com comorbidades e 31.876 grávidas/puérperas tomaram a primeira dose, 40% do estimado.

“Gestantes e puérperas são uma grande preocupação do Governo do Paraná em todos os serviços de atenção e cuidados. Além dos dados globais, o Estado saiu na frente na recomendação para vacinação de gestantes e puérperas até 45 dias após o parto, sem comorbidades, com imunizantes que não contenham vetor viral. Fizemos nossa recomendação dez dias antes da recomendação nacional, o que que acelerou a proteção sobre esse público”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Gestantes e puérberas são o 11º grupo prioritário mais vacinado no Paraná até o momento. A maioria têm entre 25 e 29 anos (9.094 doses aplicadas) e 30 e 34 anos (8.548). Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu, São José dos Pinhais e Guarapuava lideram entre as cidades.

VACINAÇÃO NESSE PÚBLICO 

O Paraná começou a imunizar gestantes e puérperas em maio, conforme o fim da imunização nos idosos. No dia 13, no entanto, seguindo recomendação federal, o Estado orientou a interrupção temporária da vacinação contra a Covid-19 em gestantes e puérperas sem comorbidades.

Em Nota Técnica, no dia 11 de junho, no entanto, a Secretaria de Estado da Saúde voltou a incluir todas as gestantes e puérperas até 45 dias após o parto, com a presença ou não de comorbidades, no Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19, utilizando vacinas que não contenham vetor viral, ou seja, Sinovac/Butantan (Coronavac) ou Pfizer/BioNTech (Comirnaty), e respeitando a decisão e autonomia da mulher.

O documento considerou o aumento de óbitos maternos por Covid-19 e a necessidade de imunizar este público com velocidade, especialmente pela segurança que a vacinação garante.

Em 2020, segundo a Sesa, ocorreram 80 óbitos maternos totais (67 declarados no Sistema de Informação sobre Mortalidade e 13 em processo final de análise), sendo que 17 desses foram por Covid-19 (21,2%). Neste ano, até 17 de junho, foram 93 óbitos maternos totais (62 declarados no Sistema de Informação sobre Mortalidade e 31 em processo de análise), sendo 63 por Covid-19 (68%).

“Inúmeras são as ações de Atenção e Vigilância em Saúde com o intuito de diminuir estes números. Dentre elas a imunização das gestantes e puérperas contra a Covid-19. O conhecimento e as experiências adquiridas no decorrer da pandemia nos evidenciam que é preciso continuar a destinar doses para esse público”, disse a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes.

Neste domingo (20), em reunião extraordinária virtual da Câmara Técnica Assessora de Imunizações e Doenças Transmissíveis, o Ministério da Saúde recomendou a vacinação de gestantes e puérperas contra a Covid-19, mesmo sem comorbidades, com vacinas de vírus inativado (Coronavac) ou Plataforma de RNA (Pfizer), medida que já era adotada no Paraná desde 11 de junho.